Maria de Matos. Sou professor e estudei em Ciências

“A nossa vida é uma aprendizagem constante”

"Recebi grandes bases científicas e aprendi a ter organização, métodos de estudo e investigação"

cedida por Maria de Matos

A lecionar em escolas básicas e secundárias portuguesas estão professores que outrora foram alunos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Recordar esses tempos e saber de que forma os conhecimentos aqui adquiridos marcaram o percurso profissional destes professores, é o objetivo do conjunto de entrevistas “Sou professor e estudei em Ciências”.

A primeira entrevista é com Maria de Matos, antiga aluna do curso de Biologia de Ciências, entre os anos 1970-1978. No currículo somam-se 44 anos enquanto professora na área das Ciências Naturais. Atualmente, leciona Biologia e Geologia na Escola na Escola Secundária de Raul Proença, em Caldas da Rainha.

“Foi um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária”, conta a antiga aluna de Ciências.

Ciências - O que significa ter sido estudante em Ciências?

Maria de Matos (MM) - Foi uma honra ter conhecido professores de elevada competência científica. Foram tempos turbulentos e complicados, com alguma insegurança devido ao contexto político antes do 25 de abril de 1974. Mas foi também um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária.

Ciências - De que forma os ensinamentos que aqui adquiriu se refletem na sua profissão, hoje em dia?

MM - Muitas das coisas que aprendi nesse tempo estou agora a ensinar no 7.º ou 8.º anos de escolaridade ou nos 10.º ou 11.º anos.Com o avanço das novas tecnologias e da comunicação, posso afirmar que nunca estamos totalmente atualizados. Posso acrescentar que recebi grandes bases científicas e aprendi a ter organização, métodos de estudo e investigação.

Ciências - O que recorda com saudades da Faculdade de Ciências?

MM - Recordo a primeira vez que entrei timidamente na Faculdade, vinda de Caldas da Rainha. Não conhecia ninguém, uma vez que nenhum colega do Colégio onde terminei nesse ano - o então 7º ano -, tinha escolhido seguir o meu curso na Faculdade. Desde logo estabeleci boa relação com alguns colegas e, com o falecimento do professor J.E. Pinto-Lopes, foram estabelecidos grupos de trabalho em Botânica Geral, no 1.º ano, o que me aproximou mais de alguns colegas e daí resultaram bonitas amizades.

Ciências -  Há algum professor ou situação que a tenha marcado e que queira partilhar connosco?

MM - Relembro o professor Germano da Fonseca Sacarrão e as suas aulas de Zoologia Geral onde nos relatava características de sua família para nos dar lições de Genética. Eram aulas leves e bem engraçadas. Recordo a professora Natércia Julieta Fernandes Teixeira Serra Rodeia que nos lecionou Talófitas, o professor Carlos Alberto Matos Alves, na Geologia Geral.

Recordo ainda as longas madrugadas nas escadarias da Faculdade para nos inscrevermos nos melhores horários em algumas práticas; das aulas teóricas conjuntas com outros cursos como em Química Geral; das aulas de Física Geral com a professora Lídia Salgueiro, que me fez ficar apaixonada pela Física das Partículas; de vários assistentes e monitores em diversas áreas como João Pais e António Ribeiro dos Santos, na Geologia, Lia Maria Pereira de Ascensão Santos e Sousa, na Botânica, João Luís de Carvalho Baptista Ferreira, em Micologia.

Relembro ainda os Professores de aulas eminentemente teóricas: José Antunes Serra, em Genética, Maria Helena do Quental Pereira Paveia Pinto Teixeira, em Cormófitas, Carlos Almaça, em Invertebrados e Vertebrados, e Jakobson, em Bioquímica. E as colegas de curso e amigas Maria João Ivens Collares Pereira, Maria José Rosado Costa, Leonor Teixeira e também o colega de Geologia Fernando José Dias Costa.

Foram tempos de convívio, amizade e muito estudo e trabalho.

Ciências - Que mensagem gostaria de deixar aos atuais estudantes da Faculdade que serão os futuros profissionais de Ciências?

MM - Desejo dizer-lhes: trabalhem, sejam empenhados e aproveitem bem a fase da vida que estão a passar pois dela dependerá o vosso futuro. Tenham cuidado com as escolhas que fazem pois, se forem boas, as consequências serão muito agradáveis, mas se não forem tão boas, também para elas há consequências e desafios. Afinal, a nossa vida é uma aprendizagem constante.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Visitas às escolas
Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas