“No fim, somos Atlântico e somos Portugal”

Última aula do professor Jorge Miguel Miranda decorreu no dia 26 de maio

Miguel Miranda e a plateia

Assistiram à lição de jubilação vários amigos, colegas e familiares de Miguel Miranda, assim como antigos e atuais governantes

DCI Ciências ULisboa

O professor e geofísico Jorge Miguel Miranda deu a sua última aula na passada sexta-feira, e despediu-se do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), laboratório do Estado que presidiu nos últimos dez anos.

A Lição de Jubilação "Política e Ciências - Renascimento das Ciências Naturais” decorreu no dia 26 de maio no Grande Auditório da Faculdade, sob o olhar atento de uma plateia de colegas da Faculdade e do mundo da ciência, antigos e atuais governantes assim como vários amigos.

Na assistência, entre os antigos governantes estavam Ana Paula Vitorino, Assunção Cristas, Eduardo Cabrita, Manuel Pinto de Abreu e Ricardo Serrão Santos. Dos atuais governantes marcaram presença António Costa Silva, ministro da Economia e do Mar; Elvira Fortunato, ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior; José Luís Carneiro, ministro da Administração Interna; José Maria Costa, secretário de Estado do Mar; e Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura. Estiveram também presentes José Manuel da Costa, presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil; Rita Faden, presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento; e Luís Ferreira, reitor da ULisboa.

imagens do evento
A reportagem fotográfica do acontecimento está disponível na página de Facebook da Faculdade.
Fonte DCI Ciências ULisboa

Após as palavras do Diretor da Faculdade, que agradeceu em nome de todos os presentes “tudo o que Miguel Miranda fez por nós, e pela forma como influenciou as nossas vidas”, Miguel Miranda iniciou a sua intervenção fazendo um breve historial dos laboratórios do Estado e da formação do IPMA, prosseguindo partilhando parte da sua experiência neste instituto, ao longo dos últimos dez anos.

Das experiências marcantes destacou, entre outras, os fogos de 2017, o furacão Lorenzo de 2019 e as cheias de dezembro de 2022, fenómenos extremos que atingiram Portugal e cujas crises teve a responsabilidade de gerir enquanto presidente do IPMA. Explicou que, casos como estes, nos quais estão presentes grandes quantidades de energia na atmosfera, “não são suscetíveis de nenhum tipo de preparação, não é possível, não estamos imunes a riscos, vão haver sempre vítimas e prejuízos – o nosso trabalho é minimizá-los”. Acrescentou que no contexto atual está a ser feita pouca adaptação, no que toca à gestão de territórios e pessoas, para tanta emergência.

Destacou o papel de “mediador honesto” que deve ter o IPMA, assim como todos os laboratórios do Estado, no estudo, estabelecimento de cenários e produção de pareceres em resultado da opinião de vários agentes, permitindo encaminhar os decisores políticos para a melhor decisão possível a tomar.

Neste âmbito, apontou como um problema a desorçamentação generalizada a que se tem assistido por parte das universidades e comunidade científica, passando os recursos para organizações mais flexíveis, de direito privado, com mais capacidade para executar a investigação, mas menos controle e vantagens do que o Estado. Com algumas críticas à administração pública e ao desinvestimento sucessivo nos laboratórios do Estado, Miguel Miranda afirma que a desorçamentação nas organizações é errada, e deve acabar.

O assunto teve destaque no Público e no Observador.

A última parte da lição incidiu sobre a necessidade de valorizar mais as ciências naturais na resolução dos problemas ambientais, para além da engenharia e da tecnologia.

Destacou o crescimento insustentável da humanidade - 97% da biomassa de mamíferos da Terra corresponde ao Homem e aos animais domésticos, restando apenas 3% para os animais selvagens. “Temos que repor uma parte do equilíbrio, tomar algumas medidas para reverter a situação, que envolvem uma nova relação homem-natureza; não podemos ficar à espera que a natureza recupere o equilíbrio por si só”, diz, em entrevista à RTP.

É urgente repor o meio natural e os ecossistemas, sendo que este objetivo “tem que se tornar a prioridade da humanidade”, e que “só será possível cumprir se todos fizerem parte da solução”.

Miguel Miranda concluiu dizendo: “Quando olhamos para a nossa comunidade, nós podemos dizer que somos melhores que alguns em muitas áreas, melhores que todos em algumas (poucas) áreas, mas no fim, para o bem e para o mal, somos Atlântico e somos Portugal”.

O professor catedrático da Ciências ULisboa e presidente do IPMA desde 2013, Miguel Miranda, despediu-se assim da universidade e de uma década na presidência daquele instituto – o laboratório do Estado incumbido de zelar no país por áreas tão diversas como a meteorologia, o clima, os sismos, os tsunamis ou a avaliação de recursos da pesca.

 

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jubilação de Jorge Miguel Miranda

João Carlos Ribeiro Reis, professor aposentado do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade, e investigador do Centro de Química Estrutural, faleceu no passado dia 5 de novembro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Décima nona rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Seringas

Ensaio da autoria dos professores Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes.

uvas com a doença oídio

Estudo liderado por Ana Margarida Fortes, professora do DBV Ciências ULisboa e coordenadora de um dos grupos do BioISI Ciências ULisboa, está entre os cinco melhores artigos da Journal of Experimental Botany, uma prestigiada revista de investigação em plantas.

Maria Helena Carvalho de Sousa Andrade e Silva, professora aposentada da Ciências ULisboa, faleceu aos 94 anos, no passado dia 31 de outubro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Estrutura 3D da proteína S100B

Uma equipa internacional liderada pelo cientista Cláudio M. Gomes, professor do DQB Ciências ULisboa e coordenador do laboratório PMAB do BioISI, descobriu uma nova função para uma proteína do cérebro, que atrasa a formação de depósitos proteicos causadores de demências como a doença de Alzheimer. Guilherme Moreira, estudante de doutoramento em Bioquímica na Ciências ULisboa, orientado por Cláudio M. Gomes, é o primeiro autor do estudo.

 

Flores, livro e ampulheta

"Apesar de tudo, outubro foi um rico mês e novembro promete ser igual (...) O dia de amanhã, ainda que não esteja garantido, é uma série ininterrupta e eterna de instantes e é nosso". Mais uma rubrica em jeito de editorial, da autoria de Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Cérebro

"Para cada uma destas operações interessa estudar como nos vamos conduzir, e em que direção vamos prosseguir, logo quais são os princípios das coisas especulativas e os da imaginação",  in No Campus com Helder Coelho.

crianças numa visita ao laboratório

Ciências ULisboa recebeu, no passado dia 6 de outubro, 47 alunos do 4º ano, da Escola Básica Mestre Querubim Lapa, no âmbito do programa Escola Ciência Viva do Pavilhão do Conhecimento. A visita realizou-se no âmbito da atividade “Encontro com o cientista” e teve como anfitrião o professor do Departamento de Física, Rui Agostinho.

Campus da Faculdade

A Faculdade dá a conhecer uma vez mais a melhor ciência que se faz nesta centenária instituição. O Dia da Investigação da Ciências ULisboa realiza-se a 27 de outubro, no grande auditório, sito no edifício C3 e conta com uma sessão especial dedicada às Alterações Climáticas, área de investigação onde Ciências ULisboa é líder.

Luis Carriço, diretor da Ciências ULisboa e Maria de Jesus Fernandes, bastonária da Ordem dos Biólogos, assinaram no passado mês de setembro um protocolo de colaboração que visa a conceção, criação e desenvolvimento de cursos de especialização nas áreas de especialidade da Ordem, nomeadamente: Ambiente, Biotecnologia, Educação e Saúde.

Folha em destaque

Vanessa Mata, Miguel Baptista e Tiago Morais são os vencedores da edição 2021 do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, organizado pela Sociedade Portuguesa de Ecologia (Speco). A entrega dos galardões deve ocorrer no próximo mês de dezembro, durante o 20º Encontro Nacional de Ecologia, na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, em Ponte de Lima.

codigo html

“OS Diversity for Intrusion Tolerance: Myth or Reality?”, com coautoria de três investigadores da Ciências ULisboa, é um dos artigos distinguidos com o prémio Test-of-Time, atribuído em junho de 2021 pela DSN.

Logotipo da iniciativa - banner promocional

Entre 12 e 17 de outubro de 2021 realiza-se a primeira edição do FIC.A - Festival Internacional de Ciência, no Palácio e Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras. Ciências ULisboa está representada neste evento com dezenas de atividades.

logotipo das comemorações do centenário da licenciatura em engenharia geográfica/geoespacial

Este ano assinala-se o centenário da criação da licenciatura em Engenharia Geográfica/Geoespacial. Para comemorar a efeméride realiza-se a 22 de outubro de 2021, pelas 15h00, no grande auditório da Ciências ULisboa, uma Sessão Solene Comemorativa, organizada pela Faculdade em parceria com a Ordem dos Engenheiros.

Lagoa nos Açores

Um estudo multidisciplinar, da autoria de vários cientistas europeus e norte-americanos, reconstrói as condições em que os Açores foram habitados pela primeira vez e o impacto da presença humana nos ecossistemas.

mapas e dispositivos moveis

"A informação geográfica contextualiza um povo, uma comunidade ou um indivíduo no espaço que o envolve", escreve Cristina Catita, professora do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

banda desenhada

“O jogo das alterações climáticas” é o novo livro da autoria de Bruno Pinto (argumento), Quico Nogueira (desenho) e Nuno Duarte (cor). O lançamento do livro vai ter lugar na Ciências ULisboa, já no próximo dia 7 de outubro.

Logotipo Radar

Décima oitava rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Sowé.

"É mais uma vez com uma enorme alegria que constatamos que Ciências ULisboa foi reconhecida como faculdade de excelência, sendo escolhida por mais de nove centenas de alunos na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior", escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

trevo

Todos os dias são bons para serendipidades. Todos os dias também são bons para ocasiões previstas e que produzem factos.

Clara Grilo

Clara Grilo é bióloga e tem desenvolvido estudos sobre o impacto das estradas na fauna silvestre, nomeadamente na abundância relativa, comportamento, mortalidade por atropelamento e risco de extinção em aves e mamíferos. É investigadora no CESAM Ciências ULisboa, mas também é uma alumna da Faculdade. Fique a par de como foi estudar nesta faculdade e o que a levou a ir para o estrangeiro.

Um lince Ibérico sub-adulto

Mais de 120 espécies de mamíferos terrestres são particularmente vulneráveis à mortalidade por atropelamento e várias populações podem extinguir-se em 50 anos se persistirem os níveis de atropelamentos observados. A declaração é de Clara Grilo, investigadora do CESAM Ciências ULisboa, que lidera a investigação e que resultou na publicação de um artigo na prestigiada revista científica Global Ecology and Biogeography.

A missão Sentinel marca uma nova era na observação da Terra com o Copernicus

"A deteção remota veio revolucionar a forma de observação da Terra (...) desde as câmaras acopladas a aviões (...) aos mais variados sensores a bordo dos diversos satélites que orbitam a Terra, estes equipamentos têm permitido a aquisição sistemática de grandes volumes de imagens da superfície terrestre, possibilitando a sua monitorização a um nível global, regional e local de modo a uma gestão mais sustentável", escreve Ana Cristina Navarro Ferreira, professora do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

Estrutura molecular do óxido aniónico [Mo7O24]<sup>6-</sup>, cuja dissolução apresenta propriedades oncocidas

Investigação conjunta entre o BioISI Ciências ULisboa, a CIC NanoGUNE e a Universidade de Glasgow permite um avanço no conhecimento sobre quimioterapias com óxidos de molibdénio e realça as nuances pelas quais os sucessivos equilíbrios de pH controlam a ação oncocida aparente do {Mo7}.

Páginas