International Earth Sciences Olympiads - IESO 2015

Portugal alcança medalhas de ouro e bronze

Portugal participou este ano pela primeira vez nas Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra e os alunos portugueses concorrentes obtiveram duas medalhas  - ouro e bronze -, entre outros diplomas.

O evento decorreu em setembro em Minas Gerais, no Brasil, e contou com a participação de 85 estudantes do ensino secundário, oriundos de 28 países.

Portugal foi representado por três alunos do ensino secundário – Carolina Esteves, da Escola Secundária de Bocage; José Pedro Carvalho, do Agrupamento de Escolas de Lousada; e Vasco Esteves, da Escola Secundária Damião de Goes -, e pelos mentores Jorge Relvas, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e coordenador nacional da iniciativa, e Álvaro Pinto, diretor executivo do Centro Ciência Viva do Lousal – Mina de Ciência, e técnico superior desta faculdade.

Na entrevista que se segue, o coordenador nacional da iniciativa conta a experiência além-fronteiras e a importância da distinção para a área científica em que se insere.


Durante o evento, os estudantes do Ensino Secundário Português partiharam conhecimentos com alunos de diferentes nacionalidades
Fonte JR

Como surgiu a oportunidade da Faculdade orientar estes alunos?

Jorge Relvas (JR) - O envolvimento de Ciências neste contexto surge do convite que a Sociedade Geológica de Portugal (SGP) me dirigiu há quase dois anos para presidir a Comissão Nacional das Olimpíadas Portuguesas de Geologia (CNOG), uma iniciativa que a SGP resolveu abraçar, depois de há vários anos se sentir a necessidade de criar esse veículo de promoção educativa, ao nível do ensino secundário, também na área da Geologia (somando-se assim à Matemática, Física, Química, Biologia, Filosofia e várias outras áreas do conhecimento que têm já as suas olimpíadas firmadas no terreno há muito tempo). Aceitei o desafio e foi criada a CNOG, que conta com mais três elementos – Álvaro Pinto, José Carlos Kullberg, colega da Universidade Nova e vice-presidente da SGP, e Jorge Ferreira, colega do ensino secundário. Para além destes, outros elementos integram a CNOG, sem funções executivas.
Para a seleção dos três alunos representantes de Portugal nas IESO houve um longo caminho a percorrer: primeiro uma prova implementada em mais de 150 escolas secundárias do país, envolvendo mais de 2500 alunos; depois uma fase regional, com provas em quatro regiões, envolvendo cerca de 400 alunos e, finalmente, uma final nacional, envolvendo 25 alunos, na qual se apuraram os três finalistas que foram representar o país ao Brasil.

Em que consistiu o trabalho de equipa entre os professores de Ciências e estes alunos?

JR - Todo o processo anteriormente descrito foi dinamizado pela CNOG, o que significa que Ciências teve um papel preponderante em todas as fases da iniciativa e na sua conceção. Para além disso, após o apuramento dos finalistas, houve necessidade de lhes garantir "treino", isto é, formação complementar em áreas do conhecimento para as quais a sua preparação de base era mais deficitária ou inexistente, visto que as olimpíadas internacionais incluem muitas matérias que não estão cobertas pelos programas do nosso ensino secundário, designadamente Geofísica, Ciências Planetárias/Astronomia, Oceanografia, Ciências da Atmosfera. Assim, houve primeiro um estágio de uma semana no Centro Ciência Viva (CCV) de Estremoz, onde estes alunos tiveram contacto com Geologia de campo e beneficiaram de formação complementar prestada por colegas da Universidade de Évora e, finalmente, dois dias de formação final e esclarecimento de dúvidas, em Ciências e no Centro Ciência Viva do Lousal – Mina de Ciência, por colegas do Departamento de Geologia (Paulo Fonseca, Carlos Marques da Silva, Conceição Freitas, César Andrade, Álvaro Pinto e eu próprio, claro). Digamos que este trabalho de preparação, somado à excelência dos alunos finalistas, garantida pelo exigente processo de seleção nacional, foram as chaves do sucesso que estes viriam a alcançar nas provas internacionais, no Brasil.

Que desafios foram propostos aos alunos, no concurso?

JR - A competição a nível internacional é muitíssimo exigente, visto que os 85 alunos, de 28 países concorrentes, são todos excecionais e não só em Ciências da Terra. Vê-los e viver uma semana com eles é uma fantástica experiência, recheada de surpresas e momentos mágicos, como aquele em que um grupo de três alunos de diferentes nacionalidades começa do nada, no átrio do hotel onde havia um piano de cauda, a apresentar os outros com um concerto para piano, violino e flauta transversal, ou quando uma aluna executa na perfeição uma peça de Rachmaninoff, ou outro aluno nos mostra por que é um dos recordistas mundiais de cubo de Rubik.

As olimpíadas incluíram uma prova teórica de escolha múltipla com cerca de 70 questões, muitas com cotações negativas nas respostas erradas, e cinco provas práticas (e.g., Geologia, Geodinâmica, Hidrologia, Astronomia). A classificação final correspondeu a uma média ponderada dessas provas. O estudante Vasco Esteves, da Escola Secundária Damião de Goes, em Alenquer, obteve uma medalha de ouro, e o estudante José Pedro Carvalho, do Agrupamento de Escolas de Lousada, obteve uma medalha de bronze.

Para além das olimpíadas, que são uma competição individual, todos os alunos participaram também em duas outras competições paralelas de carácter coletivo, integrando cada um equipas constituídas por oito elementos, todos de países diferentes. Esses desafios chamaram-se ITFI - International Team Field Investigation e ESP - Earth Science Project. A estudante portuguesa Carolina Esteves, da Escola Secundária Barbosa de Bocage, em Setúbal, integrou duas equipas [nessas provas] que obtiveram, cada uma, um diploma de bronze.

Que importância consideram que este acontecimento tem para a área científica, bem como para os estudantes de Ciências do ensino secundário?

JR - Este acontecimento foi evidentemente muito importante para os estudantes finalistas, pela experiência que puderam vivenciar e pelo reconhecimento do seu mérito a nível internacional. Contudo, na minha opinião, por mais relevante que seja o resultado para estes três brilhantes jovens, a motivação primeira para a realização destas Olimpíadas no nosso país é o envolvimento de milhares de estudantes e dos seus professores numa atividade e numa dinâmica que promove e valoriza no nosso país o ensino/aprendizagem das Ciências da Terra, e da Geologia em particular. As provas escolares, regionais e finais utilizadas nas OPG 2015 foram depois adotadas por muitas centenas de professores como instrumento de motivação e ensino em sala de aula, de norte a sul do país. Isso para nós não tem preço. Agitar, promover, valorizar, beneficiar o ensino da Geologia em Portugal, captar vocações, atrair mais e melhores estudantes para esta área do conhecimento são os objetivos últimos deste nosso envolvimento. As medalhas são um prémio e um instrumento, não um fim em si.

Uma mensagem motivadora para os alunos do ensino secundário…

JR - O que podemos dizer a todos os alunos do ensino secundário interessados em participar na próxima edição das Olimpíadas Portuguesas de Geologia é que, independentemente do resultado, a sua participação será seguramente uma aventura com muito retorno, quer em termos escolares, quer como experiência pessoal. A competição a nível escolar é, já de si, altamente motivadora e uma forma muito efetiva de se estudar e progredir na disciplina para resultados escolares de bom nível. Depois, os que passam à fase regional, para além da motivação suplementar, têm também oportunidade de viajar em grupo, conhecer novos espaços e novos colegas participantes, fazendo amizades e aprofundando experiências. Os 25 alunos que disputam a fase final, esses então, nunca mais esquecem a experiência de ficar uma semana em convívio no CCV Estremoz, com desafios e aventuras diárias e amizades para a vida. Finalmente, os alunos apurados para as IESO, têm uma oportunidade única de viajar, conhecer novos países e contactar na primeira pessoa com uma experiência de multiculturalidade verdadeiramente mágica. No próximo ano, as IESO 2016 serão no Japão.

Para além das medalhas, houve algum prémio atribuído aos alunos e/ou professores?

JR - Para além das medalhas nas IESO, existiram diplomas que premiaram as equipas vencedoras das competições coletivas ITFI e ESP. O estudante português José Pedro Carvalho foi também um dos alunos premiados com o diploma do aluno mais carismático no contexto do trabalho colaborativo com os restantes participantes. Mas o melhor prémio que estudantes e professores/mentores trouxeram do Brasil foi a experiência única que pudemos viver, as memórias que construímos, a alegria que partilhámos e os amigos que fizemos.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Rebecca Bell

Rebecca Bell, professora do Imperial College London, no Reino Unido, é a oradora da palestra do distinguished lecturer programme do European Consortium for Ocean Research Drilling (ECORD), coorganizada pelo Instituto Dom Luiz Ciências ULisboa. A especialista em Tectónica irá falar sobre um novo tipo de sismos, os chamados sismos lentos.

João Ricardo Silva, Deyi Xiong, António Branco, Changjian Hu, diretor do Grupo de Linguagem Natural da Lenovo, Rodrigo Santos e João Rodrigues

Um grupo de investigadores do Grupo de Fala e Linguagem Natural (NLX) do Departamento de Informática de Ciências ULisboa visitou, em julho passado, o Laboratório de Inteligência Artificial da Lenovo, no âmbito de um projeto de intercâmbio científico, coordenado por António Branco, professor do DI e coordenador do NLX.

Siluro marcado na albufeira da Barragem de Belver por investigadores do projeto FRISK

FRISK visa descobrir as rotas predominantes de chegada dos novos peixes não indígenas através da utilização integrada de ferramentas moleculares, modelação espacial, seguimento dos movimentos dos peixes e ciência cidadã. Leia a crónica de Filipe Ribeiro, investigador principal do projeto e do polo de Ciências ULisboa do MARE.

Campus Ciências ULisboa

Ciências ULisboa continua a ser uma referência no ensino superior, preenchendo a totalidade das vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior. Leia o artigo de Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Samsung Galaxy

A maior conferência Android do mundo, com 11 anos de existência e presente em mais de 25 cidades por todo o mundo, - Droidcon Lisboa 2019 - realiza-se pela primeira vez em Portugal nos dias 9 e 10 de setembro, no campus de Ciências ULisboa.

LxUs

A equipa LxUs integra alunos das faculdades de Ciências e de Farmácia da ULisboa e é a primeira a representar Portugal no SenSus. Os estudantes desenvolveram biossensores para medição dum fármaco biológico, utilizado para tratar doenças como a artrite reumatoide. Grande parte da equipa é da área da Engenharia Biomédica e Biofísica.

Marissa Verhoeven na HortaFCUL

“O meu estágio foi muito desafiante”, conta Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda, após a experiência no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL. Na crónica sobre esta experiência partilha os resultados da sua investigação sobre a produção e o uso do vermicomposto, bem como um livro infantil sobre a importância das abelhas.

Paula Simões

Paula Simões ora leciona e orienta alunos, o que geralmente ocupa grande parte das suas manhãs ou tardes, ora ocupa o restante tempo com outras atividades como é exemplo o projeto “Cigarras de Portugal – Insetos Cantores”, no âmbito do qual os cidadãos são desafiados a estarem atentos aos sons das cigarras!

Tiago Guerreiro

O professor de Ciências ULisboa Tiago Guerreiro é um dos novos editores chefes da Association for Computing Machinery (ACM) Transactions on Accessible Computing (TACCESS).

Planta

Grupo de investigadores e responsáveis de instituições de investigação escreveram uma carta aberta de protesto sobre decisão do Tribunal de Justiça Europeu sobre genoma.

Prémio Doutoramento em Ecologia

Francisco Pina Martins, Adrià López-Baucells e Inês Gomes Teixeira são os vencedores do Prémio de Doutoramento em Ecologia 2019. Os trabalhos galardoados serão apresentados durante o 18.º Encontro Nacional de Ecologia, que se realiza em simultâneo com o 15.º Congresso Europeu de Ecologia, entre 29 de julho e 2 de agosto em Ciências ULisboa.

Complexidade da diversidade

"É um erro pensarmos que uma boa equipa de I&DE só deve ser construída com os mais espertos: de facto, é o coletivo, constituído com pessoas que trazem uma gama variável de perspetivas (pontos de vista) para um problema, que obtém os melhores resultados", in no Campus com Helder Coelho.

Chegada à Lua

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e o Museu da Presidência da República celebram os 50 anos da chegada à Lua.

Campus Ciências ULisboa

Professores de todo o país vão estar reunidos no maior evento de formação acreditada na área do ensino das ciências realizado em Portugal. O VI Encontro Internacional da Casa das Ciências acontece entre os dias 10 e 12 de julho, no campus de Ciências ULisboa.

Logotipo

Tal como sucedeu em edições anteriores, vários professores e investigadores de Ciências ULisboa participam no Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal, que decorre em Lisboa até 10 de julho.

Mara Gomes, aluna do 2.º ano do mestrado em Ciências do Mar participou no cruzeiro oceanográfico RV Polarstern em junho passado, sob o lema “Changing Oceans – Changing Future”. “Mara Gomes teve a dupla experiência de participar como cientista e de ensinar os alunos do programa POGO”, conta Vanda Brotas, professora do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

Ciências ULisboa

As classificações excelente e muito bom destacaram-se na avaliação feita aos centros de investigação afetos a Ciências ULisboa. Para os próximos quatro anos, Ciências ULisboa pretende continuar a sua aposta na investigação de excelência, agora com um pouco mais de fundos (um acréscimo de mais de quatro milhões de euros).

Falecimento

Ermesenda Fernandes, assistente técnica do Gabinete de Orçamento e Prestação de Contas da Área Financeira da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências ULisboa, faleceu esta quarta-feira, dia 19 de junho de 2019. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laboratórío em Ciências ULisboa

Leonor Côrte-Real, investigadora do polo de Ciências ULisboa CQE, irá representar Portugal no 6th Young Medicinal Chemist Symposium. A jovem doutorada em Química, especialidade em Química Inorgânica por Ciências ULisboa, foi escolhida pela SPQ para representar Portugal neste simpósio e irá apresentar o trabalho desenvolvido durante a sua tese.

Alunos durante um exercício do FCUL Rally Pro

O evento de Ciências ULisboa que convida os estudantes do ensino secundário a programar já vai na 7.ª edição.

Um estudo publicado na revista "Nature" revela novas evidências sobre a ocupação humana da Sibéria desde há 31 mil anos. Vítor Sousa, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c em Ciências ULisboa, é um dos 54 cientistas envolvidos na investigação.

Maria João Verdasca

Maria João Verdasca iniciou em fevereiro de 2017 o programa doutoral em Biodiversidade, Genética e Evolução. A sua investigação foca-se na modelação espacial de espécies invasoras e no estudo dos seus impactos ecológicos e socioeconómicos. Recentemente foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019.

Síndrome do impostor

Uma das formas mais eficazes de lidar com o síndrome do impostor é mesmo falar sobre ele, partilhando entre colegas ou amigos com quem sinta um espaço seguro, os desafios que vai sentindo profissionalmente e perceber que não está sozinho naquilo que sente. Estima-se que 70% das pessoas sofrem deste fenómeno psicológico.

Sala de aula

"Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido", in no Campus com Helder Coelho.

Vanézia Rocha

Vanézia Rocha iniciou em setembro de 2018 o mestrado em Biologia dos Recursos Vegetais. Recentemente a jovem cabo-verdiana foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019, pelo Conselho Científico das Ciências Naturais e do Ambiente da FCT. Os vencedores serão anunciados antes da 26ª Assembleia Geral do GBIF, que decorrerá na Holanda em outubro de 2019.

Páginas