Entrevista com Catarina Pombo Nabais

Ciência e arte: uma relação com futuro

Exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now”

Exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now” de Katrin von Lehmann, uma atividade desenvolvida pelo SAP Lab.

CPN / SAP Lab

“O CFCUL, e, portanto, também a Ciências ULisboa, tem um papel pioneiro na área da ciência e arte uma vez que aqui se constituiu, em 2006, pela primeira vez em Portugal, um grupo de investigação em ciência e arte, que foi criado e dirigido pela professora Olga Pombo.”

Catarina Pombo Nabais e Katrin von Lehmann
Catarina Pombo Nabais e Katrin von Lehmann, na exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now”
Fonte CPN / SAP Lab

Catarina Pombo Nabais é licenciada em Filosofia (variante Filosofia das Ciências) pela Faculdade de Letras da ULisboa, obteve o Diplôme d’Études Approfondies in Philosophy na Universidade de Amiens, França (1999) e concluiu o doutoramento em Filosofia Contemporânea pela Universidade de Paris VIII, em França, sob a supervisão de Jacques Rancière (2007).

De 2007 a maio de 2019, foi pós-doutorada com três bolsas sucessivas atribuídas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) no CFCUL, do qual é membro integrante desde 2006. De 2007 a 2014 foi presidente do grupo de investigação Ciência e Arte. Em 2014 criou o SAP Lab do qual é coordenadora desde então. Atualmente é vice-presidente do grupo de investigação Filosofia da Tecnologia, Ciências Humanas, Arte e Sociedade do CFCUL.

Paralelamente, desenvolve a carreira de curadora de arte, tendo concluído, em 2016, uma pós-graduação em Curadoria de Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

De que forma a ciência e a arte se podem ligar? Até onde pode chegar essa sinergia? São algumas destas questões que estão na ordem do dia, e sobre as quais se debruça o SAP Lab - Laboratório Ciência-Arte-Filosofia do Centro de Filosofia das Ciências da ULisboa. Catarina Pombo Nabais, investigadora do Departamento de História e Filosofia das Ciências (DHFC) da Ciências ULisboa e coordenadora do grupo, dá-nos conta da importância desta relação interdisciplinar entre as duas áreas, e deixa um convite aos investigadores para que desenvolvam projetos na área da ciência e arte.

Para percebermos melhor algumas questões relacionadas com esta temática, conversamos com Catarina Pombo Nabais.

Ciências ULisboa - De que forma a ciência e a arte se podem interligar e o que poderá surgir desta relação? Pergunto ainda de que forma vê a possibilidade de desenvolvimento da investigação nesta área e até onde pode chegar esta sinergia?

Catarina Pombo Nabais (CPN) - Ao longo da história da ciência e da história da arte, a ciência e a arte foram sempre atividades muito próximas, com desenvolvimentos muitas vezes paralelos, com relações subterrâneas e muito profundas. Veja-se, por exemplo, o papel que a imaginação ocupa na produção científica e artística.

Mas, ao mesmo tempo, com diferenças abissais. A arte é uma atividade singular, individual, que pode ser feita na solidão de um atelier. A ciência é sempre coletiva, implica necessariamente uma comunidade científica e é praticada nos laboratórios onde diversos investigadores cumprem funções específicas, mas todas convergentes para uma mesma pesquisa. A arte sou eu, a ciência somos nós.

Para além disso, a arte produz entidades únicas. A obra de arte é uma criação irrepetível. Pelo contrário, a ciência é atravessada por uma necessidade intrínseca que faz com que, por exemplo, seja possível dois cientistas em pontos diferentes do planeta chegarem, ao mesmo tempo, às mesmas leis. A arte opera pela singularidade dos afetos e do pensamento, a ciência pela dedução lógica e inerente ao próprio conhecimento.

No entanto, apesar do enorme número de tentativas, continua a ser possível e desejável procurar descobrir, entender e explicar completamente as forças que unem e separam a ciência e a arte, as proximidades e as distâncias, as conexões múltiplas que atravessam essas duas extraordinárias atividades humanas que são a ciência e a arte.

Como entender a relação congénita entre a matemática e a música? Como pensar a relação do impressionismo com a teoria da cor?  O que é que traduz e explica a contemporaneidade de Einstein e Picasso ou Kandinsky? Qual a natureza dessa proximidade? Há um campo imenso a explorar na relação entre a ciência e arte.

Mas o que importa perceber – a revista Nature (Nature 590, p. 528, 2021) publicou um artigo sobre a importância desta temática – é que esta ligação não se esgota na capacidade de os artistas ajudarem os cientistas na comunicação da ciência. A relação da ciência com a arte não pode ser apenas utilitária, isto é, a arte não pode ser vista como devendo apenas “servir” a ciência para comunicar melhor os seus resultados. A relação entre ciência e arte tem o potencial de permitir perceber, porventura mais profundamente, a própria natureza, quer da ciência, quer da arte, os seus processos de invenção e descoberta, o valor dos seus resultados, os dispositivos de inovação que cada uma das atividades mobiliza, assim como de criar novas questões, novas descobertas em ambas as áreas, pela partilha não só de metodologias, como de problemas teóricos.

Ciências ULisboa - Qual o papel do SAP Lab?

CPN - Quando criei o SAP Lab em 2014, no CFCUL, constatei que a área ciência e arte tem tido um papel muito importante sobretudo na componente prática e experimental. Pensei, por isso, que estava na hora de articular a experiência prática com uma componente teórica, isto é, de avançar no desenvolvimento de um pensamento crítico sobre a natureza dessas duas atividades humanas e sobre as virtualidades das suas relações. Ao enriquecer o par ciência e arte com o contributo da filosofia, o SAP Lab assume-se, portanto, como resposta à necessidade de conjugar prática e teoria.

Neste sentido, o SAP Lab apresenta-se como uma plataforma multi e inter transdisciplinar, um ponto de encontro da academia com o público em geral. Mais exatamente, o que me levou a propor ao CFCUL um projeto como o SAP Lab foi, por um lado, a vontade de convocar a filosofia para o campo já estabelecido da ciência e arte, e, por outro lado, a vontade de promover uma investigação aberta, socialmente empenhada, uma investigação/ação em contacto direto com a esfera pública e os seus problemas.

Ciências ULisboa - Com que outros grupos têm colaborado e que novas sinergias têm surgido da colaboração com outras entidades?

CPN - O SAP Lab tem, desde 2015, uma linha de investigação que valoriza a vertente participativa do projeto inicial: OPEN SAP Lab. A ideia é promover uma dimensão prática da investigação a partir de um processo bottom-up. Nesse sentido, constituí uma rede diversificada de instituições, umas de natureza académica (ciências, arquitetura, filosofia), outras de ação artística (performance, street art), outras ainda de intervenção pública (inclusão social, acessibilidade cultural), cada uma com a sua própria história de programas participativos autónomos, e que encontram, na parceria com o OPEN SAP Lab, a possibilidade de desenvolver e enriquecer a produção de conhecimento gerada nas suas ações.

Os concelhos abrangidos por esta rede de parceiros são Lisboa, Almada, Sintra, Évora e Beja. As sete entidades que constituem esta rede são, além do OPEN SAP Lab, o Fundo de Arquitectura Social (FAS), Colectivo Warehouse - Associação AMOVT, Plano Lisboa, Atalaia. Associação dos amigos da cultura e das artes, Associação Frame 408 e Associação Cultural Canto do Curió.

O OPEN SAP Lab afirma-se, portanto, como um terreno novo, comum a todos, onde as áreas de ciência, de arte e de filosofia são articuladas com a pesquisa científica sobre o participativo e com uma efetiva ação participativa no terreno. Para lhe dar um exemplo, em 2015, o SAP Lab promoveu um workshop de dois dias em torno da questão dos processos participativos e colaborativos em ciência e em arte que teve um enorme sucesso.

Capa do Livro

Das parcerias, reuniões de trabalho, apresentações e debates públicos desenvolvidas pelo SAP Lab, resultou um livro - Processos Criativos nas Ciências e nas Artes - A Questão da Participação Pública. Nesta publicação, Catarina Pombo Nabais reuniu textos dos parceiros, assim como de alguns investigadores que trabalham sobre a questão da participação pública em ciência e em arte, e doutorandos cujas teses orienta. O livro conta com a participação de professores e investigadores da Ciências ULisboa.

Catarina Pombo Nabais organizou a exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now” patente ao público na Galeria de Ciências entre 7 e 15 de novembro de 2019, resultado final de uma residência artística de Katrin von Lehmann no SAP Lab.

“A Ecologia, a participação pública e os processos criativos, são sem dúvida as componentes teóricas que marcam a agenda do SAP Lab. E a Ciências ULisboa é um lugar excelente para o desenvolvimento deste tipo de projetos interdisciplinares.”

Estava assim constituída, pela primeira vez em Portugal, uma comunidade de ciência e arte, que contou com a colaboração de vários professores da Ciências ULisboa. O grupo continuou o seu trabalho com o desenvolvimento de inúmeras atividades, entre elas uma grande exposição no Pavilhão do Conhecimento da Ciência Viva, uma conferência internacional na Gulbenkian, e a publicação de diversos livros.

Com o surgimento deste grupo, é criada em 2009, pela primeira vez nas universidades portuguesas, a cadeira Ciência e Arte, no DHFC Ciências ULisboa, que, a partir de 2011, passa a fazer parte do currículo da licenciatura em Estudos Gerais da ULisboa. A criação desta unidade curricular constitui um marco em Portugal, numa tendência que hoje se constata atualmente nas universidades de todo o mundo.

Entre os projetos futuros está o desenvolvimento de um workshop, em conjunto com o cE3c, sobre Ecologia, com intervenções de cientistas, de artistas que trabalham sobre os problemas ecológicos atuais e de filósofos que pensam a dimensão política, ética e social da Ecologia.

Marta Tavares, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

O Nobel da Física de 2023 foi atribuído a três físicos europeus - Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier -, a trabalhar nos EUA, Suécia e Alemanha. Reconhece os trabalhos pioneiros relativos à produção de luz decorrentes da interacção entre electrões e atómos foto-ionizados por laser, através da geração de um número elevado de harmónicas de ordem elevada que, em conjunto, e em condições de fase relativas adequadas (phase matching) podem dar origem a trens de impulsos luminosos com durações de ato-segundo (1 as = 10-18 s).

Centro de Congressos de Lisboa com vários participantes do EUPVSEC 2023

A 40th European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition - EUPVSEC 2023 realizou-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica.

obra de Wassily Kandinsky

"Descobertas recentes na neurociência cognitiva - por António Damásio, Vittorio Gallese e Frans de Waal, entre outros - posicionam a empatia como um facto neurobiológico", escreve Graça P. Corrêa, investigadora do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas numa escavação numa jazida de fósseis

Novo estudo publicado na revista Zoological Journal of the Linnean Society descreve um novo dinossáurio saurópode que viveu na Península Ibérica há 122 milhões de anos. Esta nova espécie de dinossáurio, apelidada de Garumbatitan morellensis, foi descrita a partir de restos descobertos em Morella (Castelló, Espanha) por uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis e permitiu ampliar a diversidade de dinossáurios conhecida num dos melhores registos fósseis do Cretácico Inferior da Europa.

sensor de radiação no topo de um veículo

Um novo estudo desenvolvido por investigadores da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz com a colaboração de parceiros em França (Mines Paris - PSL) e Luxemburgo (LIST), publicado na revista Progress in Photovoltaics: Research and Applications, explora o potencial em ambiente urbano de veículos solares em 100 cidades em cinco continentes.

auditório lotado

18 de setembro foi o primeiro dia de aulas para mais de 800 novos alunos matriculados nas licenciaturas da Ciências ULisboa na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso. A sessão de boas-vindas aos novos alunos decorreu às 11h30, no auditório 3.2.14.

Luís Fernando Marques Mendes foi um biólogo inteiramente dedicado à Entomologia, desde que se licenciou em 1971 pela Ciências ULisboa. Faleceu na passada quinta-feira, 14 de setembro, após prolongada doença. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laje rochosa - primeiras evidências de vertebrados do fundo do mar

A descoberta de fósseis extremamente raros, que representam as primeiras evidências de peixes de águas profundas, atrasa a invasão da planície abissal em 80 milhões de anos. Estas descobertas foram publicadas este mês num novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Grupo de pessoas

A 13ª Conferência Internacional SedNet - Continuum Sedimentar: aplicando uma abordagem de gestão integrada realizou-se na Ciências ULisboa, entre 5 a 9 de setembro. O programa intensivo de cinco dias começou com workshops sobre a gestão dos sedimentos a diferentes níveis, incluiu apresentações e uma visita de campo ao Porto de Lisboa e às dunas e praias de Cascais.

O Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e o Museu Nacional de História da Ciência juntam-se numa homenagem que marca o centenário do nascimento do professor João Santos Guerreiro, a realizar no próximo dia 23 de setembro, entre as 14h00 e as 18h00, no Anfiteatro Manuel Valadares, no MUHNAC.

peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

3 homens sentados

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas. No projeto estão envolvidos docentes, investigadores do IDL e cE3c e estudantes da Faculdade.

Auditório com pessoas

Este ano, na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior concorreram aos 16 cursos da Faculdade 5086 candidatos, tendo sido colocados 872 novos alunos em Ciências ULisboa, 527 em 1.ª opção. Até 5 de setembro decorre a apresentação da candidatura à 2.ª fase. A sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2023/2024 acontece no dia 18 de setembro.

abelha mumificada

Um novo estudo publicado na revista internacional Papers in Paleontology dá conta da descoberta de centenas de abelhas mumificadas no interior dos seus casulos, num novo sítio paleontológico descoberto no litoral de Odemira.

mural

Há um novo mural no campus da Faculdade, para apreciar junto à FCULresta, que celebra os dois anos corridos desde a primeira semente lançada. "Só em Portugal, inspirados também pela FCULresta, foram criados ou melhorados um total de 6 espaços verdes resilientes" escrevem os responsáveis pelo projeto, neste artigo de opinião sobre a minifloresta. 

ratinho ruivo

O ratinho-ruivo (Mus spretus) aprende a identificar que novos alimentos é seguro incluir na sua alimentação através do cheiro presente no hálito de outros ratinhos da sua espécie, segundo o artigo “Interaction time with conspecifics induces food preference or aversion in the wild Algerian mouse”, da autoria das cientistas Rita S. Andrade, Ana M. Cerveira, Maria da Luz Mathias e Susana A. M. Varela, publicado em agosto na revista Behavioural Processes.

vista de uma ilha para outra (Açores)

O Prémio Frederico Machado 2022-2023, o primeiro de índole científica a ser atribuído nos Açores, foi ganho pelas equipas lideradas por Mariana Andrade, aluna da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), na área das Geociências, e por Pedro Afonso, investigador do Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores (OKEANOS), na área das Ciências do Mar.

plantas com QR code do Relatório de Sustentabilidade

O primeiro Relatório de Sustentabilidade da Ciências ULisboa resulta da monitorização e análise de um conjunto de atividades enquadradas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre 2019 e 2021.

banner do evento

A EUPVSEC 2023 realiza-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica. 

copa das arvores vista de baixo

Já são conhecidos os três vencedores da edição de 2023 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias, um prémio da Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO) e da Fundação Amadeu Dias que procura valorizar o trabalho de recém doutorados ao longo do seu programa doutoral. No pódio estão duas alumnae da Ciências ULisboa.

apresentação do livro

Foi concluído recentemente o projeto “Aqua – O uso eficiente da água nos jardins da idade moderna”, um trabalho interdisciplinar que cruza as áreas da História da Ciência, a Engenharia Hidráulica e a Arquitetura Paisagista.

uma rapariga e um rapaz

Todos os anos a Faculdade atribui diplomas e prémios de mérito académico aos seus estudantes, com o apoio de várias entidades e empresas, que valorizam a missão da Faculdade e que passa por investigar, ensinar e estimular a transferência do conhecimento e da inovação e a abertura à sociedade civil.

Exoplaneta e núvens

A Agência Espacial Europeia validou o desenho dos instrumentos científicos da missão Ariel, que conta com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. A missão vai observar a composição química de mil planetas em órbita de outras estrelas, e transformar a compreensão sobre como se formam e evoluem os sistemas planetários.

Páginas