Maria de Matos. Sou professor e estudei em Ciências

“A nossa vida é uma aprendizagem constante”

"Recebi grandes bases científicas e aprendi a ter organização, métodos de estudo e investigação"

cedida por Maria de Matos

A lecionar em escolas básicas e secundárias portuguesas estão professores que outrora foram alunos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Recordar esses tempos e saber de que forma os conhecimentos aqui adquiridos marcaram o percurso profissional destes professores, é o objetivo do conjunto de entrevistas “Sou professor e estudei em Ciências”.

A primeira entrevista é com Maria de Matos, antiga aluna do curso de Biologia de Ciências, entre os anos 1970-1978. No currículo somam-se 44 anos enquanto professora na área das Ciências Naturais. Atualmente, leciona Biologia e Geologia na Escola na Escola Secundária de Raul Proença, em Caldas da Rainha.

“Foi um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária”, conta a antiga aluna de Ciências.

Ciências - O que significa ter sido estudante em Ciências?

Maria de Matos (MM) - Foi uma honra ter conhecido professores de elevada competência científica. Foram tempos turbulentos e complicados, com alguma insegurança devido ao contexto político antes do 25 de abril de 1974. Mas foi também um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária.

Ciências - De que forma os ensinamentos que aqui adquiriu se refletem na sua profissão, hoje em dia?

MM - Muitas das coisas que aprendi nesse tempo estou agora a ensinar no 7.º ou 8.º anos de escolaridade ou nos 10.º ou 11.º anos.Com o avanço das novas tecnologias e da comunicação, posso afirmar que nunca estamos totalmente atualizados. Posso acrescentar que recebi grandes bases científicas e aprendi a ter organização, métodos de estudo e investigação.

Ciências - O que recorda com saudades da Faculdade de Ciências?

MM - Recordo a primeira vez que entrei timidamente na Faculdade, vinda de Caldas da Rainha. Não conhecia ninguém, uma vez que nenhum colega do Colégio onde terminei nesse ano - o então 7º ano -, tinha escolhido seguir o meu curso na Faculdade. Desde logo estabeleci boa relação com alguns colegas e, com o falecimento do professor J.E. Pinto-Lopes, foram estabelecidos grupos de trabalho em Botânica Geral, no 1.º ano, o que me aproximou mais de alguns colegas e daí resultaram bonitas amizades.

Ciências -  Há algum professor ou situação que a tenha marcado e que queira partilhar connosco?

MM - Relembro o professor Germano da Fonseca Sacarrão e as suas aulas de Zoologia Geral onde nos relatava características de sua família para nos dar lições de Genética. Eram aulas leves e bem engraçadas. Recordo a professora Natércia Julieta Fernandes Teixeira Serra Rodeia que nos lecionou Talófitas, o professor Carlos Alberto Matos Alves, na Geologia Geral.

Recordo ainda as longas madrugadas nas escadarias da Faculdade para nos inscrevermos nos melhores horários em algumas práticas; das aulas teóricas conjuntas com outros cursos como em Química Geral; das aulas de Física Geral com a professora Lídia Salgueiro, que me fez ficar apaixonada pela Física das Partículas; de vários assistentes e monitores em diversas áreas como João Pais e António Ribeiro dos Santos, na Geologia, Lia Maria Pereira de Ascensão Santos e Sousa, na Botânica, João Luís de Carvalho Baptista Ferreira, em Micologia.

Relembro ainda os Professores de aulas eminentemente teóricas: José Antunes Serra, em Genética, Maria Helena do Quental Pereira Paveia Pinto Teixeira, em Cormófitas, Carlos Almaça, em Invertebrados e Vertebrados, e Jakobson, em Bioquímica. E as colegas de curso e amigas Maria João Ivens Collares Pereira, Maria José Rosado Costa, Leonor Teixeira e também o colega de Geologia Fernando José Dias Costa.

Foram tempos de convívio, amizade e muito estudo e trabalho.

Ciências - Que mensagem gostaria de deixar aos atuais estudantes da Faculdade que serão os futuros profissionais de Ciências?

MM - Desejo dizer-lhes: trabalhem, sejam empenhados e aproveitem bem a fase da vida que estão a passar pois dela dependerá o vosso futuro. Tenham cuidado com as escolhas que fazem pois, se forem boas, as consequências serão muito agradáveis, mas se não forem tão boas, também para elas há consequências e desafios. Afinal, a nossa vida é uma aprendizagem constante.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Visitas às escolas

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Fotografia de alunos procuram informações junto a uma banca no átrio do C3

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas