Alumna Joana Carvalho distinguida com Medalha de Honra L’Oréal Portugal para Mulheres na Ciência e Individual Fellowships Marie Skłodowska-Curie Actions

De que forma o cérebro adulto se reorganiza para responder a situações de perda de visão?

Joana Carvalho

A jovem que iniciou os estudos na Ciências ULisboa e que trabalha desde janeiro de 2019 na Fundação Champalimaud quer perceber de que forma o cérebro adulto se reorganiza para responder a situações de perda de visão

L'Oréal Portugal

A Organização Mundial de Saúde estima que pelo menos 2,2 mil milhões de pessoas tenham deficiência visual ou cegueira e alerta para fatores como o envelhecimento da população e as mudanças nos estilos de vida, que farão aumentar drasticamente este número, nas próximas décadas.

Joana Carvalho, de 28 anos, investigadora no Grupo de Ressonância Magnética pré-clínica na Fundação Champalimaud (FC), doutorada em neurociências computacionais, pela Universidade de Groningen, na Holanda, e mestre em Engenharia Biomédica e Biofísica pela Ciências ULisboa, foi uma das cientistas galardoadas com 15 mil euros no âmbito da 17ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para Mulheres na Ciência e com uma  Individual Fellowships Marie Skłodowska-Curie Actions, no valor de 150 mil euros.

Joana Carvalho que nunca tinha ganho nada começa 2021 com dois importantes prémios, sem esquecer que o ano passado a sua dissertaçlão foi igualmente alvo de distinção pela universidade holandesa. A jovem que iniciou os estudos na Ciências ULisboa e que trabalha desde janeiro de 2020 na FC quer perceber de que forma o cérebro adulto se reorganiza para responder a situações de perda de visão, quais os fatores que a favorecem e como se processa esta restruturação ao longo do tempo.

Joana Carvalho terminou o mestrado integrado na Ciências ULisboa em 2015 e guarda muito boas mémórias desses tempos, mencionando que a Faculdade foi uma mais-valia no seu percurso sendo responsável por este sucesso pois sempre valorizou a experiência científica. “No 3.º ano pude realizar um estágio na Harvard Medical School, em Boston. O professor Eduardo Ducla Soares ajudou-me muito nesse processo. Foi aí que tudo começou… No 5.º e último ano a Faculdade também me ajudou a ir para fora”, revela Joana Carvalho que diz ter tido uma educação muito completa, nomeadamente a possibilidade de criar uma rede de contactos na área das neurociências, salientando ainda que todos os professores do Instituto de Engenharia Biomédica e Biofisica da Faculdade são ótimos, de resto o grupo em que trabalha na FC colabora com muitos deles.

“Sabemos que o cérebro tem uma incrível capacidade de adaptar a sua estrutura e função para dar resposta a doenças, tratamentos e outras alterações, mas sabemos também que esta plasticidade diminui drasticamente após a infância”, conta Joana Carvalho cujas respostas que procura são essenciais para compreender como funciona a plasticidade do cérebro, em adultos que deixaram de ver, um conhecimento que é, por sua vez, central para definir quais as terapêuticas que podem ser mais eficazes para uma potencial recuperação da visão e para decidir qual o momento em que a sua aplicação produz melhores resultados. “Temos assistido ao desenvolvimento recente de várias técnicas e terapias, desde implantes de retina a olhos biónicos, passando pelas terapias genéticas, mas precisamos de saber mais sobre as alterações da função cerebral associadas à perda de visão, para que se possam maximizar os benefícios destas estratégias de reabilitação e restauração”, acrescenta Joana Carvalho.

No âmbito do projeto alvo de distinção serão realizados exames de ressonância magnética em modelos animais de deficiência visual recorrendo a modelos matemáticos que permitem medir a atividade cerebral de forma não-invasiva, para aprofundar a resposta das redes neuronais à perda de visão. Joana Carvalho pretende ainda estabelecer quais os fatores que facilitam esta resposta (testando variáveis, como a exposição à luz, por exemplo) e perceber como estas alterações se processam ao longo de diferentes escalas temporais - desde pouco tempo a vários meses - após a perda de visão. Ao fazê-lo estará também a contribuir para novos conhecimentos fundamentais sobre o equilíbrio dinâmico entre a estabilidade que permite o correto funcionamento das redes neuronais ao longo da vida e a plasticidade de que necessitam estas redes neuronais para se adaptar à constante mudança a que somos submetidos.

Ana Subtil Simões com LIFT Consulting
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas