Campanha oceanográfica

Falha Glória

Primeiro estudo completo e sistemático

Navio oceanográfico alemão Meteor

A estrutura profunda anómala da Falha Glória foi descrita por Luís Batista, recentemente doutorado em Geologia por Ciências ULisboa. A campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW durou um mês

Imagem cedida por JCD

O sismo de maior magnitude instrumentalmente medido no Atlântico Norte, Europa e África, com magnitude 8.4 na escala de Richter teve origem na Falha Glória e aconteceu em 1941.

“Pela 1.ª vez foi possível realizar um estudo completo e sistemático ao longo de um segmento da fronteira de placas Açores/Gibraltar”, diz João C. Duarte, professor do Departamento de Geologia (DG) da Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luiz (IDL) e um dos membros da equipa portuguesa presente na campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW, realizada no Oceano Atlântico, ao longo daquele segmento da fronteira de placas, mais conhecido como Falha Glória, e que terminou no passado domingo, 5 de abril.

“Nas várias amostras que recolhemos do fundo do mar encontrámos várias dezenas de depósitos que marcam eventos que podem corresponder a grandes sismos”, conta João C Duarte, adiantando que quando os grandes sismos ocorrem geram-se geralmente grandes deslizamentos de terra submarinos que deixam um depósito muito típico, denominado turbiditos, que podem ser datados e permitem inferir quando é que os grandes eventos sísmicos ocorreram ao longo da Falha Glória e dar uma ideia do seu período de recorrência. “Basicamente a técnica consiste em enfiar um tubo nos sedimentos usando uma espécie de grande agulha com três a cinco metros. Estes tubos são depois trazidos para a superfície e abertos ao meio. É isso que se vê nas fotografias”, explica João C. Duarte.

Investigadores tratam as amostras recolhidas do fundo do mar
“Nas várias amostras que recolhemos do fundo do mar encontrámos várias dezenas de depósitos que marcam eventos que podem corresponder a grandes sismos”, conta João C Duarte
Fonte Pedro Nogueira

O objetivo principal desta campanha oceanográfica, liderada por Christian Hensen do GEOMAR - Helmholtz-Zentrum für Ozeanforschung e financiada pela agência alemã German Science Foundation (DFG), é compreender os processos geológicos que medeiam a circulação de fluidos subterrâneos no oceano profundo, particularmente a compreensão das relações entre a circulação de fluidos e a sismicidade e as interações da geosfera/biosfera/hidrosfera.

O segmento oriental da fronteira de placas Açores/Gibraltar, a sudoeste da Península Ibérica tem sido alvo de numerosos estudos de Geologia e Geofísica Marinha, nomeadamente no que diz respeito a processos tectónicos geradores de grandes sismos e de tsunamis, como o de 1755 e o de 1969.

A Falha Glória é um segmento de cerca de 900 km menos conhecido e cuja estrutura profunda anómala foi descrita por cientistas portugueses e alemães, nomeadamente Luís Batista, geólogo no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), recentemente doutorado em Geologia por Ciências ULisboa.

Luís Batista também participou nesta missão, juntamente com um dos seus orientadores de doutoramento Pedro Terrinha, professor no DG Ciências ULisboa, chefe da Divisão de Geologia e Georrecursos Marinhos no IPMA e responsável nesta missão pela equipa de hidroacústica, nomeadamenteo na descrição geológica das sondagens de gravidade.

Durante o decorrer da campanha foram usados um conjunto de técnicas de amostragem indireta e direta da crusta oceânica profunda, nomeadamente sistemas de acústicos de prospeção, medição de propriedades térmicas da crusta, captação de imagens de vídeo e amostragem de sedimentos e fluidos.

Os sistemas acústicos não são potencialmente nocivos para os mamíferos marinhos, ainda assim, houve um grupo que os observou durante as experiências. Simultaneamente foram recolhidas amostras dos sedimentos para o estudo da componente biológica, com o objetivo principal de relacionar os ambientes estudados com as comunidades de nematodes marinhos de vida livre associados a estes sedimentos de mar profundo.

Navio Meteor
“Pela 1.ª vez foi possível realizar um estudo completo e sistemático ao longo de um segmento da fronteira de placas Açores/Gibraltar”, diz João C. Duarte
Imagem cedida por JCD

Outro objetivo desta campanha passa também por investigar um segmento chave do rifte da Terceira, uma estrutura tectónica a Nordeste do planalto dos Açores, que constitui um dos segmentos do ponto triplo que separa as placas litosféricas americana, euroasiática e africana. A estrutura profunda desta área foi recentemente alvo de estudo por Luís Batista no seu doutoramento, que além de ter sido supervisionado por Pedro Terrinha também foi orientado por Christian Hübscher, professor da Universidade de Hamburgo, na Alemanha. Neste local foram encontradas evidências de atividade hidrotermal anómalas.

A campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW começou a 5 de março. A bordo do navio oceanográfico alemão Meteor participaram outros cientistas portugueses, alemães e de outras nacionalidades, destaque para os restantes membros da equipa portuguesa: Helena Adão e katarzyna Sroczynska, investigadoras do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente na Universidade de Évora e Pedro Nogueira, professor da Universidade de Évora e investigador no Instituto de Ciências da Terra.

Durante um mês foi possível recolher muitas amostras do fundo do mar. Para a equipa portuguesa o balanço desta campanha é por isso bastante positivo já que vai possibilitar a realização de vários trabalhos a médio e longo prazo, nomeadamente a publicação de artigos, a apresentação de resultados em congressos, a submissão de projetos ou o desenvolvimento de novos trabalhos académicos.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa com DG Ciências Ulisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Luzes

Pela primeira vez a Reitoria da UL abre as suas portas aos estudantes da cidade, organizando um evento noturno para alunos dos ensinos universitário e secundário.

A exposição está a partir de 26 de Abril no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

As provas de doutoramento em Biologia, especialidade de Microbiologia, da Mestre Egídia Maria Valente de Azevedo realizam-se no próximo dia 26 de Abril, pelas 10h:30 na Sala de Actos da

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Páginas