No Campus com Helder Coelho

Design e Computação

Helder Coelho

Hoje em dia, o Design incomoda e é muito mais intrometido do que nunca no negócio dos computadores. Por exemplo, determina não só que apps de um telemóvel vão sobreviver ou morrer, mas também está presente nos melhoramentos conduzidos pelos dados de um retalhista.

A Revista norte-americana Wired (ou mesmo a versão inglesa dirigida para a Europa) reconheceu a sensatez de Steve Jobs em colocar, desde os anos 80, o design no posto de comando da Informática (veja-se o desenho da Lisa e depois do primeiro Mac), graças às formas, cores, e materiais, puxando o estilo como elemento de atração dos utentes. O quadrado design-ideias-tecnologia-negócios tem vindo a marcar os últimos anos das start-ups, as suas perspetivas e novas possibilidades, com uma inovação extraordinária que atrai os consumidores e faz crescer o valor de uma empresa. Repare-se que nas formas e materiais, a Apple, por exemplo, inovou na leveza (portabilidade), na espessura e tamanho (usabilidade), obrigando os outros concorrentes a optarem pela cópia.

Desde os anos 80 que o Design é permeável à influência da ciência da computação, com particular destaque para a automatização (sistemas de informação, robótica, sensores), a tomada da decisão, e a concepção de novas ferramentas profissionais. A Apple foi uma das empresas que prestou a devida atenção a este nicho, consagrando o designer Jonathan Ive, o “i” dos Mac, iPods, iPads, iPhones, iWatch como um artesão especialmente dotado e sensível. As belas artes digitais foram apoiadas na fotografia, escultura, arquitetura, pintura, ilustração, publicidade, cinema, animação, jogos, vídeo, ou web com novas ferramentas como o Photoshop, The Grid (“artificially intelligent website-design tool”), tornando assim o trabalho (projeto) dos estilistas e artistas gráficos, em geral, mais fácil e com melhores resultados e qualidade. Algumas indústrias, como a moda, vestuário, têxtil, calçado, mobiliário, jóias, ou relojaria têm competido com ideias e soluções obtidas com engenho. Em Portugal, não ficámos, no início, longe dos países que optaram apenas pela diversificação dos salários baixos. Mas, depois graças ao empenho dos mais jovens, enveredou-se pelos intangíveis, software (marcas), algoritmos (patentes) apoiados na tecnologia dos computadores (laptops, tablets, notebooks, impressoras 3D, além dos desktops vulgares). Em algumas indústrias fomos para a frente, embora sem a sustentabilidade desejável.

Empresas como a Pixar vendida à Disney, a DreamWorks, a Weta Digital e a Massive Software usadas pelo Peter Jackson no Senhor dos Anéis e Hobbit, Digital Arts, especializada em jogos e animação, ou a Deep Dream, da Google, virada para as imagens (psicadélicas) têm explorado a Inteligência Artificial para produzirem realidades virtuais ou efeitos especiais, ou mesmo conceberem duplos, figurantes e atores artificiais (“Paul Walker” em Furious 7) para certas cenas do cinema e TV. Esse esforço não tem sido acompanhado nos últimos anos, em Portugal, por falta de investimento na qualidade humana e nos bons salários, contrariamente a alguns países concorrentes, estrangeiros, que ainda decidiram apostar mais na ciência e na educação (Finlândia, Singapura, Coreia do Sul) e assim garantirem o topo das classificações.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas