Prémio Científico Mário Quartin Graça distingue tese de doutoramento de aluna da Ciências ULisboa

Tese aborda o desenvolvimento de metodologias de antecipação das alterações climáticas nas terras secas

paisagem da caatinga

A caatinga é um bioma semiárido exclusivo do Brasil, localizado nos estados do Nordeste do país

Renato Garcia Rodrigues

O Prémio Científico Mário Quartin Graça 2022, na categoria de Tecnologias e Ciências Naturais, foi atribuído a Ana Cláudia P. Oliveira, aluna do doutoramento em Biologia e Ecologia das Alterações Globais na Ciências ULisboa e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). O prémio é atribuido anualmente pela Casa da América Latina e pelo Banco Santander, e distingue as melhores teses de doutoramento realizadas por investigadores portugueses ou latino-americanos, em áreas de interesse comum ou resultantes da colaboração entre universidades de ambos os lados do Atlântico.

Ana Cláudia Pereira
Ana Cláudia P. Oliveira
Fonte Liliane Corrêa

Natural do Brasil, Ana Oliveira é licenciada em Biologia pela Universidade Metodista de Piracicaba, em São Paulo, e mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. A investigadora concluiu o doutoramento em 2021, sob orientação de Cristina Branquinho, professora do Departamento de Biologia Vegetal, e coorientação de Renato Garcia Rodrigues, professor da Universidade Federal do Vale de São Francisco (UNIVASF) e coordenador do Núcleo de Ecologia e Monitoramento Ambiental (NEMA), no Brasil.

A tese premiada, intitulada “Ecological indicators as tools to monitor the effects of climate change on Tropical dry forest”, surgiu na sequência do projeto ChangeTracker, coordenado por Cristina Branquinho, no qual foi feita a analise dos processos de desertificação no Alentejo. Nessa altura, Ana Oliveira trabalhava no NEMA, no levantamento da biodiversidade da caatinga, ajudando na criação de uma base de dados sobre a vegetação do bioma. Inspirada por estes dois projetos, avançou para a escrita da sua tese.

O trabalho aborda o desenvolvimento de metodologias que permitem antecipar os impactos das alterações climáticas nas terras secas, as mais sujeitas aos efeitos da desertificação. Assim, o principal objetivo da tese foi identificar indicadores ecológicos e métricas de diversidade (taxonómicas e funcionais) que possam ser utilizados para prever os efeitos das alterações climáticas na floresta tropical seca, nomeadamente na caatinga brasileira.

Um bioma é um ecossistema estabelecido num espaço geográfico com características únicas, conferidas pela vegetação, o clima, o solo ou a altitude do local, que lhe conferem um certo nível de homogeneidade.

A caatinga é um bioma exclusivo do Brasil, o que significa que grande parte do seu património biológico é único, não existindo em mais nenhum lugar do planeta. É também um dos ecossistemas mais biodiversos das florestas tropicais secas, e um dos mais vulneráveis às alterações climáticas, razão pela qual é importante estudar os impactos das alterações climáticas nestas zonas. Neste âmbito, Renato Garcia Rodrigues destaca a importância deste prémio no reconhecimento da relevância do tema, um pouco negligenciado nos ensaios científicos brasileiros, constituindo um estímulo à continuidade dos estudos.

O desafio que agora se coloca é testar a adequabilidade destes indicadores de alerta precoce para outro tipo de ecossistemas, de forma a poder propor métricas à escala global que possam dar resposta ao problema da desertificação, explica a investigadora. Como no Brasil, também em Portugal existem regiões semiáridas que enfrentam processos de desertificação, nas quais podem ser aplicados indicadores comuns.

A investigadora salienta que uma das mais-valias dos resultados encontrados é a sua aplicabilidade em projetos de restauro ecológico, procurando evitar ou reverter os processos envolvidos nas alterações climáticas. Desta forma, o trabalho poderá servir os propósitos da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, uma vez que testa indicadores que podem vir a ser usados de forma universal.

Para a investigadora, receber este prémio fê-la sentir “uma felicidade imensa e muita gratidão”, uma vez que este representa o reconhecimento de um trabalho que sempre desejou concretizar no seu país de origem.

A orientadora do doutoramento, Cristina Branquinho, partilha a sua felicidade pela atribuição deste prémio, destacando a persistência da aluna - “foi a aluna mais batalhadora e persistente que orientei até agora”, diz. Para os orientadores da tese, a atribuição deste prémio demonstra o sucesso da parceria entre as instituições, fortalecendo ainda mais as relações estabelecidas.

Na edição de 2012, o mesmo prémio na categoria de Tecnologias e Ciências Naturais foi atribuído ao aluno Carlos Rafael Borges Mendes, pela tese de doutoramento intitulada “Dynamics of phytoplankton communities around the Antarctic Península and off the Portuguese coast”.

A cerimónia de entrega do prémio decorre no dia 13 de dezembro, pelas 12h00, na Casa da América Latina.

A distinção traduz-se num prémio pecuniário de três mil euros para cada uma das áreas. Nesta 13.ª edição, que contou com cerca de 60 candidaturas, o júri distinguiu também Priscila Moreira, na categoria de Ciências Sociais e Humanas, e Ricardo Jordão, na categoria de Ciências Económicas e Empresariais. A escolha dos vencedores tem em consideração fatores como a originalidade do tema, a relevância no âmbito do estreitamento de relações entre os países referidos e a qualidade da investigação.

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Vista Aérea do Observatório do Paranal

O Observatório do Paranal, no deserto do Atacama no Chile, que faz parte do Observatório Europeu do Sul (ESO), vai receber em 2025

Nuno Gonçalves e Inês Leite posam com os prémios junto aos restantes investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA)

Nuno Gonçalves e Inês Leite, estudantes de CIÊNCIAS, foram premiados na SPIE Astronomical Telescopes + Instrumentation, a maior conferência internacional sobre instrumentação para a Astronomia.

Ranking de Leiden: Há três áreas de investigação de CIÊNCIAS em que a ULisboa é líder nacional

A Universidade de Lisboa (ULisboa) está em primeiro lugar a nível nacional em três áreas de produção científica de CIÊNCIAS no reputado CWTS Leiden Ranking: Ciências da Vida e da Terra, Matemáti

Banner Curso PRODIGI

A partir de 2025 a Universidade de Lisboa em parceria com o Instituto Politécnico de Lisboa, vai disponibilizar uma nova formação online em competências digitais.

 

Inês Fragata, Margarida Matos, Sara Magalhães e Cristina Máguas.

CIÊNCIAS inaugura hoje oficialmente a infraestrutura laboratorial de investigação - Unidade de Evolução Experimental.

Imagem alusiva ao Deep Tech Talent Initiative (DTTI), um programa do European Institute of Innovation and Technology (EIT)

O Mestrado em Bioestatística de CIÊNCIAS foi acreditado pela Deep Tech Talent Initiative (DTTI), um programa do European Institute of Innovation and Technology (EIT).

Dois professores de CIÊNCIAS eleitos sócios da Academia das Ciências de Lisboa

Pedro Miguel Duarte e Luís Eduardo Neves Gouveia, professores de CIÊNCIAS, foram eleitos sócios da Academia das Ciências de Lisboa.

O Centro de Congressos da Alfândega do Porto é o palco da edição de 2024 do Encontro Ciência.

Luís Carriço (Diretor de CIÊNCIAS) e Carlos Martins (Presidente da EPAL) junto a um dos novos bebedouros.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa aderiu ao desafio da EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres de consumir Água da Torneira nas suas áreas comuns, representando mais um compromisso com o Ambiente e com

 Rodrigo Freitas, Francisco Graça e Diogo Ávila no Pódio dos 3000 metros obstáculos no Campeonato Nacional Universitário de Pista ao Ar Livre

Rodrigo Freitas, estudante de CIÊNCIAS, sagrou-se bicampeão no Campeonato Nacional Universitário (CNU) de Atletismo Pista Ar Livre.

Desde ontem que CIÊNCIAS dispõe de um novo espaço: o Lounge C7!

Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa seguram o prémio de primeiro lugar na segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa venceram a segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Vanessa Fonseca, Catarina Frazão Santos, Rita Cardoso, Cláudio Gomes, Ana Duarte Rodrigues e Paulo J. Costa posam com os prémios para uma foto numas escadas

A faculdade conseguiu obter o segundo lugar entre as Escolas da Universidade de Lisboa mais galardoadas.

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ)

Páginas