Entrevista com João Paulo Silva

João Paulo Silva

Tome nota

Os equipamentos do Movetech Telemetry [consulte o flyer] estão disponíveis para a comunidade científica e custam entre 400 e 750 libras (entre 463 e 869 euros). O Movetech Telemetry tem sido financiado pela Earth and Life Systems Alliance, Norwich Science Park, NERC e Fundação para a Ciência e a Tecnologia. “O projeto beneficiou de um financiamento de 100.000 libras [115.801,05 euros], principalmente para desenvolver o proof of concept das nossas soluções GPS/GSM acelerómetro. No ano passado ganhamos um projeto NERC no valor de 200.000 libras [231.602,11 euros] para desenvolver uma tecnologia de seguimento usando um protocolo de transmissão de dados usando rádios de onda larga, designado como LoRa”, refere João Paulo Silva. As receitas obtidas até agora têm sido usadas no desenvolvimento de tecnologias. “Quando tivermos lucro, este reverterá para as respetivas instituições”, conclui.

“Pequenas ações fazem a diferença, não tenham medo de sair da zona de conforto”. João Paulo Silva, um dos membros do projeto Movetech Telemetry, “apaixonado pela natureza”, dedicado ao estudo da ecologia das aves dos meios agrícolas, nomeadamente em projetos de seguimento remoto de vida selvagem como o Lince ou a Águia Imperial, deixa este conselho aos jovens que se interessam por esta área da Biologia. Saiba mais sobre este cientista, antigo aluno de Ciências e coordenador da componente científica e de desenvolvimento de software do Movetech Telemetry.

Como surgiu o seu interesse pela área de Ecologia?

João Paulo Silva (JPS) - Desde novo que sou um apaixonado pela natureza. Quando comecei a ter noção de como o nosso património natural estava a ser ameaçado, quis dar o meu contributo.

Foi aluno em Ciências. Que momentos guarda desse tempo?!

JPS - O meu percurso académico foi um pouco invulgar. Fui trabalhador estudante durante o curso. Contudo foi o desafio do estágio, o meu primeiro projeto de investigação, que mais me marcou enquanto aluno de Biologia. Ter a oportunidade de ser mais independente e tomar as decisões necessárias para levar a cabo um projeto científico que apresentasse bons resultados, foram experiências estimulantes. Foi um verdadeiro despertar para a ciência.

Que conselhos deixa aos jovens que se interessam por temas relacionados com Ecologia?

JPS - Que experimentem, no terreno, os diferentes ramos da Ecologia e vejam quais as áreas com que mais se identificam, apostem na tese para se especializarem. Pequenas ações fazem a diferença, não tenham medo de sair da zona de conforto.

Como é que é o seu dia-a-dia enquanto cientista?

JPS - Preenchido… Entre a investigação relacionada diretamente com o meu tema de estudo: ecologia das aves dos meios agrícolas; tenho também que gerir as várias parcerias em que estou envolvido e dedicar tempo ao projeto da Movetech Telemetry. Estas parcerias estão sobretudo relacionadas com projetos de seguimento remoto de vida selvagem como o Lince ou a Águia Imperial.


Lince Ibérico, Águia Imperial Ibérica e Gaivota de Audouin com dispositivos de telemetria
Fontes Carlos Carrapato, Roberto Sanchez e Pedro Rodrigues

Como é que surgiu a hipótese de trabalhar com a Aldina Franco e o Phil Atkinson?

JPS - Quando adaptei os primeiros equipamentos GPS/GSM com acelerómetros para fazer o seguimento da minha espécie de estudo, o sisão, gerou interesse por parte de outros investigadores. Foi assim que eu, a Aldina e o Phil começamos a trabalhar conjuntamente num grande projeto de seguimento de Cegonha branca. O primeiro ano do projeto foi um sucesso o que nos levou a arquitetar um consórcio tendo em vista o desenvolvimento de tecnologia de seguimento remoto de animais, low cost, para promover ciência tendo por base os movimentos dos animais.

O João Paulo Silva é o coordenador da componente científica e de desenvolvimento de software do Movetech Telemetry. Quais são as expetativas que tem a curto, médio e longo prazo?

JPS - A Movetech tem grandes desafios pela frente no que respeita a novas soluções, visando principalmente a miniaturização.

Estamos presentemente a validar uma solução GPS/GSM/acelerómetro solar de 12 gramas, que deverá estar disponível no mercado dentro de três meses. Isto representa uma redução de peso significativa relativamente ao nosso atual modelo mais leve. Irá corresponder a um dos equipamentos mais pequenos com esta tecnologia para fazer o seguimento de animais.

Com base num financiamento recente da Natural Environment Research Council (NERC) estamos a desenvolver equipamentos de seguimento remoto de vida selvagem usando um novo protocolo de transmissão de dados usando GPS/LoRa. Tem a vantagem de se complementar ao GSM e de gastar menos bateria, o que por sua vez viabiliza equipamentos com maior longevidade e menor peso.

Vamos também procurar desenvolver, num futuro próximo, um micro GPS com capacidade de transmissão de dados via rádio, de forma a permitir o seguimento de animais pequenos.

Quando é que foram desenvolvidos os primeiros testes no âmbito deste projeto?

JPS - Os primeiros testes dos equipamentos foram desenvolvidos para o sisão, a minha espécie de estudo, ainda sem uma solução solar, em 2012. No início da minha bolsa, sem dinheiro para investigação, eu e o meu colega de pós-doutoramento David Santos procurámos adaptar uma solução comercialmente disponível. O primeiro ano foi um sucesso e foi um incentivo para continuar.

Os artigos publicados no site do Movetech Telemetry dão conta dos resultados surpreendentes alcançados no projeto?

JPS - Os primeiros artigos começam a sair e a mostrar a potencialidade das nossas soluções tecnológicas. Não só por providenciarem dados de elevada qualidade e frequência, como também pelo facto de se tratar de uma tecnologia com um preço acessível que viabiliza projetos com um maior número de animais seguidos, o que por sua vez aumenta a capacidade preditiva dos modelos estatísticos e consequentemente fazer melhor ciência.

Pretendem continuar a recolher informação detalhada acerca da posição e comportamento de que espécies?

JPS - A tecnologia está à disposição dos investigadores. O peso limita o número potencial de espécies que poderão vir a ser seguidas remotamente, mas com os desenvolvimentos recentes visando uma maior miniaturização, um maior número de espécies poderão vir a ser seguidas com esta tecnologia.

"Os primeiros testes dos equipamentos foram desenvolvidos para o sisão, a minha espécie de estudo, ainda sem uma solução solar, em 2012. No início da minha bolsa, sem dinheiro para investigação, eu e o meu colega de pós-doutoramento David Santos procurámos adaptar uma solução comercialmente disponível. O primeiro ano foi um sucesso e foi um incentivo para continuar."
João Paulo Silva

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Movetech Telemetry

“O meu destino já não é um lugar, mas sim uma nova forma de ver.”
Marcel Proust

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

O minhocário será usado para investigar o processo de vermicompostagem, numa experiência piloto em parceria com o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Área de Serviços Técnicos de Ciências e com o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c).

Há um mineral peculiar que pode ajudar a desvendar o contributo do vulcanismo de Decão sobre a extinção em massa e a morte dos dinossauros: a akaganéite. Os resultados do estudo foram publicados na Nature Scientific Reports.

Ciências participa com mais de 30 de atividades de divulgação de ciência, espalhadas por Lisboa, Lousal e até na ilha Terceira.

O primeiro Dia Internacional do Microrganismo foi celebrado a 17 de setembro, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, numa iniciativa conjunta da Sociedade Portuguesa de Microbiologia, Ordem dos Biólogos, Ciência Viva e Comissão Nacional da UNESCO.

Desde 1971 que a guerra está aberta, mas o combate tem sido difícil. Por um lado, não temos só uma doença, e o que já conhecemos não tem chegado para estarmos contentes.

Um novo estudo liderado por Ciências encontrou grandes quantidades de fibras artificiais no estuário do Tejo e em zonas costeiras da África Ocidental, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta segunda-feira.

Falta pouco para a Faculdade voltar a ser homenageada com a atribuição de mais duas insígnias de professores eméritos a dois dos seus docentes aposentados.

Zbigniew Kotowicz, investigador e membro integrado do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 67 anos, no dia 21 de setembro de 2017.

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Agora que terminaste o ensino secundário e estás prestes a iniciar esta nova etapa, vários vão ser os desafios pessoais e académicos que vais enfrentar.

O "MOONS Science Consortium Meeting" termina esta quarta-feira, dia 13 de setembro, após dois dias de reuniões. O encontro "à porta fechada" decorre no campus de Ciências e visa consolidar os casos científicos e discutir as estratégias de observação do espectrógrafo, cuja fase de construção arranca agora.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Sandra Crespo, assistente técnico do Departamento de Informática de Ciências.

Ciências preencheu 99,9% das suas vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior, a taxa mais elevada desde que há registo.

No dia 14 de setembro, pelas 17h30, a arqueóloga Lídia Fernandes vai falar sobre o chão, no MUHNAC-ULisboa, em mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência.

Maria de Deus Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) e investigadora do Centro de Química e Bioquímica de Ciências, faleceu aos 53 anos, no dia 5 de setembro de 2017.

As Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra ocorreram nos dias 29 e 30 de agosto, em Nice, na Côte d'Azur, em França. Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do ensino secundário português voltaram a conquistar medalhas.

Páginas