Opinião

O paradigma da qualidade no ensino superior

No dia 27 de Novembro próximo, irá decorrer, sob a égide da Reitoria, o seminário “Práticas de Qualidade: Resultados no Ensino Superior” que, na sequência de outros com esta temática, é o primeiro organizado no contexto da recém-formada ULisboa, dando, assim, um pontapé de saída à integração das duas estruturas nestes processos de garantia da qualidade.

Para quem a divulgação deste evento passou ao lado, o seminário visa promover a discussão sobre as dificuldades identificadas no processo de implementação das práticas de qualidade, os efeitos na qualidade do ensino e propostas de melhoria neste contexto. Feita esta nota introdutória, devo acrescentar que, isto da política de Garantia da Qualidade, é, tão só e simplesmente, aquilo que todos nós reivindicamos em relação a tudo, uma constante melhoria e valorização de produtos e serviços, neste caso, do ensino superior.

Consumidores ou prestadores, jovens, encarregados de educação, professores, sociedade, País, todos querem ter a garantia do serviço, a garantia do futuro, a garantia do top, a garantia da qualidade. E, numa perspectiva global, é uma inevitabilidade, se queremos o reconhecimento nacional e internacional. A garantia da qualidade no ensino superior é um dos pilares do processo de Bolonha. ENQA, EUA, EURASH e mais umas tantas organizações europeias estabelecem quadros de referência globais e com os quais estamos assumidamente comprometidos. Em 2006 foi constituído o Grupo de Trabalho para a Garantia de Qualidade da UL com representantes de todas as unidades orgânicas e o apoio do Gabinete de Garantia da Qualidade da UL. Este grupo foi a raiz do Conselho da Garantia de Qualidade da UL. Paralelamente foram criadas, nas várias unidades orgânicas, comissões de garantia da qualidade que, ao longo destes anos, e em processos muito heterogéneos, vêm sendo preenchidas com mais ou menos pessoas e com mais ou menos competências explícitas.

Bases, estruturas, gabinetes, agências… na realidade há uma efervescência de processos, workshops, avaliações, acreditações, SWOT. A qualidade no ensino superior está bem instituída e assegurada ou em vias disso. Sem dúvida.

E a qualidade do ensino superior? Não é só semântica… Podem estes processos e actores garantir, efectivamente, a qualidade do ensino superior? Esta perspectiva do todo já é mais controversa e, pelo menos, mais difícil de quantificar. E agora?

A qualidade não deve ser imposta, tem que ser sentida como uma necessidade por cada um de nós. E pode ser só isto. Mas, se queremos que ela seja reconhecida pelos outros, tem que ser visível. Tanto mais visível quanto maior a escala e maior a complexidade. Quero com isto dizer que, não basta ser bom, há que parecer e aparecer! É quase fruto dos tempos e será fatal se assim não for, nesta época de feroz competição e, não menos feroz, marketing.
Sem título
Fonte: stock.xchmg
Legenda: O seminário “Práticas de Qualidade: Resultados no Ensino Superior” acontece a 27 de Novembro e é o primeiro organizado no contexto da recém-formada ULisboa

Aquando da divulgação deste seminário foram solicitados resumos com vista a pequenas comunicações. Muitas contribuições foram enviadas de várias instituições de ensino superior. Exemplo: universidades do Minho, Aveiro, Porto, Nova de Lisboa, de diversas unidades orgânicas como o IST, ISEG, FLUL, etc., até da A3ES. Nenhuma da Faculdade de Ciências.

Não é uma crítica. Também me incluo no pacote. Pretende ser uma informação e um “case study”. Comentário imediato - “estamos sobrecarregados de trabalho”. Sem dúvida, e essa situação contrapõe-se a quaisquer padrões de qualidade. Este poderia então ser um bom tema. Mas também me ocorre uma frase de Benjamin Franklin de que eu gosto particularmente - “Se você deseja um trabalho bem feito, escolha um homem ocupado, os outros não têm tempo”. É preciso agora um trabalho bem feito.

A FCUL tem um historial de excelência a vários níveis e sempre foi sensível aos processos de qualidade. Temos sido pioneiros de muito boas práticas no ensino superior. Uma excelente escola e nós, que cá estamos, sabemos isso. E os alunos também. Os que cá estão e os que já cá estiveram. Mas hoje não chega. Temos que saber responder aos desafios e temos que exportar as nossas mais-valias. Modéstia à parte. Porque agora não se trata de um caso de modéstia, trata-se de rankings, trata-se de competitividade, trata-se, no mínimo, de ter alunos.

A importância do carimbo! Ocorre-me sempre o carimbo que os ovos devem levar para certificação da sua qualidade e entrarem no circuito comercial. É reconhecida a sua importância como garantia da nossa saúde. O que parece contra-senso é a afanosa busca de ovos da quinta da vizinha ou lá da terra, postos sei lá onde e ao arrepio de qualquer análise! Porquê? A explicação é fácil. A fiscalização não incide no todo. Só avalia, por obrigação legal, uma componente. Porque tenho a certeza que, se a certificação respeitasse um referencial adequado, todos escolheríamos o carimbo.

Trata-se de perceber que faz diferença o modo como encaramos o paradigma da qualidade no ensino superior. Saber o que se pode fazer e, principalmente, o que não se deve fazer.

É disso que se trata. E como eu disse, é preciso agora um trabalho bem feito. Procura-se um adequado referencial global para a qualidade real do ensino superior e sabemos bem que, entre uma introdução teórica e os resultados, há muito trabalho árduo e repetido. Seminários como este são imprescindíveis e são o que nós fizermos deles, principalmente porque, no aperto de muitas respostas, se podem fazer muitas perguntas. É um espaço para respirar ideias. Para comparar estratégias, avaliar os resultados e evoluir para práticas no dia-a-dia consistentes com a majoração do bem-estar de docentes, alunos e funcionários, entendido como a realização das expectativas. Uma obra tem que ser discutida por todos os interessados, escolhidos os materiais, amado o design, avaliados os espaços e calculados os riscos pois só assim, como já uma vez disse, se podem construir degraus sólidos e subir ao telhado de uma forma mais estável e segura. É da responsabilidade de todos e é este o objectivo mais importante do seminário.

Nota da redação: Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Manuela Rocha, professora do DQB-FCUL e membro da CAICQ-FCUL

 

Com o intuito de inovar e proporcionar os melhores temas aos alunos da Faculdade de Ciências no que diz respeito às novas tecnologias, a

David Luz e Pedro Machado, investigadores do Centro de Astronomia e Astrofísica da UL, fazem parte de uma equipa de investigadores que ao fim de dois anos conseguiu medir os ventos da atmosfera de Vénus a partir da Terra. Até então, só era possível fazê-lo recorrendo a sondas espaciais.

À semelhança dos anos anteriores o Departamento de Química e Bioquímica vai promover a realização de Ações de Formação para os professores do Ensino Básico e Secundário na modalidade oficina.

Encontram-se abertos concursos para recrutamento postos de trabalho de Professor Auxiliar, nas áreas disciplinares de Meteorologia, de Geofísica, de Engenharia Geográfica e de Oceanografia Física, Astronomia e Astrofísica, constantes do mapa de pessoal docente d

Empresa Outmind trabalha o conceito de marketing sensorial aliado à tecnologia

“Queremos dar a conhecer um novo espaço, uma nova marca, uma nova estratégia para o Tec Labs e também, claramente, incentivar as pessoas a terem uma atitude diferente face ao empreendedorismo”, sublinhou Luís Matos Martins, presidente do Conselho de Administração do Tec Labs.

Imagem alusiva à extração de óleos essenciais

Aquele que é hoje conhecido como o ISEO teve início em setembro de 1969, quando quatro cientistas da área da farmacognosia se reuniram, informalmente, em Leiden, na Holanda, para discutir problemas comuns, relacionados com a análise de óleos essenciais. Docentes/investigadores da FCUL participam, desde 1989, nesse congresso e já o organizaram por duas vezes.

Membros de uma tuna, durante uma atuação

Diário de bordo da nave Esperança. Uma viagem por um dos acontecimentos musicais da comunidade académica com especial tradição…

Pormenor de obra de arte

Invest in our future, invest in science”. A mensagem é clara, concisa e direta. Por um mundo melhor, um grupo de personalidades do Champalimaud Neuroscience Programme lançou recentemente um blogue no qual procuram sensibilizar a comunidade para a importância da ciência nas nossas vidas.

Está aberto concurso, até ao dia 07 de dezembro de 2012, para admissão de voluntários para a prestação de serviço em regime de contrato na Categoria de Oficial Técnico Superior Naval (TSN) e Oficial Técnico Naval (TN).

A sessão de encerramento contou com uma breve troca de ideias acerca dos novos desafios e possibilidades oferecidos pelo software Open Source, em particular, pela cada vez maior procura de formação em Quantum GIS.

Actividade no NanoLab do GeoFCUL

Dinâmica das zonas costeiras: conhecer para gerir

O Microsoft Windows 8 e Microsoft Office 2013 já estão disponiveis para download no seu Perfil de Utilizador (apenas Docentes e Funcionários).

Evolução da Complexidade Celular: Filosofia, Biologia Celular e Simbiose

Palestra no GeoFCUL

 

Paisagens do Mundo. Imagens da Dinâmica da Terra

 

Devido a problemas de software num equipamento (redundante) vai ser necessário realizar uma alteração de firmware num equipamento central de rede.

Não se prevê que uma possivel quebra de serviços, a existir, seja maior do que alguns segundos.

Francisco Eduardo Lapido Loureiro

Faleceu no passado dia 4 deste mês, no Brasil, onde consolidou a sua carreira (Centro de Tecnologia Mineral - CETEM ), que iniciara em Lisboa (FCUL, Junta de Energia Nuclear), França (Universidade de Nancy) e Angola (Universidade e IICT Instituto de Investiga&ccedi

Está aberta uma bolsa de Mérito Social para a área de Suporte ao utilizador para a Unidade de Informática.

A iniciativa pretende reunir especialistas que, através dos seus testemunhos, contribuam para a compreensão da revolução tecnológica pelo qual vão passar as línguas naturais, entre elas o português.

A Unidade de Informática irá fazer a transmissão ao vivo da apresentação do livro "A Língua Portuguesa Na Era Digital" no dia 16 de novembro de 2012 entre as 9h00 e as 13h30 a partir da Fundação Calouste Gulbenki

Conferência por Jorge Carvalho (LNEG) no dia 29 de Novembro, no GeoFCUL

Páginas