Brasileiros convidados a escolher Portugal

Rosto de Fernando Ramos
Cedida por Fernando Ramos

No dia 6 de março o “Público” noticiava: “Brasileiros convidados a não escolher Portugal”. Nessa notícia, dizia-se que “o Governo brasileiro terá convidado quase dez mil estudantes que se candidataram a frequentar o ensino superior em Portugal a mudar de destino”, dando o Governo de Dilma Roussef como justificação a “menor qualidade das universidades e institutos politécnicos que acolhem estes alunos do Brasil quando comparada com instituições do seu país de origem”. A “recomendação” baseava-se num estudo da SCImago onde se avalia o ensino superior em Portugal, Espanha e América Latina, fornecendo um ranking de cerca de 1400 instituições.

Fiquei surpreendido com a notícia e, ao passar os olhos pelo relatório, questionei-me: quão credível será um ranking que coloca a Universidade de Stanford em 20.º, a Universidade de Cambridge em 30.º e o MIT em 46.º? E que, simultaneamente, coloca à frente destas instituições (respeitáveis, mas de qualidade não comparável) como a Universidade de Zhejiang ou a de São Paulo?

Um olhar mais atento permite concluir que o problema não está no ranking, mas na leitura errada que o Governo brasileiro faz do mesmo. O erro parece resultar de uma análise acrítica feita do documento. A ordenação do ranking é feita com base numa variável (“output”) que mede a quantidade de trabalho científico produzido por cada instituição. Mas, como sabe quem faz investigação, o importante não é publicar em quantidade. O importante é fazer trabalho de alto nível e de elevado impacto, na forma como contribui para a sociedade e de como avança o conhecimento na sua área, que consiga ser publicado em revistas de topo. É que publicar numa "Science" ou numa "Nature" é radicalmente diferente de publicar na maior parte das 19700 revistas consideradas neste estudo. Uma variável deste tipo não traduz estes aspetos essenciais.

Mas, como é habitual neste tipo de estudos, o relatório apresenta um conjunto de variáveis que medem de facto a qualidade das instituições. Por exemplo, a variável “impacto normalizado”, que mede o impacto científico (medido em número de citações) de uma instituição quando comparado com a média mundial. Ou o “rácio de publicações de elevada qualidade”, que mede a percentagem de publicações de uma dada instituição publicadas em revistas de topo.

Uma análise do relatório considerando estas variáveis mostra o cenário oposto ao traçado pelo Governo brasileiro. As instituições portuguesas estão claramente acima das suas congéneres brasileiras quando se considera qualquer dessas variáveis. Um exemplo: das 77 instituições ibero-americanas com “impacto normalizado” igual ou superior a 1 (as que têm média igual ou superior à média mundial), 18 são portuguesas (em 21). No Brasil, apenas uma está dentro destes valores, apesar do maior número de instituições brasileiras (75). Analisando quaisquer das outras variáveis deste tipo chega-se exatamente à mesma conclusão. Em suma, e de acordo com este relatório, a maioria das instituições de ensino superior em Portugal têm qualidade superior às do Brasil, contrariando de forma que não deixa dúvidas a “recomendação” do Governo brasileiro.

A propagação destas conclusões erradas pode ter consequências muito negativas para o nosso país. Em primeiro lugar, pela imagem que deixa das nossas instituições universitárias. Depois, porque pode resultar num indesejado decréscimo do número de alunos brasileiros que decidem vir estudar para Portugal. Considero por isso essencial que o Governo português tome uma atitude junto do Governo brasileiro, de forma que este clarifique o assunto junto dos seus estudantes, assim se repondo a verdade relativamente à qualidade do ensino superior português.

A História une Portugal e o Brasil. São muito fortes os laços que temos com o nosso “país irmão”. É por isso meu desejo — que acredito partilhar com a maioria dos portugueses — que as universidades brasileiras continuem a aumentar os seus índices de qualidade — o que aliás tem vindo a acontecer — de forma que o trabalho científico produzido tenha um impacto cada vez mais positivo na sociedade e na economia do Brasil. Gostaria que continuássemos a fazer parte desse esforço, recebendo e formando muitos alunos brasileiros nas nossas instituições. A análise enviesada do relatório da SCImago não vai nesse sentido, mas acredito ainda se ir a tempo de corrigir o lapso.

Fernando Ramos, professor do Departamento de Informática da FCUL
FCUL Raly Pro

Everybody in this country should learn how to program a computer… Because it teaches you how to think”, citação de Steve Jobs, fundador da Apple, mencionada na sessão de abertura do evento FCUL Rally Pro.

A empresa Grupo Actuarial encontra-se a oferecer estágios remunerados a estatísticos, matemáticos e engenheiros informáticos .

A qualidade da formação será tão mais diferenciada quanto mais os seus graduados forem capazes de integrar habilmente as diversas competências que assimilaram no seu percurso académico.

Fernando Pessoa em destaque nas Redes Sociais

“[Pretendemos] identificar quais os versos e frases de Fernando Pessoa que mais inspiram os seus leitores de todo o mundo e, ao mesmo tempo, conduzir todos aqueles que usam as palavras de Pessoa aos seus textos originais”, explica Francisco Couto, professor do DI-FCUL e coordenador do projeto.

foto de Microsonda

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) conta com 3 infraestruturas de investigação registadas na base de dados do projecto MERIL - Mapping of the European Research Infrastructures Landscape.

Dupla Titulação em Geologia - Ano lectivo 2013-2014

Convénio de Cooperação Académica entre o Instituto de Geociências da USP e o GeoFCUL

FCUL promove sessão de informação sobre oportunidades de financiamento no âmbito dos Desafios Societais 2 e 5.

“O principal objetivo é precisamente mostrar o que o EMBL tem para oferecer aos investigadores portugueses (e aos da FCUL, muito em particular) e também demonstrar o que pode ser feito em cooperação com o [laboratório].”, declara Margarida Amaral, docente da FCUL e membro do conselho de organização do evento.

Estão abertas as candidaturas à edição de 2013 do Prémio Academia Lx, destinado a trabalhos de investigação e estudos sobre temas com relevância prática para a cidade de Lisboa.  

Aceitam-se candidaturas de docentes para inclusão numa  Bolsa de Recrutamento, para a Área de Finanças e Economia - Secção Autónoma de Estatística, d

FCUL promove cooperação com EMBL

A passagem do diretor-geral do EMBL pela FCUL, foi registada através de uma reportagem multimédia. Fique a saber mais sobre esta visita bem como os pormenores do evento “Molecular Biology in Portugal and EMBL”!

De 8 de Julho a 30 de Agosto as bibliotecas do C4 e C8 têm alteração nos horários de funcionamento

Doctorate in Applied and Engineering Physics

Programa Doutoral em Física Aplicada e Engenharia Física

Arthur Vieira, estudante do mestrado integrado em Engenharia Física e Emiliano Pinto, aluno de mestrado em Física Nuclear e Partículas, são os diretores da revista trimestral do Departamento de Física da FCUL e  que integra uma equipa editorial constituída por outros 16 discentes.

Challenge4you desafiou estudantes dos cinco aos vinte anos

“Aquilo que aqui aprendemos faz parte da cultura geral e todos nós devemos ter algumas ideias sobre o local onde estamos inseridos e sobre esta união de que todos fazemos parte e que tanto nos ajuda”. A declaração é da estudante e participante Adriana Pereira de 17 anos.

Para uma crítica das perspectivas recentes da União Europeia sobre o Ensino Superior

Recomendações para melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.

Implicações no Quebramento do Gondwana e sua Correlação com as bacias da Margem Atlântico Sul e Atlântico Central

É crucial que estatísticos e investigadores em Ciências do Ambiente mantenham uma colaboração estreita, para que continuem a ser desenvolvidos métodos estatísticos e computacionais adequados que permitam dar resposta continuada aos desafios presentes e futuros.

Está disponível a edição de 2012 do JCR (Journal Citation Reports).

O trabalho de cinco investigadoras portuguesas foi distinguido no início de junho em Boston, nos EUA. O congresso mundial contou com mais de 800 cientistas de 50 países.

[Tec Labs]i – Potenciar a Inovação

“Os alunos da FCUL tiveram uma experiência única que não vão esquecer ao longo da sua vida académica e profissional”, denota Rui Ferreira, administrador do Tec Labs – Centro de Inovação da FCUL.

Visita de Estudo à nova Universidade de Lisboa

“[Viveu-se um ambiente] muito propício ao debate onde o intercâmbio de ideias e de boas práticas foram muito gratificantes e uma mais-valia para os participantes e oradores do evento”, declarou Luísa Cerdeira, pró-reitora da Universidade de Lisboa e presidente do FORGES.

Pages