Centro Ciência Viva do Lousal: 12 anos de história

Projeto Life Ribermine promete dar nova vida aos terrenos mineiros da Península Ibérica

Técnicas pioneiras ao nível da UE implementadas no Lousal

4 fotografias da envolução do terreno

Quatro estágios da intervenção e evolução do terreno: remodelação geomorfológica, colocação de gravilha calcária e argila, colocação de terra vegetal e estrume e revegetação

ACCVL

Os terrenos mineiros da antiga mina do Lousal, no concelho de Grândola, vão ganhar uma nova vida. “Life Ribermine - Fluvial freshwater habitat recovery through geomorphic-based mine ecological restoration in Iberian Peninsula” é o nome do projeto ibérico que promete fazê-lo, através do restauro geomorfológico de minas em Portugal e Espanha. A Associação Centro Ciência Viva do Lousal (ACCVL), da qual Ciências ULisboa é associada fundadora, é o parceiro português do projeto.

A apresentação pública do projeto aconteceu no CCVL no dia 29 de outubro de 2021. Às exposições sobre as técnicas utilizadas seguiu-se uma visita à área intervencionada e ao Museu Mineiro (MM) do Lousal. O acontecimento teve destaque na newsletter do projeto, em fevereiro deste ano.

O projeto Life Ribermine baseia-se numa abordagem multidisciplinar, em áreas afetadas por atividades de mineração na Península Ibérica. Iniciado em finais de 2019 e com duração prevista até ao primeiro semestre de 2024, o projeto Life Ribermine inclui áreas de intervenção em Espanha, nas minas de caulino da região do Alto Tejo, e em Portugal, na antiga mina de pirite do Lousal, localizada na sub-bacia do rio Sado. Trata-se de um projeto piloto que, no Lousal, conjuga, pela primeira vez a nível europeu, uma remodelação geomorfológica inovadora para antecipar os processos naturais de erosão e modelação do terreno, com processos de neutralização química da drenagem ácida mineira (DAM) e subsequente revegetação com espécies autóctones, tendo por referentes as bacias hidrográficas regionais.

Uma vez que a descaracterização das propriedades do solo e da hidromorfologia, nomeadamente através da DAM, prejudicam a conservação, sustentabilidade e manutenção da biodiversidade ribeirinha, a realização de boas práticas de restauração mineira aliadas à restauração ecológica de habitats, são essenciais na manutenção da qualidade ambiental destas áreas. Com este projeto pretende-se recriar a naturalidade paisagística e devolver a qualidade ambiental aos solos e às águas contaminadas pelas atividades mineiras, beneficiando os habitats naturais e a conservação da biodiversidade local e regional.

Life Ribermine resulta de uma parceria luso-espanhola com cofinanciamento da União Europeia (UE), através do Programa LIFE, um programa de financiamento europeu para projetos nos domínios do ambiente, da natureza e da ação climática. O projeto é coordenado por Javier de la Villa Albares, da Direção Geral de Transição Energética do Conselho de Desenvolvimento Sustentável do Governo Regional de Castilla-La Mancha (Espanha), e tem como parceiros a empresa mineira CAOBAR, a empresa pública GEACAM Gestão Ambiental de Castilla-La Mancha, a Universidade Complutense de Madrid (UCM), e a ACCVL, único parceiro português do projeto.

 A indústria extrativa mineira é essencial para a manutenção e desenvolvimento das sociedades, possui grande importância económica na UE e emprega centenas de milhares de pessoas. Porém, existem diversos impactos negativos ambientais associados a esta atividade, sobretudo nas explorações antigas, pelo que a recuperação de áreas mineiras é um processo fundamental.

Este projeto pretende fomentar uma recuperação ambiental completa das áreas mineiras e alargar a aplicação das técnicas usadas a outros países da UE. O projeto terá impactos positivos nos solos, na despoluição das águas contaminadas e na qualidade dos habitats fluviais. Outro objetivo é promover e favorecer corretas alterações legislativas na obtenção de licenças de exploração, de forma a que toda a indústria mineira progressivamente adote medidas que minimizam a contaminação e erosão do solo, a alteração das caraterísticas físico-químicas e o assoreamento das linhas de água.

 

Life Ribermine no Lousal

No Lousal, a intervenção desenvolveu-se entre setembro e novembro de 2021 e compreendeu duas etapas.

foto aéroa da área intervencionada
A área de restauração ecológica junto à antiga mina do Lousal tem aproximadamente 1,6 ha
Fonte Bruno Gonçalves / Life Ribermine

A primeira etapa incluiu a caracterização física, química e biológica do terreno, a planificação da obra e a execução de trabalhos preparatórios prévios à intervenção. Durante essa etapa, para além de se identificarem potenciais fatores condicionantes da intervenção, foi feita uma amostragem e análises variadas a solos, águas e plantas, reconhecimento litogeoquímico por métodos remotos (drone), tomografia elétrica computadorizada do subsolo e inventariação da flora e vegetação nativas, assim como das plantas invasoras existentes. Os trabalhos preparatórios incluíram também a identificação e contratação de prestadores de serviços e fornecedores de materiais e equipamentos. Foi dada preferência a empresas locais, com vista a impactar positivamente a atividade económica e o emprego na região.

A segunda etapa consistiu na intervenção propriamente dita e incluiu sete fases distintas: levantamento topográfico e marcação do terreno, receção de materiais e equipamentos, desmatação e limpeza; remodelação geomorfológica (software GeoFluxTM), consistindo na reconfiguração topográfica, com recurso a movimentação de terras por retroescavadoras e bulldozers, mimetizando as suaves ondulações características da paisagem do montado; enchimento das valas pré-existentes com brita calcária e sua cobertura com geotêxtil por forma a garantir que a permeabilidade natural do sistema não é prejudicada pela colmatação subsequente dos espaços intersticiais da brita; estabilização química e emenda edáfica, de forma a elevar o pH - recobrimento do terreno com uma camada de brita calcária e argila e outra de terra vegetal misturada com estrume de cavalo e aves; instalação de piezómetros para monitorização do pH da água do subsolo a montante e a jusante da bacia; colocação de pedras calcárias nos canais, com vista a diminuir a velocidade de escorrência e a erosão, e a promover reações químicas de neutralização do pH; e por fim, revegetação - sementeira de plantas primocolonizadoras adaptadas às condições do solo.

 

 

A ACCVL tem como presidente Jorge Relvas, professor do Departamento de Geologia (DG), e como diretor executivo Álvaro Madureira Pinto, técnico superior do DG Ciências ULisboa, elementos fundamentais da equipa de implementação do projeto Life Ribermine em Portugal. Para além de todas as tarefas de coordenação, a equipa do ACCVL tem ainda um importante papel na comunicação e divulgação do projeto, em todas as suas vertentes.

Jorge Relvas e Álvaro Madureira Pinto contam que a área intervencionada está num estado de equilíbrio geomorfológico, e as transformações no terreno já são visíveis. A vegetação semeada está a germinar e, simultaneamente, as águas de escorrência de pH baixo que alimentavam o sistema de biorremediação do Lousal, estão a beneficiar de um pré-tratamento corretor de acidez, que resultará numa melhor qualidade da água descarregada no sistema hidrológico natural, a Ribeira de Corona.

Para Jorge Relvas e Álvaro Madureira Pinto faz todo o sentido que a ACCVL seja parte integrante neste projeto. Para além de constituir uma intervenção de natureza ambiental que beneficia este território, é também um projeto pioneiro a nível europeu, com a possibilidade de ser implementado por várias regiões do mundo. Por outro lado, a área intervencionada, situada muito próximo do Centro Ciência Viva, passou a constituir um novo espaço privilegiado para a promoção de atividades educativas, relacionadas com a consciencialização dos visitantes para a importância da compatibilização da necessidade de matérias-primas, com estratégias de proteção ambiental e mitigação de impactos eco negativos da atividade mineira.

Em Espanha, a implementação do projeto iniciou-se em 2019 e decorreu nas explorações de caulino na região do Alto Tejo, Castilha-La Mancha. A relação com os parceiros espanhóis, tem sido uma colaboração “muito positiva e recompensadora para todas as partes”, diz Jorge Relvas. Estabeleceu-se uma estreita relação entre o CCVL e a equipa do professor José Francisco Duque, da UCM, especialista no método de Restauração Geomorfológica Mineira. Durante a intervenção, o professor e alguns membros da sua equipa, incluindo o estudante de doutoramento Ramón Sánchez, deslocaram-se várias vezes ao local e, durante vários dias, acompanharam a fase de modelação do terreno.

Centro Ciência Viva do Lousal: 12 anos de história

grupo de alunos de geologia
Grupo de alunos de Geologia em visita ao Lousal
Fonte Filipe Rosas

No passado dia 29 de abril, 31 alunos do 3.º ano do curso de Geologia visitaram o CCVL. A visita incluiu uma palestra sobre o projeto Life Ribermine, apresentada por Jorge Relvas, e uma saída de campo ao terreno intervencionado, acompanhada por Mónica Martins (CCVL). Esta atividade constituiu uma ação complementar à visita dos alunos à Praia do Almograve, na costa alentejana, que se realizou nos sete dias antecedentes. A saída de campo tem como objetivo o estudo dos afloramentos geológicos da praia, e é realizada anualmente no âmbito da disciplina Geologia de Campo II. A disciplina é ministrada por Filipe Rosas, professor do DG Ciências ULisboa que, após conhecer os pressupostos do Life Ribermine, descreve o projeto como “uma forma revolucionária de recuperação da paisagem” e acrescenta que a visita foi “bastante interessante e útil” para os alunos. Na sua conta de Twitter podem ver-se registos fotográficos das atividades.

A ACCVL é uma entidade privada sem fins lucrativos criada em 2010 e tem como membros associados o Município de Grândola, principal financiador, a Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, a Ciências ULisboa, a SAPEC Parques Industriais e a Costaterra, duas empresas privadas. Para além do Centro Ciência Viva do Lousal (CCVL) – Mina de Ciência, a ACCVL tem a seu cargo o MM e a Galeria Waldemar d’Orey, uma galeria mineira subterrânea recuperada em 2015. O CCVL faz parte da Rede de Centros Ciência Viva (RCCV), constituída por 21 centros no território nacional, e enquadra-se, simultaneamente, no projeto integrado de reabilitação ambiental, socioeconómica e patrimonial em curso na antiga aldeia mineira do Lousal.

Ao longo dos quase 12 anos de existência, o CCVL já recebeu cerca de 200 mil visitantes, valor muito significativo numa comunidade com pouco mais que 200 habitantes, sendo também o maior empregador do Lousal, relata Jorge Relvas. O centro já foi visitado por centenas de escolas do ensino básico e secundário de todo o país e por dezenas de universidades portuguesas e estrangeiras, de países europeus, do Canadá, da Austrália e dos EUA. Está envolvido em dezenas de projetos científicos, educacionais, turísticos e de desenvolvimento social, financiados por programas nacionais do Turismo de Portugal ou da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, e europeus, através dos fundos estruturais de desenvolvimento regional do Alentejo.

As atividades da ACCVL vão muito para além das paredes do centro ou, até, dos limites da aldeia do Lousal. A equipa do CCVL vai às escolas, sobretudo no concelho de Grândola e restantes concelhos circundantes do Alentejo litoral e central; desenvolve atividades de educação ambiental em todas as praias do litoral alentejano; vai às bibliotecas, feiras e jardins; promove o turismo cultural e de natureza na serra de Grândola, nos circuitos arqueológicos da região, em trajetos pelo ecossistema do montado, numa estreita relação com a Herdade da Ribeira Abaixo, estação experimental do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). A associação tem ainda cerca de uma dezena de outros projetos atualmente a decorrer.

Jorge Relvas e Álvaro Madureira Pinto fazem um balanço “extremamente positivo” destes anos de trabalho, embora o trajeto já realizado “esteja longe de poder ser considerado linear e isento de dificuldades”.

Em funções desde a sua fundação, Jorge Relvas diz que o que mais o inspira neste trabalho é o facto de poder mostrar que é possível, com persistência, realismo e pragmatismo, tocar na vida das pessoas. “O conhecimento que a minha profissão me deu o privilégio de acumular durante décadas na Universidade, permite-me fazer alguma diferença, reinventando uma aldeia que já não existiria de outro modo; revemo-nos no brilho dos olhos das crianças, jovens e adultos que nos visitam e levam consigo um pouco mais de saber e de esperança no futuro”, partilha Jorge Relvas.

"Revemo-nos no brilho dos olhos das crianças, jovens e adultos que nos visitam e levam consigo um pouco mais de saber e de esperança no futuro" Jorge Relvas

Para Álvaro Madureira Pinto, também neste projeto deste o primeiro dia, é a liberdade criativa, os desafios e as pessoas os mobilizadores do seu trabalho. “Criar pontes entre profissionais especializados, investigadores, comunicadores, estudantes e o público em geral é um processo verdadeiramente apaixonante e mobilizador”, diz. Conta ainda que a dinamização do CCVL é um processo construtivo, neuronal e livre, que envolve muitas pessoas e organizações, e por isso constitui “um grande desafio e uma enorme responsabilidade".

A Comissão Científica de Apoio do CCVL é atualmente integralmente composta por cientistas da Ciências ULisboa, de diferentes áreas – Ana Eiró, Deodália Dias, Fernando Barriga, Rui Agostinho, Manuela Rocha e Helena Mendonça. Jorge Relvas destaca o importante papel desta comissão para o funcionamento do centro, desde a sua abertura, nomeadamente na coordenação das equipas de conceção dos conteúdos e módulos do centro, acompanhamento na resolução de questões científicas, promoção de atividades, revisão de conteúdos, estabelecimento de pontes com outros colegas da Ciências ULisboa e dinamização de atividades de divulgação.

Todos os centros da RCCV desenvolvem a sua atividade em estreita ligação com as universidades do país. O CCVL é, desde 2010, o centro da rede que Ciências ULisboa assume como sendo da sua responsabilidade. Jorge Relvas e Álvaro Madureira Pinto dizem estar orgulhosos, mas cientes da confiança e da responsabilidade depositadas aos seus ombros.

fotografia de drone com pessoas a acenar, segurando numa bandeira do projeto Life
Life Ribermine é um projeto ibérico com cofinanciamento da UE
Fonte Bruno Gonçalves / Life Ribermine

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Melhor Projeto Público 2017
Maria Manuel Torres

Maria Manuel Torres, professora do DM Ciências ULisboa, é a protagonista do quinto vídeo do projeto “Porquês com Ciência” sobre Matemática e Sustentabilidade.

pessoas numa exposição

A iniciativa “Café Ciências” está de regresso, após uma pausa forçada devido à pandemia. As sessões terão lugar às quartas-feiras, pelas 17h30, na Galeria Ciências, promovendo olhares cruzados sobre a exposição “A Porta do Pacífico: Uma viagem cartográfica pelo Estreito de Magalhães”.

Marta Panão no estudio FCCN

Marta Panão, professora do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, é a protagonista do quarto vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, disponível no YouTube da Faculdade. A pergunta “Como pensar a energia nos edifícios do futuro?” está diretamente relacionada com a licenciatura em Engenharia da Energia e Ambiente.

fotografia dos dois premiados

Dois estudantes da Ciências ULisboa receberam, em 2022, Bolsas de Investigação para Doutoramento Maria de Sousa, atribuídas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, em colaboração com a Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica.

Conceção artística de um buraco negro

Uma equipa internacional, da qual faz parte José Afonso, investigador no Departamento de Física da Faculdade e no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, lançou a hipótese de que os buracos negros poderão ter a resposta para a expansão acelerada do Universo.

vários jovens numa foto de grupo

Leonor Gonçalves, estudante do 1º. ano do mestrado em Estatística e Investigação Operacional, fala sobre a sua missão e partilha a experiência enquanto embaixadora das Carreiras na União Europeia (UE), deixando um apelo aos estudantes da Ciências ULisboa com interesse e dúvidas sobre as carreiras da UE, para que entrem em contacto com ela.

mesa com computador, caneca de café e bloco de notas

A Sociedade Portuguesa de Autores atribuiu o Prémio de Jornalismo Cultural deste ano à jornalista Teresa Firmino, editora da secção de Ciência do jornal Público, e membro do Conselho de Escola da Ciências ULisboa.

frente da reitoria da ULisboa

Entrevista a James McAllister, filósofo e professor no Institute for Philosophy, na Universidade de Leiden, na Holanda, que estará a trabalhar na Faculdade durante este ano letivo como investigador visitante.

imagem do Perserverance em Marte

Carlos Mão de Ferro, estudante do doutoramento em Informática, relata a sua experiência de estágio na NASA, na Califórnia, EUA. O estudante está a participar num projeto cujo objetivo é lançar pequenos robots na superfície de Marte, a partir de um rover principal, formando uma rede de sensores inteligente, com o intuito de estudar a existência de água no planeta.

Carlos Castro a receber a nomeação

Carlos Nieto de Castro, professor catedrático jubilado do Departamento de Química e Bioquímica e investigador no Centro de Química Estrutural (CQE), foi eleito Fellow da International Association for Advanced Materials (IAAM), como reconhecimento pela sua contribuição na área da Termofísica de fluidos e materiais com aplicações energéticas. É o segundo investigador português a obter esta distinção.

tubarão-martelo

Novo estudo recentemente publicado na revista Frontiers in Marine Science, desenvolvido por investigadores portugueses e cabo-verdianos, revela zona de berçário de tubarões na baía de Sal Rei, na ilha da Boa Vista, em Cabo Verde. Albergando juvenis de várias espécies ameaçadas, incluindo o icónico tubarão-martelo, trata-se de uma região única no Atlântico Este.

vistas da tibia, dinossauro e silueta humana

Trabalhos de investigação na jazida de Lo Hueco, Cuenca, em Espanha permitiram identificar restos fósseis de um dinossáurio carnívoro, com aproximadamente 75-70 milhões de anos, estreitamente relacionado ao grupo dos velocirraptorinos.

Galopim de Carvalho e Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou, em cerimónia no Palácio de Belém no passado dia 31 de janeiro, o professor catedrático jubilado António Galopim de Carvalho com as insígnias de Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública, ordem honorífica que reconhece a dedicação à causa da educação e do ensino.

mapa, com desenho de um dinossauro e vertebras caudais

Foi publicado recentemente na revista internacional Historical Biology um novo estudo sobre a diversidade dos dinossáurios saurópodes do Maastrichtiano da antiga ilha de Hațeg, que corresponde atualmente ao atual território da Roménia. O estudo foi liderado pelo paleontólogo Pedro Mocho, investigador no DG Ciências ULisboa, no Instituto Dom Luiz (IDL), e no Dinosaur Institute do Natural History Museum of Los Angeles County, na Califórnia.

Michele Vendruscolo, Ehud Gazit e Kresten Lindorff-Larsen

A propósito do arranque do projeto europeu TWIN2PIPSA, irá decorrer na Ciências ULisboa, entre os dias 1 e 3 de fevereiro de 2023, uma série de conferências plenárias, abertas a toda a comunidade académica, proferidas por especialistas das universidades parceiras do projeto: Michele Vendruscolo, da Universidade de Cambridge; Ehud Gazit, da Universidade de Tel Aviv; e Kresten Lindorff-Larsen, da Universidade de Copenhaga.

Artigo em homenagem ao professor do Departamento de Educação da Ciências ULisboa, Eduardo Veloso, falecido em dezembro de 2022, da autoria de Suzana Nápoles, professora aposentada do DM Ciências ULisboa.

Ana Marta de Matos

Novo artigo da autoria de Ana Marta de Matos, investigadora do Centro de Química Estrutural, do Institute of Molecular Sciences, sobre o potencial terapêutico dos antibióticos à base de açúcares, foi publicado a 24 de janeiro, na 4.ª edição da revista European Journal of Organic Chemistry, uma publicação dedicada à Química Orgânica. O artigo foi destacado na capa da revista.

Tarantula Nebula

Dois investigadores da Ciências ULisboa integram a nova direção da Sociedade Portuguesa de Astronomia, que tomou posse a 1 de janeiro.

espaço da exposição

Entrevista a José María Moreno Madrid, curador da exposição “A Porta do Pacífico: Uma viagem cartográfica pelo Estreito de Magalhães”, inaugurada no dia 3 de novembro de 2022. A exposição constitui uma mostra cartográfica sobre a construção da imagem do Estreito de Magalhães nos inícios da Idade Moderna. Pode ser visitada até junho de 2023, na Galeria de Ciências (Edifício C4).

Margarida Amaral

Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade e investigadora principal do grupo de investigação em Fibrose Quística, no BioISI, integra o Conselho de Acompanhamento Científico da Emiliy’s Entourage.

David Moreno, Vicente Miguel e Pedro Gil

A Fundação Calouste Gulbenkian atribuiu Bolsas Gulbenkian Novos Talentos a três estudantes de mérito da Ciências ULisboa das áreas de Matemática, Física e Biologia. David Moreno, Pedro Gil e Vicente Miguel vão participar no desenvolvimento de um projeto de investigação ao longo de um ano.

ilustração SARS-CoV-2

Um novo estudo liderado por Luís Graça, investigador principal Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM) e professor catedrático da Faculdade de Medicina da ULisboa, e por Manuel Carmo Gomes, professor associado com agregação da Ciências ULisboa, ambos membros da Comissão Técnica de Vacinação contra a COVID-19 (CTVC) da Direção Geral de Saúde (DGS), publicado em janeiro na revista científica Lancet Infectious Diseases, mostra que a proteção conferida pela imunidade híbrida contra a subvariante de SARS-CoV-2 Omicron BA.5, obtida pela infeção de pessoas vacinadas, mantém-se até pelo menos oito meses após a primeira infeção.

grupo das raparigas e uma pessoa da organização

Estudantes da Ciências ULisboa representaram a Faculdade no Digital Health Summit 2022, um encontro internacional dedicado ao futuro dos cuidados de saúde, promovido pela empresa Premivalor. Os alunos, organizados em dois grupos, apresentaram os projetos “The Golgi Printer” e “Cloudia”, tendo este último ficado classificado em 3.º lugar no concurso de projetos H-INNOVA - Health Innovation HUB, uma empresa de inovação no sector da saúde.

Salão da Academia das Ciências de Lisboa

Em 2022 a Academia das Ciências de Lisboa elegeu para a sua Classe de Ciências novos membros efetivos e correspondentes nacionais. Entre eles estão os professores da Ciências ULisboa Fernando Ferreira, nomeado membro efetivo; João Duarte e Jorge Buescu, nomeados correspondentes nacionais.

salão nobre da Reitoria da ULisboa

Oito professores e investigadores da Ciências ULisboa foram agraciados com prémios e menções honrosas, na edição de 2022 dos Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD). Errata da notícia publicada em novembro.

Páginas