No Campus com Helder Coelho

Software e Conhecimento

Helder Coelho

Temos massa crítica suficiente nas empresas de software criadas em Portugal? E, será que estamos a construir, na universidade, as bases sólidas para as alimentar convenientemente com capital humano? As respostas não são totalmente positivas. A emigração de engenheiros informáticos, nos quatro últimos anos, para vários países da Europa (e do mundo) deixou-nos desfalcados, bem como o desprezo da FCT pelas TIC (redução do orçamento de ciência de 1.6% do PIB para 1.29%, assim como a redução do pessoal científico em 50%, e a diminuição forte dos projetos de I&DE). O que fazer para ultrapassar este impasse? Pensar um pouco.

Frequentemente, fala-se de software como produto e muito poucas vezes como conhecimento (ou como um meio de armazenamento de pensamentos). No entanto, o que colocamos num programa não é mais do que pensámos enquanto estivemos a atacar a resolução de um certo problema, ora com procedimentos, declarações, ou ainda com objetos. Será que quando escrevemos essas linhas de um código estávamos conscientes da reflexão, da extensão dos nossos processos cognitivos? E, porque não pensamos mais sobre os nossos programas?

Pensar serve para diversas coisas, tem outras funções, ora para a cooperação social no dia-a-dia, para raciocinar, identificar relações de semelhança, planear como fazemos em seguida, prever o que virá a seguir, ou mesmo agir ao tomar decisões que exigem alguns momentos de calma, antes de se cometerem asneiras.

Daniel Kahneman, um psicólogo que obteve o prémio Nobel da Economia em 2002, escreveu o livro “Thinking Fast and Slow” (2011) para nos ensinar que a inteligência precisa da intuição, e isso explica aqueles modos de pensar, com duas velocidades. Nós gostamos de construir (redes), mas também de abstrair ideias, de reconhecer padrões (caras de pessoas, imagens), de classificar coisas e de percecionar com os nossos sentidos os ambientes que nos envolvem. Isso dá-nos um poder de enfrentar a complexidade e ajuda-nos a fugir do perigo e de alguns cataclismos. Mas, sobretudo, somos hábeis a lidar com pensamentos (fluxos de ideias), conscientes e intencionais, graças a mecanismos vários capazes de abordarem padrões de dados e processos (conhecimentos): aceder, procurar, comparar, combinar e estruturar (meta, meta-meta, híbridos de padrões). E, também pensar os pensamentos.

Desde os anos 50 que se aborda a mecanização do bom senso (senso comum), sem muito sucesso, e com múltiplas linguagens e outras ferramentas. O progresso tem sido lento, e os recursos humanos muito pobres. O software CYC, o OpenMind Common Sense, o EM-ONE, o DeepQA, o Watson, o Google Translate ou os projetos em redor do processamento da língua natural ou da tradução automatizada (de línguas) avançaram devagar. Mais, hoje em dia compreendem-se os desafios desta iniciativa e como algumas vias se aproximam, nomeadamente a necessidade de agregar vários raciocínios (taxonómico, temporal, qualitativo, de ação e de mudança) para que cooperem entre si (veja-se a situação atual em Comm. of the ACM, September, pp. 92-103, 2015).

Olhando para uma cidade como Lisboa o que nos surpreende é não descobrirmos enlaces oportunos que transformem a cidade em mais atrativa e agradável para os seus habitantes. Para quando aproveitarmos as potencialidades criativas, como as Lojas do Cidadão, de uma forma mais leve e fazermos as coisas à distância e online, em vez de estarmos horas em filas? Não seria a Informática a tecnologia adequada para construir serviços mais inteligentes e distribuídos, e evitar martirizar as pessoas na filas de espera? E, isso não poderia atrair jovens para conceberem ideias capazes de inovar as lojas e de as tornar mais flexíveis? Que tal uma Via Verde, agora para os serviços? E, para quando a melhoria desta ideia? Uma visita curta às Laranjeiras permite observar como as lojas podem ser ainda mais amigas dos cidadãos.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

Para compreendermos as capacidades de cada um de nós é preciso entender como as células nervosas se comportam e como interatuam entre si, isto é, pode sempre existir uma outra hipótese que consiga explicar um pouco mais. E, existem sempre os factos e as interpretações.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa organiza de 24 a 28 de julho de 2017 a 4.ª edição do “Ser Cientista”.

No próximo ano letivo Ciências apresenta três novos cursos: Biologia dos Recursos Vegetais, Cultura Científica e Divulgação das Ciências e Data Science.

Preparado para mineração nos fundos marinhos profundos? E para viver sem telemóvel? Venha visitar a exposição Mar Mineral e compreender a relação.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de julho é com Andreia Santos, técnica superior do Gabinete de Apoio Psicopedagógico (GAPsi) da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências.

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

Em 2017, o Prémio Bronstein foi atribuído a Mercedes Martín-Benito, investigadora do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em reconhecimento pelo seu importante contributo para a Cosmologia Quântica em Loop.

Em 2017 a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa acolhe o IV Encontro Internacional da Casa das Ciências, que ocorre entre 10 e 12 de julho.

“Foi um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária”, conta a antiga aluna de Ciências, professora de Biologia e Geologia na Escola na Escola Secundária de Raul Proença, em Caldas da Rainha, Maria de Matos.

Ciências fez parte do roteiro da viagem de finalistas de uma turma de 9.º da Escola Básica Integrada Francisco Ferreira Drummond.

A unidade curricular Projeto Empresarial contou, em 2017, com a participação de nove alunos de mestrado de Ciências e 38 alunos da licenciatura de Finanças do ISCTE-IUL. Na sessão final de apresentação dos trabalhos desenvolvidos, o projeto Ecovital distinguiu-se.

Se olharmos bem para os seres humanos, capazes de sentir, pensar e sonhar, de criar, interpretar e compreender ideias, teorias e conceitos, perguntamos como a matéria de que são feitos foi então capaz de dar origem a estados mentais, incluindo mesmo a faculdade de consciência? A resposta a esta questão está cada vez mais ao alcance da consiliência (síntese), entre as neurociências, a psicologia, a robótica, e a inteligência artificial (aprendizagem).

Novo estudo com recurso a análises genéticas revela que o sapo-asiático que está a invadir a ilha de Madagáscar terá origem numa população do Camboja e Vietname.

“Ao transformarmos o problema dos resíduos orgânicos, numa oportunidade para melhorarmos o solo do campus de Ciências, ou seja, a matriz que suporta a vida, estamos a melhorar as plantas que aqui crescem com externalidades positivas para o ambiente”, declara David Avelar, guardião da HortaFCUL.

Exposição de design inclui projetos de comunicação de ciência, fruto de uma parceria entre o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e a Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Miguel Morgado-Santos, doutorando de Ciências, descobriu um peixe apenas com genes de pai, da espécie bordalo (Squalius alburnoides). Este é o primeiro caso de androgénese natural em vertebrados, sem qualquer manipulação durante o processo de reprodução.

Mafalda Carapuço continua a falar sobre a onda da Nazaré. Em maio passado esteve na Biblioteca São Francisco Xavier, com uma turma do 2.º ano da Escola Moinhos do Restelo. Este mês participou no colóquio "Nazaré e o Mar", ocorrido na Biblioteca Municipal da Nazaré.

Será a ética determinante na sustentabilidade de uma sociedade de consumo? Este é o tema aborado porSofia Guedes Vaz, no dia 22 de junho, pelas 17h30, no MUHNAC-ULisboa.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de junho é com Nuno Rato, coordenador do Gabinete de Orçamento e Prestação de Conta da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências.

Ao longo do ano são muitos os alunos dos ensinos básico e secundário que visitam a Faculdade. Este ano letivo cerca de 63 estudantes, entre os 9 e 10 anos, da Escola Básica Maria Lamas, em Odivelas, conheceram os Departamentos de Biologia Animal, Biologia Vegetal e Química e Bioquímica.

A empresa Surftotal associou-se ao Instituto Dom Luiz e à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, num projeto que visa testar a utilização de surfcams instaladas na costa portuguesa para melhor monitorização costeira.

“É um jogo que trabalha consistentemente o raciocínio e a capacidade de prever os acontecimentos, muito como no xadrez. Para além disso, ajuda nas relações interpessoais, visto que é um jogo de parceiros e é necessário muita confiança mútua para ter sucesso”, reforça Afonso Ribeiro, aluno do 1.º ano de Matemática Aplicada, membro do curso de Bridge da FCUL.

O concurso de programação do Departamento de Informática recebeu 45 participantes, alunos do ensino secundário, na edição de 2017.

Hoje em dia quando se fala de imaginação (criatividade, inovação) queremos dizer, na maior parte dos casos, antecipação e surpresa. Um empresário, um investigador, um professor querem captar a atenção do outro, inventando e brincando com o possível ou o provável. Por isso, falamos frequentemente de criar imagens, ideias, ou mesmo histórias (veja-se o tópico criatividade computacional, e o grupo de Amílcar Cardoso da Universidade de Coimbra).

O Air4, um protótipo para medição de gases indicadores da qualidade do ar, associado a um modelo de análise de mapas e a uma aplicação mobile, ficou em 2.º lugar no 1.º Hackathon de Tra

Páginas