Brasileiros convidados a escolher Portugal

Rosto de Fernando Ramos
Cedida por Fernando Ramos

No dia 6 de março o “Público” noticiava: “Brasileiros convidados a não escolher Portugal”. Nessa notícia, dizia-se que “o Governo brasileiro terá convidado quase dez mil estudantes que se candidataram a frequentar o ensino superior em Portugal a mudar de destino”, dando o Governo de Dilma Roussef como justificação a “menor qualidade das universidades e institutos politécnicos que acolhem estes alunos do Brasil quando comparada com instituições do seu país de origem”. A “recomendação” baseava-se num estudo da SCImago onde se avalia o ensino superior em Portugal, Espanha e América Latina, fornecendo um ranking de cerca de 1400 instituições.

Fiquei surpreendido com a notícia e, ao passar os olhos pelo relatório, questionei-me: quão credível será um ranking que coloca a Universidade de Stanford em 20.º, a Universidade de Cambridge em 30.º e o MIT em 46.º? E que, simultaneamente, coloca à frente destas instituições (respeitáveis, mas de qualidade não comparável) como a Universidade de Zhejiang ou a de São Paulo?

Um olhar mais atento permite concluir que o problema não está no ranking, mas na leitura errada que o Governo brasileiro faz do mesmo. O erro parece resultar de uma análise acrítica feita do documento. A ordenação do ranking é feita com base numa variável (“output”) que mede a quantidade de trabalho científico produzido por cada instituição. Mas, como sabe quem faz investigação, o importante não é publicar em quantidade. O importante é fazer trabalho de alto nível e de elevado impacto, na forma como contribui para a sociedade e de como avança o conhecimento na sua área, que consiga ser publicado em revistas de topo. É que publicar numa "Science" ou numa "Nature" é radicalmente diferente de publicar na maior parte das 19700 revistas consideradas neste estudo. Uma variável deste tipo não traduz estes aspetos essenciais.

Mas, como é habitual neste tipo de estudos, o relatório apresenta um conjunto de variáveis que medem de facto a qualidade das instituições. Por exemplo, a variável “impacto normalizado”, que mede o impacto científico (medido em número de citações) de uma instituição quando comparado com a média mundial. Ou o “rácio de publicações de elevada qualidade”, que mede a percentagem de publicações de uma dada instituição publicadas em revistas de topo.

Uma análise do relatório considerando estas variáveis mostra o cenário oposto ao traçado pelo Governo brasileiro. As instituições portuguesas estão claramente acima das suas congéneres brasileiras quando se considera qualquer dessas variáveis. Um exemplo: das 77 instituições ibero-americanas com “impacto normalizado” igual ou superior a 1 (as que têm média igual ou superior à média mundial), 18 são portuguesas (em 21). No Brasil, apenas uma está dentro destes valores, apesar do maior número de instituições brasileiras (75). Analisando quaisquer das outras variáveis deste tipo chega-se exatamente à mesma conclusão. Em suma, e de acordo com este relatório, a maioria das instituições de ensino superior em Portugal têm qualidade superior às do Brasil, contrariando de forma que não deixa dúvidas a “recomendação” do Governo brasileiro.

A propagação destas conclusões erradas pode ter consequências muito negativas para o nosso país. Em primeiro lugar, pela imagem que deixa das nossas instituições universitárias. Depois, porque pode resultar num indesejado decréscimo do número de alunos brasileiros que decidem vir estudar para Portugal. Considero por isso essencial que o Governo português tome uma atitude junto do Governo brasileiro, de forma que este clarifique o assunto junto dos seus estudantes, assim se repondo a verdade relativamente à qualidade do ensino superior português.

A História une Portugal e o Brasil. São muito fortes os laços que temos com o nosso “país irmão”. É por isso meu desejo — que acredito partilhar com a maioria dos portugueses — que as universidades brasileiras continuem a aumentar os seus índices de qualidade — o que aliás tem vindo a acontecer — de forma que o trabalho científico produzido tenha um impacto cada vez mais positivo na sociedade e na economia do Brasil. Gostaria que continuássemos a fazer parte desse esforço, recebendo e formando muitos alunos brasileiros nas nossas instituições. A análise enviesada do relatório da SCImago não vai nesse sentido, mas acredito ainda se ir a tempo de corrigir o lapso.

Fernando Ramos, professor do Departamento de Informática da FCUL

Joana Almaça, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina e Diana Faria não têm dúvidas em afirmar que foram “contaminadas pelo ‘bichinho da ciência’”, por isso, os planos futuros passam por “contribuir para o conhecimento dos mecanismos responsáveis por algumas patologias dos humanos”.

De 4 de janeiro a 1 de fevereiro de 2014,  a Biblioteca do C4 também está aberta aos sábados, das 9h00

A FCUL abriu as portas do Departamento de Física aos alunos da Escola Secundária Vergílio Ferreira, de Lisboa. Durante uma manhã, 26 alunos do 12.º ano exploraram os mistérios da Física.

O percurso académico e profissional da cientista é marcado pela experiência profissional além-fronteiras.

Prémio ANACOM URSI Portugal 2013

O estudo “Técnica multimodal inovadora baseada em PEM-UWB para deteção de cancro da mama e respetiva classificação” é da autoria da cientista Raquel Conceição.

O trabalho da jovem cientista também passa pela criação de uma rede de investigadores europeia, que colabore no desenvolvimento de aplicações médicas na frequência de micro-ondas e agilize processos de ensaios clínicos e de comercialização de novos equipamentos médicos.

“Os ocupantes cumpriram as instruções, saíram do edifício de forma muito ordeira e a evacuação foi feita com rapidez”, declarou Júlia Alves, assessora para a Segurança do Trabalho na FCUL.

Marília Antunes

“[Tê-la na nossa equipa] é absolutamente enriquecedor e imprescindível para a boa continuação do nosso trabalho”, comenta Sandra Garcês, coordenadora do projeto "An Evidence-Based Approach to Optimize Therapeutic Decisions Involving Biological Drugs”, distinguido com o Prémio Pfizer de Investigação Clínica 2013, que contou com a participação da cientista da FCUL.

The European Commission has presented on December 11th  the first calls for projects under Horizon 2020, the European Union's €80 billion research and innovation programme.

Consulte as apresentações disponíveis.

 

Para além de Paulo Urbano o estudo contará com a participação de um bolseiro e a consultoria do investigador Joel Lehman, da University of Texas at Austin. O financiamento total excede os 22.000 euros.

Autores do artigo publicado no Journal of Catalysis

Carla D. Nunes, Cristina I. Fernandes, Marta S. Saraiva, Teresa G. Nunes e Pedro D. Vaz trabalham há dois anos num estudo que visa o desenvolvimento de catalisadores mais eficientes e facilmente separáveis para reciclagem.

A equipa do CAUUL, responsável por este projeto, tem como objetivo “construir um modelo do sistema climático de Vénus e colocar os resultados de vários anos de investigação à disposição da comunidade científica mundial”.

Cartaz

A investigação premiada tem como foco principal os doentes com Artrite Reumatoide.

FCUL recebe delegação russa

“Achei o encontro muito interessante. Na Rússia não há muito conhecimento sobre a educação em Portugal e hoje descobrimos muitos aspetos interessantes que podemos vir a aplicar na nossa estrutura de ensino”, comentou Predybaylo Bladislav, membro da delegação russa em visita à UL

Durante as férias de Natal, de 23 de Dezembro a 3 de Janeiro a biblioteca do C4 está aberta todos os dias úteis das 9:30h às 17:30h.

Um dos Prémios Pfizer de Investigação Básica 2013 foi atribuído ao projeto “Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets", que tem como investigadora principal Margarida D. Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica e um dos membros do BioFIG - Centro de Biodiversidade, Genómica Integrativa e Funcional da FCUL.

Rui Santos, Andreia Dias, Ricardo Santos, Dora Inácio e Hugo Ferreira

O conceito do projeto bioM surgiu durante o 2.º semestre de 2012/2013 no âmbito da disciplina Inovação e Transferência de Tecnologias.

João Lin Yun

João Lin Yun distingue-se na área da Física e da Astronomia. No seu currículo, diversidade de atividades organizadas e desenvolvidas dentro do território nacional e fora dele são um marco evidente. Para além da forte aposta na carreira profissional, a vida do professor da FCUL é marcada também pela escrita.

João Lin Yun

“Quando escrevo, há alturas em que as ideias e o material fluem de forma tão espontânea que me surpreendo com o resultado! É como se as personagens tomassem as rédeas e dissessem: ‘quero dizer isto e fazer aquilo!’ E eu limito-me a obedecer-lhes…”, comenta o professor da FCUL, João Lin Yun.

As candidaturas à formação avançada decorrem até 13 de dezembro. Para esta 1.ª edição, que se inicia a 13 de janeiro de 2014, devem ser atribuídas seis bolsas mistas cujos trabalhos decorrem em Portugal e no estrangeiro, com o intuito de desenvolver projetos conjuntos entre países.

Paulo Veríssimo, professor catedrático do DI-FCUL, participou no passado dia 25 de novembro de 2013, no programa "Sociedade Civil", transmitido na RTP2.
 
António Branco

Um dos resultados chave da análise levada a efeito é o de que a língua portuguesa é um dos idiomas para o qual a preparação tecnológica para a era digital é "fragmentária".

Imagem abstrata da  "Philosophy of Science in the 21st Century - Challenges and Tasks"

Durante o evento será lançado o programa doutoral em Filosofia da Ciência, Tecnologia, Arte e Sociedade, recentemente aprovado pela FCT, com a mais elevada classificação: “Exceptionally strong with essentially no weaknesses”.

Rita Cascão

O sucesso do Biobanco-IMM é promovido pelo contínuo aumento de parcerias e colaborações não só com empresas de biotecnologia e unidades de saúde, mas também com institutos de investigação científica e investigadores académicos de ciências básicas, como os investigadores da FCUL.

Pages