Entrevista com…


Ana Simões

O que é que simboliza para si o ato de escrita?

Ana Simões (AS) - Escrever é um processo muito importante. Ao escrevermos, as nossas ideias muitas vezes tomam contornos diferentes e tornam-se mais claras, é uma forma central de comunicação. A produção científica e a produção em História das Ciências, como uma das áreas do conhecimento que está em franco desenvolvimento, são áreas que naturalmente não se podem desenvolver sem que haja circulação e comunicação do conhecimento. A nossa “prática de laboratório” é basicamente a escrita, a reflexão, a coordenação de ideias. É uma tarefa essencial. Eu basicamente escrevo todos os dias.

Como é que correu a redação desta obra em parceria com Kostas Gavroglu, foi um trabalho difícil?

AS – Não, não foi um trabalho difícil. Aliás, é uma história muito interessante. Eu já colaboro com este meu colega desde a altura do meu doutoramento. Conheci-o precisamente quando estava a escrever a tese de doutoramento. Percebi que havia uma outra pessoa, um outro historiador das ciências a trabalhar em tópicos não exatamente iguais, mas cuja interface era muito grande e fiquei cheia de medo, tive receio que houvesse uma interface, enfim, grande demais e que isso pudesse pôr em causa o meu trabalho. Num congresso decidi contactá-lo e como tínhamos o mesmo tipo de abordagem entrámos muito rapidamente em sintonia intelectual. O meu primeiro artigo, o artigo que escrevi logo a seguir à tese, com parte dos seus resultados, foi assinado com este meu colega, e não com o meu supervisor. Na História das Ciências os supervisores de tese não costumam assinar os artigos. É uma maneira de funcionar muito diferente da dos cientistas. Aqui, o orientador da tese quase sempre assina os artigos dos alunos. Na História das Ciências não há essa política, não há essa tradição, e portanto, assina ou não assina consoante o envolvimento vai para lá daquilo que é normal um orientador fazer por um aluno.

Eu já trabalho com este meu colega há 18 anos e sempre nos demos muito bem do ponto de vista intelectual. Cada vez que queremos escrever um artigo ou fazer uma comunicação, através de telefonemas, emails ou Skype, trocamos ideias. Encontramo-nos em congressos, duas ou três vezes por ano, uma no mínimo. As coisas têm funcionado muito bem, dividimos tarefas. Em História das Ciências a tradição é semelhante à da História. A maioria das pessoas publica sozinha, o que também mais uma vez é algo diferente das Ciências, onde há muitos artigos assinados pelo orientador e pelos alunos, pelo grupo. Isso em História não é tão vulgar. Agora há uma jovem geração de historiadores das ciências - em Portugal, em Espanha, numa série de países -, que está não só a desenvolver trabalhos originais, trazendo para o centro as contribuições desses países, que muitas vezes ficaram de fora, como está a trazer também maneiras de trabalhar diferentes, e portanto, agora, já vemos muitas vezes artigos assinados por duas ou três pessoas. Aqui, no Centro Interuniversitário de História das Ciências e Tecnologia, que de momento coordeno, nós fazemos muito isso. Eu sempre trabalhei muito em conjunto mas também publico individualmente, e não vejo que isso seja um problema. Eu tenho com este meu colega e mais duas colegas portuguesas, e outros colegas gregos, um artigo assinado por nove pessoas. Temos insistido nesta tónica. É possível e é interessante e pode ser mais estimulante intelectualmente trabalhar em conjunto. Claro que é mais difícil, as pessoas têm pontos de vista diferentes e é preciso articular esses pontos de vista. A História das Ciências tem um trabalho de interpretação muito importante, e portanto, quando as interpretações são diferentes, as pessoas entram em conflito intelectual e às vezes não é fácil sarar esses conflitos, às vezes aliás, não se conseguem ultrapassar. Não é trivial fazer esse trabalho, mas quando ele é bem sucedido é uma mais-valia incrível.

Pode apresentar-nos esta obra? O que é que ela trata? O que é que a distingue?

AS – Esta obra é o primeiro livro que se escreve sobre a  emergência de uma disciplina chamada Química Quântica e resulta do trabalho que eu e este meu colega fizemos ao longo destes 18 anos.

A Química Quântica é uma disciplina que surge em finais dos anos 20 na interface entre a Química e a Física. O que nós discutimos neste livro é que não houve nada no início da disciplina que fizesse com que a Química Quântica estivesse necessariamente associada à Química. A disciplina foi iniciada por físicos alemães que na verdade lançaram uma área e depois basicamente ficaram bloqueados e depois  são uma série de cientistas americanos, que vão ser bem-sucedidos nos primeiros anos do desenvolvimento da área. O que nos interessou foi perceber como é que diferentes grupos, diferentes olhares sobre a Ciência, diferentes culturas científicas contribuíram para esta área, porque é que umas foram bem-sucedidas e outras foram mal sucedidas.

Um aspeto muito interessante ocorreu no pós-guerra e está associado à revolução que esta área sofreu com o aparecimento dos computadores, para os quais os químicos quânticos são muito importantes. Eles colaboraram mesmo no desenvolvimento do hardware e do software. A Química quântica é  uma disciplina tipicamente do século XX. É uma disciplina que vai nascer e expandir-se entre disciplinas já estabelecidas, como a Química, a Física, a Matemática, a Biologia. Nós tratámos os primeiros 50 anos da disciplina e tentámos perceber as diferentes culturas que se formaram e que deram identidade a essa disciplina, identidade essa que se foi transformando ao longo do tempo.

Imagens relacionadas com a Química Quântica
Pormenor da capa do livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry”

 

Existiram contributos importantes em Portugal?

AS – As pessoas que fazem Química Quântica em Portugal fazem-na numa fase que já é uma fase de maturidade disciplinar.

Nestes primeiros 50 anos, que foram 50 anos fundacionais, discutiram-se metodologias e estabeleceu-se uma identidade, que não passava pela identidade dos físicos. Um dos aspetos mais interessantes desta disciplina é que os físicos, que começaram a trabalhar nela, pensaram que se eles fossem capazes de resolver a equação de Schrödinger para moléculas, a Química perdia a sua identidade própria, passava a ser uma espécie de área da Física Aplicada. Esta ambição exprime a mentalidade típica dos físicos, reducionista. Essa tentativa foi um fracasso total, e portanto, é muito interessante perceber como é que um químico pensa e como é que ele pensa de maneira diferente de um físico; como é que um químico com uma forte formação matemática pensa e pensa diferente de um químico tradicional ou de um físico. Esta história tem uma interface muito grande com questões de Filosofia das Ciências, tais como as questões do reducionismo, do papel das imagens no desenvolvimento de uma área, por aí adiante.

Quanto à importância dos portugueses nestes primeiros 50 anos, não há propriamente nenhum participante. Ao nível destes primeiros 50 anos os participantes foram primeiro alemães, depois americanos, mais tarde ingleses e só no pós-Guerra é que entraram em cena os franceses e os suecos. A internacionalização da disciplina fez-se com o Pós-Segunda Guerra Mundial. Até aí era um núcleo constituído por americanos e ingleses.

Esta obra publicada pelo MIT Press recebeu elogios de pessoas que importa ouvir. O que é que tem a dizer sobre essas opiniões que foram publicadas?

AS – Um livro que sai no MIT Press passa por um processo muito longo. Submetemos um projeto, relativamente contido, com cerca de dez páginas, ao editor da coleção Transformations: Studies in the History of Science and Technology, que é uma coleção muito conceituada. Ao ser aprovado tivemos um prazo para entregar o manuscrito. O manuscrito passou por um conjunto de referees, tal e qual como se fosse um artigo. Tivemos colegas que consultámos a título individual, que nos deram uma série de conselhos e se deram ao trabalho de ler as mais  de 300 páginas que escrevemos e depois houve referees oficiais entre os quais se encontram a Mary Jo Nye, neste momento uma professora emérita e uma conhecidíssima historiadora da química, o Helge Kragh, que é um historiador das ciências dinamarquês também muito conceituado e o Silvan S. Schweber, um ex-professor de Física, discípulo do famoso Richard Feynman, que numa determinada fase da sua carreira se transformou em historiador das ciências. Estamos a falar de três estudiosos que são historiadores das ciências de primeira grandeza, que fizeram um refereeing rigoroso, algumas sugestões de alteração e comentários extremamente positivos.

É a primeira vez que se faz um livro sobre a história desta disciplina, e esta disciplina é uma disciplina exemplar, se quisermos estudar disciplinas que se desenvolveram essencialmente no pós-Guerra, no século XX. As interfaces que nós fizemos entre a História e a Filosofia das Ciências foram também muito apreciadas. Uma revista que se chama Metascience está a organizar uma espécie de um simpósio virtual, em que foram convidados historiadores e filósofos das ciências que vão produzir um texto, um comentário crítico sobre este livro, ao qual depois os autores hão-de responder. Portanto, acho que tem tido um impacto muito grande. Começaram a sair as primeiras book reviews e, até agora, os comentários destas pessoas são bastante elogiosos.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Henrique de Gouveia e Melo e Henrique Leitão

“As três últimas décadas foram excecionais para os estudos de História Marítima, da Ciência Náutica, da Cosmografia e da Cartografia portuguesas”, diz Henrique Leitão, investigador da Ciências ULisboa, a propósito da atribuição do Prémio Academia de Marinha 2023, ocorrido no passado dia 9 de janeiro, durante a Sessão Solene de Abertura do Ano Académico de 2024.

Membros da expedição em frente do RV Pelagia

A Ciências ULisboa destacou no passado mês de dezembro - na EurekAlert - uma história sobre um estudo, que relata evidências sem precedentes de respostas ecológicas do fitoplâncton calcificante à deposição de nutrientes fornecidos pela poeira do Sara. O trabalho publicado na Frontiers in Marine Science tem como primeira autora Catarina Guerreiro, micropaleontóloga e investigadora em bio geociências marinhas na Ciências ULisboa.

Cientista em gruta

Um estudo publicado na Scientific Reports e coordenado por Ana Sofia Reboleira, professora no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), analisou mais de 100000 medições de temperaturas em grutas localizadas em diversas zonas climáticas, desde as tropicais às subárticas, passando por Portugal continental e ilhas.

Identidade gráfica da crónica com imagem de Andreia Sofia Teixeira

A crónica da autoria da Comissão de Imagem do Departamento de Informática da Ciências ULisboa visa realçar a investigação feita pelos docentes e investigadores deste departamento. A segunda crónica dá a conhecer Andreia Sofia Teixeira.

Pessoas junto ao edifício do MARE, na Ciências ULisboa

Com o intuito de colaborar no desenvolvimento de um parque eólico offshore flutuante ao largo da Figueira da Foz, o MARE e a IberBlue Wind (IBW) assinaram a 5 de dezembro passado um protocolo que estabelece os moldes da parceria futura. A colaboração da IBW com o MARE irá permitir estudar os eventuais impactos da instalação da infraestrutura nos ecossistemas marinhos da área de implementação, e propor soluções que mitiguem os eventuais impactos negativos na componente ecológica e na atividade da pesca.

A Ciências ULisboa foi palco do mais recente workshop da International Atomic Energy Agency (IAEA). O “Regional Workshop on Nuclear and Radiation Education - Strategies and Approaches to Enhance Capacity Building in Nuclear Education and Training” realizou-se entre os dias 4 e 7 de dezembro e contou com a presença de 37 representantes de 25 países europeus e asiáticos, assim como de especialistas internacionais e delegados da IAEA.

Ricardo Trigo e membros da ULisboa e CGD

Ricardo Trigo é professor no Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigador no Instituto Dom Luiz, no RG1 – Climate change, atmosphere-land-ocean processes and extremes. Este ano foi distinguido, pela segunda vez, pela ULisboa e Caixa Geral da Depósitos (CGD) com um prémio científico, na área das Ciências da Terra e Geofísica. O primeiro prémio científico atribuído pela ULisboa e pela CGD ao cientista ocorreu em 2017. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

salão nobre da Reitoria da ULisboa

Na edição de 2023 dos Prémios Científicos ULisboa / Caixa Geral de Depósitos (CGD) foram atribuídos 20 prémios e 20 menções honrosas a professores e investigadores da Universidade. Os cientistas da Ciências ULisboa alvo desta distinção foram Alysson Bessani, Ricardo Trigo e Vladimir Konotop, com prémios no valor de 6.500€; e Carla Silva, Jaime Coelho, José P. Granadeiro e Rita Margarida Tavares, com menções honrosas.

Carla Silva com membros da ULisboa e da CGD

Carla Silva é professora no Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigadora no Instituto Dom Luiz, no RG5 – Energy Transition. Este ano foi distinguida pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos com uma menção honrosa, na área de Engenharia do Ambiente e Energia. Leia a entrevista com a cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Rita Margarida Cardoso e membros da ULisboa e CGD

Rita Margarida Cardoso é investigadora no Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigadora no Instituto Dom Luiz (IDL), no RG1 – Climate change, atmosphere-land-ocean processes and extremes. Este ano foi distinguido pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com uma menção honrosa, na área das Ciências da Terra e Geofísica. Leia a entrevista com a cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Vladimir Konotop e membros da ULisboa e da CGD

Vladimir Konotop é professor no Departamento de Física e investigador no Centro de Física Teórica e computacional da Ciências ULisboa. Este ano foi distinguido pela segunda vez, pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com um prémio científico, na área de Física e Materiais. O primeiro prémio científico atribuído pela ULisboa e pela CGD ao cientista ocorreu em 2017. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Alysson Bessani e membros da ULisboa e CGD

Alysson Bessani é professor no Departamento de Informática e investigador no LASIGE Computer Science and Engineering Research Centre da Ciências ULisboa. Este ano foi distinguido pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com um prémio científico, na área das Ciências da Computação e Engenharia Informática. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Luís Carriço e memebros da ULisboa e CGD

José P. Granadeiro é professor no Departamento de Biologia Animal e investigador no grupo de investigação Biologia da Adaptação e Processos Ecológicos do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM). Este ano foi distinguido pela ULisboa e pela Caixa Geral da Depósitos (CGD) com uma menção honrosa, na área de Biologia, Engenharia Biológica, Bioquímica e Biotecnologia. Leia a entrevista com o cientista e saiba o que pensa sobre esta distinção e em que consiste a sua investigação.

Imagem gráfica da rubrica com fotografia de André Rodrigues

A crónica da autoria da Comissão de Imagem do Departamento de Informática da Ciências ULisboa visa realçar a investigação feita pelos docentes e investigadores deste departamento. A primeira dá a conhecer André Rodrigues.

José Ricardo Paula

José Ricardo Paula, investigador auxiliar júnior no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), é o vencedor da 4.ª edição do FLAD Science Award Atlantic, atribuído pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD). De acordo com o comunicado de imprensa emitido pela FLAD, “José Ricardo Paula irá receber 300 mil euros de financiamento, em três anos, para desenvolver uma ideia inovadora, nomeadamente, o projeto ‘ATLANTICDIVERSA’, que pretende contribuir para compreender o papel dos mutualismos de limpeza na conservação da Biodiversidade do Atlântico, com recurso a tecnologias emergentes, como a Inteligência Artificial”.

Movimento de partículas ativas em meios desordenados

Sabia que quando um conjunto de robots ou bactérias se move num espaço onde há vários objetos livres, esses robots ou bactérias desviam esses objetos para poderem passar? Um grupo de investigadores da Ciências ULisboa e das universidades de College of London (Reino Unido) e de Gothenburg (Suécia) conseguiu mostrar que o rasto deixado por esse movimento contribui para a formação de grupos, funcionando como um mecanismo efetivo de comunicação entre eles.

Fotografia de Catarina Frazão Santos

Catarina Frazão Santos, investigadora no DBA Ciências ULisboa e no MARE, em entrevista ao canal YouTube da Faculdade, a propósito da distinção do ERC, com uma bolsa de arranque, no valor de quase 1,5 milhões de euros, dá a conhecer a sua pessoa, os objetivos e expetativas do projeto PLAnT, refletindo também sobre o contributo da Faculdade para o seu percurso profissional e a importância da sua área de investigação.

Identidade gráfica do café ciências da exposição cem medidas

“Cem Meias Medidas: desenhos e gravuras de Inez Wijnhorst” está patente ao público na Galeria Ciências até fevereiro de 2024. O curador da exposição - Pedro  Freitas - escreve uma crónica sobre esta mostra inaugurada a 21 de novembro. A 12 de dezembro, pelas 17h00, na Galeria Ciências, o curador e a autora participam numa mesa-redonda, que conta ainda com a participação do cientista Henrique Leitão. Os três pretendem explorar a exposição através dos seguintes pontos de vista: o da criação e da intenção dos desenhos, o do seu conteúdo matemático e físico, e o das suas eventuais interações com a história da ciência.

Conceção artística de um buraco negro

Num artigo publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics, uma equipa internacional liderada por Rodrigo Carvajal, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Ciências ULisboa, e que inclui dez investigadores do IA, apresenta um método de aprendizagem automática (machine learning) que reconhece galáxias superluminosas no início do Universo.

Ignacio Schoendorff, diretor geral da Gilead, Perpétua Gomes, da Comissão de Avaliação dos Projetos de Investigação em Virologia, Margarida Gama Carvalho e a sua equipa

O projeto de investigação miThic-eSwitch na área da Virologia – Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Adquirida/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, coordenado por Margarida Gama Carvalho, professora do DQB e líder de um dos grupos do BioISI, foi um dos vencedores da 9.ª edição do Programa Gilead GÉNESE, com um prémio no valor de 34 mil euros.

Fotografia de António M. Vallêra

“Neste ensaio analiso a descarbonização simultânea dos transportes terrestres e do sistema elétrico, tomando Portugal como um caso de estudo, e comparo os resultados de vários modelos possíveis para esta transição”, diz António M. Vallêra, autor do livro “The Transition”.

Carlos Marques da Silva à frente do globo do C6

O estudo coordenado por Carlos Marques da Silva, professor do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz (IDL), venceu a 2.ª edição do Prémio Paleontologia e Estratigrafia de Portugal, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Paleontologia (SPdP) e pela empresa Chronosurveys.

Exemplo de linhas de costa derivadas da ferramenta CASSIE

Daniel Pais, estudante de doutoramento em Geologia na Ciências ULisboa, é um dos autores do  artigo - “Benchmarking satellite-derived shoreline mapping algorithms” - publicado na Communications Earth & Environment, e que apresenta uma avaliação inédita da precisão na deteção da linha de costa, através de imagens satélites disponíveis ao público.

Representantes do Tec Labs e das suas startups e spin-offs posam para fotografia

O Tec Labs esteve no LISPOLIS a celebrar os resultados da call INNOV-ID, promovida pela Agência Nacional de Inovação e pela Portugal Ventures e que financiou nos últimos três anos, com mais de 5,5 milhões de euros, mais de 55 projetos inovadores e startups nascidos no ecossistema científico e tecnológico português. Nesta terceira call, como ignition partner da Portugal Ventures, o Tec Labs conseguiu ajudar duas startups do seu ecossistema  - a Generosa e a KeepIT - garantindo um investimento de 100 mil euros cada.

várias pessoas sentadas em volta de uma mesa

No dia 6 de novembro, o MARE ULisboa recebeu nas suas instalações Tibor Králik, embaixador da Eslováquia em Portugal, numa reunião preparatória da visita de estado a Portugal da presidente daquele país, Zuzana Čaputová, agendada para os dias 5 e 6 de dezembro.

Páginas