Entrevista com Ricardo Rocha

“A ciência em Portugal pode ser mais diversa”

Grande vencedor do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias

Ricardo Rocha com um morcego Phyllostumus hastatus

Oriol Massana

Uma das melhores decisões de Ricardo Rocha foi estudar Biologia em Ciências. Aqui fez amigos e aprendeu. Na entrevista que se segue fica a conhecer o antigo aluno de Ciências, membro do cE3c e investigador pós-doutorado da Universidade de Cambrigde, galardoado com o 1.º lugar do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, lançado este ano pela primeira vez pela Sociedade Portuguesa de Ecologia.

Entrou em Biologia em 2004. Foi a primeira opção, porquê?

Ricardo Rocha (RR) - Na verdade entrei em Biologia em 2003 mas na Universidade da Madeira. Sou natural da ilha e na altura pareceu-me uma boa ideia fazer a licenciatura no arquipélago, uma vez que era lá que queria trabalhar. No entanto, não demorei muito a aperceber-me que para atingir os meus objetivos tinha de expandir os meus horizontes e foi aí que decidi pedir transferência para a FCUL. Foi sem dúvida uma das melhores decisões que já tomei!

Como foi estudar na FCUL?

RR - Foi muito enriquecedor. Fiz grandes amigos e aprendi imenso. Acho que teria sido difícil ter escolhido um melhor lugar para estudar Biologia em Portugal.

Que aulas é que recorda com especial entusiasmo?

RR - As que envolveram trabalho de campo! Recordo-me com particular carinho das saídas de campo ao Parque Natural de Doñana quando estava no 1.º ano e ao Parque Natural de Monfragüe quando estava no 3.º. Outra saída de campo muito marcante foi à Reserva Natural das Berlengas, com a cadeira de Ecologia Terrestre – foram sete dias de trabalho de campo na ilha, adorei!

E professores e colegas… Quer fazer referência a alguém que tenha sido especialmente importante no seu percurso académico?

RR - Foram muitas as pessoas que marcaram a minha passagem pela FCUL. O Professor Jorge Palmeirim (que acabou por ser um dos meus orientadores de doutoramento) foi sem dúvida aquele que mais influenciou o meu percurso durante a licenciatura. Ouvir as suas histórias sobre trabalho de campo em lugares exóticos em muito reforçou a minha vontade de seguir conservação/ecologia tropical. Mais recentemente, o meu orientador principal de doutoramento, Christoph Meyer, foi de uma enorme importância e o mesmo se aplica ao meu colega de doutoramento: Adrià López-Baucells. Quase todo o meu trabalho de campo de doutoramento (mais de dois anos na Amazónia brasileira) foi realizado com o Adrià. Ambos partilhamos a mesma paixão pela natureza, pela ciência e pela história natural. O Adrià tem sido uma enorme inspiração e apoio. Espero que todos tenham a sorte de encontrar um tão bom colega e amigo. Eu estou seguro que não poderia ter encontrado melhor pessoa com quem partilhar o doutoramento!


Ricardo Rocha com Adrià López-Baucells e um morcego Lasiurus egregius
Fonte Oriol Massana Valeriano

Qual o motivo para escolher o doutoramento em Biologia – especialização Biologia da Conservação?

RR - Quando tinha sete anos recebi um livro sobre lobos-marinhos (nome dado às focas monge na Madeira). O livro contava a história da quase extinção da espécie no arquipélago. Desde então queria trabalhar com animais, na prática não queria que desaparecessem. O doutoramento em Conservação sempre foi o objetivo, a dúvida era onde e com o quê, acabou por ser na FCUL e com morcegos amazónicos.

Quais foram os melhores momentos desse período?

RR - Os melhores momentos foram os trabalhos de campo. Os sons da Amazónia, a imensidão da floresta, a descoberta da rica biodiversidade. Foi um período mágico.

Como ultrapassou as dificuldades, caso tenham existido?

RR - Tal como muitos amigos meus, que fizeram doutoramento, tive uma fase menos boa quando estava a chegar ao último ano de doutoramento e vi que os anos tinham passado e que não tinha publicações científicas que refletissem o trabalho feito até então. Os níveis de stress andaram bem altos – noites praticamente sem dormir, etc.. Felizmente tive a brilhante ideia de tirar uma semana para ajudar uma colega no campo, foi a melhor terapia. Além disso ter um colega de doutoramento como Adrià e orientadores bastante disponíveis em muito ajudou a ultrapassar as dificuldades.

Quanto ao prémio da SPECO que acaba de receber, ficou surpreendido. O que sentiu com tal distinção?

RR - Como não poderia deixar de ser senti-me super feliz e muito honrado. É sempre bom ver o trabalho reconhecido e fiquei particularmente contente pela possibilidade de poder partilhar esta distinção com os meus orientadores e colegas de projeto. Embora o doutoramento seja individual, o projeto no qual estava inserido foi um esforço conjunto e muitas pessoas contribuíram para o sucesso do mesmo.

Além disso acho que o prémio é importante por uma outra razão. Foram muito poucos os cientistas portugueses negros com quem me cruzei enquanto estudava. Ter conseguido este prémio é sem sombra de dúvidas uma mais-valia para o meu CV mas espero acima de tudo que mostre que a ciência em Portugal pode ser mais diversa. Em muito se fala na importância da diversidade de género e no quão importante é ter cientistas do sexo feminino que sirvam de inspiração a jovens investigadoras. No meu ver o mesmo se aplica às comunidades afro-europeias (onde eu me insiro) e aos outros grupos menos representados na nossa sociedade.

Atualmente, é investigador na Universidade de Cambridge e também colabora com o cE3c. Conte-nos o que está a fazer neste momento?

RR - Atualmente estou a fazer um pós-doutoramento no projeto “Conservation Evidence” que visa avaliar quais as intervenções que são mais benéficas para a conservação da biodiversidade. Trabalhamos com todos os grupos taxonómicos em todos os habitats – é um projeto enorme. Além disso eu e o Adrià estamos a trabalhar com morcegos em Madagáscar e no Quénia. Recentemente começamos a colaborar com outro nosso colega, Diogo Ferreira, com morcegos dos Camarões e Guiné Equatorial.

Por fim, para si o melhor da ciência é?…

RR - Abrir uma janela para o mundo natural.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
2.º lugar para Alice Nunes
Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ)

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas