Maria José Calhorda agraciada com Prémio Ferreira da Silva 2018 

Maria José Calhorda começou a dar aulas em Ciências ULisboa em 1996

ACI Ciências ULisboa

“Este prémio simboliza o reconhecimento da contribuição para o avanço da Química e do estabelecimento em Portugal de uma escola de químicos computacionais na área de Química Inorgânica e que muito têm contribuído para a visibilidade da área.”
Maria José Calhorda

O Prémio Ferreira da Silva 2018 da Sociedade Portuguesa de Química (SPQ) é atribuído a Maria José Calhorda, professora do Departamento de Química e Bioquímica de Ciências ULisboa, e será entregue durante o XXVI Encontro Nacional da SPQ, a ocorrer no Porto, de 24 a 26 de julho de 2019.

Além deste prémio Maria José Calhorda foi agraciada em 1970 e 1971 com os Prémios Mobil Oil Portugal; com o Estímulo à Ciência do Ministério da Ciência e Ensino Superior, em 2004 e 2005; com o Prémio Alberto Romão Dias da SPQ em 2011 e com o ChemPubSoc Europe Fellows 2016/2017.

Maria José Calhorda começou a dar aulas em Ciências ULisboa em 1996, tendo sido responsável por um grupo com uma vertente experimental e uma vertente computacional. Ao longo da sua carreira também colaborou com grupos nacionais e internacionais. As contribuições mais importantes centram-se na área da Química Organometálica. A docência sempre foi um dos estimulantes pilares da sua atividade, que se pautou por outras funções, como a de vice-presidente e presidente da SPQ.

Soube da atribuição do Prémio Ferreira da Silva 2018, três semanas após a sua jubilação, por isso para já os seus planos estão em construção. "Os planos de curto prazo são deitar fora o papel acumulado em várias décadas de atividade (ao contrário do que possa parecer, a documentação eletrónica é recente), tentar oferecer livros e revistas a alguns interessados, 'fechar' a atividade de investigação e iniciar uma nova fase da vida!", conta Maria José Calhorda.

O Prémio Ferreira da Silva foi instituído em 1981, sendo atribuído bienalmente. Em 2006 foi atribuído a outro docente de Ciências ULisboa - José Artur Martinho Simões.

Maria José Calhorda doutorou-se em 1980, no Instituto Superior Técnico, com uma tese sobre síntese e reatividade de complexos organometálicos de molibdénio, tungsténio e titânio com ligandos azotados. Durante o ano de pós-doutoramento no Inorganic Chemistry Laboratory, da Universidade de Oxford, no Reno Unido, fez a transição de uma aproximação experimental para uma computacional. Interessou-se especialmente pela estrutura eletrónica, propriedades e reatividade de compostos de metais de transição, e na sequência de um ano no Baker Laboratory, na Universidade de Cornell, em Nova Iorque, nos USA, pela reatividade de sólidos e superfícies.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido recentemente, “a química computacional desenvolveu-se extraordinariamente nos últimos anos, podendo estudar-se sistemas cada vez maiores com métodos melhores e resultados obtidos em muito menos tempo. Foi assim possível obter resultados de muito mais confiança.  Por exemplo, no estudo de mecanismos reacionais e catálise envolvendo metais de transição deixou de ser necessário fazer modelos pequenos e truncados, podendo-se abordar sistemas muito mais realistas”.

 

 

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

As provas de doutoramento em Biologia, especialidade de Microbiologia, da Mestre Egídia Maria Valente de Azevedo realizam-se no próximo dia 26 de Abril, pelas 10h:30 na Sala de Actos da

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Páginas