Grande Prémio Ciência Viva Associação Mutualista Montepio 2019

Entrevista com… Rui Agostinho

Rui Agostinho com alunos

No Dia Nacional da Cultura Científica Rui Agostinho recebe o galardão, pela sua ação notável na promoção da cultura científica como professor, investigador, autor e divulgador na área da Astronomia

ACI Ciências ULisboa

Rui Agostinho
Fonte ACI Ciências ULisboa

A cerimónia de entrega dos Prémios Ciência Viva Associação Mutualista Montepio 2019 realiza-se a 24 de novembro, Dia Nacional da Cultura Científica, pelas 16h00, no Auditório José Mariano Gago, no Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva. Rui Agostinho, professor do Departamento de Física (DF) e investigador do polo da Faculdade do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço recebe nesse dia o Grande Prémio Ciência Viva Associação Mutualista Montepio 2019, pela sua ação notável na promoção da cultura científica como professor, investigador, autor e divulgador na área da Astronomia.

Estava à espera de ser distinguido com este prémio?

Rui Agostinho (RA) – Não.

Porquê?

RA - Desconheço por completo qual é a equipa que atribui o prémio, quando se reúne e do que falam: quem selecionam, etc.. Além disso não me candidataria, se isso fosse possível. Não tenho feito nem faço este trabalho, em prol da Faculdade e da sociedade, para angariar prémios.

Que comentário gostaria de deixar aos nossos leitores sobre esta distinção?

RA - Creio que o prémio é um reconhecimento do trabalho desenvolvido com a educação científica formal, não formal e informal que tenho feito muito regularmente desde 1993. Aliás, a minha primeira atividade deste tipo, e pela Faculdade, foi em 1985/1986 com a observação do cometa Halley na sua passagem pela Terra. O DF Ciências ULisboa comprou e eu instalei um telescópio no terraço do C1. Todas as semanas tínhamos filas de pessoas que vinham espreitar ao telescópio e ouvir sobre a astrofísica dos cometas. Alguns dos nossos atuais professores e investigadores lembram-se disso.

Comecei a fazer ações Ciência Viva desde o ano em que a Agência Ciência Viva apareceu: a "Astronomia da Praia", que eu fazia no Observatório Astronómico de Lisboa e era uma coisa única no país e de sucesso. Depois foram as ações "CV no Laboratório - Ocupação Científica de Jovens nas Férias”: fazia-as todas.

Os Prémios Ciência Viva Associação Mutualista Montepio são atribuídos anualmente como reconhecimento por intervenção de mérito excecional na divulgação científica e tecnológica em Portugal. Além de Rui Agostinho serão distinguidos durante o acontecimento Paulo Sanches, professor de Física e Química do Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira, pela sua intervenção de mérito no ensino e na promoção da cultura científica, com iniciativas de relevo tanto para escolas como para a comunidade. O Prémio Ciência Viva Associação Mutualista Montepio Media 2019 distingue Falar Global, o programa de ciência e tecnologia mais antigo da televisão portuguesa. “No ar” há 15 anos, este magazine semanal revela ao grande público a mais recente investigação nacional e internacional nas várias áreas do conhecimento. Integra atualmente a grelha da Correio da Manhã TV. A entrada é livre.

Também tenho participado em muitas ações de formação de professores do ensino secundário, além de ter ido e continuar a ir a muitas escolas falar de ciência, da Astronomia, da Astrofísica e da Física. Mas também lancei e fui o responsável por várias ações públicas de âmbito nacional, como os “óculos" nas farmácias para a observação dos eclipses solares e do projeto de sensibilização do público para o evento e os riscos associados.

Fomentar o despertar ou o desenvolver do interesse pelo conhecimento científico, a diversos públicos escolares, explicando as minúcias do mesmo num raciocínio encadeado, inteligível e fascinante tem sido o mote desta minha atividade. A satisfação surge quando quem nos ouve brilha os olhos ou expressa um 'ah' com o rasgo de entendimento que teve. Valeu a pena! Vale sempre a pena. Sempre, mesmo.

Como analisa a cultura científica em Portugal?

RA - Globalmente, parece-me que nestas décadas a situação tem melhorado, que a atitude perante a importância do conhecimento científico tem progredido positivamente e que, paralelamente, as instituições científicas começaram, há uns anos, a preocupar-se com a divulgação do que fazem.

Eu comecei a fazê-lo sistematicamente em 1993, sempre com o nome da Faculdade.

Creio que o resultado final tem sido positivo e tenho muitos exemplos disso nas ações que tenho desenvolvido nas minhas áreas. Mas, por outro lado, todos vemos que há exemplos pela negativa em relação à cultura científica básica e que nos deixam surpreendidos. Mas isso será sempre assim, em todas as épocas! Não desanimem.

Analisar a cultura científica mediana em Portugal é diferente de sabermos que impacto as nossas ações têm, o que é que efetivamente permeou para a sociedade, que se pode auscultar através dum melhor entendimento público do mundo natural.

Que ações de promoção da cultura científica devem ser realizadas em Portugal e que fazem mais sentido para si nos tempos que correm?

RA - Precisamos manter um trabalho continuado nesta frente. O sucesso ou insucesso não é fácil medir: eu não sei medi-lo porque são os estudos sociais que o podem fazer.

Ora, para competir e marcar uma boa presença neste âmbito, lancei o desafio à ULisboa de criar o mestrado em Cultura Científica e Divulgação das Ciências, que felizmente foi em frente e envolve o Instituto de Educação e o Instituto de Ciências Sociais além da Faculdade, três instituições que têm ótimas e únicas aptidões no panorama nacional.


Rui Agostinho, durante uma das suas aulas na Faculdade, com alunos do 2.º ano de Engenharia Informática
Fonte ACI Ciências ULisboa

Teve um arranque lento por ser novidade, mas tem tido bons resultados e vai de “vento em popa”.

Isto é reforçar a ideia de que é fundamental manter (ou reforçar) as ações de promoção da cultura científica no nosso país. O futuro da Faculdade dependerá sempre disso, porque este esforço trará as futuras gerações para os primeiros anos, na oferta de cursos que temos.

Apesar de haver modas na ciência, com tópicos quentes do momento, todas as áreas da ciência devem fazer a sua parte pois há audiências em todas elas e, por vezes, são bem distintas.

Os tópicos quentes devem ser explorados ao máximo, pois facilmente chegam a vastos públicos. Há que saber tirar partido disso e tenho visto oportunidades boas para a Faculdade passarem ao lado. A Astronomia tem sido e ainda é uma ferramenta excecional para atingir estes objetivos.

Que planos tem para curto/médio prazo?

RA - Continuarei a envolver-me nos projetos que tenho em mãos, seguindo o “ram ram” habitual nos outros. Isto para além do ensino na Faculdade que é um grande desafio pois há sempre muitas coisas a melhorar, novas técnicas para explorar, criando novos simuladores e exemplos que mais rapidamente guiam o raciocínio do aluno. Os desafios por aqui não faltam e não param. Mas isto é apaixonante, mesmo apaixonante!

Talvez repescar as "Noites de Ciências” mensais que foram um sucesso, pois traziam 200 pessoas mensalmente à Faculdade para ouvirem alguém da nossa casa (boa comunicadora) falar sobre as coisas fascinantes em que se envolve. Além disso... creio que ainda não consigo ler nas estrelas o que o futuro nos reserva. Talvez um dia.


Fonte ACI Ciências ULisboa

"Fomentar o despertar ou o desenvolver do interesse pelo conhecimento científico, a diversos públicos escolares, explicando as minúcias do mesmo num raciocínio encadeado, inteligível e fascinante tem sido o mote desta minha atividade. A satisfação surge quando quem nos ouve brilha os olhos ou expressa um 'ah' com o rasgo de entendimento que teve. Valeu a pena! Vale sempre a pena. Sempre, mesmo."
Rui Agostinho

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jardim

Através do sistema Concursos pode aceder a mais informações sobre o convite publicado no Jornal Oficial da União Europeia.

Vela

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

Adultos e criança em atividade da Ciência Viva no Verão

Até 15 de setembro, a iniciativa Ciência Viva no Verão percorre o País organizando mais de 1700 atividades científicas gratuitas para toda a população. As inscrições permanecem abertas até 15 de setembro, de acordo com o calendário de atividades. Nesta altura, já são mais de 20 mil os inscritos.

Nos dias 9 e 10 de Agosto a plataforma Moodle da FCUL vai estar inacessivel devido a uma manutenção de rotina.

As nossas desculpas pelos possiveis incómodos causados.

Liliana Caldeira junto aos posters

A investigação sempre foi um objetivo, que ganhou força após o prémio para melhor poster ser-lhe atribuído numa importante conferência internacional. Até ao final do ano, Liliana Caldeira, aluna de doutoramento em Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL, deverá defender a tese.

Pontos de interrogação

"Aquando da candidatura, o projeto estava numa fase embrionária e foi o Programa de Estímulo à Investigação da FCG que deu força e motivação para avançar”, diz Jocelyn Lochon, um dos vencedores da edição 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

Aluna entrevistada, sentada numa rocha

“O mais importante é saber gerir o tempo, ter alguma disciplina, definir os objetivos a alcançar e não dispersar”. A declaração pertence a Ana Bastos, jovem investigadora da FCUL e uma das vencedoras em 2011 do Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).

Cara do aluno entrevistado

“Acredito que o meu projeto vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação”, refere Tomás Aquino, um dos vencedores da edição de 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

A Bial, procura um Bioestatista para a oportunidade de emprego que pode ser visualisada em maior detalhe na página através do link:

Information dissemination in unknown radio networks with large labels

Professor Shailesh Vaya,
Xerox Research Centre, India,

July 20 at 10h00 on room 6.3.38

Estudantes sentados, junto a uma mesa

O pedido de apoio à formação pós-graduada na área da Geologia do Petróleo deve ser apresentado até 15 dias úteis, após o último dia do prazo de inscrição no respetivo curso.

Já é possível solicitar a criação de Unidades Curriculares na plataforma Moodle para o ano letivo 2012/2013.

Os pedidos podem ser realizados no Portal da FCUL, após inicio de sessão.

O Centro de Informática terminou, no passado dia 12 de Julho, a migração de um equipamento central na rede da FCUL.

A excelência de sempre na construção do futuro. Escolhe um dos nossos cursos de Física, Astronomia e Astrofísica, Engenharia Física, ou Engenharia Biomédica e Biofísica. [ + ]

Alunos da FCUL no pátio do C6

O “6th SPJ-OCS” realiza-se pela primeira vez em Portugal. Os organizadores do evento acreditam que “este congresso contribui para dar uma imagem do potencial científico de Portugal” nesta área.

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em Junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Páginas