Galáxias gigantes crescem por “canibalismo”

Concentrando a sua pesquisa nos ténues detalhes a grandes distâncias do centro galáctico, Fernando Buitrago e a sua equipa trabalharam com a mais profunda imagem do Universo alguma vez feita, o Hubble Ultra Deep Field (HUDF)

NASA, ESA, e S. Beckwith (STScI) com a equipa do HUDF

Fernando Buitrago é doutorado pela Universidade de Nottingham, no Reino Unido, com uma tese sobre as galáxias mais massivas. Estudou nas universidades de Salamanca, de La Laguna e no Instituto de Astrofísica de Canarias tendo sido investigador na Universidade de Edimburgo e no Observatório Real de Edimburgo. Atualmente é investigador no IA e leciona Física Extragaláctica em Ciências. Este sábado, 25 de fevereiro, é o orador da palestra “Mitos e Lendas na Astronomia”, que sucede no Planetário Calouste Gulbenkian – Centro Ciência Viva.

Qual o principal fator que provocou o crescimento das regiões exteriores das galáxias elípticas na época mais recente do Universo? Esta pergunta motivou a investigação liderada por Fernando Buitrago, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e professor convidado do Departamento de Física de Ciências, dando origem ao mais detalhado estudo publicado online em janeiro na Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Segundo o comunicado de imprensa emitido pelo IA, “The cosmic assembly of stellar haloes in massive early-type Galaxies” contribui para a compreensão de como as maiores galáxias do Universo evoluíram no tempo.

O artigo é da autoria de Fernando Buitrago, Ignacio Trujillo, Emma Curtis-Lake, Mireia Montes, Andrew P. Cooper, Victoria A. Bruce, Pablo G. Pérez-González e Michele Cirasuolo.

As galáxias cresceram dramaticamente em tamanho desde o Universo primordial, e as galáxias elípticas, em particular, são as maiores galáxias, tanto em tamanho como em massa. Para as galáxias de disco, como a Via Láctea, os astrónomos conseguem afirmar que as regiões exteriores, designadas por halo estelar, são formadas sobretudo por estrelas de galáxias satélite que foram engolidas por aquela.

Já em relação às galáxias elípticas, Fernando Buitrago diz: “existem evidências diretas de que estão a decorrer fusões de galáxias satélite, mas é difícil assegurar que os processos que levaram ao crescimento das suas regiões exteriores são os mesmos que vemos a acontecer em galáxias de disco, como a nossa.”


Fernando Buitrago
Fonte IA

 

O próximo passo de Fernando Buitrago será compreender porque as galáxias mais massivas na região do Universo, onde está a Via Láctea, são sobretudo elípticas e não galáxias de disco. Este trabalho relaciona-se também com a tese de doutoramento em Astronomia e Astrofísica de Sandra Reis, orientada por Fernando Buitrago. Sandra Reis também estuda as galáxias elípticas massivas e procura saber como separar a região central antiga, das suas camadas periféricas formadas pela fusão de galáxias mais pequenas.

Fernando Buitrago e a sua equipa lançaram-se na investigação da natureza das periferias de um conjunto de galáxias elípticas massivas de quando o Universo tinha metade da sua idade atual, há cerca de 6,2 mil milhões de anos.

Os astrónomos conseguiram demonstrar pela primeira vez a existência de extensos envelopes estelares em galáxias com estas características, concluindo que para este conjunto de galáxias, as regiões exteriores foram formadas devido à fusão de outras galáxias, tal como nas galáxias de disco. Neste estudo tentaram ainda identificar nesses halos alguns traços de episódios recentes de fusão galáctica.

Sérgio Pereira, Grupo de Comunicação de Ciência do IA com ACI Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

“O meu destino já não é um lugar, mas sim uma nova forma de ver.”
Marcel Proust

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

O minhocário será usado para investigar o processo de vermicompostagem, numa experiência piloto em parceria com o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Área de Serviços Técnicos de Ciências e com o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c).

Há um mineral peculiar que pode ajudar a desvendar o contributo do vulcanismo de Decão sobre a extinção em massa e a morte dos dinossauros: a akaganéite. Os resultados do estudo foram publicados na Nature Scientific Reports.

Ciências participa com mais de 30 de atividades de divulgação de ciência, espalhadas por Lisboa, Lousal e até na ilha Terceira.

O primeiro Dia Internacional do Microrganismo foi celebrado a 17 de setembro, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, numa iniciativa conjunta da Sociedade Portuguesa de Microbiologia, Ordem dos Biólogos, Ciência Viva e Comissão Nacional da UNESCO.

Desde 1971 que a guerra está aberta, mas o combate tem sido difícil. Por um lado, não temos só uma doença, e o que já conhecemos não tem chegado para estarmos contentes.

Um novo estudo liderado por Ciências encontrou grandes quantidades de fibras artificiais no estuário do Tejo e em zonas costeiras da África Ocidental, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta segunda-feira.

Falta pouco para a Faculdade voltar a ser homenageada com a atribuição de mais duas insígnias de professores eméritos a dois dos seus docentes aposentados.

Zbigniew Kotowicz, investigador e membro integrado do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 67 anos, no dia 21 de setembro de 2017.

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Agora que terminaste o ensino secundário e estás prestes a iniciar esta nova etapa, vários vão ser os desafios pessoais e académicos que vais enfrentar.

O "MOONS Science Consortium Meeting" termina esta quarta-feira, dia 13 de setembro, após dois dias de reuniões. O encontro "à porta fechada" decorre no campus de Ciências e visa consolidar os casos científicos e discutir as estratégias de observação do espectrógrafo, cuja fase de construção arranca agora.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Sandra Crespo, assistente técnico do Departamento de Informática de Ciências.

Ciências preencheu 99,9% das suas vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior, a taxa mais elevada desde que há registo.

No dia 14 de setembro, pelas 17h30, a arqueóloga Lídia Fernandes vai falar sobre o chão, no MUHNAC-ULisboa, em mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência.

Maria de Deus Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) e investigadora do Centro de Química e Bioquímica de Ciências, faleceu aos 53 anos, no dia 5 de setembro de 2017.

As Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra ocorreram nos dias 29 e 30 de agosto, em Nice, na Côte d'Azur, em França. Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do ensino secundário português voltaram a conquistar medalhas.

Páginas