Ensaio

COVID-19 em Portugal: situação atual e perspetivas para o futuro

Seringas

O reforço vacinal dos mais idosos nas próximas semanas, se suficientemente rápido, deverá compensar o decaimento da proteção que tinham obtido por vacinação no início do ano

Storyblocks
Carlos Antunes
Carlos Antunes
Fonte ACI Ciências ULisboa

Manuel Carmo Gomes
Manuel Carmo Gomes
Fonte ACI Ciências ULisboa

À data em que escrevemos, 7 de novembro, Portugal registou 1 097 557 casos confirmados de infecção pelo SARS-CoV-2 e 18 203 óbitos por COVID-19. O nível de incidência (número de novos casos por dia) em dias recentes tem sido moderado – cerca de 950 casos por dia – correspondente a 120 casos acumulados em 14 dias por 100 mil habitantes. Desde o início de outubro, a incidência da doença tem apresentado tendência de subida persistente, consequência de um índice de transmissibilidade (Rt) que se situa continuamente um pouco acima de 1 (Fig. 1). A persistência de Rt>1 origina crescimento exponencial da incidência o qual é passível, em situação prolongada, de originar situações de elevada pressão hospitalar.

Figura 1
Fig.1 Esquerda: Incidência diária de infecção por SARS-Cov-2 nos últimos sete meses (barras azuis) e média móvel de sete dias (linha laranja). Direita: Evolução do índice de transmissibilidade Rt nacional (Rt >1 indica crescimento da incidência)
Fonte BI SINAVE/DGS, processamento: Ciências ULisboa

Nas últimas semanas, as idades onde o risco de infecção tem sido mais elevado situam-se entre os 18 e os 25 anos, seguidos das crianças com menos de dez anos e dos jovens adultos entre 25 e 40 anos de idade (Fig. 2).

Figura 2
Fig. 2 Discretização por faixas etárias de dez anos da incidência acumulada a 14 dias por 100 mil habitantes. O grupo dos 20-29 anos apresenta atualmente o risco mais elevado de infecção e todas as idades estão com tendência ascendente
Fonte BI SINAVE/DGS, processamento: Ciências ULisboa

Estas idades incrementaram a socialização após 1 de outubro, quando o país entrou na terceira fase do desconfinamento, associado aos 85% de cobertura vacinal alcançada. Pontualmente, têm ocorrido alguns surtos em lares de idosos, originando incidências elevadas em maiores de 70 anos, mas globalmente não são os mais idosos que têm originado mais casos. Continuam, no entanto, a ser os mais idosos os mais suscetíveis a doença grave, justificando hospitalizações e, eventualmente, óbitos. Ao longo de outubro, os maiores de 70 anos representaram cerca de 70% dos internados em enfermaria COVID-19 (Fig. 3) e cerca de 91% dos óbitos (Fig. 4), mas apenas 15% das infeções ocorridas.

Figura 3
Fig.3 N.º de internados em enfermaria COVID-19 em Portugal por grupo de idade de 1/julho a 4/novembro. Note-se a recente subida, desde finais de outubro
Fonte ACSS/Ministério da Saúde, processamento Ciências ULisboa

Figura 4
Fig.4  Número de óbitos por mês (março-outubro/2021) e idade. A linha vermelha é a percentagem dos 80+ anos nos óbitos
Fonte BI SINAVE/DGS, processamento: Ciências ULisboa

Desde o princípio de outubro, a maioria dos novos casos de infecção ocorreu já em pessoas completamente vacinadas. As vacinas mantêm-se altamente protetoras contra doença grave, mas a sua efetividade contra infecção pela variante Delta do vírus (incluindo assintomática ou com sintomas leves) é inferior a 80% e decai com o passar do tempo. Por exemplo, os dados relativos à vacina mais administrada em Portugal (Comirnaty®, Pfizer) mostram que em setembro ocorreram 1,7 infecções por cada 1000 pessoas que tinham sido vacinadas em julho, enquanto que para os vacinados antes de março, ocorreram 3,9/1000 infecções.

Este aumento de incidência em vacinados associa-se ao decaimento da concentração de anticorpos em circulação no sangue do indivíduo, duma forma que é ainda quantitativamente mal compreendida. Sabe-se, no entanto, que o decaimento é maior nos idosos e é menor para pessoas que tenham tido infecção antes da vacinação. Após cinco a seis meses pós-vacinação, o risco de infecção acentua-se e, nos mais idosos ou em pessoas com comorbilidades, têm ocorrido casos de doença grave com hospitalização e óbito. O reforço vacinal com uma 3.ª dose, presentemente a decorrer, pretende minorar o impacto destas infecções ao longo do outono e inverno em que agora entramos.  

Em Portugal, a vacinação contra o SARS-CoV-2 teve início em 27 dezembro de 2020 e, passados apenas 10 meses, 86% dos portugueses já estão completamente vacinados (Fig. 5). Os vacinados que foram posteriormente infectados, apresentam cargas virais no trato respiratório superior equiparáveis aos infectados que não estavam vacinados, independentemente de apresentarem ou não sintomas de COVID-19, sugerindo que são também transmissores da infecção. A boa notícia é que o declínio da carga viral após infecção nos indivíduos vacinados, aparenta ser mais rápida do que nos infectados não vacinados, conferindo aos primeiros menor oportunidade para transmitir o vírus.

Figura 5
Fig.5 Evolução da % de cobertura vacinal ao longo das semanas (semana 44 termina a 7/novembro), para todas as idades (esquerda) e apenas os 12-19 anos (direita), a faixa etária com menor cobertura (87% em 5/novembro). Laranja: vacinação completa, conseguida com vacinas de duas doses, ou uma dose da Janssen, ou recuperados de infecção com uma dose. Linha azul: cobertura com pelo menos uma dose de qualquer vacina
Fonte VACINAS/DGS, processamento: Ciências ULisboa

A vacinação reduziu substancialmente o impacto hospitalar da COVID-19. Estima-se que na 4.ª onda (julho/2021) em Portugal, houve apenas 1/3 das hospitalizações que teriam ocorrido caso não houvesse vacinação (Fig. 6). No entanto, a possibilidade de os vacinados contraírem infecção, sugere que qualquer país terá grande dificuldade em interromper totalmente a circulação do vírus, mesmo com coberturas vacinais muito elevadas.

Figura 6
Fig.6 Curva epidémica e ocupação hospitalar em Portugal. Azul: número médio de novos casos diários (média móvel de sete dias); laranja: n.º de doentes COVID-19 em enfermaria; vermelho: n.º de doentes em cuidados intensivos; linha preta: óbitos (ordenadas à direita). Os retângulos verdes assinalam dois períodos de incidência semelhante, à esquerda sem vacinação (outubro/2020) e à direita com vacinação (julho/2021), note-se a diferença em termos de ocupação hospitalar e óbitos
Fonte BI SINAVE/DGS, processamento: Ciências ULisboa

Tudo indica que só a combinação de elevada cobertura vacinal com a manutenção de medidas não farmacológicas, destacando-se o uso de máscaras e o arejamento de espaços fechados, pode retardar significativamente a propagação do SARS-CoV-2. O incumprimento de pelo menos um destes requisitos é uma explicação provável para o ressurgimento da infecção a que assistimos presentemente na Europa, mesmo em países com 60% a 75% da população vacinada, como é o caso do Reino Unido, Bélgica, Holanda, Alemanha, Grécia e Irlanda. Na Europa de Leste a situação é já pior e pode piorar no inverno, devido às baixas coberturas vacinais.

Outra boa notícia é a confirmação de que, tanto a infecção causada pelo vírus como a vacinação, induzem memória imunológica duradoura, a chamada imunidade celular. Ambas induzem a diferenciação de linfócitos B e T, sendo este aspecto o mais importante na proteção contra doença grave. Assim, embora a infecção das vias nasais pelo SARS-CoV-2 seja difícil de evitar, a deslocação do vírus para órgãos internos, nomeadamente os pulmões, é dificultada pela resposta imunológica celular nas pessoas que tenham sido previamente vacinadas (ou previamente infectadas). Esta resposta pode demorar poucos dias a ser efetiva, mas quase sempre aparenta chegar a tempo de evitar doença grave.       

A variante Delta do SARS-CoV-2 é altamente contagiosa, cerca de 140% mais do que a variante original. A transmissibilidade de um agente patogénico é avaliada por uma quantidade designada por R0, o número básico de reprodução da infecção. R0 é o número médio de novas infecções originadas por um indivíduo infectado em condições ideais para o vírus, ou seja, quando todas as pessoas podem ser infectadas e não usam medidas de proteção. Quando o vírus chegou a Portugal em 2020, o seu R0, estimado por duas equipes independentes - Ciências ULisboa e Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) -, situava-se entre 2,1 e 2,5. A variante Delta, porém, tem um R0 que se estima rondar pelo menos entre cinco a sete. Este valor é superior ao de infecções que estão entre nós há muito tempo, como é o caso da Difteria e da Poliomielite, e é equiparável ao da Rubéola e da Varicela.

Na prática, isto significa que o SARS-CoV-2 provavelmente persistirá entre nós nos próximos anos, podendo qualquer um de nós vir a ter um encontro com o vírus e, eventualmente, ser infectado. Mesmo o reforço vacinal não dá garantia de proteção indefinida contra infecção, aliás, presentemente desconhece-se qual a duração da proteção conferida pelo reforço que estamos a administrar aos idosos e aos imunossuprimidos. Não é possível também antecipar se surgirá uma variante ainda mais transmissível do que a Delta ou capaz de evadir a proteção conferida pela vacinação. Contudo, os encontros com vírus circulantes, como é o caso da Varicela, da Gripe, ou de tantos outros vírus respiratórios, são comuns e causam uma subida temporária do nível de anticorpos na pessoa infectada. Para pessoas vacinadas, o encontro com o vírus raramente conduz a doença grave e tem a vantagem de induzir memória imunológica de mais amplo espectro do que a vacina. O nosso sistema imunológico passa a reconhecer várias proteínas do vírus e não apenas aquelas que foram colocadas na vacina, tornando-nos mais capazes de reconhecer e resistir a variantes novas do vírus.  

É previsível que neste outono e inverno em que agora entramos, continuemos a ter uma incidência diária de várias centenas de casos e um pequeno número de óbitos. Na verdade, os recentes dados do início de novembro, sugerem um ressurgimento apreciável da infecção, sendo provável que estejamos a assistir ao início da 5.ª vaga. Nos últimos dias, o valor médio do Rt tem-se situado acima de 1,1. Se este Rt se mantiver, o número de novos casos deverá duplicar a cada 30 dias aproximadamente, o que significa que poderemos chegar aos 2000 casos diários na primeira metade de dezembro. Não obstante, não esperamos que a COVID-19, só por si, venha a causar uma pressão sobre o sistema hospitalar equiparável ao período pré-vacinação. O reforço vacinal dos mais idosos nas próximas semanas, se suficientemente rápido, deverá compensar o decaimento da proteção que tinham obtido por vacinação no início do ano, permitindo que atravessem o inverno com baixa probabilidade de contrair doença grave.

Terminamos revisitando os dois requisitos acima enunciados para conseguir que o SARS-CoV-2 não interfira com a normalização da nossa vida ao longo dos próximos meses. Em primeiro lugar, deve ser assegurada a manutenção de elevado grau de proteção imunológica da população portuguesa. Se necessário, administrando reforços vacinais em grupos identificados como tendo maior risco de infecção e de transmissão do vírus, e não apenas aos de maior risco para doença grave. Esta é uma tarefa de vigilância a cargo do INSA e da Direção-Geral da Saúde, através da Comissão Técnica de Vacinação para a COVID-19.

Em segundo lugar, a manutenção das medidas de proteção não farmacológicas que dificultam a transmissão do vírus, retardam a sua propagação e evitam uma subida demasiado rápida da incidência.

Note-se que Portugal não se encontra ainda numa situação normalizada de infecção endémica semelhante à de outros vírus. As infecções pelos SARS-CoV-2 ainda representam um peso significativo para a sociedade e para os serviços de saúde, com destaque para o absentismo, a testagem, isolamento de casos, rastreamento de contactos e hospitalizações. O pior já passou, mas a nossa convivência com o SARS-CoV-2 ainda não é pacífica.

Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes, professores Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
A Faculdade e a COVID-19
Imagem artística de Proxima d, o candidato a planeta recentemente detetado à volta da estrela anã vermelha, Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol

Uma equipa liderada por João Faria, antigo aluno da licenciatura de Física da Faculdade e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, detetou um novo planeta à volta da estrela mais próxima do Sol – Proxima Centauri, anunciou o Instituto, na quinta-feira passada, dia 10 de fevereiro.

anfiteatro

Os alunos da Ciências ULisboa inscritos nos exames nos dias 11 e 12 de fevereiro podem realizá-los novamente em época extraordinária. De acordo com a Direção da Faculdade não existem indícios de se ter verificado a existência de um absentismo superior ao normal nas provas de avaliação realizadas nestes dois dias.

Campus da Faculdade

Ciências ULisboa, após contacto da Polícia Judiciária (PJ), colaborou estreitamente no contexto da investigação relacionada com a suspeita de atentado dirigido a estudantes universitários da ULisboa e que levou ao desenlace anunciado esta quinta-feira, dia 10 de fevereiro, pela PJ. A Direção da Ciências ULisboa congratula-se com o impedimento da referida ação.

Tubos de ensaio

Portugal tornou-se o mais recente membro do EU-OPENSCREEN, um consórcio europeu de infraestruturas de investigação para a Química biológica e descoberta inicial de fármacos. A participação portuguesa no EU-OPENSCREEN está integrada no Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação, através do PT-OPENSCREEN. O CQE e o BioISI são parceiros desta infraestrutura.

Membros da rede MedECC na Sala do Senado na Assembleia da República

Cristina Branquinho, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do cE3c, participou no 1.º Relatório de Avaliação - Alterações Climáticas e Ambientais na Bacia do Mediterrâneo - Situação Atual e Riscos para o Futuro realizado pela Rede de Especialistas do Mediterrâneo em Alterações Ambientais e Climáticas, distinguida com o Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa.

Lisboa Romana | Felicitas Iulia Olisipo foi distinguida com os Prémios APOM 2021 e com os Prémios Património.pt. Esta iniciativa alvo destas distinções contou com a colaboração de cientistas do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz, entre outras entidades.

tela com várias cores coloridas

"Escrever é um ato criativo, ainda que seja sobre uma descoberta científica, um prémio a um investigador, uma empresa de sucesso que aqui nasceu", escreve Marta Tavares, do Gabinete de Jornalismo da Direção de Comunicação e Imagem da Ciências ULisboa. Mais um artigo em jeito de editorial.

Costa coberta de algas

Uma equipa de investigadores da Ciências ULisboa avaliou o desempenho de algoritmos de Inteligência Artificial (IA) destinados a avaliar a resposta fotoquímica de diatomáceas expostas a contaminantes emergentes.

Vinhas geladas na Áustria (leste)

A cientista Ana Margarida Fortes escreve uma crónica sobre a sua experiência em BOKU durante duas semanas, um convite que recebeu com particular entusiasmo.

Francisca Canais e Rita Maçorano

Holi é o nome da mais recente aplicação criada pela Nevaro, uma empresa com berço no Centro de Inovação da Ciências ULisboa, o Tec Labs. A aplicação funciona como um “pequeno cérebro”, que monitoriza a saúde mental do utilizador, ajudando na sua autogestão.

cibersegurança

O Cybersecurity Executive Program, um curso de cibersegurança direcionado para executivos e decisores de organizações públicas e privadas, civis e militares, inicia-se no próximo dia 29 de março de 2022, no formato online, com uma duração total de 25 horas. As inscrições já abriram.

Berço De Gray Newton

“O crescimento da confiança na ciência e nos cientistas é uma tendência mundial”. Mais um artigo em jeito de editorial, da autoria de Marta Daniela Santos e Pedro Almeida.

A colony of tiny ants swarming an area of the patio stone

O cientista José Alberto Quartau escreve um artigo em homenagem ao grande entomologista e lendário biólogo evolucionista, muitas vezes apelidado de novo Darwin e também pai da Biodiversidade, visto ter sido um dos mais apaixonados e eloquentes defensores da diversidade biológica deste planeta.

Hands working with liquids in laboratory

A Câmara Municipal de Lisboa (CML), a Faculdade e a Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências (FCiências.ID) inauguram esta quinta-feira, dia 13 de janeiro, o BioLab Lisboa (BLL). Para Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa, "esta iniciativa é crucial para a integração do cidadão no ecossistema de inovação, de modo a que todos juntos possamos produzir o conhecimento que nos ajudará a criar a cidade do amanhã".

Scientists working at the laboratory

Jaime A. S. Coelho, professor do DQB Ciências ULisboa e investigador no CQE, polo desta faculdade, é o primeiro investigador a trabalhar em Portugal a ser galardoado com o Prémio Thieme Chemistry Journals. "É uma enorme honra fazer parte desta prestigiada lista em que estão presentes outros químicos internacionalmente reconhecidos, como o Dean Toste (distinguido em 2003), Nuno Maulide (distinguido em 2010), Benjamin List (distinguido em 2001, prémio Nobel da Química 2021), David MacMillan (distinguido em 1999, prémio Nobel da Química 2021), entre outros”, diz Jaime A. S. Coelho.

Worldwide connection technology interface. Global Strategy Virtual Icon.Innovation Graphs Interface

A Faculdade é um dos associados fundadores da Biodata.pt, que opera a infraestrutura distribuída portuguesa de dados biológicos e o nó português ELIXIR. “A participação da Faculdade nesta associação é de elevada importância e valor estratégico”, escrevem os cientistas Cátia Pesquita, Sofia Henriques, Vítor Sousa, Célia Miguel e Miguel Machuqueiro.

Digital Cyber Circuit Head 3d

Um dos seis novos projetos financiados pelo Programa CMU Portugal no âmbito do concurso da FCT para projetos exploratórios 2021, na área das TIC intitula-se “Agência de Adultos Idosos em Interação Humano-Robot”.

zona costeira

Trabalho de investigação liderado por grupo da Universidade de Barcelona, que conta com contribuições de quatro investigadores do IDL Ciências ULisboa, encontra evidências de ocupação Neandertal mais recuada e prolongada no tempo.

Pescoço inclinado para trás

"Esta altura do ano é ideal para parar e refletir e sobretudo agradecer aos alunos, alumni, professores, investigadores e todos os outros funcionários desta “casa”, aqueles que continuam no ativo, os que se reformaram e aos que já não estão entre nós. Há um legado, sempre", escreve Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

6 investigadores

Equipa de investigadores portugueses a trabalhar no German Cancer Research Center desenvolvem técnica pioneira para o tratamento com protões do cancro da próstata.

várias imagens de engenheiros ao computador e no terreno

Último artigo de opinião no âmbito das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

Troféu

Em 2021 a Ordem dos Engenheiros (OE) celebrou 85 anos e 152 anos enquanto associação representativa destes profissionais portugueses. Durante as comemorações, esta sociedade pública profissional distinguiu Ciências ULisboa com o Troféu OE pelo centenário da criação da licenciatura Engenharia Geográfica/Geoespacial, um dos 12 que foram atribuídos durante a Gala 85 Anos OE.

Campus da Faculdade - passagem

“O equilíbrio entre o pensamento holístico e o pragmatismo experimental, entre a intuição e a dedução, é difícil de atingir. A educação é o terreno próprio para não recearmos essa viagem”, escrevem Rui Malhó e Helder Coelho, a propósito da obra “Complexidade: implicações e políticas globais”, apresentada recentemente na Fundação Calouste Gulbenkian.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Vigésima rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Shift.

1.ª edição das Medalhas de Mérito Científico REN - Ciência LP

Adyler Frota,  alumnus do mestrado integrado em Engenharia da Energia e Ambiente da Faculdade, foi galardoado este mês com o 2.º prémio das Medalhas de Mérito Científico REN - Ciência LP, na categoria jovens estudantes, pela tese “Otimização do Desempenho Ótico de amostras de silício cristalino por Metal Assisted Chemical Etching (MACE)” e que contou com os orientadores José Silva e Ivo Costa.

Páginas