Medalha internacional de História das Ciências

Alegria. Gratidão. Inspiração.

Medalha internacional de História das Ciências, Marta Lourenço
ML

Marta Lourenço, investigadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e subdiretora dos Museus da Universidade de Lisboa - Museu Nacional de História Natural e da Ciência (Muhnac), foi galardoada com a Medalha George Sarton 2014, pela Universidade de Gent, na Bélgica.

O prémio, que distingue os historiadores de ciências, irá ser entregue dia 15 de janeiro de 2015. Para Marta Lourenço, “esta distinção enquadra-se num movimento de reconhecimento crescente da importância das coleções e dos espaços histórico-científicos como fontes primárias para a história, a par dos documentos e da iconografia”.

Alegria, gratidão, inspiração, são as palavras escolhidas para definir o sentimento perante a distinção.

Na entrevista a seguir apresentada, fique a conhecer um pouco mais sobre a investigadora de Ciências e a importância da distinção atribuída.

Ciências - Que importância assume para si, profissionalmente e pessoalmente, esta distinção?

Marta Lourenço (ML) - Sinto naturalmente uma honra e uma gratidão muito grandes por este reconhecimento da Universidade de Gent. Sendo uma medalha dada por uma universidade no âmbito da História da Ciência, constitui também um estímulo para continuar a trabalhar no sentido da valorização do património das universidades europeias, particularmente as suas coleções e património científico.

Ciências - Que importância considera ter para a área em que se insere?

ML - Para a área da História das Ciências, esta distinção enquadra-se num movimento de reconhecimento crescente da importância das coleções e dos espaços histórico-científicos como fontes primárias para a história, a par dos documentos e da iconografia.

 
Fonte: Cedida por ML
Legenda: "As coleções científicas não são só coleções de instrumentos (...). São todas as coleções e espaços que, por possuírem documentação associada de qualidade, têm potencial para gerar conhecimento novo, numa cadeia sem fim e num amplo espectro de áreas do saber, quer das ciências, quer das humanidades", esclarece a investigadora

Ciências - Licenciou-se em Física, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, doutorando-se, depois, na área de Museologia e História da Tecnologia no Conservatório Nacional de Artes e Ofícios, em Paris. De que forma os ensinamentos adquiridos na Faculdade de Ciências contribuíram para o reconhecimento que lhe é concedido?

ML - A influência da Faculdade de Ciências na minha vida profissional vai muito para além dos ensinamentos da licenciatura. Em primeiro lugar, sou responsável no Muhnac por coleções histórico-científicas provenientes, não exclusivamente mas na sua maioria, da Faculdade de Ciências. São instrumentos científicos, espaços, livros, arquivos e desenhos magníficos, os mais antigos do século XVI, de primeira linha em qualquer país europeu e que a própria Faculdade, a Universidade e os portugueses ainda conhecem mal.

Em segundo lugar, dou aulas na Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências e o meu centro de investigação é o CIUHCT.

Em terceiro lugar, o meu contacto com a Faculdade é intenso, regular e muito frutuoso. Vai desde a colaboração no levantamento do património científico e artístico da Universidade de Lisboa (2011) até trabalhos mais específicos, como por exemplo o levantamento feito com o georadar do IDL para definir o local de reposição no Muhnac do túmulo seiscentista de D. Fernão Telles de Menezes, o fantástico trabalho de criação de um modelo 3D do Observatório Astronómico da Escola Politécnica de Lisboa, feito o ano passado por alunos dos Departamentos de Informática e Engenharia Geográfica (de resto, publicado), as parcerias com o Departamento de Matemática para a divulgação da ciência a amplos sectores do público, sendo de destacar as exposições “Formas e Fórmulas”, “Cálculo de Ontem e de Hoje” e “Jogos Matemáticos através dos Tempos” (que ainda se podem visitar), a colaboração dos Departamentos de Física, Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e IDL para a recuperação sustentável do Jardim Botânico do Muhnac, entre tantos outros exemplos de apoio a alunos, professores e investigadores da Faculdade que trabalham sobre as exposições, coleções, bibliotecas e arquivos do Museu.

Apesar disso, há claramente margem para mais e melhores dinâmicas de parceria entre a Faculdade e o Muhnac. A Faculdade – e a Universidade em geral –, ainda usam pouco o Muhnac como infraestrutura de divulgação e research outreach. São 150 mil visitantes por ano, no coração de Lisboa, que podem e devem conhecer o que de melhor se faz nas ciências, artes e humanidades na Universidade de Lisboa.

Finalmente, não posso ainda deixar de dizer que, pessoalmente, aprendi muitíssimo ao longo dos últimos 20 anos com extraordinários professores da Faculdade de Ciências, como Ana Eiró, Fernando Bragança Gil, Maria Alzira Ferreira, Luís Mendes Vítor, Virgílio Meira Soares, Fernando Catarino, Fernando Parente, Noémio Marques, Galopim de Carvalho, entre tantos outros. Sou-lhes muito grata.


Fonte: cedida por ML
Legenda: Círculos de proporção, atribuído a Elias Allen, Londres

Ciências - Como carateriza a valorização do património científico no nosso país? Considera que a sociedade portuguesa está sensibilizada e/ou esclarecida sobre este tema?

ML - A sociedade não está sensibilizada e o problema não é apenas português. Instituições internacionais como a OCDE, a European Science Foundation, o Conselho da Europa, têm vindo a alertar para o problema da vulnerabilidade, invisibilidade e inacessibilidade das coleções e museus científicos constituídos com recursos públicos, particularmente os que se encontram nas universidades. É como a matéria negra – ou ainda pior, porque nem sequer os efeitos conseguimos medir.

Dou sempre o exemplo de Pádua, que me parece o cúmulo da invisibilidade. A maior parte dos turistas que visita Pádua vai à Capela do Giotto e à Catedral onde se encontram as relíquias do Santo António. Há filas enormes à porta de ambos. No entanto, quase ninguém sabe que ali ao lado existe, na Universidade de Pádua, o “primeiro” jardim botânico e o “primeiro” teatro anatómico do mundo, construídos no século XVI para apoio ao ensino da Medicina. Espaços autênticos e originais, a sua visita constitui um momento transformador, ninguém sai de lá igual. No entanto, a própria Universidade tem a responsabilidade de os divulgar e nem sempre o faz bem. A situação em Portugal é muito semelhante: museus, coleções e património incríveis, com um potencial enorme para o desenvolvimento científico, económico, turístico, regional e cultural e completamente subaproveitados.

Mas temos vindo a melhorar. A sensibilização é muito maior hoje do que era há uns anos. As universidades de Coimbra e Lisboa reorganizaram recentemente os seus principais museus e coleções e a Universidade do Porto também parece ter essa intenção. Há mais exposições de grande público que mostram coleções científicas portuguesas. Em 2006 e 2008, a FCT estimulou projetos centrados nas coleções, respetivamente nas áreas das Ciências Biológicas e História das Ciências. O património dos antigos liceus tem vindo a ser inventariado nos últimos dez anos pelo Ministério da Educação, embora lentamente. Finalmente, a criação recente do PRISC (Portuguese Research Infrastructure of Scientific Collections) e a sua recomendação para integração no Roteiro Nacional Estratégico de Infraestruturas de Investigação coloca Portugal a par da Alemanha e dos Estados Unidos. Esperamos que o PRISC consiga os recursos necessários.

Ciências - De que forma considera que a sociedade pode ser envolvida neste assunto?

ML - A sociedade tem-se vindo a envolver gradualmente nos últimos anos. A responsabilidade é de todos e há muita coisa a fazer. No atual estado das coisas, eu diria que três passos são fundamentais.

Em primeiro lugar, é preciso saber o que existe em todo o país, incluindo Açores e Madeira, e o estado em que está. O PRISC vai fazer isso, é tarefa absolutamente prioritária.

Em segundo lugar, o país deve promover, com o envolvimento do PRISC, da comunidade científica e académica, da comunidade museológica, das associações profissionais, dos municípios, do governo, da sociedade civil, entre outros, um amplo debate que resulte num Plano Estratégico para as Coleções, Museus e Património Científico, garantindo a preservação e acessibilidade sustentáveis de todos e para todos. Isso implicará, por exemplo, definir o que é verdadeiramente importante para o nosso presente e futuro, estabelecer quem gere, onde fica e quem paga. Há soluções de financiamento noutros países que ainda não foram testadas em Portugal. Por exemplo, parece-me normal que projetos de investigação que se preveja tenham coleções como outcome e consagrem no orçamento uma verba adequada à sua preservação e acessibilidade. Também é preciso tratar de forma diferente o que é diferente. As instituições que possuem coleções científicas consideradas relevantes precisam de recursos financeiros e humanos específicos.

Em terceiro lugar, importa divulgar as coleções e o património em larga escala e criar dinâmicas a três níveis: i) utilização mais intensa para o ensino, investigação e inovação, ii) criação de valor e desenvolvimento; e, finalmente, iii) educação e deleite de todos. Isso faz-se em articulação com o sector económico e, sobretudo, o sector cultural (turismo, indústrias criativas, empreendedorismo local), a nível nacional, regional e local.


Fonte: cedida por ML
Legenda: Xiloteca com madeiras de Portugal, oferecida a D. Pedro V

Ciências - O que reúne o património científico? Que instrumentos/coleções científicas são aqui englobados?

ML - As coleções científicas não são só coleções de instrumentos – nem pensar. São todas as coleções e espaços que, por possuírem documentação associada de qualidade, têm potencial para gerar conhecimento novo, numa cadeia sem fim e num amplo espectro de áreas do saber, quer das ciências, quer das humanidades. Esse conhecimento pode depois ser divulgado a amplos segmentos do público. É por isso que são infraestruturas.

Incluem coleções de rochas, fósseis, minerais, herbários, espécimes zoológicos, antropológicos e etnobotânicos, artefactos arqueológicos e etnográficos, sismogramas, registos meteorológicos, desenhos científicos, amostras de solos. Incluem coleções “vivas” como os jardins botânicos. Incluem espaços naturais como os geomonumentos. Incluem novíssimas coleções como os bancos de ADN, sementes e tecidos, ou os arquivos de sons da natureza. Incluem finalmente património in situ, em que Portugal é particularmente rico. Para dar apenas alguns exemplos, os Laboratórios Químicos de Coimbra (1772), Lisboa (1891) e Porto (1913), o Gabinete de Física da Universidade de Coimbra (1773), os Observatórios Astronómicos da Ajuda e da Escola Politécnica, em Lisboa, o Panopticon do Hospital Miguel Bombarda, o Teatro Anatómico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, muitos espaços de antigos liceus, entre tantos outros.

A Universidade de Lisboa tem coleções e património científico magnífico, resultado de mais de 100 anos de investigação e ensino quer na antiga Universidade clássica quer na antiga Universidade Técnica de Lisboa, quer ainda nas instituições que as precederam. Embora o património da antiga UTL ainda esteja por levantar e publicar, sabemos que existem coleções fabulosas no ISA, no IST, o Jardim Botânico da Ajuda, para além dos dois últimos observatórios astronómicos históricos que existem em Portugal, o primeiro observatório e estação meteorológica, os desenhos de medicina, os arquivos, entre tantas outras coleções incríveis (e para além do que se encontra no Muhnac). Isto é uma bandeira extraordinária para a Universidade de Lisboa. Devia estar tudo acessível como em Oxford, Cambridge, Leiden, Uppsala e tantas outras universidades reputadas. Não tenhamos dúvidas que todas as grandes universidades têm grandes coleções.


Fonte: cedida por ML
Legenda: Caixa de terapia electromagnética, Joseph Gray & Son, Sheffield, 1885

Ciências - A cerimónia de entrega do prémio decorrerá a 15 de janeiro de 2015. A apresentação para esse dia já está pensada/planeada? Qual o seu objetivo e em que consistirá?

ML - A apresentação já tem pelo menos um título, que tive de enviar para a Universidade de Gent para divulgação: “Scientific Collections, Museums and Heritage: Creating Connections and Engaging Society through History”

Ciências - Quais as três palavras que melhor definem o momento/sentimento após ter recebido a notícia da distinção?

ML - Alegria. Gratidão. Inspiração.

Raquel Salgueia Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

Pages