Entrevista a Pedro Mocho

Pedro Mocho

Pedro Mocho frequentou o curso de Geologia em Ciências ULisboa

Imagem cedida por PM

Pedro Mocho lidera o estudo que identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi. Geologia sempre foi a sua paixão. Nos próximos seis anos continuará a estudar a história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico.

Como foi colaborar com Rafael Royo-Torres e Francisco Ortega?

Pedro Mocho (PM) - A colaboração com Rafael Royo-Torres (FCT-Dinópolis) e Francisco Ortega (Grupo de Biología Evolutiva UNED) foi de extrema importância no presente estudo. Para além deste estudo estar inserido naquilo que foi a minha tese de doutoramento sobre "A História Evolutiva dos Dinossáurios Saurópodes do Jurássico Superior da Bacia Lusitaniana (Portugal)"  e defendida na Universidade Autónoma de Madrid, na qual foram os meus orientadores,  Rafael e Francisco contribuíram com um importante conhecimento sobre os dinossáurios ibéricos. Este trabalho desenvolveu-se maioritariamente na Universidad Nacional de Educación a Distancia (Madrid), Sociedade de História Natural (Torres Vedras) e FCT-Dinópolis (Teruel) onde foram disponibilizadas todos as condições necessárias para desenvolver este estudo, incluindo a restauração deste material, laboratórios e acesso a importantes coleções de dinossáurios saurópodes.


Pedro Mocho e Francisco Ortega durante a fase de estudo dos restos fósseis de Oceanotitan dantasi
Imagem cedida por PM

Quais são os próximos passos da equipa?

PM - Neste momento temos vários projetos que se centram no estudo detalhado das faunas de dinossáurios do mesozóico da Península Ibérica, e no meu caso, no estudo particular dos dinossáurios saurópodes. Relativamente ao território português, continuamos a estudar vários exemplares inéditos que nos vão permitir conhecer melhor a composição das faunas do Jurássico Superior de Portugal e a sua relação com outras massas continentais como América do Norte e África. Por exemplo, as campanhas paleontológicas em Utah (EUA) realizadas pelo Natural History Museum of Los Angeles County (no qual realizei o meu pós-doutoramento em 2016-2018) e nas quais participamos, permitirão compreender melhor as relações filogenéticas e paleobiogeográficas destes grupos de dinossáurios.


Pedro Mocho pretende continuar a participar em campanhas paleontológicas nos EUA e na Península Ibérica
Imagem cedida por PM

Como foi estudar Geologia em Ciências ULisboa?

PM - Já passaram uns aninhos. Acabei o curso de Geologia nesta Faculdade em 2010. A Geologia sempre foi a minha paixão. Comecei a interessar-me pelo o estudo de fósseis nas aulas de Paleontologia em 2006 e como voluntário no Museu Nacional de História Natural. A esta academia devo a minha formação em Geologia. 

Que expetativas tem para o futuro?

PM - Neste momento sou investigador de pós-doutoramento no Instituto Dom Luiz por seis anos financiados no âmbito do Concurso de Estímulo ao Emprego Científico da FCT. Nestes seis anos continuarei com a minha investigação no estudo da história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico. Uma destas linhas de investigação está centrada no estudo dos saurópodes do Cretácico Inferior e Superior de Espanha (mais precisamente da Comunidade de Castilla-La Mancha e Valencia) em projetos conduzidos pelo Grupo de Biologia Evolutiva UNED. Adicionalmente, continuar com o estudo do Jurássico Superior de Portugal é outro dos meus maiores objetivos, e em estreita relação com a Sociedade de História Natural de Torres Vedras da qual sou membro desde 2010. Outros projetos estão em aberto, nomeadamente campanhas paleontológicas nos EUA e na Península Ibérica estão no horizonte e irão permitir a descoberta de novos fósseis, novas ideias e nova hipóteses.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
<i>Oceanotitan dantasi</i>
Grande auditório de Ciências ULisboa

Novo ano escolar… Vida nova para muitos caloiros… Recorde a sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2018/2019 e conheça as histórias de alguns deles.

Ciências da Sustentabilidade

O novo doutoramento da ULisboa foi concebido no âmbito do Colégio Food, Farming and Forestry e junta 42 professores de 17 faculdades e institutos da ULisboa. A primeira edição conta com 14 alunos.

navio James Clark Ross

Vanda Brotas, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do MARE ULisboa, é a coordenadora do projeto Portwims, no âmbito do qual investigadores do MARE ULisboa participam em cruzeiros oceanográficos.

Anfiteatro da fCiências.ID

A ação COST CA 16118 ou Neuro-MIG visa o estabelecimento de uma rede de médicos e cientistas para o estudo das malformações do desenvolvimento cortical humano. Em setembro passado a comissão de gestão e os grupos de trabalho desta rede estiveram reunidos em Ciências ULisboa.

<i>Deep Learning</i>

A rubrica No Campus com Helder Coelho está de volta: “O que o homem tem necessidade, quando enfrenta o complexo, é de ‘agentes’ com um pouco de mais inteligência (estendida, aumentada) e de ajuda (cooperação, colaboração)”.

Paulo Motrena

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Paulo Motrena, técnico superior do Gabinete de Organização Pedagógica da Direção Académica de Ciências ULisboa.

Sala de aulas com crianças

Cerca de 90 alunos do Colégio S. João de Brito visitaram o DQB e DG Ciências ULisboa. O projeto educativo desta escola contempla a dinamização de atividades relacionadas com as ciências experimentais, destinadas a enriquecer as aulas de Estudo do Meio.

Campus de Ciências ULisboa

José Francisco Rodrigues, professor do DM e investigador do CMAFcIO de Ciências ULisboa, escreve sobre a interação profícua entre a Matemática e a Biologia, no Ano da Biologia Matemática, que celebra o extraordinário progresso das aplicações matemáticas na Biologia.

“Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal”

"Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal" está nomeada para o prémio internacional Best Climate Solutions 2018. É o único projeto ibérico a concurso.

Sara Magalhães

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Sara Magalhães, professora do Departamento de Biologia Animal, investigadora do cE3c, e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia do site da Faculdade.

“Tomar consciência do tipo de relação que se tem connosco pode ser muito importante, na medida em que nos ajuda a perceber de que forma andamos ou não a cuidar de nós próprios”, escreve Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, na sua rubrica habitual.

Átrio do C3

Este ano registaram-se mais de 6000 candidaturas aos cursos de Ciências ULisboa no âmbito do Concurso Nacional de Acesso. Em ambas as fases as vagas foram totalmente preenchidas. Durante a 1.ª fase de inscrições, matricularam-se 833 estudantes. A 2.ª fase de matrículas termina a 1 de outubro.

 Noite Europeia dos Investigadores

A Noite Europeia dos Investigadores foi lançada em 2005. “Ciência na cidade” é o tema desta edição que se realiza a 28 de setembro e conta com 22 iniciativas com o carimbo de Ciências ULisboa.

Ana Simões

É a primeira vez que uma cientista portuguesa preside à European Society for the History of Science. Ana Simões, professora do DHFC e cocoordenadora do CIUHCT, tomou posse como presidente desta sociedade científica, a 16 de setembro, durante o “8th ESHS Meeting”, ocorrido em Londres. O mandato de dois anos termina em 2020.

Golfinhos

Uma equipa multidisciplinar, que inclui membros do CEAUL, vai monitorizar comunidades de baleias e golfinhos ao longo da costa portuguesa. O objetivo é criar um atlas dos cetáceos em Portugal e protegê-los.

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode

Elisabete Malafaia, doutorada em Ciências ULisboa, deixa alguns conselhos a quem quer seguir uma carreira em Paleontologia.A primeira autora do artigo do Journal of Paleontology é investigadora do IDL e da UNED e na prestigiada revista internacional apresenta os resultados do estudo feito ao conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro, descoberto em Torres Vedras e que indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos.

O SMART FARM CoLAB ficará localizado nas antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho, em Torres Vedras

Ciências ULisboa participa através do cE3c, do BioISI e do IDL no recém-criado SMART FARM CoLAB.

Inscrições Ciências 2018

O primeiro período de matrículas para os alunos do 1.º ano, 1.ª vez em Ciências ULisboa termina a 14 de setembro. Pela primeira vez o processo é feito online.

Teresa Rodrigues

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Teresa Rodrigues, técnica superior da Biblioteca de Ciências ULisboa.

Tejo

Vanessa F. Fonseca, investigadora do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE-ULisboa), doutorada em Biologia Marinha e Aquacultura por Ciências ULisboa, coordena o projeto Biopharma, que deverá terminar em 2019.

Jardim do Campo Grande

Os jardins do Campo Grande surgem entre os preferidos de Lisboa, de acordo com os resultados de um inquérito online desenvolvido pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa.

Alunos no átrio do C1

Ciências ULisboa preenche a totalidade das vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior. Este ano houve mais de cinco mil candidaturas aos cursos da Faculdade.

Solidariedade

Colegas e amigos homenageiam José Rufino, falecido em julho passado, com uma missa em ação de graças e uma recolha de fundos para a Ciências Solidária, que será entregue a esta associação em nome do professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, ficou a conhecer os carros solares de Ciências ULisboa

Sara Freitas, doutorada em Sistemas Sustentáveis de Energia por Ciências ULisboa, foi um dos membros da organização do Festival Solar de Lisboa 2018. O acontecimento contribuiu para a atribuição à cidade de Lisboa do prémio Capital Verde Europeia 2020.

Figura feminina

Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, deixa uma questão para cada um pensar sobre si próprio: “Qual é a minha atitude perante aquilo que geralmente não pode ser mudado?”.

Páginas