Prémio Pfizer de Investigação Básica 2013

Ciência, com persistência

E o que pensam estas jovens de si próprias, depois de tantos anos a trabalhar juntas?! Em vez de cada uma falar de si, optaram por se descrever umas às outras. O resultado é este…

“Joana - uma mente brilhante! Estuda e questiona sempre qual a melhor solução a aplicar nos desafios do laboratório e na investigação que abraça. Sempre um passo à frente naquilo que investiga.
Diana - uma trabalhadora nata! Muita dedicação e muitas horas no laboratório. Sempre a pensar como chegar ao resultado tão esperado, mantendo a sua perspetiva metódica e olho científico.
Marisa - uma força da natureza! A melhor pessoa para se ter ao lado no laboratório. Inteligente, dedicada, competente e com uma enorme capacidade de trabalho que nos contagia e nos dá energia para trabalhar mais e mais.
Inna - o sentido prático! Sempre a arranjar novas soluções para novos protocolos. Tudo o que deseja aprender e conhecer, ela aprende, tornando real e ultrapassando qualquer desafio que se imponha.”

A última edição dos Prémios Pfizer de Investigação Básica reconheceu o mérito do projeto “Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets", um estudo coordenado por Margarida D Amaral e que contou com a colaboração de outros 14 cientistas, entre eles, Joana Almaça, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina e Diana Faria, que têm em comum muito mais do que o gosto pela ciência.

“A FCUL foi um ponto de encontro entre todas nós. Foi lá que a maioria de nós se conheceu quando decidimos realizar o doutoramento no laboratório da professora Margarida Amaral”, contam as jovens cientistas, que têm a FCUL como a “casa-mãe”, o local a onde regressavam após cada temporada no estrangeiro, principalmente na Alemanha, no laboratório do professor Karl Kunzelmann, outro membro da equipa do projeto distinguido pelos Laboratórios Pfizer e pela Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, em dezembro passado.

Para a Joana Almaça, a Marisa Sousa, a Inna Ulyiakina e a Diana Faria o prémio atribuído ao projeto “Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets" foi uma “surpresa muito agradável” e “simboliza todo o esforço e dedicação depositados neste trabalho que, para além de ter culminado numa publicação de alto impacto, fica agora também espelhado num prémio que nos traz reconhecimento a nível nacional”.

As investigadoras consideram este estudo “muito ambicioso”, tendo proporcionado “uma excelente oportunidade para estabelecer colaborações internacionais, trabalhar com pessoas muito experientes em diferentes áreas e, sobretudo, aprender novas técnicas que são agora uma mais-valia na nossa formação”.

A otimização dos ensaios e a utilização de novas tecnologias e modelos de investigação a que não estavam habituadas representam as principais dificuldades sentidas pelas quatro jovens, no decorrer do projeto. A análise de todos os dados também gerou “algumas dores de cabeça”, mas dessa tarefa, dizem, “surgiram os resultados mais interessantes, que podem resultar em alvos terapêuticos a utilizar no futuro”.

Desenho
No futuro as jovens cientistas gostariam de trabalhar em Portugal
Desenho de Pedro Côrte-Real

A coordenadora deste projeto, Margarida D. Amaral, acredita que este estudo e a publicação do artigo "High‐Content siRNA Screen Reveals Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets", em setembro de 2013, na revista Cell, é um marco importante nas vidas futuras destas quatro “meninas”, estudantes de doutoramento, três delas já doutoradas. Atualmente só a Inna Ulyiakina permanece na FCUL, entrou mais tarde para o projeto e ainda não concluiu o doutoramento.

“Tenho a nítida sensação de que enquanto estavam a trabalhar no projeto não se aperceberam do enorme impacto que este estudo iria ter”, comenta Margarida D. Amaral - acrescentando que -, “o papel do supervisor/ mentor é ver mais longe e mostrar o caminho!”. A professora do Departamento de Química e Bioquímica e líder de um dos grupos do BioFIG - Centro de Biodiversidade, Genómica Integrativa e Funcional da FCUL entende que “numa época em que ‘tudo está à distância dum clique’, é preciso incutirmos nos estudantes e jovens investigadores [o valor da] persistência, uma qualidade essencial em ciência. Claro que o talento também é importante, mas sem persistência, o talento não vai longe…”.

Joana Almaça, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina e Diana Faria não têm dúvidas em afirmar que foram “contaminadas pelo ‘bichinho da ciência’”, por isso, os planos futuros passam por “contribuir para o conhecimento dos mecanismos responsáveis por algumas patologias dos humanos”.

Atualmente, algumas desenvolvem trabalhos de investigação em institutos internacionais, ainda assim permanece um desejo comum: “trabalhar no futuro em Portugal e continuar a aplicar por cá os conhecimentos adquiridos durante o doutoramento e pós-doutoramento”- deixando um apelo -, “continuem a investir em ciência de excelência em Portugal!”.
 

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Maria Amélia Martins-Loução

“O esforço contínuo em inovar e cruzar saberes vale sempre a pena”, diz a cientista Maria Amélia Martins-Loução, distinguida com o Grande Prémio Ciência Viva 2021.

Brochuras e outros brindes

"A comunicação gera representações sociopsicológicas que são usadas para diferenciar, reconhecer e memorizar os seus bens, produtos e serviços, tornando-os singulares." Mais uma rubrica em jeito de editorial, da autoria de Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Maria Manuel Torres com alunos

"A Matemática serve para fazer magia", comenta Maria Manuel Torres, professora do Departamento de Matemática, a propósito da sessão sobre investigação em Matemática pura, realizada no âmbito do "Encontro com o Cientista", uma inicativa do Pavilhão do Conhecimento - Escola Ciência Viva. A Faculdade recebeu a visita de cerca de 45 alunos, com cerca de 10 anos, acompanhados pelas suas professoras e auxiliares, assim como por técnicos da Ciência Viva.

Reboot - closing this endless crisis [terminar esta crise interminável]

A Reboot é uma associação sem fins lucrativos formada em outubro de 2020 com a missão de criar uma comunidade focada no combate à crise climática. Circular 2021 é o próximo evento organizado pela Reboot, e decorre a 1 de dezembro, na Aula Magna da Reitoria da ULisboa.

Todas as semanas são boas para dar a conhecer os cientistas e o que investigam, assim como os seus contributos para o avanço do conhecimento, ainda assim há semanas mais especiais que outras, como é o caso da Semana da Ciência e da Tecnologia.

Imagem abstrata relacionada com o cartaz promocional do ranking

Alan Phillips é distinguido, pelo 4.º ano consecutivo, como um dos cientistas mais citados na área da Ciência Vegetal e Animal a nível mundial, pelo Highly Cited Researchers da Clarivate Analytics, uma empresa norte-americana especializada em gestão de informação científica.

musaranho-de-dentes-brancos

Investigador do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar polo da Ciências ULisboa lidera descoberta sobre o comportamento social do musaranho-de-dentes-brancos.

Mulher escreve num quadro

Quer saber quem são os cientistas mais citados a nível mundial? Aceda gratuitamente aos dados da Mendeley, publicados na Elsevier. Portugal tem 481 cientistas no ranking referente ao impacto ao longo da carreira e 703 no ranking de 2020. Ciências ULisboa apresenta melhores resultados face a 2019.

4 pessoas com colete refletor

O Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Ciências ULisboa promoveu a realização do primeiro simulacro no edifício do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. O primeiro exercício na Faculdade ocorreu em dezembro de 2013. Até agora já foram realizados 19 simulacros.

João Carlos Ribeiro Reis, professor aposentado do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade, e investigador do Centro de Química Estrutural, faleceu no passado dia 5 de novembro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Décima nona rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Seringas

Ensaio da autoria dos professores Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes.

uvas com a doença oídio

Estudo liderado por Ana Margarida Fortes, professora do DBV Ciências ULisboa e coordenadora de um dos grupos do BioISI Ciências ULisboa, está entre os cinco melhores artigos da Journal of Experimental Botany, uma prestigiada revista de investigação em plantas.

Maria Helena Carvalho de Sousa Andrade e Silva, professora aposentada da Ciências ULisboa, faleceu aos 94 anos, no passado dia 31 de outubro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Estrutura 3D da proteína S100B

Uma equipa internacional liderada pelo cientista Cláudio M. Gomes, professor do DQB Ciências ULisboa e coordenador do laboratório PMAB do BioISI, descobriu uma nova função para uma proteína do cérebro, que atrasa a formação de depósitos proteicos causadores de demências como a doença de Alzheimer. Guilherme Moreira, estudante de doutoramento em Bioquímica na Ciências ULisboa, orientado por Cláudio M. Gomes, é o primeiro autor do estudo.

 

Flores, livro e ampulheta

"Apesar de tudo, outubro foi um rico mês e novembro promete ser igual (...) O dia de amanhã, ainda que não esteja garantido, é uma série ininterrupta e eterna de instantes e é nosso". Mais uma rubrica em jeito de editorial, da autoria de Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Cérebro

"Para cada uma destas operações interessa estudar como nos vamos conduzir, e em que direção vamos prosseguir, logo quais são os princípios das coisas especulativas e os da imaginação",  in No Campus com Helder Coelho.

crianças numa visita ao laboratório

Ciências ULisboa recebeu, no passado dia 6 de outubro, 47 alunos do 4º ano, da Escola Básica Mestre Querubim Lapa, no âmbito do programa Escola Ciência Viva do Pavilhão do Conhecimento. A visita realizou-se no âmbito da atividade “Encontro com o cientista” e teve como anfitrião o professor do Departamento de Física, Rui Agostinho.

Campus da Faculdade

A Faculdade dá a conhecer uma vez mais a melhor ciência que se faz nesta centenária instituição. O Dia da Investigação da Ciências ULisboa realiza-se a 27 de outubro, no grande auditório, sito no edifício C3 e conta com uma sessão especial dedicada às Alterações Climáticas, área de investigação onde Ciências ULisboa é líder.

Luis Carriço, diretor da Ciências ULisboa e Maria de Jesus Fernandes, bastonária da Ordem dos Biólogos, assinaram no passado mês de setembro um protocolo de colaboração que visa a conceção, criação e desenvolvimento de cursos de especialização nas áreas de especialidade da Ordem, nomeadamente: Ambiente, Biotecnologia, Educação e Saúde.

Folha em destaque

Vanessa Mata, Miguel Baptista e Tiago Morais são os vencedores da edição 2021 do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, organizado pela Sociedade Portuguesa de Ecologia (Speco). A entrega dos galardões deve ocorrer no próximo mês de dezembro, durante o 20º Encontro Nacional de Ecologia, na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, em Ponte de Lima.

codigo html

“OS Diversity for Intrusion Tolerance: Myth or Reality?”, com coautoria de três investigadores da Ciências ULisboa, é um dos artigos distinguidos com o prémio Test-of-Time, atribuído em junho de 2021 pela DSN.

Logotipo da iniciativa - banner promocional

Entre 12 e 17 de outubro de 2021 realiza-se a primeira edição do FIC.A - Festival Internacional de Ciência, no Palácio e Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras. Ciências ULisboa está representada neste evento com dezenas de atividades.

logotipo das comemorações do centenário da licenciatura em engenharia geográfica/geoespacial

Este ano assinala-se o centenário da criação da licenciatura em Engenharia Geográfica/Geoespacial. Para comemorar a efeméride realiza-se a 22 de outubro de 2021, pelas 15h00, no grande auditório da Ciências ULisboa, uma Sessão Solene Comemorativa, organizada pela Faculdade em parceria com a Ordem dos Engenheiros.

Lagoa nos Açores

Um estudo multidisciplinar, da autoria de vários cientistas europeus e norte-americanos, reconstrói as condições em que os Açores foram habitados pela primeira vez e o impacto da presença humana nos ecossistemas.

Páginas