Cientistas descobrem como tsunami global de Tonga “saltou” de um oceano para outro

IDL Ciências ULisboa e IPMA lideram estudo publicado na Nature

Imagem de satélite da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

A erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai produziu a maior explosão atmosférica da história de que há registo

NASA/GOES/NOAA/NESDIS

Estudo publicado na Nature e liderado por investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explica o mecanismo por detrás da geração e propagação do tsunami incomum, ocorrido após a explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, em Tonga.

Os cientistas consideram o tsunami que se seguiu à explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, a 15 de janeiro de 2022, excecional: por um lado, exibiu um alcance global, uma velocidade de propagação mais alta e alturas de ondas inesperadas, no campo distante; por outro, teve uma duração sem precedente.

“A violenta explosão do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai no Pacífico Sul originou ondas atmosféricas percetíveis e um tsunami global excecionalmente rápido com dissipação mínima no campo distante”, diz Rachid Omira, investigador do IDL Ciências ULisboa e do IPMA, acrescentando que “esta foi a primeira vez que um tsunami desencadeado por um vulcão foi registado globalmente por instrumentação moderna e densa em todo o mundo, proporcionando uma oportunidade única para investigar os processos de acoplamento ar/água na geração e propagação do tsunami”.

Este trabalho contou com o apoio da FCT, através do projeto FAST-PTDC/ CTA-MET/32004/2017.

Os investigadores analisaram dados de satélite, de nível do mar e atmosféricos em todo o mundo e conseguiram demonstrar, com recurso a modelos numéricos e analíticos, que o tsunami foi impulsionado por uma onda (atmosférica) de gravidade acústica, causada pela explosão do vulcão e que viajou várias vezes pelo mundo. Os autores observaram globalmente o tsunami conseguindo sugerir implicações do risco deste tipo de eventos.

Rachid Omira conta que o mais desafiante nesta investigação passou por explicar quantitativamente todas as características observadas deste tsunami, completamente diferente dos tsunamis comuns, mencionando que a onda atmosférica em movimento rápido, capaz de excitar a superfície do oceano e “bombear” energia, foi a explicação encontrada pelo grupo para que este tsunami tenha “saltado” de um oceano para outro, atingindo a costa portuguesa dez horas antes do esperado.

“Esta foi a primeira vez que um tsunami desencadeado por um vulcão foi registado globalmente por instrumentação moderna e densa em todo o mundo, proporcionando uma oportunidade única para investigar os processos de acoplamento ar/água na geração e propagação do tsunami.
Rachid Omira

GJ Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas