Susana Custódio preside Comissão Executiva do ORFEUS

“Está a ser uma experiência muito interessante”

C4G coordena a participação portuguesa no EPOS

O ORFEUS está integrado no EPOS, que contribui para uma melhor compreensão dos processos físicos que controlam terramotos, erupções vulcânicas, tsunamis e por exemplo movimentos tectónicos

unsplash - Amaze Yin

Susana Custódio, professora do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia de Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz,  é a presidente da Comissão Executiva do ORFEUS - Observatories & Research Facilities for European Seismology desde maio passado. O mandato tem a duração de quatro anos.

“Está a ser uma experiência muito interessante, com desafios a vários níveis”, conta Susana Custódio.

O ORFEUS está integrado no EPOS - European Plate Observing System, que contribui para uma melhor compreensão dos processos físicos que controlam terramotos, erupções vulcânicas, tsunamis, movimentos tectónicos e outros com impacto potencialmente grave sobre o meio ambiente e o bem-estar dos cidadãos.

“O ORFEUS é o pilar do EPOS-Seismology que se dedica à disponibilização de dados sísmicos brutos e serviços associados, representando uma das comunidades mais amadurecidas dentro do EPOS”, refere Susana Custódio.

Em 2018, o ORFEUS adotou uma nova estrutura: há comunicações em tempo real e uma diversificação dos tipos de sensores e dados recolhidos; o envolvimento de novos parceiros e a formação de sismólogos em início de carreira.

“O ORFEUS formalizou um novo grupo de trabalho dedicado à sismologia de movimentos fortes e está a trabalhar na formalização de outros grupos, por exemplo, sismologia computacional, parques móveis de sismómetros”, explica Susana Custódio para quem estes desenvolvimentos são fruto de um trabalho anterior.

Portugal participa no EPOS desde 2010, desde a sua fase preparatória. Em 2020 o EPOS iniciará a fase operacional. O ano passado, a comissão europeia concedeu-lhe o estatuto jurídico de European Research Infrastructure Consortium (ERIC). O C4G é um consórcio nacional de infraestruturas para as Geociências e coordena a participação portuguesa no EPOS.

“A formalização do EPOS como uma ERIC é um passo importante, após 16 anos de trabalho em comunidade nas fases de conceção, preparação e implementação da infraestrutura. Este longo e árduo percurso evidencia bem o desafio que é articular em rede uma enorme quantidade de dados e laboratórios, que por agora existem dispersos por vários países e comunidades científicas. Desafio este que a comunidade das Ciências da Terra Sólida tem vindo a superar com sucesso.”
Susana Custódio

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colgios doutorais em reas transversais. Opinio de Maria Amlia Martins-Louo.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de maro e organizada pelos Departamentos de Fsica e de Informtica.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro esto abertas inscries para a admisso de novos voluntrios.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avanados" com mais quatro instituies universitrias portuguesas e brasileiras.

Fotografia de alunos procuram informações junto a uma banca no átrio do C3

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estgios e Insero Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edio do curso realiza-se j em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas