Opinião

Banca da Dádiva HortaFCUL

Uma experiência socioeconómica de sucesso!

A HortaFCUL, como projeto que tenta procurar e experimentar soluções para os atuais problemas socioeconómicos, tem vindo a incorporar nas suas práticas a Economia da Dádiva.

A Economia da Dádiva (Gift Economy em inglês) é um tipo de economia alternativa à atual Economia de Mercado. De uma forma simples, neste tipo de trocas o ónus da responsabilidade do valor (€) do artigo ou serviço adquirido passa para o comprador, que faz a sua avaliação sobre o que considera justo pagar e a sua disponibilidade financeira, gerando um clima de total confiança entre quem disponibiliza e quem adquire os artigos. Será que este paradigma económico alternativo seria implementável na FCUL? Será que temos o nível “mínimo” de consciência e ética necessário?

Este novo paradigma económico, está em linha com as éticas da permacultura que servem de base ao grupo HortaFCUL e tem sido testada desde o início nas diferentes iniciativas do grupo, sob diferentes formas. Por exemplo, tipicamente, as inscrições nos cursos e workshops são efetuadas através pagamentos com valores opcionais dentro de uma dada gama, ou sob outras formas de retribuição não monetária, contribuindo desta forma para uma maior integração e justiça social. Ou seja, dado que nem todos têm as mesmas possibilidades económicas, desta forma o valor deixa de ser uma barreira á participação.

A experiência mais interessante é a Banca da Dádiva! Esta banca situada em frente à Biblioteca Central, recolhe os excedentes provenientes da Horta e convida a comunidade da FCUL a levar consigo algumas plantas a troco do valor que cada um atribui.

Apesar do ceticismo inicial, esta banca foi instalada pela primeira vez experimentalmente já no ano de 2013, sendo que as plantas são deixadas disponíveis ao público sem controlo ou supervisão por parte dos envolvidos no projeto. Esta revelou ser uma experiência muito interessante e a repetir devido à forte adesão da comunidade.

No ano de 2014, surgiu o Viveiro da HortaFCUL onde, tirando partido da característica única de totipotência celular das espécies do reino das plantas, fungos e algas (permite que qualquer célula especializada retorne ao seu estágio indiferenciado e voltar a especializar-se), promovemos a reprodução vegetativa que resulta de um processo que se inicia com a poda das plantas que se encontram na horta e posterior enraizamento no viveiro. Este viveiro permitiu manter um número elevado de plantas, criando muitos excedentes. Por outras palavras, as plantas da Banca da Dádiva são clones da HortaFCUL saídas diretamente do nosso berçário!

Assim, em outubro de 2015 surge novamente a Banca da Dádiva, desta vez em força e com um carácter mais permanente, contribuindo desta forma para fechar ciclos, sendo o rendimento obtido aplicado de novo no projeto, provando-se mais uma vez o seu sucesso.

Nesta nova etapa da Banca, tem sido observada uma enorme adesão por parte da comunidade da FCUL, sendo que as plantas disponíveis têm sido repostas semanalmente. Para compreendermos o sucesso desta iniciativa, e para que possa ser partilhado o resultado da mesma com a comunidade envolvida, decidimos registar o número e variedade das plantas disponibilizadas, assim como o valor monetário recebido em troca.

Durante quatro semanas, no final de 2015, foram colocados nesta Banca 52 indivíduos de 14 espécies de plantas diferentes. Em troca, a HortaFCUL obteve 64,51€, o que representa uma média de 1,24€ por planta. Não sendo possível saber ao certo o valor atribuído a cada planta é curioso perceber que o preço se aproxima do que é utilizado em muitas feiras e eventos em que a HortaFCUL está presente.

Com esta mudança de paradigma pretende-se demonstrar que é possível funcionar de uma maneira diferente a nível económico, criando um sistema mais justo que assenta numa base de confiança entre os intervenientes. Até á data, nunca houve qualquer ato de vandalismo, roubo e as plantas “esgotam” ao fim de alguns dias (por vezes horas).

A HortaFCUL gostaria de agradecer a todos os que têm vindo a contribuir para o sucesso desta iniciativa, não só através da aquisição das plantas como através do feedback que temos recebido e que tencionamos incorporar.

Rui Monteiro e Daniel Lopes, guardiões da HortaFCUL

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Páginas