“More than Honey”

Um olhar sobre o enigmático desaparecimento das abelhas

J. A. Quartau
Cedida por JAQ

Como as plantas não se deslocam, não conseguem enlaçar-se para ter sexo, como é apanágio da maioria dos animais terrestres. Dada aquela sua restrição, a reprodução das plantas com flor foi conseguida através de uma íntima parceria com as abelhas, que passaram a ter um papel crucial na sua reprodução a troco de açúcar (néctar) e de pólen (proteína).

Assim começa o magnífico filme em registo documental “More than Honey”, do realizador Markus Imhoof, ainda em exibição em Lisboa (“Abelhas e Homens”). Trata-se de uma tecnicamente sofisticada e bem conseguida análise do enigmático desaparecimento das abelhas (“Colony collapse disorder”), na esteira de “Microcosmos”, um clássico filme (1996) de Claude Nuridsany & Marie Pérennou sobre o mundo dos insetos. Em “More than Honey”, somos transportados desde a Europa (Alpes Suíços) e Estados Unidos até à China e Austrália, fazendo-nos o seu autor uma clara denúncia de que é o homem hodierno, por verdadeira ganância, o verdugo da agonia das abelhas, ao intoxicá-las com pesticidas, difundir-lhe doenças e parasitas e roubar-lhes robustez genética.

Wikimedia Commons - Bernhard Sprute/J.-H. Janßen
Fonte: Wikimedia Commons - Bernhard Sprute/J.-H. Janßen
 

Dito por outras palavras, é uma descrição minuciosa e cientificamente detalhada do conflito entre o nosso mercado global neoliberal e a sobrevivência destes imprescindíveis insetos. Recorde-se que dos insetos em geral depende o correto funcionamento dos ecossistemas terrestres e, quiçá mesmo, a nossa própria sobrevivência, como foi prognosticado por Einstein especificamente com as abelhas. Na verdade, os insetos prestam-nos serviços incalculáveis, nomeadamente na propagação das plantas, incluindo na polinização (como vai dito atrás) e na dispersão das sementes, na manutenção da composição e estrutura das comunidades vegetais, na decomposição e reciclagem dos nutrientes ou na manutenção das cadeias tróficas que permitem a existência de muitas comunidades animais. E não será ocioso referir que todos estes serviços são-nos oferecidos a custos nulos. Na verdade, considerando apenas as abelhas, se estas fossem recompensadas pelo seu trabalho na polinização dos pomares e de outras plantas cultivadas, teríamos que lhes pagar como fatura anual global pelo menos setenta mil milhões de euros, a que seria ainda necessário adicionar várias centenas de milhões pelos lucros adicionais com a produção de mel e de cera.

O caso da China é paradigmático. Ao ali erradicar os pardais por eventuais prejuízos, o homem despoletou o surgimento de inúmeras pragas de insetos (porque deixaram de ser controlados pelos pardais), pelo que a solução encontrada foi a utilização maciça de inseticidas que acabou por exterminar também as abelhas. Como resultado deste insensato procedimento, viram-se os agricultores chineses obrigados à polinização manual dos seus pomares, para que não ficassem estéreis. Fácil será concluir que quando esses trabalhadores forem pagos com salários mais justos, uma simples maçã irá ficar a um preço incomportável.
 

Markus Imhoof deixa-nos, porém, alguma esperança quando dá relevo às formas selvagens da abelha do mel, mais agressivas mas também de muito maior resiliência: neste particular, a abelha africanizada (híbrido entre a abelha africana e a abelha de origem europeia), considerada ainda há bem pouco tempo uma praga (a "killer bee" da América do sul, central e do sul dos EUA). É mais um brilhante exemplo que reforça a grande importância da conservação da biodiversidade em geral, desiderato que deveria ser adotado em todos os países como objetivo estratégico.

Enfim, um filme para saborear (das fascinantes imagens dentro das colmeias às paisagens alpinas e australianas, entre outras) e refletir sobre o nosso ganancioso comportamento. Mas e sobretudo, que nos abre janelas sobre esse “supraorganismo” chamado colmeia, um ainda misterioso e desconhecido microcosmos que, à semelhança do nosso complexo e fascinante mundo, se encontra igualmente em crise.

Nota da redação: Este tema foi publicado em versão resumida na edição online do Diário de Notícias em "Jornalismo do cidadão", no dia 13 de novembro de 2013 e sob o título "Dois complexos e fascinantes Mundos em crise".

J. A. Quartau, professor aposentado do Departamento de Biologia Animal, é presentemente investigador do Centro de Biologia Ambiental da FCUL

 

Com o intuito de inovar e proporcionar os melhores temas aos alunos da Faculdade de Ciências no que diz respeito às novas tecnologias, a

David Luz e Pedro Machado, investigadores do Centro de Astronomia e Astrofísica da UL, fazem parte de uma equipa de investigadores que ao fim de dois anos conseguiu medir os ventos da atmosfera de Vénus a partir da Terra. Até então, só era possível fazê-lo recorrendo a sondas espaciais.

À semelhança dos anos anteriores o Departamento de Química e Bioquímica vai promover a realização de Ações de Formação para os professores do Ensino Básico e Secundário na modalidade oficina.

Encontram-se abertos concursos para recrutamento postos de trabalho de Professor Auxiliar, nas áreas disciplinares de Meteorologia, de Geofísica, de Engenharia Geográfica e de Oceanografia Física, Astronomia e Astrofísica, constantes do mapa de pessoal docente d

Empresa Outmind trabalha o conceito de marketing sensorial aliado à tecnologia

“Queremos dar a conhecer um novo espaço, uma nova marca, uma nova estratégia para o Tec Labs e também, claramente, incentivar as pessoas a terem uma atitude diferente face ao empreendedorismo”, sublinhou Luís Matos Martins, presidente do Conselho de Administração do Tec Labs.

Imagem alusiva à extração de óleos essenciais

Aquele que é hoje conhecido como o ISEO teve início em setembro de 1969, quando quatro cientistas da área da farmacognosia se reuniram, informalmente, em Leiden, na Holanda, para discutir problemas comuns, relacionados com a análise de óleos essenciais. Docentes/investigadores da FCUL participam, desde 1989, nesse congresso e já o organizaram por duas vezes.

Membros de uma tuna, durante uma atuação

Diário de bordo da nave Esperança. Uma viagem por um dos acontecimentos musicais da comunidade académica com especial tradição…

Pormenor de obra de arte

Invest in our future, invest in science”. A mensagem é clara, concisa e direta. Por um mundo melhor, um grupo de personalidades do Champalimaud Neuroscience Programme lançou recentemente um blogue no qual procuram sensibilizar a comunidade para a importância da ciência nas nossas vidas.

Está aberto concurso, até ao dia 07 de dezembro de 2012, para admissão de voluntários para a prestação de serviço em regime de contrato na Categoria de Oficial Técnico Superior Naval (TSN) e Oficial Técnico Naval (TN).

A sessão de encerramento contou com uma breve troca de ideias acerca dos novos desafios e possibilidades oferecidos pelo software Open Source, em particular, pela cada vez maior procura de formação em Quantum GIS.

Actividade no NanoLab do GeoFCUL

Dinâmica das zonas costeiras: conhecer para gerir

O Microsoft Windows 8 e Microsoft Office 2013 já estão disponiveis para download no seu Perfil de Utilizador (apenas Docentes e Funcionários).

Evolução da Complexidade Celular: Filosofia, Biologia Celular e Simbiose

Palestra no GeoFCUL

 

Paisagens do Mundo. Imagens da Dinâmica da Terra

 

Devido a problemas de software num equipamento (redundante) vai ser necessário realizar uma alteração de firmware num equipamento central de rede.

Não se prevê que uma possivel quebra de serviços, a existir, seja maior do que alguns segundos.

Francisco Eduardo Lapido Loureiro

Faleceu no passado dia 4 deste mês, no Brasil, onde consolidou a sua carreira (Centro de Tecnologia Mineral - CETEM ), que iniciara em Lisboa (FCUL, Junta de Energia Nuclear), França (Universidade de Nancy) e Angola (Universidade e IICT Instituto de Investiga&ccedi

Está aberta uma bolsa de Mérito Social para a área de Suporte ao utilizador para a Unidade de Informática.

A iniciativa pretende reunir especialistas que, através dos seus testemunhos, contribuam para a compreensão da revolução tecnológica pelo qual vão passar as línguas naturais, entre elas o português.

A Unidade de Informática irá fazer a transmissão ao vivo da apresentação do livro "A Língua Portuguesa Na Era Digital" no dia 16 de novembro de 2012 entre as 9h00 e as 13h30 a partir da Fundação Calouste Gulbenki

Conferência por Jorge Carvalho (LNEG) no dia 29 de Novembro, no GeoFCUL

Pages