Opinião

Nova revista da Nature dedicada ao oceano

oceano, areia, palmeiras e barcos

A nova revista da Nature Ocean Sustainability lançou o seu primeiro número este mês liderada por Catarina Frazão Santos, investigadora e docente do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e do MARE

Vasco Pissarra
Catarina Frazão Santos
Catarina Frazão Santos
Imagem cedida por CFS

Foi publicada este mês a primeira edição da nova revista da Nature, npj Ocean Sustainability. Esta é uma revista científica interdisciplinar, de acesso aberto, que tem por objetivo providenciar um fórum único de discussão, partilha de informação e identificação de soluções para suportar a sustentabilidade do oceano.

O editorial de abertura, intitulado “A sustainable ocean for all” é assinado pelo corpo editorial da revista – um conjunto de especialistas e cientistas internacionais, peritos em diversas áreas de conhecimento relacionadas com o oceano, e provenientes de diferentes instituições e países (e.g., Stanford University, University of Tasmania, University of West Indies, University of Santa Catarina, International Union for Conservation of Nature).

A revista npj Ocean Sustainability tem um cariz fortemente interdisciplinar, reconhecendo a multiplicidade de visões existentes sobre um oceano sustentável. Assim, acolhe de igual forma as ciências naturais e sociais – da ecologia marinha aos estudos indígenas; das ciências jurídicas, políticas e administrativas às ciências médicas, às artes e às humanidades. Reconhece também que enquanto o oceano é “um” do ponto de vista biofísico, existe uma “pluralidade” de valores e relações entre os seres humanos e o oceano, em resultado de múltiplas especificidades geográficas e históricas, que têm de ser tidos em conta.

De facto, a relação entre o oceano e os seres humanos é profunda e complexa. O oceano engloba 71% da superfície do planeta, bem como 95% da biosfera, e providencia um conjunto de bens e serviços dos quais dependemos. Ao mesmo tempo, o oceano está cada vez mais exposto a impactos e pressões humanas. As alterações climáticas, a sobreexploração de recursos marinhos, e a poluição marinha são alguns dos factores que condicionam a saúde do oceano, afetando a sua capacidade de suportar sistemas socio-ecológicos resilientes e saudáveis. Assegurar um oceano sustentável é não apenas essencial, mas uma “responsabilidade coletiva da humanidade”1.

Esta necessidade encontra-se agora firmemente reconhecida na agenda política e económica internacional. Entrámos recentemente na Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030)2. Estamos a meio caminho no calendário para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas, que inclui o ODS 14, “Proteger a Vida Marinha”, com as suas metas para a conservação e uso sustentável do oceano3. A importância do nexo oceano-clima tornou-se amplamente reconhecida nos últimos anos, com o papel das soluções de mitigação e adaptação baseadas no oceano a ser identificado como fundamental para alcançar o Acordo de Paris4. Ao abrigo da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), estão quase concluídas as negociações relativas a um instrumento internacional juridicamente vinculativo sobre a conservação e utilização sustentável da biodiversidade marinha em áreas fora da jurisdição nacional (BBNJ)5. A Organização Mundial do Comércio acaba de assegurar um novo Acordo que proíbe subsídios prejudiciais à pesca para ajudar a proteger os recursos marinhos e as inúmeras comunidades humanas que deles dependem6.

À luz de toda esta atenção, a segunda Conferência do Oceano das Nações Unidas7, que se realizou recentemente em Lisboa, foi palco de inúmeros compromissos e promessas centrados na expansão de ações alicerçadas na ciência e na inovação para apoiar a implementação do ODS 14, bem como de muitos dos outros ODS.

Primeira e futuras edições

Em conformidade com este impulso global relativo a discussões sobre a sustentabilidade do oceano, foi lançada a primeira edição da revista npj Ocean Sustainability. Esta edição inclui três artigos, representativos da natureza transdisciplinar e do foco em soluções práticas pretendidos para a revista.

A edição começa com um comentário sobre iniciativas locais de gestão marinha e defensores dos oceanos, iniciativas estas que tendem a receber um reconhecimento e apoio insuficientes. O artigo identifica cinco recomendações para inverter essa tendência. De seguida, um artigo de revisão sobre o papel da equidade social na governação do oceano apresenta uma abordagem para apoiar a operacionalização consistente de questões de equidade, bem como avaliar o seu progresso. Um segundo artigo de revisão fecha este primeiro número, destacando os impactos ecológicos da produção de energia eólica offshore. Nos próximos anos verificar-se-á um aumento potencial na produção de energia do oceano, devido não só à necessidade de descarbonização e mitigação das alterações climáticas, mas também à crescente necessidade de independência energética de diferentes países.

Para o futuro, a revista npj Ocean Sustainability está particularmente interessada em investigação que incida sobre as interligações existentes entre ciência, política e prática, bem como abordagens sistemáticas, soluções transformativas, e inovação para suportar a sustentabilidade do oceano a múltiplos níveis. Uma vez que a revista procura contribuir para o desenvolvimento inclusivo de conhecimento sobre o oceano, são incentivadas submissões provenientes de qualquer área disciplinar (ou combinação de áreas), desde que sejam cumpridos os padrões académicos da área e a investigação esteja claramente alinhada com a sustentabilidade do oceano.

É, assim, fortemente incentivada a submissão de comentários, perspetivas críticas, artigos de revisão, e artigos de investigação originais, teóricos e empíricos, desde estudos de caso até meta-análises, abordando uma vasta gama de tópicos, as suas dimensões políticas, e a identificação de soluções potenciais para questões identificadas. É também de grande interesse para a revista a investigação relacionada com a Agenda 2030 das Nações Unidas, particularmente com o ODS 14, mas também com as suas interligações com outros ODS. A revista acolhe favoravelmente a investigação de nível local e global; do alto mar às interações terra mar; de todas as bacias oceânicas, estados costeiros e, particularmente, pequenos Estados insulares (também referidos como grandes Estados oceânicos).

Com um corpo editorial diversificado e internacional, a revista continuará a procurar e a acolher potenciais membros para a equipa editorial provenientes de diversas regiões – e.g., Ásia, América Central e do Sul, Pacífico, África, Médio Oriente.

Numa altura em que o oceano está simultaneamente fortemente ameaçado e reconhecido como essencial para o bem-estar humano, a identificação de soluções sustentáveis e caminhos para o progresso baseados na melhor ciência e conhecimento é fundamental.

O editorial de abertura, bem como a primeira edição da revista podem ser consultados na íntegra (acesso aberto) em: www.nature.com/npjoceansustain/.

Nota da redação: A revista npj Ocean Sustainability é liderada por Catarina Frazão Santos, editora-chefe, convidada em setembro de 2021 para fundar a revista, criar os objetivos e visão para a mesma, e estabelecer o corpo editorial de especialistas. Bióloga marinha de formação, especializou-se em ordenamento do espaço marinho e políticas do mar, trabalhando como especialista internacional na área. É investigadora e docente do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

1 The Human Relationship with Our Ocean Planet. https://oursharedseas.com/wp-content/uploads/2020/10/Allison-et-al.-The-Human-Relationship-with-Our-Ocean-Planet.pdf (2020).

2 The United Nations Decade of Ocean Science for Sustainable Development (2021–2030). https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000261962 (2021).

3 The United Nations. Transforming Our World: The 2030 Agenda for Sustainable Development. https://sdgs.un.org/2030agenda (2015).

4 Glasgow Climate Pact. https://unfccc.int/sites/default/files/resource/cma2021_10_add1_adv.pdf (2021).

5 Intergovernmental Conference on Marine Biodiversity of Areas Beyond National Jurisdiction. https://www.un.org/bbnj/ (2022).

6 Agreement on Fisheries Subsidies. https://www.wto.org/english/tratop_e/rulesneg_e/fish_e/fish_e.htm (2022).

7 The United Nations Ocean Conference. https://www.un.org/en/conferences/ocean2022 (2022).

Catarina Frazão Santos, editora-chefe da revista npj Ocean Sustainability
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
abelha mumificada

Um novo estudo publicado na revista internacional Papers in Paleontology dá conta da descoberta de centenas de abelhas mumificadas no interior dos seus casulos, num novo sítio paleontológico descoberto no litoral de Odemira.

mural

Há um novo mural no campus da Faculdade, para apreciar junto à FCULresta, que celebra os dois anos corridos desde a primeira semente lançada. "Só em Portugal, inspirados também pela FCULresta, foram criados ou melhorados um total de 6 espaços verdes resilientes" escrevem os responsáveis pelo projeto, neste artigo de opinião sobre a minifloresta. 

ratinho ruivo

O ratinho-ruivo (Mus spretus) aprende a identificar que novos alimentos é seguro incluir na sua alimentação através do cheiro presente no hálito de outros ratinhos da sua espécie, segundo o artigo “Interaction time with conspecifics induces food preference or aversion in the wild Algerian mouse”, da autoria das cientistas Rita S. Andrade, Ana M. Cerveira, Maria da Luz Mathias e Susana A. M. Varela, publicado em agosto na revista Behavioural Processes.

vista de uma ilha para outra (Açores)

O Prémio Frederico Machado 2022-2023, o primeiro de índole científica a ser atribuído nos Açores, foi ganho pelas equipas lideradas por Mariana Andrade, aluna da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), na área das Geociências, e por Pedro Afonso, investigador do Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores (OKEANOS), na área das Ciências do Mar.

plantas com QR code do Relatório de Sustentabilidade

O primeiro Relatório de Sustentabilidade da Ciências ULisboa resulta da monitorização e análise de um conjunto de atividades enquadradas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre 2019 e 2021.

banner do evento

A EUPVSEC 2023 realiza-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica. 

copa das arvores vista de baixo

Já são conhecidos os três vencedores da edição de 2023 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias, um prémio da Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO) e da Fundação Amadeu Dias que procura valorizar o trabalho de recém doutorados ao longo do seu programa doutoral. No pódio estão duas alumnae da Ciências ULisboa.

apresentação do livro

Foi concluído recentemente o projeto “Aqua – O uso eficiente da água nos jardins da idade moderna”, um trabalho interdisciplinar que cruza as áreas da História da Ciência, a Engenharia Hidráulica e a Arquitetura Paisagista.

uma rapariga e um rapaz

Todos os anos a Faculdade atribui diplomas e prémios de mérito académico aos seus estudantes, com o apoio de várias entidades e empresas, que valorizam a missão da Faculdade e que passa por investigar, ensinar e estimular a transferência do conhecimento e da inovação e a abertura à sociedade civil.

Exoplaneta e núvens

A Agência Espacial Europeia validou o desenho dos instrumentos científicos da missão Ariel, que conta com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. A missão vai observar a composição química de mil planetas em órbita de outras estrelas, e transformar a compreensão sobre como se formam e evoluem os sistemas planetários.

foto de grupo

No passado dia 26 de julho o Tec Labs - Centro de Inovação recebeu a visita de uma comitiva de representantes da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Brasil, com o objetivo de conhecer em profundidade o ecossistema de empreendedorismo e inovação nacional e os seus principais stakeholders.

árvores no campus da Faculdade

Ciências ULisboa vai implementar no ano letivo de 2023/2024 o projeto “Ciências em Harmonia”. Comprometida com o bem-estar da sua comunidade estudantil e a promoção de competências individuais e sociais dos seus estudantes, a Faculdade vai procurar dar resposta a uma preocupação: a do bem-estar no ensino superior, envolvendo toda a comunidade académica na celebração da diversidade e promoção de inclusão. As atividades têm início já em setembro e vão prolongar-se durante todo o ano letivo.

logotipo do CWTS

ranking de Leiden, que avalia a produção científica de instituições de ensino superior a nível mundial, posicionou a ULisboa na liderança da Península Ibérica, colocando-a na 28.ª posição na Europa e no 131.º lugar a nível mundial.

enguia

No dia 26 julho, pelas 16h00, decorrerá na Ciências ULisboa a sessão de encerramento do projeto “Livro Vermelho e Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental”. O novo Livro Vermelho revela que os peixes de água doce e migradores diádromos se encontram numa situação preocupante.

3 raparigas a apontarem para um ecrã num laboratório

Acontece este ano mais uma edição do “Ser Cientista”. A 8.ª edição do programa, que decorre entre os próximos dias 24 e 28 de julho, visa proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica, pela integração no dia-a-dia dos cientistas de diferentes áreas de Ciências.

António Costa, Elvira Fortunato e Salomé Pais

Salomé Pais foi galardoada com a Medalha de Mérito Científico 2023, durante o Encontro com a Ciência e a Tecnologia em Portugal, decorrido no início de julho em Aveiro. Para a professora catedrática aposentada do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa esta distinção “simboliza o reconhecimento de uma vida dedicada à ciência”.

imagem de divulgação da exposição Mirabilia

É hoje inaugurada a exposição Mirabilia “Coisas Admiráveis”, que decorre no âmbito das comemorações dos 10 anos da ULisboa e do Dia da Universidade de Lisboa. A exposição integra objetos “admiráveis” das 18 escolas da ULisboa, entre eles um telescópio utilizado por um equipa da Ciências ULisboa na campanha internacional de observação “Venus Twilight Experiment”.

costa maritima

Carlos Antunes, foi nomeado vogal de reconhecido mérito da Comissão de Domínio Público Marítimo, um órgão consultivo da Autoridade Marítima Nacional que estuda e emite pareceres sobre os assuntos relativos à utilização, manutenção e defesa do domínio público marítimo.

Šima Krtalić

Šima Krtalić, aluna de doutoramento da Ciências ULisboa, afiliada ao projeto Medea-Chart, ganhou recentemente a décima edição do prémio "Imago Mundi" 2023 da referida revista académica, destinado a homenagear o melhor artigo em História da Cartografia.

Várias pessoas num sala

Ciências ULisboa participou na 3.ª edição do roadshow EA-IDEIA - Estrutura de Acompanhamento da Investigação, Desenvolvimento, Experimentação e Inovação da Armada, organizado pela Marinha Portuguesa.

Pedro Machado

Pedro Machado, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e professor da Ciências ULisboa, foi homenageado pelo Grupo de Trabalho para a Nomenclatura de Pequenos Corpos (WGSBN) da União Astronómica Internacional (IAU), com a atribuição do seu nome a um asteroide, que tem quase três quilómetros de diâmetro e demora quatro anos e meio a dar uma volta ao Sol.

ave a voar em cima do mar

Um novo estudo internacional sobre a análise do risco de exposição ao plástico por aves marinhas identifica o Mediterrâneo como a região de maior risco a nível global. O artigo foi publicado na revista científica Nature Communications e conta com 18 cientistas portugueses, entre eles quatro investigadores da Ciências ULisboa.

foto dos tres finalistas

Filipa Rocha, estudante de doutoramento na Ciências ULisboa, alcançou o 2.º lugar do Prémio Jovens Inventores 2023, atribuído pelo Instituto Europeu de Patentes. O prémio corresponde a um valor pecuniário de dez mil euros. A cerimónia de entrega de prémios decorreu esta manhã, em Valência, Espanha.

fotografia de grupo

Foi assinado um protocolo de cooperação entre Ciências ULisboa, a FCiências.ID, o cE3c e a empresa dinamarquesa Copenhagen Infrastructure Partners, que visa a investigação e mitigação dos impactos da exploração eólica offshore ao largo da Figueira da Foz.

Logotipo da ACL

Cristina Branquinho e Isabel Trigo foram eleitas em 2023 respetivamente sócias correspondentes nacionais da Classe de Ciências -  Ciências Biológicas e Ciências da Terra e do Espaço – da Academia das Ciências de Lisboa (ACL).

Páginas