Grande Prémio Ciência Viva 2023

Entrevista com… Maria José Costa

Zita numa sala com livros

Maria José Costa é uma das mais destacadas biólogas marinhas portuguesas, especificamente nas áreas da ecologia de peixes e pescas, biodiversidade marinha, qualidade da água, gestão costeira e avaliação de impacto ambiental

Ciência Viva
Zita

Maria José Costa – ou Zita, como gosta de ser conhecida – é uma das mais destacadas biólogas marinhas portuguesas, especificamente nas áreas da ecologia de peixes e pescas, biodiversidade marinha, qualidade da água, gestão costeira e avaliação de impacto ambiental. Doutorada em 1982 pela Université de Paris, França, e docente universitária desde 1973, é professora catedrática aposentada da Ciências ULisboa e investigadora do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, da mesma faculdade.

Foi vice-presidente do Instituto Nacional de Investigação das Pescas, presidente do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, diretora do Centro de Oceanografia da Ciências ULisboa – que mais tarde viria a integrar o MARE –, membro do Conselho Científico das Ciências do Mar e do Ambiente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e presidente da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais.

Tem mais de 160 publicações em revistas científicas internacionais e publicou vários capítulos em livros científicos, também de carácter internacional. Além do mérito científico, a paixão pelo mar que marca toda a sua carreira académica leva-a a uma generosa partilha de conhecimentos com a sociedade. Zita participa regularmente em iniciativas de divulgação científica e de promoção da literacia do oceano em escolas e Centros Ciência Viva e colaborou entusiasticamente com a Ciência Viva no Verão desde a primeira hora.

Dar a conhecer as espécies da costa portuguesa, sensibilizando o público para a sua preservação tem sido uma das suas bandeiras. Quando a Ciência Viva publicou um guia para o consumo sustentável de espécies marinhas,”As espécies mais populares do mar de Portugal: Num restaurante perto de si”, Zita deu um contributo inestimável para a sua produção e revisão científica. Mais recentemente, “Peixes de Portugal, um impressionante catálogo de divulgação científica com todas as espécies de peixes da costa portuguesa foi outra obra que respondeu ao crescente interesse pelo ambiente marinho, quer de cientistas, quer do público. É sobretudo um atlas ilustrado, que serve de guia científico, mas também de manual de iniciação para alunos e outros interessados. No livro “Estuário do Tejo: onde o rio encontra o mar” dá a conhecer dimensões menos visíveis do estuário do rio Tejo, numa linguagem clara e acessível para sensibilizar os leitores para a sua defesa. Outra importante faceta de Maria José Costa tem sido a sua luta pela promoção da igualdade e participação plena das mulheres cientistas em todos os aspetos da ciência.

É uma das fundadoras da AMONET, Associação Portuguesa de Mulheres Cientistas, a que presidiu, sendo atualmente vice-presidente. E, em 2016, foi uma das 100 cientistas retratadas pela Ciência Viva no livro “Mulheres na Ciência”.Em 2021, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior galardoou a investigadora com uma Medalha de Mérito Científico.

Fonte: Ciência Viva

“Portugal é mais mar que terra”, diz a professora cientista - Maria José Costa – bióloga marinha, nesta curta entrevista a propósito do Grande Prémio Ciência Viva 2023, que lhe é atribuído, pela sua colaboração na disseminação da cultura científica nas áreas da biodiversidade marinha, ambiente e literacia do oceano. Esta é a principal categoria dos Prémios Ciência Viva, que distingue todos os anos personalidades e entidades com intervenções de mérito na divulgação científica e tecnológica. A cerimónia acontece a 24 de novembro, no Dia Nacional da Cultura Científica, pelas 15h00, no Auditório José Mariano Gago do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. A cerimónia é transmitida via streaming através do canal de Youtube do Pavilhão do Conhecimento.

Estava à espera de ser distinguida com este prémio?

Maria José Costa (Zita) - Foi com surpresa que recebi a notícia do prémio que me deixou muito feliz, não estava à espera.

Que planos tem para curto/médio prazo?

Zita - Continuar e finalizar o projeto do Livro vermelho dos peixes marinhos de Portugal, liderado pelo Oceanário de Lisboa e Fundação Oceano Azul.

E continuar a promover as mulheres na ciência como um todo e no mar em particular, pois apesar de as mulheres cientistas serem em grande número, vemos infelizmente que esses números não se refletem nos cargos de topo.

Que ações de promoção da cultura científica devem ser realizadas em Portugal e que fazem mais sentido para si nos tempos que correm?

Zita - É difícil dizer o que devíamos fazer para a ciência e os cientistas terem um papel mais preponderante em Portugal…

Com as dificuldades que a maioria das pessoas sente no seu dia-a-dia, torna -se complicado, mas tudo depende por um lado dos cientistas que têm de ser claros e concisos na mensagem que passam aos jornalistas e divulgadores das ciências, mas também dos políticos, que devem basear as decisões que tomam em pareceres bem fundamentados pelos cientistas.

E deixo a mensagem, de que às vezes não estamos conscientes: Portugal é mais mar que terra.

Prémios Ciência Viva

Estes prémios são atribuídos todos os anos pela Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, de acordo com uma seleção feita pelos representantes das instituições científicas associadas. A cerimónia, enquadrada na Semana da Ciência e da Tecnologia, premeia ainda este ano o Concurso Nacional Jovens Cientistas da Fundação da Juventude, na categoria educação; e Miguel Gonçalves, na categoria media. Nesta edição, também é atribuído um prémio na categoria publicidade, e que distingue o móvel da literatura da Ikea, como melhor campanha de marcas nacionais e internacionais, inspiradas na ciência para criar valor para os seus produtos.

Já foram distinguidos com o Grande Prémio Ciência Viva o editor Guilherme Valente, o geólogo Galopim de Carvalho, o botânico Jorge Paiva, os físicos Manuel Paiva e Carlos Fiolhais, o patologista Manuel Sobrinho Simões, a astrónoma Teresa Lago, o astrofísico Rui Agostinho, o físico Alexandre Quintanilha e os biólogos Maria Amélia Martins-Loução e Nuno Ferrand.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas