Amélia Pilar Rauter distinguida com Prémio Luso-Espanhol de Química 2017

A atribuição do prémio ocorreu em Espanha

Cedida por APR

“Fiquei muito surpreendida pois no nosso mundo a atenção está dirigida para os nossos alunos, os nossos colaboradores, a docência e a investigação. Procuramos descobrir o desconhecido, criar novas moléculas e desenvolver novos processos para servir a sociedade melhorando a qualidade de vida! Não pensamos em prémios...”
Amélia Pilar Rauter


Amélia Pilar Rauter
Fonte ACI Ciências

O Prémio Luso-Espanhol de Química 2017 foi atribuído a Amélia Pilar Rauter, professora do Departamento de Química e Bioquímica e coordenadora do Grupo da Química dos Glúcidos do Centro de Química e Bioquímica de Ciências.

O galardão instituído pela Sociedade Portuguesa de Química e pela Real Sociedad Española de Química existe desde 2010 e já distinguiu sete químicos portugueses e espanhóis com projeção internacional.

Maria Amélia Pilar Rauter dedicou grande parte da sua investigação à síntese de novas entidades moleculares a partir de açúcares, isto é, hidratos de carbono de baixa massa molecular.

O trabalho desenvolvido com os seus alunos e colaboradores – orientou 20 doutoramentos - tem tido resultados muito promissores nomeadamente no controlo da diabetes, na prevenção de doenças neurodegenerativas e infeção, com a descoberta de antibióticos com um mecanismo de ação novo.

Segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta quinta-feira, durante a atribuição do prémio, em Espanha, Amélia Pilar Rauter participou como oradora em diferentes palestras, tendo sido possível estabelecer novas oportunidades de colaborações luso-espanholas.

“Estamos sempre abertos a colaborações a nível nacional e internacional e sabemos partilhar o que descobrimos”, diz Amélia Pilar Rauter, acrescentando que talvez seja esse o segredo da sua projeção internacional.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas