Artigo da Weather and Climate Extremes analisa ondas de calor da Península Ibérica em agosto de 2018 e junho de 2019

Intrusões de ar com origem no norte de África

Mecanismo relevante para explicar temperaturas extremas

Ondas de calor de 1 a 7 de agosto de 2018 (à esquerda) e de 24 a 30 de junho de 2019 (à direita). As cores indicam o número de dias com intrusão de massa de ar quente proveniente do norte de África. Os pontos a negro identificam as regiões que, pela primeira vez (pelo menos desde 1948), foram afetadas por uma massa de ar com essas características

Ondas de calor de 1 a 7 de agosto de 2018 (à esquerda) e de 24 a 30 de junho de 2019 (à direita)

Imagem cedida por IDL Ciências ULisboa

Um grupo de investigadores descobriu que as intrusões de massas de ar provenientes do Saara aumentaram de frequência, particularmente desde meados da década de 1970, concluindo ainda que estes fenómenos atingem latitudes cada vez mais a norte no espaço europeu. O grupo integra investigadores de Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz, entre outras instituições portuguesas e estrangeiras.

Os cientistas analisaram os episódios de onda de calor que afetaram a parte ocidental da Península Ibérica em agosto de 2018 e a oriental em junho de 2019, assim como a evolução das intrusões de ar saariano nos meses de verão na Península Ibérica, utilizando dados desde 1948.

Saharan air intrusions as a relevant mechanism for Iberian heatwaves: The record breaking events of August 2018 and June 2019” da autoria de Pedro M. Sousa, David Barriopedro, Alexandre M. Ramos, Ricardo García-Herrera, Fátima Espírito-Santo e Ricardo M. Trigo está disponível online desde 14 de setembro e será publicado no volume 26, do próximo mês de dezembro, da revista Weather and Climate Extremes.

Pedro M Sousa
Pedro M. Sousa é o primeiro autor deste artigo disponível online e que será publicado no volume 26, do próximo mês de dezembro, da revista Weather and Climate Extremes
Imagem cedida por PMS

Pedro M. Sousa, investigador do polo de Ciências ULisboa do Instituto Dom Luiz, é o primeiro autor deste artigo. O jovem cientista, antigo aluno de Ciências ULisboa, concluiu a licenciatura e o mestrado em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica, e o doutoramento em Ciências Geofísicas e da Geoinformação, tendo sido orientado por Ricardo M. Trigo, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e por David Barriopedro, do Instituto de Geociencias do Consejo Superior de Investigaciones Científicas da Universidad Complutense Madrid, em Espanha.

Estas intrusões de ar com origem no norte de África representam um fenómeno bastante relevante no contexto do clima da Península Ibérica, uma vez que são frequentemente associadas a ondas de calor.

O trabalho mostra o aumento da frequência e severidade de um dos principais mecanismos responsáveis pela ocorrência das ondas de calor, fenómeno associado a grandes impactos na saúde pública, incêndios florestais ou gestão de secas. Este incremento na frequência das ondas de calor está perfeitamente alinhado com as projeções de aquecimento global indicadas pelos relatórios do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC).

O artigo analisa os episódios de ondas de calor que afetaram a região oeste da Península Ibérica (particularmente Portugal) em agosto de 2018 e também a região leste da Península em junho de 2019. Ambos os eventos foram associados a intrusões de ar provenientes do norte de África. No primeiro caso, a massa de ar com características desérticas penetrou pelo oeste peninsular, chegando à província da Galiza, algo totalmente inédito até essa ocasião. Simultaneamente, muitos recordes absolutos de temperatura máxima foram quebrados em Portugal continental, com valores na casa dos 44C na região de Lisboa.

Durante a mega onda de calor ocorrida na Europa no final do mês de junho de 2019, o ar de origem africana atravessou a zona leste da Península Ibérica, tendo chegado a atingir grande parte da Europa central, apresentando um novo recorde absoluto de extensão para norte. Este evento causou temperaturas extremas que se estenderam do Mediterrâneo espanhol ao sul da Alemanha, tendo sido registadas temperaturas superiores a 45C em França pela primeira vez, excedendo em muitos casos os registros de temperatura deixados pela famosa onda de calor de 2003.

Nota da redação referente à legenda da figura: As cores indicam o número de dias com intrusão de massa de ar quente proveniente do norte de África. Os pontos a negro identificam as regiões que, pela primeira vez (pelo menos desde 1948), foram afetadas por uma massa de ar com essas características.

ACI com IDL Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas