Entrevista com… Henrique Leitão

“Uma das tarefas principais de um professor é descobrir talento e treiná-lo”

A história das ciências exatas nos séculos XV a XVII corresponde a um dos maiores interesses científicos de Henrique Leitão. A par dos estudos de sempre, o investigador do Centro Interuniversitário de História da Ciência e da Tecnologia e docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL também está atento à história do livro científico antigo, colaborando regularmente com a Biblioteca Nacional de Portugal, onde já foi o comissário de várias exposições.
Henrique Leitão, doutorado em Física pela FCUL, em 1998, coordena a comissão científica das Obras de Pedro Nunes, publicou como autor ou editor mais de 15 livros e algumas dezenas de artigos especializados e é membro de várias sociedades científicas e académicas, como a Academia das Ciências de Lisboa, a Academia de Marinha, a Académie Internationale d’Histoire des Sciences, a European Society for the History of Science e a History of Science Society.
Em entrevista, o historiador das ciências refere que “para um professor nada é mais recompensador do que ver alguns dos seus alunos tornarem-se em investigadores de primeiro plano”.

Armando Cortesão, Joaquim de Carvalho e Luís de Albuquerque também foram membros da Académie International d'Histoire des Sciences. O que representa para si a eleição como membro efetivo desta Academia?

Henrique Leitão (HL) - É uma honra enorme, claro. Há mais de cinquenta anos (depois de Cortesão e Joaquim de Carvalho) que nenhum português era distinguido deste modo. Para lá do aspeto pessoal há aqui como que o sinal do retorno de Portugal ao nível mais alto da disciplina, depois do hiato de algumas décadas. A Académie International d'Histoire des Sciences agrupa os mais reputados historiadores de ciência, dos quais só um número muito reduzido é membro efetivo. Esta eleição representa um reconhecimento muito importante do meu trabalho e, como é óbvio, ser reconhecido pelos mais respeitados profissionais do campo é a maior ambição de qualquer estudioso ou cientista.

Em 2008 foi eleito membre correspondant daquela Academia. Descreva estes quatro anos ao serviço daquela sociedade.

HL - A verdade é que não fiz muito para a Académie. A eleição para membro efetivo não tem que ver com trabalho feito para a academia, mas com a carreira e a relevância da produção intelectual.

Manuscrito
O historiador das ciências publicou mais de 15 livros e algumas dezenas de artigos especializados. É membro de várias sociedades científicas e académicas e já foi comissário de várias exposições
Fonte Cedida por Henrique Leitão

É um dos professores do mestrado em História e Filosofia das Ciências. Ensinar é uma das suas paixões? Como é que são os seus alunos?

HL - É um lugar-comum dizê-lo, mas é verdade: o contacto com os alunos obriga-nos a afinar e reapreciar aquilo que julgávamos saber. Tenho tido muita sorte; ao longo dos anos tive um lote notável de alunos, alguns dos quais já vão lançados em carreiras brilhantes. Uma das tarefas principais de um professor (sobretudo ao nível de mestrado e doutoramento) é descobrir talento e treiná-lo. Para um professor nada é mais recompensador do que ver alguns dos seus alunos tornarem-se em investigadores de primeiro plano.

A tese de doutoramento do seu aluno Bruno Almeida foi distinguida com o "Prémio Cultura 2012" da Sociedade de Geografia de Lisboa. Anos antes, outra tese de doutoramento de um outro aluno seu, Bernardo Mota, foi galardoada com o “Prix Jeune Historien” da Académie Internationale d'Histoire des Sciences. Em que é que consiste o trabalho de orientação? Quando um aluno seu é premiado o que é que sente?

HL - Antes de mais nada é preciso sublinhar que o mérito destes prémios é totalmente dos alunos. O orientador não faz mais do que isso: orientar. Cada aluno é diferente e por isso não há uma regra geral no modo de supervisionar a investigação. Tento acompanhar de perto o trabalho dos alunos e dar-lhes muita liberdade. No primeiro ano de doutoramento tento ter reuniões semanais com cada aluno; no segundo ano passam a encontros quinzenais, e a partir daí o aluno está lançado e quando nos encontramos é geralmente para ele me explicar algo que eu não sabia. É preciso fazer ao mesmo tempo duas coisas: propor aos alunos metas ambiciosas, e estar preparado para os amparar e animar se eles não as conseguirem atingir às primeiras tentativas. Mas é crucial que o objetivo inicial de um doutoramento seja ambicioso e exigente. É preciso querer fazer uma coisa original e sólida, que cause impacto, que faça diferença.

No caso da história da ciência, uma boa orientação não se reduz aos aspetos técnicos. É uma relação muito mais ampla e tem que ver com a introdução do aluno no mundo da erudição e da "scholarship". Tem que ver com a literatura, a arte, a poesia, a história, etc..

Manuscritos
Os manuscritos de Francisco de Melo  são "documentos muito importantes, mas muito complexos e muito técnicos"
Fonte Cedida por Henrique Leitão

Juntamente com Bernardo Mota tem estudado os trabalhos de Matemática de Francisco de Melo. Com o aparecimento de manuscritos deste famoso português, na Alemanha o ano passado, o vosso trabalho ganhou outra motivação. Como é que está a correr a investigação e quando é que preveem publicar um livro sobre o tema?

HL - Bernardo Mota e eu estávamos interessados nestes textos há já bastante tempo e recentemente ganhámos um projeto FCT (Bernardo é o PI) para traduzir e editar estes manuscritos. São documentos muito importantes, mas muito complexos e muito técnicos. Levantam dificuldades de toda a ordem (linguísticas, matemáticas, conceptuais, etc.). São muito poucos os grupos de investigação no mundo que reúnem a "expertise" necessária para tratar este tipo de materiais.

 As obras de Pedro Nunes continuam a ser um dos seus principais projetos. Os volumes VII e VIII serão publicados este ano? Como é que surgiu o seu interesse por esta personagem da nossa história?

HL - Sim, a publicação das Obras de Pedro Nunes continua a ser uma das minhas ocupações principais, apesar do projeto estar a chegar ao fim. Em certo sentido já chegou ao fim, porque já estão publicados os seis volumes com todas as obras impressas de Pedro Nunes. Este ano sairá o volume dos manuscritos e pouco depois um volume com materiais biográficos. O impacto internacional tem sido tanto que estamos a pensar fazer ainda mais um volume, com uma seleção de textos nonianos, em inglês. Pedro Nunes é - com muita distância - o mais importante matemático da história portuguesa. O meu interesse por Pedro Nunes nasceu quando comecei a ler os seus textos diretamente: fiquei fascinado com as suas ideias e a sua criatividade.

Manuscrito
Henrique Leitão ficou fascinado com as ideias e criatividade de Pedro Nunes, "o mais importante matemático da história portuguesa"
Fonte Cedida por Henrique Leitão

 Dois livros da Coleção História e Filosofia das Ciências, coordenada por si e pela professora Ana Simões, receberam o Prémio de Tradução Científica e Técnica em Língua Portuguesa e uma Menção Honrosa no âmbito do mesmo galardão, ambos atribuídos a Ana Sampaio. No entanto, o encerramento desta coleção foi determinado pelo limitado número de vendas. Pode comentar o assunto?

HL - É uma coleção excelente, produzida com grande qualidade tipográfica e editorial. As traduções de Ana Sampaio são muitíssimo boas - e foram justamente premiadas - mas as de outros tradutores são também excelentes.

Logo à partida a coleção tinha um plano limitado: queríamos publicar entre dez e 20 livros essenciais sobre história da ciência. Foram publicados 14. Não acho que tenha corrido mal e estou muito contente com o resultado. Mas sim, claro que queríamos mais vendas.

O que é que ainda não estudou e gostaria de estudar?

HL - A história científica de Portugal é ainda um campo com muitas zonas que não se conhecem. O século XVII, por exemplo, é praticamente desconhecido. Ou o período medieval. Recentemente comecei a estudar os trabalhos de Rolando de Lisboa, um interessante matemático português do século XV, ainda ignorado na historiografia. Há muitos outros ainda para estudar.

Mas para falar mais pessoalmente, tenho tido muitas propostas e desafios de colegas e grupos de investigação estrangeiros e no futuro penso dedicar-me a projetos mais internacionais.

De que forma é que a História e a Filosofia das Ciências podem contribuir para o progresso da Universidade de Lisboa e do País?

HL - O progresso de uma universidade (e, como consequência, do País) depende sobretudo da capacidade de criar, estimular, reconhecer e manter entre os seus docentes e investigadores um número significativo que seja de topo internacional nas suas respetivas especialidades. Embora o trabalho de todos seja importante, estes investigadores de topo são os que dão relevo a uma instituição de ensino superior. Deste ponto de vista a Universidade de Lisboa tem ainda um longo caminho a percorrer. O facto de existir no seio da Universidade de Lisboa um pequeno grupo de história da ciência, internacionalmente muito bem conhecido e de referência, acho que ajuda a este objetivo.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
pessoas sentadas a escrever ao computador e em post its

Decorreu de 11 a 15 de julho na Ciências ULisboa a WideHealth Summer School sob o tema “Human Factors in Pervasive Health”. O evento foi organizado pelo LASIGE, tendo acolhido participantes de toda a Europa.

rapariga no laboratorio

Já são conhecidos os resultados do Concurso de Projetos de I&D em Todos os Domínios Científicos de 2022, da FCT. Do total de projetos aprovados para financiamento, 33 contam com a participação da Ciências ULisboa.

grupo de alunos do programa

"Na Ciências ULisboa temo-nos esforçado ao longo dos anos para desenvolver um programa que trará uma semana inesquecível a estes jovens", escreve Ana Sofia Santos, monitora central do Verão na ULisboa, no artigo de opinião sobre o programa.

rapariga a rir

"A ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão?", escreve Samuel Silva, psicólogo no GAPsi Ciências ULisboa.

Instalações do Quake

Os cientistas Susana Custódio e Luís Matias escrevem sobre o Centro do Terramoto de Lisboa, que nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755. A Faculdade e o IDL Ciências ULisboa são parceiros do Quake. 

mar

Novo artigo científico publicado na Frontiers in Marine Science alerta para a necessidade de uma visão global para o oceano no acordo internacional atualmente em elaboração no quadro das Nações Unidas. Artigo conta com a participação de dois professores e investigadores da Ciências ULisboa.

imagem ilustrativa do prémio

O Prémio DHFC 2021 foi atribuído a Daniele Molinini, investigador do CFCUL, membro do grupo de investigação Filosofia das Ciências Formais, Metodologia e Epistemologia.

Hugo Duminil-Copin

"Hugo Duminil-Copin é um físico-matemático que trabalha em teoria das probabilidades. Um daqueles que, durante os vinte últimos anos, regressou à fonte histórica de inspiração das matemáticas, a física teórica", escreve Jean-Claude Zambrini, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

posters afixados

“Jovens investigadores” é o projeto da EBS Alfredo da Silva, no Barreiro, que permite aos alunos estabelecerem uma relação de proximidade com professores e investigadores do ensino superior, nomeadamente da Ciências ULisboa.

Pessoa a trabalhar na FCULresta

Já existem mais três miniflorestas plantadas na AML e muitas outras estão a germinar. “A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas”, escrevem David Avelar, António Alexandre e Diogo Mendes.

June Huh

"O que motiva June Huh é a busca da beleza na Matemática, e a descoberta de ligações entre diferentes áreas desta disciplina", escreve Carlos A. A. Florentino, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

Alina Shchepetkina com outra investigadora

A expedição South Atlantic Transect II (IODP 393) zarpou a 11 de junho de 2022 da Cidade do Cabo, na África do Sul, e tem uma duração de 61 dias. A equipa a bordo tem cientistas de várias partes do globo na expectativa de obter respostas para algumas questões apaixonantes e relacionadas com alterações nos ambientes da Terra durante os últimos 61 milhões de anos. Uma dessas cientistas é Alina Shchepetkina, investigadora do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa.

Membros da direção da Faculdade, Conselho de Escola e Reitor da ULisboa

Luís Carriço, professor do Departamento de Informática e investigador do LASIGE, tomou posse como diretor da Ciências ULisboa, esta quarta-feira, dia 20 de julho, numa cerimónia que juntou vários membros da Faculdade e Universidade, na sala de atos, sita no edifício C6. A boa disposição imperou no ato solene, durante o qual os professores Margarida Santos-Reis, Hugo Miranda, Jorge Relvas, Maria João Gouveia e Pedro Almeida foram indigitados subdiretores da Faculdade.

ímanes moleculares

Nuno A. G. Bandeira, investigador do DQB e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre um estudo, que constitui um marco na evolução do conhecimento e na busca de melhores materiais para aplicação na spintrónica e computação à escala quântica.

Foto do instrumento NIRPS

O espectrógrafo NIRPS, a sigla inglesa para Near-Infrared high resolution spectrograph, ou espectrógrafo no infravermelho próximo de alta resolução, cujo desenvolvimento e construção contou com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), observa na banda do infravermelho, no Telescópio ESO de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile, complementando assim espectrógrafos como o HARPS e o ESPRESSO. 

fundo marinho

Novo artigo publicado na Nature Ecology and Evolution, por uma equipa de 30 investigadores de todo o mundo, da qual fazem parte dois investigadores portugueses com ligação à Ciências ULisboa, resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho.

Anfiteatro no C8 e paryicipantes do evento

"A Conferência Internacional Hi-Phi teve um sucesso muito para além do expectável e mostrou a vitalidade do diálogo entre a História e a Filosofia das Ciências", escrevem Ana Duarte Rodrigues e João L. Cordovil, coordenadores científicos respetivamente do CIUHCT e do CFCUL, na crónica sobre o importante acontecimento.

3 alunos no labotarório

Dois anos depois de um interregno, “Ser Cientista” está de volta de 25 a 29 de julho e propõe a jovens alunos que experimentem a “vida” de um investigador.

saída de campo da Geologia

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS.

Pedreira

O mestrado em Geologia tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI. Artigo de opinião do Departamento de Geologia a propósito deste novo plano de estudos.

Mesa com vários oradores no grande auditório da Faculdade

A sessão de abertura do 30th International Carbohydrate Symposium foi antecipada e presencial, tendo sido gravada em Ciências ULisboa, para ser apresentada internacionalmente a 10 de julho, primeiro dia do simpósio. A cientista Amélia Pilar Rauter, nesta crónica, descreve o que aconteceu nessa sessão, o antes e depois… O simpósio termina a 15 de julho e segundo a presidente da International Carbohydrate Organisation  serão apresentadas as invenções e descobertas mais recentes, muitas delas relevantes para a sociedade.

dois alunos no laboratório

Doze alunos do Clube Ciência Viva da Escola Secundária Padre António Vieira visitaram um dos laboratórios da Faculdade. A visita foi organizada pelo professor Octávio Paulo, orientada por dois alunos da Faculdade.

Imagem do palco do evento com oradores em destaque

“A iniciativa alcançou o sucesso científico desejado, prontamente reconhecido pela maioria dos seus participantes, (...) o que confirma o interesse crescente que os temas dos riscos urbanos têm vindo a suscitar, no seio da comunidade técnica e científica internacional”, escreve Paula Teves-Costa, presidente da Comissão Organizadora da ICUR2022.

evento da ECFS com pormenor para sigla da sociedade

Carlos M. Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador do Grupo de Investigação em Fibrose Quística, incluído no Grupo de Genómica Funcional e Proteostase do BioISI, foi eleito membro do Conselho de Direção da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS sigla em inglês).

Dua jovens observam espécies no campus da Faculdade

"O BioBlitz é uma metodologia para realizar uma avaliação rápida da biodiversidade de um local num determinado período de tempo", escrevem Patrícia Tiago e Sergio Chozas, coordenadores do +Biodiversidade @CIÊNCIAS. Há cerca de um mês dinamizaram um BioBlitz no campus da Faculdade. Leia a crónica dos cientistas sobre o assunto.

Páginas