No Campus com Helder Coelho

Software e Conhecimento

Helder Coelho

Temos massa crítica suficiente nas empresas de software criadas em Portugal? E, será que estamos a construir, na universidade, as bases sólidas para as alimentar convenientemente com capital humano? As respostas não são totalmente positivas. A emigração de engenheiros informáticos, nos quatro últimos anos, para vários países da Europa (e do mundo) deixou-nos desfalcados, bem como o desprezo da FCT pelas TIC (redução do orçamento de ciência de 1.6% do PIB para 1.29%, assim como a redução do pessoal científico em 50%, e a diminuição forte dos projetos de I&DE). O que fazer para ultrapassar este impasse? Pensar um pouco.

Frequentemente, fala-se de software como produto e muito poucas vezes como conhecimento (ou como um meio de armazenamento de pensamentos). No entanto, o que colocamos num programa não é mais do que pensámos enquanto estivemos a atacar a resolução de um certo problema, ora com procedimentos, declarações, ou ainda com objetos. Será que quando escrevemos essas linhas de um código estávamos conscientes da reflexão, da extensão dos nossos processos cognitivos? E, porque não pensamos mais sobre os nossos programas?

Pensar serve para diversas coisas, tem outras funções, ora para a cooperação social no dia-a-dia, para raciocinar, identificar relações de semelhança, planear como fazemos em seguida, prever o que virá a seguir, ou mesmo agir ao tomar decisões que exigem alguns momentos de calma, antes de se cometerem asneiras.

Daniel Kahneman, um psicólogo que obteve o prémio Nobel da Economia em 2002, escreveu o livro “Thinking Fast and Slow” (2011) para nos ensinar que a inteligência precisa da intuição, e isso explica aqueles modos de pensar, com duas velocidades. Nós gostamos de construir (redes), mas também de abstrair ideias, de reconhecer padrões (caras de pessoas, imagens), de classificar coisas e de percecionar com os nossos sentidos os ambientes que nos envolvem. Isso dá-nos um poder de enfrentar a complexidade e ajuda-nos a fugir do perigo e de alguns cataclismos. Mas, sobretudo, somos hábeis a lidar com pensamentos (fluxos de ideias), conscientes e intencionais, graças a mecanismos vários capazes de abordarem padrões de dados e processos (conhecimentos): aceder, procurar, comparar, combinar e estruturar (meta, meta-meta, híbridos de padrões). E, também pensar os pensamentos.

Desde os anos 50 que se aborda a mecanização do bom senso (senso comum), sem muito sucesso, e com múltiplas linguagens e outras ferramentas. O progresso tem sido lento, e os recursos humanos muito pobres. O software CYC, o OpenMind Common Sense, o EM-ONE, o DeepQA, o Watson, o Google Translate ou os projetos em redor do processamento da língua natural ou da tradução automatizada (de línguas) avançaram devagar. Mais, hoje em dia compreendem-se os desafios desta iniciativa e como algumas vias se aproximam, nomeadamente a necessidade de agregar vários raciocínios (taxonómico, temporal, qualitativo, de ação e de mudança) para que cooperem entre si (veja-se a situação atual em Comm. of the ACM, September, pp. 92-103, 2015).

Olhando para uma cidade como Lisboa o que nos surpreende é não descobrirmos enlaces oportunos que transformem a cidade em mais atrativa e agradável para os seus habitantes. Para quando aproveitarmos as potencialidades criativas, como as Lojas do Cidadão, de uma forma mais leve e fazermos as coisas à distância e online, em vez de estarmos horas em filas? Não seria a Informática a tecnologia adequada para construir serviços mais inteligentes e distribuídos, e evitar martirizar as pessoas na filas de espera? E, isso não poderia atrair jovens para conceberem ideias capazes de inovar as lojas e de as tornar mais flexíveis? Que tal uma Via Verde, agora para os serviços? E, para quando a melhoria desta ideia? Uma visita curta às Laranjeiras permite observar como as lojas podem ser ainda mais amigas dos cidadãos.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

A empresa Surftotal associou-se ao Instituto Dom Luiz e à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, num projeto que visa testar a utilização de surfcams instaladas na costa portuguesa para melhor monitorização costeira.

“É um jogo que trabalha consistentemente o raciocínio e a capacidade de prever os acontecimentos, muito como no xadrez. Para além disso, ajuda nas relações interpessoais, visto que é um jogo de parceiros e é necessário muita confiança mútua para ter sucesso”, reforça Afonso Ribeiro, aluno do 1.º ano de Matemática Aplicada, membro do curso de Bridge da FCUL.

O concurso de programação do Departamento de Informática recebeu 45 participantes, alunos do ensino secundário, na edição de 2017.

Hoje em dia quando se fala de imaginação (criatividade, inovação) queremos dizer, na maior parte dos casos, antecipação e surpresa. Um empresário, um investigador, um professor querem captar a atenção do outro, inventando e brincando com o possível ou o provável. Por isso, falamos frequentemente de criar imagens, ideias, ou mesmo histórias (veja-se o tópico criatividade computacional, e o grupo de Amílcar Cardoso da Universidade de Coimbra).

O Air4, um protótipo para medição de gases indicadores da qualidade do ar, associado a um modelo de análise de mapas e a uma aplicação mobile, ficou em 2.º lugar no 1.º Hackathon de Tra

No Dia da Criança Galopim de Carvalho lança “O Avô e os Netos Falam de Geologia”, editado pela Âncora Editora e apresentado durante a Feira do Livro de Lisboa.

Foi em setembro do ano passado que a HortaFCUL decidiu abraçar o projeto de ajudar a construir uma Horta Pedagógica na Escola Básica de Santo António em Alvalade, em parceria com Direção e Associação de Pais da Escola e apoiado pelo programa de estímulo à aprendizagem financiado pela Gulbenkian.

Miguel Centeno Brito, professor do DEGGE, foi um dos participantes das II Jornadas da Energia, que ocorreram em abril passado, tendo sido um dos convidados do programa da Rádio Renascença Insónia.

Este ano as Jornadas celebraram a efeméride dos 35 anos da criação da licenciatura em Química Tecnológica.

É necessário estabelecer redes de monitorização mais robustas e de larga escala para avaliar o impacto das alterações climáticas e da poluição atmosférica na Bacia do Mediterrâneo, refere comunicado de imprensa do cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

A primeira abordagem a uma reconstituição tridimensional da circulação atmosférica de Vénus pode ser lida no artigo “Venus's winds and temperatures during the MESSENGER's flyby: An approximation to a three-dimensional instantaneous state of the atmosphere”, publicado na Geophysical Research Letters.

O ano passado “The Sphere of the Earth” integrou a exposição “Formas & Fórmulas”, patente no Museu Nacional de História Natural e da Ciência. De lá para cá e por sugestão deJosé Francisco Rodrigues, um dos comissários desta mostra, Daniel Ramos começou a atualizar o referido programa tornando-o ainda mais rico em termos de funcionalidades edesign, com uma multitude de visualizações cartográficas e da geometria da esfera e pela primeira vez em Português. Assim surgiuMappae Mundi.

As plantas estão por todo o lado, são-nos indispensáveis de diversas formas, mas a nossa consciência, individual e coletiva, da sua importância, é ainda muito limitada.

“Não só quero continuar a adquirir competências, como quero passar a mensagem de que a Comunicação de Ciência é essencial para que a ciência seja compreendida e bem sucedida. É nosso dever informarmos a sociedade dos progressos científicos que vão sendo alcançados”, declara Rúben Oliveira, aluno do mestrado em Biologia da Conservação, finalista do concurso FameLab Portugal.

“O que realmente me aqueceu o coração foi o facto de que, depois da apresentação, algumas pessoas dedicaram tempo a dirigirem-se a mim para discutir o tema em mais profundidade, explicar-me os seus pontos de vista e opiniões”, declara Helena Calhau, aluna do 2.º ano da licenciatura em Física.

Ao serviço de quem está a ciência e a tecnologia? Devemos ter medo das suas utilizações? Há mesmo o perigo de uma superinteligência fazer-nos mal? Em 2014 e 2015, um conjunto de personalidades pôs em causa o controlo (ou a sua falta) da disciplina da Inteligência Artificial (IA) e abriu o debate com os temas da superinteligência e do domínio dos humanos por máquinas mais inteligentes. Graças a Elan Musk, Bill Gates, Stephen Hawking, Nick Bostrom e Noam Chomsky podemos estar mais descansados com o alerta (na singularidade defende-se que a Inteligência Artificial ultrapassará a humana para criar uma IA geral ou forte), mas mesmo assim cuidado.

“Sempre achei as áreas da educação e comunicação bastante interessantes, sonho desde jovem em incorporar um pouco destas duas áreas na minha carreira científica”, declara Hugo Bettencourt, aluno do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica.

“O Malcolm Love é uma pessoa incrível e ensinou-nos muitas coisas, desde como agir numa entrevista, como contar uma história de forma fascinante, como controlar o nervosismo e principalmente como cativar o público quando falamos”, conta Andreia Maia, aluna do mestrado em Biologia Molecular e Genética, finalista do concurso FameLab Portugal.

A que cheira a sardinha? Cheira bem, cheira a Portugal.Na próxima quinta-feira, 18 de maio, junte-se a Miguel Santos e a Susana Garrido, dois investigadores do IPMA envolvidos no processo de avaliação do estado dos recursos da pesca em águas nacionais e internacionais para mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência, desta vez no Edifício Caleidoscópio.

Cristina Branquinho e Paula Matos propõem utilização dos líquenes como um novo indicador ecológico global.

Mais de mil alunos do ensino secundário visitaram o campus de Ciências no dia 3 de maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de maio é com Assunção Bispo, assistente técnica do Departamento de História e Filosofia dasCiências.

Andreia Maia, Helena Calhau, Hugo Bettencourt e Rúben Oliveira são os alunos de Ciências que apresentam assuntos científicos de forma simples e descomplicada em três minutos, na edição 2017 do FameLab Portugal.

Pela 13ª vez, realizou-se em Ciências a fase de semifinal das Olimpíadas de Química Júnior. 67 alunos dos 8.º e 9.º anos conheceram a Faculdade, o Departamento de Química e Bioquímica e testaram conhecimentos de Química, em provas escritas e experimentais.

A 8.ª edição da feira anual de emprego de Ciências aconteceu em abril. Esclarecimento de dúvidas através do contacto pessoal com empresas, workshops, treino de entrevistas de emprego e análises de currículos foram algumas das atividades que marcaram os dois dias.

Páginas