Maria José Calhorda agraciada com Prémio Ferreira da Silva 2018 

Maria José Calhorda começou a dar aulas em Ciências ULisboa em 1996

ACI Ciências ULisboa

“Este prémio simboliza o reconhecimento da contribuição para o avanço da Química e do estabelecimento em Portugal de uma escola de químicos computacionais na área de Química Inorgânica e que muito têm contribuído para a visibilidade da área.”
Maria José Calhorda

O Prémio Ferreira da Silva 2018 da Sociedade Portuguesa de Química (SPQ) é atribuído a Maria José Calhorda, professora do Departamento de Química e Bioquímica de Ciências ULisboa, e será entregue durante o XXVI Encontro Nacional da SPQ, a ocorrer no Porto, de 24 a 26 de julho de 2019.

Além deste prémio Maria José Calhorda foi agraciada em 1970 e 1971 com os Prémios Mobil Oil Portugal; com o Estímulo à Ciência do Ministério da Ciência e Ensino Superior, em 2004 e 2005; com o Prémio Alberto Romão Dias da SPQ em 2011 e com o ChemPubSoc Europe Fellows 2016/2017.

Maria José Calhorda começou a dar aulas em Ciências ULisboa em 1996, tendo sido responsável por um grupo com uma vertente experimental e uma vertente computacional. Ao longo da sua carreira também colaborou com grupos nacionais e internacionais. As contribuições mais importantes centram-se na área da Química Organometálica. A docência sempre foi um dos estimulantes pilares da sua atividade, que se pautou por outras funções, como a de vice-presidente e presidente da SPQ.

Soube da atribuição do Prémio Ferreira da Silva 2018, três semanas após a sua jubilação, por isso para já os seus planos estão em construção. "Os planos de curto prazo são deitar fora o papel acumulado em várias décadas de atividade (ao contrário do que possa parecer, a documentação eletrónica é recente), tentar oferecer livros e revistas a alguns interessados, 'fechar' a atividade de investigação e iniciar uma nova fase da vida!", conta Maria José Calhorda.

O Prémio Ferreira da Silva foi instituído em 1981, sendo atribuído bienalmente. Em 2006 foi atribuído a outro docente de Ciências ULisboa - José Artur Martinho Simões.

Maria José Calhorda doutorou-se em 1980, no Instituto Superior Técnico, com uma tese sobre síntese e reatividade de complexos organometálicos de molibdénio, tungsténio e titânio com ligandos azotados. Durante o ano de pós-doutoramento no Inorganic Chemistry Laboratory, da Universidade de Oxford, no Reno Unido, fez a transição de uma aproximação experimental para uma computacional. Interessou-se especialmente pela estrutura eletrónica, propriedades e reatividade de compostos de metais de transição, e na sequência de um ano no Baker Laboratory, na Universidade de Cornell, em Nova Iorque, nos USA, pela reatividade de sólidos e superfícies.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido recentemente, “a química computacional desenvolveu-se extraordinariamente nos últimos anos, podendo estudar-se sistemas cada vez maiores com métodos melhores e resultados obtidos em muito menos tempo. Foi assim possível obter resultados de muito mais confiança.  Por exemplo, no estudo de mecanismos reacionais e catálise envolvendo metais de transição deixou de ser necessário fazer modelos pequenos e truncados, podendo-se abordar sistemas muito mais realistas”.

 

 

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt