Década de 1960

Um retrato da Zoologia

Evocações sobre Entomologia no Museu Bocage e na Faculdade

Galeria da fauna marinha (maioria tropical), anos 1950/1960

Galeria da fauna marinha (maioria tropical), anos 1950/1960

Imagem cedida por JAQ
José Alberto Quartau
José Alberto Quartau
Imagem cedida por JAQ

A história das minhas impressões da Faculdade, ao tempo ainda na Rua da Politécnica, quando se deu a minha iniciação entomológica no Museu Bocage, bem como a minha entrada como assistente na Zoologia, é uma viagem à marcante década de 60, com ênfase no período de 1965/1968, e também uma partilha de evocações sobre a nossa Faculdade desses tempos. Irei abordar três aspectos: o contexto geral desses tempos; um retrato da Zoologia na então Faculdade e no Museu Bocage; e os meus primeiros passos em Entomologia no Museu e na Faculdade.

O contexto geral desses tempos

Portugal era nessa década de 60 um país de contrastes, por um lado tristemente atrasado e pobre, de fortes constrangimentos de ordem política, isolado internacionalmente e ensombrado pela guerra colonial.

António Lobo Antunes, por exemplo, deixou-nos um retrato intimista desse ambiente sombrio, através de tocantes epístolas que escreveu a sua mulher, quando cumpria o serviço militar em Angola. Para quem tiver curiosidade, um must ler as suas “Cartas da Guerra: d´este viver aqui neste papel descripto” (Dom Quixote, 2005).

Sala dos Mamíferos (maioria africana), anos 1950/1960
Sala dos Mamíferos (maioria africana), anos 1950/1960
Imagem cedida por JAQ

 Por outro lado, eram também os tempos áureos da “nouvelle vague” de Godart e de Truffaut, do movimento hippie e do Maio de 68. E também dos Beatles e dos Rolling Stones, da música e da cultura libertária pop, que, por exemplo, a flamboyant Londres dos “swinging years of the sixties” nos exportava e de que era o epicentro.

Também na Biologia muita coisa acontecia lá fora. Apenas dois marcos. A Genética dava passos acelerados no sentido molecular, como mostrava o célebre livro de texto de James Watson “Molecular Biology of the Gene” (W.A. Benjamin, N.Y., 1965), aliás, que o professor José Pinto-Lopes nos recomendou nesse mesmo ano, ao dar-nos Genética na discilina de Biologia. Por outro lado, a Ecologia tornava-se definitivamente experimental, adoptando a modelação matemática. Era a ainda hoje celebrada obra “The Theory of Island Biogeography” (Princeton Univ. Press, 1967), da co-autoria do genial Robert MacArthur, infelizmente tão cedo desaparecido, e do não menos brilhante Edward O. Wilson, o entomologista que haveria mais tarde de criar o termo Biodiversidade e de continuar a agitar a respectiva bandeira ainda nos dias de hoje.

Mas a realidade intramuros era outra e, naturalmente, a questão recorrente (especialmente para nós os rapazes), era se estávamos a concluir uma licenciatura para depois andar aos tiros numa guerra colonial, o que não fazia qualquer sentido para mim. Esta toldada ambiência ficou ilustrada no nosso Livro dos Finalistas (1967), através das caricaturas feitas pelo Francisco Zambujal (grande cartoonista de futebol da altura), em que vários como eu fomos retratados com uma bazuca aos ombros.

Um retrato da Zologia na então Faculdade e no Museu Bocage

Na nossa Faculdade desses tempos, então ainda localizada na antiga Politécnica, a Zoologia e a Antropologia constituíam uma entidade híbrida, de grande interpenetração de espaços, estruturas e até atribuições. Por um lado, com a componente de ensino da Faculdade – o designado 3.º Grupo da 3.ª Secção das Ciências Histórico-Naturais - e, por outro, com a do Museu Bocage.

Vejamos em primeiro lugar o ensino. Em 1963, como aluno do 1.º ano, a nossa licenciatura era ainda a da reforma de 1930. Designava-se por Ciências Biológicas. Comportava apenas quatro anos, sem a oferta de quaisquer cadeiras optativas, estágio, ou qualquer especialização. Não haviam ainda mestrados.

A situação melhorou um pouco logo no ano seguinte (1964), com a promulgação de nova reformulação para cinco anos de escolaridade. Já incluía então um seminário final e esta nova licenciatura, designada por Biologia tout court, passava a dar o título profissional de biólogo.

Mas fora apenas uma reforma no papel. Faltavam laboratórios e equipamento condignos para uma Biologia moderna e experimental, como aliás há muito se fazia lá fora. Por outro lado, a nossa universidade continuava ainda sujeita ao modelo do controlo estatal, herdado de obsoleta matriz napoleónica.

Sentia-se, nestas circunstâncias, uma atmosfera de desconforto e de urgente necessidade de renovação. Foi como reacção, que na nossa Faculdade arrancou em 1967, ainda que subtil e timidamente, um movimento de reflexão sobre o que deveria mudar na universidade portuguesa. A iniciativa partiu de alguns docentes avant-garde e, naturalmente, à revelia da tutela. Eu próprio, um segundo assistente “débutant”, participei na comissão ad hoc coordenada pelo professor José Pinto-Lopes e intitulada “Relações Universidade-Instituições de Investigação”. Como resultado, produzi em 1969 um documento intitulado “Relações Faculdade de Ciências - Missão de Estudos Agronómicos do Ultramar". Esta Missão era um laboratório de investigação com sede na Tapada da Ajuda e onde trabalhei em Entomologia no ano 1967/1968.

Foram tempos inspiradores que vieram ao encontro das aspirações e necessidades há muito sentidas pelos académicos e alunos. Foi um movimento universitário espontâneo que certamente terá acelerado a chamada “reforma Veiga Simão de 1970”.

Laboratório de Fisiologia e, mais tarde, de Zoologia Sistemática, conhecida pelos alunos como a “sala esticadinha” (décadas de 1940/1960)
Laboratório de Fisiologia e, mais tarde, de Zoologia Sistemática, conhecida pelos alunos como a “sala esticadinha” (décadas de 1940/1960)
Imagem cedida por JAQ

Era então o corpo docente da Zoologia bastante reduzido  –  pouco mais de meia dúzia de docentes entre catedráticos e assistentes (não tínhamos professores extraordinários). Eram catedráticos: o professor Germano da Fonseca Sacarrão, um grande embriologista, então director da Faculdade e do Museu Bocage, e quem viria ter papel crucial na escolha do meu rumo; e o professor José Antunes Serra, um brilhante geneticista que havia precedido Sacarrão na direcção do Museu.

Por outro lado, eram assistentes: Carlos Alberto da Silva Almaça, que havia concluído o doutoramento em 1967 com uma moderna abordagem à taxonomia e evolução de peixes ciprinídeos de água doce (género Barbus), sendo já primeiro assistente; e, depois, quatro segundos assistentes, Lucinda do Carmo Conceição da Mata, Margarida da Serra Cardigos, Maria do Carmo Amaral de Lemos e Maria del Pilar Sottomayor de Castro Fernandes.

Curioso relembrar que no nosso Livro dos Finalistas (1967), para além do registo das nossas caricaturas, dedicámos versos em tom jocoso aos nossos professores, como era tradição na altura.

Duas palavras sobre o Museu Bocage e a Entomologia

No período em análise este Museu era, como já dissémos, um estabelecimento anexo à Universidade de Lisboa, compartilhando espaços com o Grupo da Zoologia e Antropologia (3.º Grupo da 3.ª Secção).

Havia desde o século XIX incorporado as colecções zoológicas da Academia das Ciências e fora oficialmente designado em 1905 como Museu Bocage, em honra do seu primeiro director, o professor José Vicente Barbosa du Bocage (1823-1907). Este notável naturalista teve papel primordial, ao ali dirigir, montar e ordenar as colecções do Museu. A ele se deve o estudo de muito material zoológico africano, especialmente de Angola, obtido pelos naturalistas-exploradores do século XIX, como José de Anchieta, Francisco Bayão, Serpa Pinto, Hermenegildo Capelo, Roberto Ivens ou Frederico Welwitsch. A José de Anchieta (1832-1897), por exemplo, se ficou a dever riquíssimo material zoológico angolano, depositado no Museu Bocage, especialmente de Aves, Répteis, Anfíbios e Insectos. Materiais obtidos com verdadeira paixão e inquebrantável esforço durante 33 anos pelos sertões de Angola, onde aliás faleceu e está sepultado (Caconda).

Deveras trágico é relembrar que todo este riquíssimo património se tenha perdido totalmente durante o terrível incêndio de 18 de Março 1978.

Na altura em que conheci os bastidores do Museu Bocage, em 1967, as imponentes galerias e salas de exposição eram ainda muito ao gosto da passada época vitoriana. Mantinham um espírito vincadamente colonial, com as vitrinas e salas repletas de exemplares na sua maioria tropicais e provenientes do Ultramar.

Também incontornável é não recordar os naturalistas de então. Em primeiro lugar, José de Almeida Fernandes, entomologista desde 1957 e com obra relevante sobre vários insectos do país (Ortópteros, Dermápteros e Dictiópteros). Foi ele quem metafórica e literalmente me abriu as portas da Entomologia e do Museu. Estou-lhe profundamente grato por isso. Recordo, depois, os naturalistas já falecidos. Luís Vieira Caldas Saldanha, a acabar então a sua tese de doutoramento, e, mais tarde, professor e investigador de grande prestígio em Biologia Marinha e em Oceanografia Biológica. A ele se deve também a reactivação e o reapetrechamento do Laboratório Marítimo da Guia, em Cascais. E também Maria Morais Nogueira, uma especialista em Pantópodes, um grupo marinho, bem como o então auxiliar de naturalista António Augusto Soares, na altura ainda não licenciado e mais tarde um ornitólogo consagrado.

Comparado com o que é hoje, o Museu Bocage tinha na altura uma surpreendente diversidade de funcionários de apoio, a saber: uma desenhadora, seis preparadores (alguns com funções bibliotecárias), um colector, um mecânico, dois artífices, quatro guardas de 1.ª classe e ainda cinco contínuos de 1.ª e 2.ª classes. Um verdadeiro luxo! Dadas as inter-relações estreitas com a componente de ensino (o 3.º Grupo da 3.ª Secção), muitos destes funcionários prestavam também apoio aos docentes e alunos, nomeadamente na colheita de material zoológico para as aulas e nas saídas de campo.

Exposição de Aves (anos 1950/1960)
Exposição de Aves (anos 1950/1960)
Imagem cedida por JAQ

Façamos agora uma breve referência à Entomologia. Desde finais do séc. XIX que pelo Museu passaram quatro ilustres naturalistas que trabalharam em Entomologia: Mattozo dos Santos (1849-1921), que ocupou a regência da Zoologia após a jubilação do professor Barboza du Bocage (1823-1907). Legou-nos trabalhos sobre Odonatos, Dermápteros e Lepidópteros com ocorrência em Portugal; Albert Girard (1860-1914), que nos deixou contribuições sobre os Insectos de Angola e das Berlengas, bem como dos Odonatos de Portugal continental; Carlos França (1877-1926), parasitologista de grande prestígio internacional devido às suas investigações sobre insectos ligados à saúde pública, nomeadamente os vectores do kala-azar (Phlebotomus). Entre diversas outras instituições, foi naturalista no Museu de 1919-1922 e muito justamente tem sido considerado o pioneiro da nossa Entomologia médica; Anthero de Seabra (1874-1952) estagiou ainda jovem no Museu de História Natural de Paris (1894-1897) e foi depois naturalista do Museu Bocage de 1918-1921, tendo trabalhado também em diversas outras instituições, nomeadamente no Museu Zoológico da Universidade de Coimbra. Reuniu até hoje talvez a mais completa colecção geral de insectos com ocorrência em Portugal, incluindo os de maior importância agrícola e florestal. Possivelmente terá sido o nosso maior entomologista de sempre.

Tinham de passar cerca de três décadas para que o Museu Bocage tivesse a partir de 1957 outro entomologista com actividade relevante, o naturalista Almeida Fernandes.

Os meus primeiros passos em Entomologia no Museu e na Faculdade

Tudo se passou em 1966 nas práticas de Zoologia Sistemática, uma disciplina do 3.º ano. As teóricas foram dadas por Carlos Almaça, ainda não doutorado, e as práticas por Maria del Pilar.

Naquele tempo faziam-se dissecções e seguíamos o compêndio de Ernst Matthes – Guia de Trabalhos Práticos de Zoologia (Atândida, Coimbra, 1959). O capítulo dos insectos constava da dissecção da barata oriental, que o livro sugeria ser de fácil obtenção nas padarias. Obviamente ainda não havia a ASAE! Ou porque era difícil obter elevado número de baratas, ou por qualquer razão freudiana, o certo é que nos deram não uma barata, mas um coleóptero aquático, cuja anatomia era naturalmente diferente da descrita por Matthes.

Parece que consegui desenvencilhar-me e interpretei minudências anatómicas, coisas como o papo, os cecos, os músculos aliformes, e outras coisas assim estranhas. Creio que foi especialmente por esta razão que Pilar me recomendou a Almeida Fernandes, naturalista do Museu como já vimos, e que há muito procurava alunos que pudesse iniciar nas artes da Entomologia.

O naturalista António Soares, logo após o incêndio de 18 de Março de 1978
O naturalista António Soares, logo após o incêndio de 18 de Março de 1978
Imagem cedida por JAQ

Foi assim que passei a frequentar os bastidores do Museu nas horas livres, mais tarde acompanhado pelo nosso colega Pedro Duarte Rodrigues, que também se revelara com inclinação para a Entomologia. Ali acabámos por realizar um verdadeiro estágio voluntário, sui generis, sob orientação de Almeida Fernandes, e que originou uma publicação científica em co-autoria no Boletim da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais“ (Contribution à la connaissance des Cicadellidae du Portugal, 1969, vol. 12: 187-207).

Entretanto surgiu a oportunidade de trabalhar na Missão dos Estudos Agronómicos do Ultramar (organismo da Junta de Investigações do Ultramar), instalada na Tapada da Ajuda. Ali comecei de imediato a estudar os insectos com importância agrícola de Cabo Verde, de que resultou a descrição de duas novas espécies para a Ciência na revista Arquivos do Museu Bocage (Two new species of genus Batracomorphus Lewis from the Cape Verde Islands (Homoptera, Cicadellidae), 1968, vol 2 (1): 1-8.).

Caricatura
Caricatura do autor
Fonte Livro dos Finalistas, 1967

Finalmente, numa das minhas visitas à Faculdade no ano de 1968, encontrei casualmente o professor Sacarrão que, de forma súbita e inesperada, me convidou a meter os papéis para segundo assistente, certamente por reconhecer a minha já alguma experiência e gosto pela Entomologia. Apanhado de surpresa, agradeci e contei-lhe que já estava a trabalhar numa Missão da JIU, onde apreciava o que estava a fazer, pedindo-lhe uns dias para reflectir.  Porém, era difícil recusar convite tão inopinado como aliciante, pelo que acabei por concorrer, tendo sido, assim, que entrei para a nossa Faculdade.

Termino, usando a expressão já glosada por outros “contistas”: “Bom, era esta a história que tinha para vos contar. Muito obrigado por a terem partilhado comigo!”

Nota de redação: O autor não segue o atual Acordo Ortográfico.

José Alberto Quartau, professor do Departamento de Biologia Animal e investigador do cE3c do polo de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Ler Filosofia (através de Espinosa) permite olhar o mundo, de forma crítica e pensar em profundidade. Em Ciência, observar e refletir são indispensáveis, para caminharmos, abrindo novas linhas de pesquisa.

Vinte e três alunos estiveram na Faculdade de Ciências a estudar as bases metodológicas para a classificação sistemática de plantas. O curso inseriu-se no projeto HEI-PLADI, um programa ERASMUS + e ocorreu pela primeira vez em Portugal.

Parte do antigo bar do edifício C1 de Ciências dá agora lugar a um novo laboratório de investigação em Ecologia Evolutiva. Aqui vai ser explorado um sistema biológico composto por duas espécies de ácaro aranha, Tetranychus urticaeeTetranychus ludeni,que competem por um alimento - a planta do tomate.

O livro Faça Sol ou Faça Vento reúne seis histórias infantojuvenis sobre energias renováveis. Todas elas são escritas por autores com ligação à Faculdade de Ciências da ULisboa.

Será possível ter uma pessoa dentro de um scanner e dizer-lhe para mudar a atividade de diferentes zonas do seu cérebro, com base no que estamos a observar num monitor desse mesmo scanner? Pode a Inteligência Artificial (IA) abordar e interatuar com a Neurociência, e vice-versa?

Quase a terminar o ano, surgem as frequentes resoluções de ano novo, um conjunto de ideias e desejos para aquele que se perspetiva ser um ano talvez igual ou melhor que o anterior. Existem assim duas perspetivas temporais: o ano que passou (o passado) e o que vem (futuro), e é sobre a integração destas duas perspetivas que gostaria de deixar uma reflexão.

Estas duas imagens foram produzidas por André Moitinho, Márcia Barros, Carlos Barata do Centro Multidisciplinar para a Astrofísica (CENTRA) e Hélder Savietto da Fork Research no âmbito da missão Gaia.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de dezembro é com Rodrigo Maia, técnico superior do Laboratório de Isótopos Estáveis do Departamento de Biologia Vegetal de Ciências.

A cidade é um bom exemplo de um sistema adaptativo, inteligente e complexo. Fala-se hoje muito em cidades espertas, onde os peões e os habitantes só encontram motivos para viverem contentes, porque tudo é pensado para os ajudar, graças à capacidade analítica sobre os dados das pessoas e das cidades. A sua manutenção é imprescindível, e a sua renovação deve obedecer à inteligência e jamais à usura. Nem sempre isso ocorre.

O projeto AQUA LINE, da empresa PEN Wave, vencedor do concurso MAREINOV Montepio, destina-se a produzir de forma inovadora microalgas e copépodes para o sector da aquicultura.

André Borges, Bernardo Tavares e Luis Martins, alunos do mestrado integrado em Engenharia da Energia e do Ambiente venceram o 1.º Hackathon de Transportes Internacional de Moscovo. A equipa classificada em 1.º lugar contou ainda com estudantes de Espanha e Colômbia.

O Prémio Luso-Espanhol de Química 2017 foi atribuído a Amélia Pilar Rauter, professora do Departamento de Química e Bioquímica e coordenadora do Grupo da Química dos Glúcidos do Centro de Química e Bioquímica de Ciências.

O quinto livro de António Damásio, colocado à venda a 3 de novembro, aborda o diálogo da vida com os sentimentos, como formadores da consciência e motor da ciência, e o que daí resulta, em especial para a cultura (ou ainda, sobre a estranha ordem, da sensação à emoção e depois ao sentimento). Os sentimentos são sinais da nossa vida e também os motivadores da criação intelectual dos homens. E, daí resultam multitudes de condutas, padrões variados de comportamentos. Enfim, os sentimentos facilitam a formação da nossa personalidade.

Uma das melhores decisões de Ricardo Rocha foi estudar Biologia em Ciências. Aqui fez amigos e aprendeu. Na entrevista que se segue fica a conhecer o antigo aluno de Ciências, membro do cE3c e investigador pós-doutorado da Universidade de Cambrigde, galardoado com o 1.º lugar do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, lançado este ano pela primeira vez pela Sociedade Portuguesa de Ecologia.

A procrastinação é uma das grandes causas do insucesso académico e fonte de muito sofrimento e conflito interno. Para conquistar a procrastinação podemos começar por nos questionarmos: porque é que ando, constantemente a adiar.

Um estudo publicado na revista científica Science, do qual Vítor Sousa, investigador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), é coautor, demonstra que há mais de 34 000 anos os grupos de seres humanos caçadores-recoletores desenvolveram redes sociais complexas para escolher parceiros e evitar riscos da endogamia.

No âmbito dos projetos “MoTHER – Mobilidade e Transição em Habitações Especiais e Reativas” e “HIPE – Habitações Interativas para Pessoas Excecionais”, Manuel J. Fonseca, Luís Carriço e Tiago Guerreiro, professores do Departamento de Informática e investigadores do Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala, irão desenvolver soluções tecnológicas para melhorar a qualidade de vida, nomeadamente a autonomização de pessoas com lesões vertebro medulares, alojadas em residências da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A Associação Ciências Solidária foi constituída por escritura pública em 6 de abril de 2016, por iniciativa da Direção da Faculdade de Ciências, com o apoio de vários membros da comunidade. É um projeto de proximidade, baseado na responsabilidade social, com o fim de contribuir para a construção de uma comunidade mais justa e solidária.

A Semana da Ciência e Tecnologia celebra-se no país entre 20 e 26 de novembro. O ponto alto acontece a 24 com o Dia Nacional da Cultura Cientifica. Ciências junta-se à efeméride com dezenas de iniciativas.

A experiência destes anos mostra que as avaliações feitas pelos estudantes são um bom indicador da qualidade do ensino e que são úteis para a sua melhoria.

“Esta oportunidade deu-me uma valiosa experiência profissional e cada dia foi uma nova lição aprendida. Contudo, considero que o que se destacou foram as pessoas incríveis que aqui conheci”, declara Jake Smith, estudante de Francês, Espanhol e Português na Universidade de Nottingham, no Reino Unido e estagiário durante cerca de dois meses na Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno da Faculdade de Ciências.

Na próxima sessão do 60 Minutos de Ciência convidamos o astrónomo Rui Agostinho para nos ajudar a responder à pergunta: Afinal… o que é a Estrela de Natal? A resposta será desvendada em mais uma sessão 60 Minutos de Ciência no MUHNAC-ULisboa, no dia 16 de novembro.

João Luís Andrade e Silva, professor catedrático aposentado da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu esta sexta-feira, dia 10 de novembro, aos 89 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de novembro é com Emília Real, assistente técnica do Departamento Física de Ciências.

Nos últimos anos, a UNESCO financiou o projeto internacional - "Complex Systems Digital Campus (UniTwin)" - recorrendo a uma plataforma de e-Meeting, e esse exercício mostrou o caminho certo (alternativo aos massive open online courses ou MOOC) para esta nova experiência pedagógica da informática na educação. Quer isto dizer que a tecnologia, quando bem explorada, pode ser mesmo benéfica.

Páginas