CEAUL participa em projeto de identificação e caraterização de cetáceos

Monitorização em Portugal

Golfinhos

Uma equipa multidisciplinar, que inclui membros do CEAUL, vai monitorizar comunidades de baleias e golfinhos ao longo da costa portuguesa

cedida por PF

Que espécies de cetáceos existem nas águas costeiras de Portugal continental? Onde vivem? Como se comportam? Como é possível protegê-las? Estas são algumas das questões a que um grupo de investigadores vai dar reposta no estudo “Monitorização de Cetáceos em Portugal”.

A equipa que leva a cabo o estudo é composta por elementos do Centro de Estudos Oceanográficos do Atlântico Norte (CEOAN), do Centro de Investigação Oceanográfico de Sagres (CIOS), do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL), do Instituto Politécnico de Leiria (IPL), com o apoio do município de Esposende e da Galp.

“O CEAUL vai estar envolvido no delineamento amostral, o que permite garantir que quando for a altura de analisar os dados estes foram recolhidos de forma a que as inferências a realizar sejam válidas, face aos objetivos propostos. Depois de recolhidos os dados, o CEAUL estará também envolvido na coordenação da análise dos dados, de forma a transformar em informação útil e que possa ser tida em conta nos processos de decisão os dados que vão ser recolhidos durante o projeto”, explica Tiago Marques, investigador do CEAUL.

Caso o projeto seja financiado, Bárbara Matos, que participa no programa doutoral em Biodiversidade, Genética e Evolução (BIODIV), vai dar apoio ao projeto no campo, assim como na análise de dados e posterior escrita de artigos para jornais científicos, entre outros.

De acordo com o biólogo marinho Pedro Finamore, responsável pelo projeto, CEOAN, “os estudos relacionados com a diversidade e abundância de cetáceos são escassos”, alertando ainda para  “as dificuldades logísticas e falta de recursos e especialistas”, o que torna difícil a a efetivação de medidas de conservação. É por isso que, como explica, é necessário questionar “se a extensão atual das áreas protegidas em Portugal continental satisfaz as necessidades das comunidades de cetáceos presentes nestas águas e se a utilização preferencial do espaço por parte destes animais está contemplada na delimitação das zonas de proteção especial”.

Há, por isso, a necessidade de desenvolver um estudo de monitorização de cetáceos ao longo da toda a costa portuguesa continental até 25 milhas ao largo.

“A monitorização das comunidades de cetáceos ao longo da costa de Portugal permitirá a recolha de dados de base de forma a poder determinar as regiões chave presentes na nossa costa para as respetivas espécies e assim ter os alicerces para propor e validar a implementação de áreas marinhas protegidas.” Pedro Finamore

O projeto permitirá desenvolver equipamentos de monitorização acústica passiva; fazer uma estimativa da diversidade, distribuição e abundância de cetáceos nas águas costeiras de Portugal continental (mediante a edição de um atlas e de um catálogo de fotos), treinar e formar biólogos marinhos. Tudo isto está previsto acontecer nos próximos dois anos.

Para os estudos efetuados no mar, estão previstas embarcações à vela para as viagens, dando o exemplo de boas práticas de exploração do meio ambiente.

O projeto candidatou-se em março de 2018 a um apoio do Fundo Azul, integrado no Portugal 2020, que tem por finalidade “o desenvolvimento da Economia do Mar, a investigação científica e tecnológica, a proteção e monitorização do meio marinho e a segurança marítima, através da criação ou do reforço de mecanismos de financiamento de entidades, atividades ou projetos que cumpram os diversos objetivos”. Mas mesmo que a candidatura não seja aprovada, a equipa está a trabalhar para viabilizar o programa de monitorização fora desse âmbito. A par desta candidatura, foi ainda submetida uma candidatura ao Fundo para a Conservação dos Oceanos, da Fundação Oceano Azul, com o intuito de complementar o projeto com mais ações de divulgação, como por exemplo, uma exposição de mamíferos marinhos.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Cientista Ana Russo Regressa à Escola

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas