Colégio Pedro Arrupe em Ciências

À descoberta das energias renováveis


Depois de ouvidas as explicações, foi altura de ver de perto os painéis solares iguais ao que o Samuel construiu na aula
Fonte GCIC

Tudo começou com uma construção de Lego. Samuel, de seis anos, aluno do Colégio Pedro Arrupe, construiu um painel solar numa das aulas. Os colegas, curiosos, fizeram soar as suas perguntas: “Mas o que é isso?”, “É um carrinho solar?”, “Para que serve?”.

Duas alunas da Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx), atentas à curiosidade dos alunos, organizaram a visita no âmbito do seu projeto de estágio enquanto educadores de infância.

As respostas foram dadas na Faculdade de Ciências, durante uma visita efetuada pelos Serviços Centrais da ULisboa aos painéis solares - os reais não os de lego -, instalados no telhado do edifício C4, e num workshop de “Rabiscos Solares”, realizado no âmbito do Energia nas Escolas, um projeto de um grupo formado por alunos do Mestrado Integrado em Engenharia da Energia e do Ambiente de Ciências.


"Nada melhor do que plantar esta semente cheia de desafios desde cedo, nos cidadãos de amanhã, as crianças”, reforçou Sara Freitas
Fonte GCIC

Durante a visita, 26 crianças contactaram com a estrutura base de uma instalação fotovoltaica, perceberam como se produz eletricidade a partir do Sol e a importância deste procedimento.
Ao longo das explicações, os dedos no ar impuseram-se para fazer perguntas sobre as cores dos painéis, o porquê de estarem tão quentes, que diferenças existem entre os painéis fotovoltaicos e os coletores térmicos, entre outras.

Rita e Mariana, outras alunas daquele colégio, deram conta de alguns pormenores do que aprenderam nos telhados do edifício C4: “vimos muitos painéis solares. Nunca tínhamos visto! O senhor disse que o Sol batia neles, depois aqueciam e produziam eletricidade”.


A atenção dedeicada ao assunto manteve-se durante o workshop "Rabiscos Solares"
Fonte GCIC

No workshop “Rabiscos Solares” aprenderam que materiais são necessários para se montar uma máquina para fazer desenhos através da luz do sol, aplicando depois estes conhecimentos numa atividade prática.


Workshop “Rabiscos Solares”
Fonte GCIC

“As energias renováveis são uma realidade cada vez mais próxima do quotidiano de todos os cidadãos. Por isso, antes de encorajar à sua instalação futura, deve-se promover o conhecimento de como é que elas funcionam e do papel que desempenham num futuro mais sustentável ambientalmente e energeticamente. Nada melhor do que plantar esta semente cheia de desafios desde cedo, nos cidadãos de amanhã, as crianças”, reforçou Sara Freitas, aluna do 1.º ano do doutoramento em Sistemas Sustentáveis de Energia, a coordenar a atividade enquanto membro do Centro de Sistemas de Energia Sustentáveis da ULisboa (SESUL).


Alunos constroem uma máquina para fazer desenhos através da luz do sol
Fonte GCIC

A acompanhar a visita, as mães, Margarida Alves e Paula Calado, comentaram o interesse das crianças: “gostam sempre de descobrir e de aprender algo novo, algo que não tenham conhecimento suficiente”. Embora bastante novos, esta atividade permite, entre outros aspetos, que as crianças “fiquem com a consciência de que existem outros meios alternativos e não só meios poluentes. Permite também que percebam que, utilizando outras energias, é possível gastar menos dinheiro. São pequeninos, mas fica sempre alguma coisa!”, concluiram.

Para a professora do Colégio Pedro Arrupe, o objetivo desta visita passa por fazer com que os alunos “percebam que o conhecimento pode ser adquirido de várias formas, não só através da Internet, a que agora estão mais habituados, ou dos livros, mas também através das pessoas. A experiência de ir a faculdades, como a de Ciências, ajuda-os a perceber que é possível adquirir conhecimento de outras formas e que através de outras pessoas podemos aprender ainda mais”.


No pátio do C6, os ensinamentos foram postos em prática
Fonte GCIC

As visitas à Central de Minigeração fotovoltaica – aos telhados da Faculdade, ao Campus Solar, ao Laboratório de Aplicações Fotovoltaicas e Semicondutores e às Oficinas de carrinhos solares, podem ser solicitadas para o email solar@fc.ul.pt.

Por sua vez, o projeto “Energia nas Escolas”, que consiste na difusão de conhecimento sobre este assunto nas escolas procurando "aproximar universos escolares distintos, com o objetivo de cativar o interesse de crianças, jovens e professores dos ensinos básico e secundário para as questões relacionadas com as energias renováveis”, pode ser solicitado através do mesmo email - energiaescolas@fc.ul.pt.

 


Fonte GCIC

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

Bill Fyfe foi um grande amigo de Portugal. Orientou ou coorientou vários doutoramentos de portugueses, acerca de temas relevantes para Portugal e fomentou as ligações científicas entre Portugal-Brasil-Canadá. Em 1990 a Universidade de Lisboa outorgou-lhe o grau de doutor honoris causa.

Uma das consequências do aumento da disponibilidade de fontes laser de maior potência, compactas e a baixo preço é o aumento da sua má utilização.

Circo Matemático

“O objetivo do Circo é mostrar que é possível utilizar resultados matemáticos para produzir resultados espetaculares e para divertir e motivar as pessoas”, explicou o professor da FCUL, Pedro Freitas.

Temos sido pioneiros de muito boas práticas no ensino superior. Uma excelente escola e nós, que cá estamos, sabemos isso. E os alunos também. Os que cá estão e os que já cá estiveram. Mas hoje não chega. Temos que saber responder aos desafios e temos que exportar as nossas mais-valias.

Inscrições 2013/2014

Atualmente estudam na FCUL mais de cinco mil alunos, a maioria conhece bem os cantos da casa centenária, outros nem tanto, por isso é especialmente importante o acolhimento dado durante o arranque do ano letivo, que o digam a Catarina, a Leonor e o Ricardo!

Joaquim Dias

Num planeta com mais de 7000 milhões de pessoas, vão ser necessárias quantidades enormes de alguns recursos naturais que começam a escassear. Chegará em breve a era da mineração submarina? Existe tecnologia adequada? Será possível a mineração em condições de preservar a diversidade natural dos ecossistemas marinhos?

Ana Bastos

Através de diversas atividades práticas vamos aprender qual o papel do sol na dinâmica da atmosfera e do oceano, qual a importância dos oceanos, das calotes polares e da vegetação, como se formam as nuvens e os sistemas meteorológicos, e como funciona o ciclo da água.

Foi a 26 de Outubro que se realizou a Maratona Inter-Universitária de Programação, 2013, (MIUP2013).

Uma das surpresas do Dia Internacional passa pela exposição do concurso de fotografia lançado recentemente e alusivo ao tema “Mobilidade Internacional”.

Maria Inês Cruz

Atualmente, para além do “básico” lápis de grafite com que todos ainda escrevemos, até o desenvolvimento dos carros híbridos está dependente da evolução e extração dos recursos da nossa “casa”.

Susana Custódio

Como é que são gerados os tremores de Terra? E os tsunamis? Como é que nós reconhecemos no terreno a existência de tsunamis antigos? Porque é que na Nazaré vemos ondas tão grandes? Todos estes fenómenos são o reflexo de um enorme dinamismo do nosso planeta.

SCOPUS é também uma ferramenta para estudos bibliométricos e avaliações de produção científica.

Na cobertura dos edifícios da Universidade de Lisboa foi recentemente instalada a maior central fotovoltaica da cidade de Lisboa. Para além da bela vista sobre o Jardim do Campo Grande, vamos poder apreciar os desafios e o potencial dos telhados urbanos para produção de eletricidade solar.

A empresa SISCOG – Sistemas Cognitivos, SA, procura candidato para integrar a sua equipa.

J. A. Quartau

Na verdade, considerando apenas as abelhas, se estas fossem recompensadas pelo seu trabalho na polinização dos pomares e de outras plantas cultivadas, teríamos que lhes pagar como fatura anual global pelo menos setenta mil milhões de euros, a que seria ainda necessário adicionar várias centenas de milhões pelos lucros adicionais com a produção de mel e de cera.

Livre acesso a trabalhos dos cientistas laureados com o Prémio Nobel 2013

Palmira Carvalho, Raquel Barata e David Felismino

O Jardim Botânico deve, mais do que nunca e no futuro, ser encarado como um espaço de coesão urbana, fundamental e complementar ao espaço edificado e à sua articulação com a envolvente, em termos ecológicos, estéticos, culturais, históricos, sociais e económicos.

As aulas de Projeto Empresarial começam em fevereiro de 2014. Enquanto o 2.º semestre não chega, a FCUL desafia os alunos a testarem ideias no passatempo do Tec Labs Centro de Inovação da FCUL e quem sabe participar na 2.ª edição do YA Bootcamp.

8 de Novembro no GeoFCUL. Campo Grande, Lisboa.

Torre meteorológica

Para comemorar o seu aniversário, o IDL organizou uma pequena exposição com o título “160 anos do IDL: 150 anos do Observatório” a decorrer até ao dia 22 de novembro, no hall do edifício C6 da FCUL.

É fundamental que cada jovem se assuma como gestor da própria carreira, devendo ser dinâmico e proativo no que toca à sua inserção profissional.

Dynamics of calcite cementation

Conferência dia 14 de Novembro, 16h00, sala 6.1.36, C6, FCUL, Campo Grande, Lisboa.

Some scientific events are being organized by CIO's members.

To get a detailed list of those events and more informations, click here!

Páginas