Primeira verificação direta perto de um buraco negro supermassivo

António Amorim participa no grupo de investigação que prova Relatividade Geral de Einstein

Teste bem-sucedido

Há 26 anos que se fazem observações de um buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea nos telescópios do ESO, no Chile. Agora, pela primeira vez, as observações mostram os efeitos previstos pela relatividade geral de Einstein

ESO

O European Southern Observatory (ESO) organiza uma conferência de imprensa esta quinta-feira, 26 de julho. Durante o acontecimento, transmitido em direto via Internet a partir das 13h00, em Portugal continental, são apresentadas observações únicas do centro da Via Láctea e somente os jornalistas registados podem colocar questões.

Xavier Barcons, diretor geral do ESO, apresenta o acontecimento, que contará com explicações de vários investigadores responsáveis por este projeto.

“O desenvolvimento de instrumentos extremamente poderosos necessários à obtenção destas medições tão delicadas revelou-se um tremendo desafio. A descoberta anunciada trata-se do resultado extraordinário de uma parceria notável.”
Xavier Barcons

Há 26 anos que se fazem observações de um buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea nos telescópios do ESO, no Chile. Agora, pela primeira vez, as observações mostram os efeitos previstos pela relatividade geral de Einstein.

 O buraco negro supermassivo mais perto da Terra situa-se a cerca de 26 000 anos-luz de distância, no centro da Via Láctea. Tem uma massa quatro milhões de vezes a massa solar e encontra-se rodeado por um pequeno grupo de estrelas, que o orbitam a alta velocidade. Este é o local ideal para explorar a física gravitacional e, particularmente, testar a teoria da relatividade geral de Einstein.

Através dos instrumentos GRAVITYSINFONI e NACO, no Very Large Telescope (VLT) do ESO, foi possível seguir, em maio deste ano, a estrela S2, que passou muito perto do buraco negro, em maio de 2018. A participação portuguesa foi coordenada por António Amorim, professor do Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e investigador do Centra, onde o desenho e construção da câmara de aquisição do GRAVITY teve lugar. Na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, sob coordenação do professor Paulo Garcia, foi desenvolvido o software que efetua as medições em tempo real.
 

"Este projeto foi para mim extremamente gratificante porque combinou a relevância teórica do domínio com a possibilidade de fazer coisas. No nosso grupo, em particular, temos uma longa história de 'fazer coisas', gostamos de ter as mãos na massa. Ou seja, não queremos exclusivamente olhar para conceitos em abstrato. Portanto, andámos a desenhar peças, cortar peças, integrar óticas, fazer medidas óticas, entre outras tarefas."
António Amorim

Segundo Frank Eisenhauser, investigador principal do GRAVITY e do espectrógrafo SINFONI, “as primeiras observações da S2 com o GRAVITY, há cerca de dois anos, mostraram que poderíamos ter efetivamente no buraco negro um laboratório ideal.”

De acordo com comunicado de imprensa do ESO, os novos resultados são inconsistentes com as previsões newtonianas, mas estão em acordo com a relatividade geral.

As novas medições revelam um efeito chamado desvio para o vermelho gravitacional. A variação do comprimento de onda da luz da S2 também está de acordo com a variação prevista pela teoria da relatividade geral de Einstein.

Trata-se da primeira vez que este tipo de desvio às previsões da teoria da gravidade newtoniana é observado no movimento de uma estrela em torno de um buraco negro supermassivo.

“Devido à instrumentação disponível muito melhorada, fomos capazes de observar a estrela com uma resolução sem precedentes (…) Estas observações foram preparadas arduamente durante vários anos, uma vez que queríamos tirar o máximo partido desta oportunidade única de observar os efeitos da relatividade geral”, explica Reinhard Genzel, líder da equipa internacional, constituída ainda por investigadores dos seguintes organismos: Instituto Max Planck de Física ExtraterrestreObservatório de Paris—PSLUniversidade de Grenoble-AlpesCNRSInstituto Max Planck de AstronomiaUniversidade de Colónia, ESO e ULisboa, através do  polo de Ciências do Centro de Astrofísica e Gravitação (Centra). 

ACI Ciências com ESO
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A Bial, procura um Bioestatista para a oportunidade de emprego que pode ser visualisada em maior detalhe na página através do link:

Information dissemination in unknown radio networks with large labels

Professor Shailesh Vaya,
Xerox Research Centre, India,

July 20 at 10h00 on room 6.3.38

O pedido de apoio à formação pós-graduada na área da Geologia do Petróleo deve ser apresentado até 15 dias úteis, após o último dia do prazo de inscrição no respetivo curso.

Já é possível solicitar a criação de Unidades Curriculares na plataforma Moodle para o ano letivo 2012/2013.

Os pedidos podem ser realizados no Portal da FCUL, após inicio de sessão.

O Centro de Informática terminou, no passado dia 12 de Julho, a migração de um equipamento central na rede da FCUL.

A excelência de sempre na construção do futuro. Escolhe um dos nossos cursos de Física, Astronomia e Astrofísica, Engenharia Física, ou Engenharia Biomédica e Biofísica. [ + ]

O “6th SPJ-OCS” realiza-se pela primeira vez em Portugal. Os organizadores do evento acreditam que “este congresso contribui para dar uma imagem do potencial científico de Portugal” nesta área.

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em Junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

Páginas