“O conhecimento científico ganha muito quando temos a capacidade para ouvir os não cientistas”

Em estúdio, durante a gravação do filme “A Onda da Nazaré”

Rui Pereira

O projeto de divulgação científica contou com a colaboração de alunos e professores da Escola Secundária de Gama Barros do Cacém
Fonte ACI Ciências

Incrível. Inesquecível. Extraordinário. Educacional. Inovador. Interessante. Instrutivo. Estes são alguns dos adjetivos usados pelos alunos da Escola Secundária de Gama Barros, no Cacém, para descrever a experiência que tiveram com “A Onda da Nazaré: um estímulo para a aprendizagem”.

No vídeo de cinco minutos os estudantes explicaram de forma simples e com recurso a curtas animações científicas os processos associados à existência da maior onda surfada em todo o mundo.

Para os jovens foi uma experiência única. Nunca tinham feito nada assim e foi especialmente cativante pois foram os próprios a explicar a formação da onda. Todos consideram o projeto “brutal” e a família e os amigos enchem-se de orgulho. “Conseguimos ser levados a sério apesar de sermos tão novos”, dizem.


Fonte ACI Ciências

Ao aprenderem uns com os outros, reforçaram o espírito de equipa. Conheceram a Nazaré e viram de perto a onda. Mais tarde quiseram assistir à prova de doutoramento de Mafalda Carapuço, quiseram apoiar. Para eles, a cientista é uma verdadeira inspiração.


Fonte ACI Ciências

Ainda hoje o vídeo “A Onda da Nazaré: um estímulo para a aprendizagem” é tema de conversa. O desafio deste projeto surgiu de forma espontânea. O doutoramento em Geologia de Mafalda Carapuço teve como tema as praias, a sua grande paixão e não se pode falar de praias sem falar de ondas. A primeira apresentação sobre o tema aconteceu num Dia Aberto na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Mafalda Carapuço contou a história da onda da Nazaré de forma muito simples. A partir daí começaram a ter vários pedidos para falar sobre a onda da Nazaré em diferentes contextos. O professor Rui Taborda, um dos orientadores de Mafalda Carapuço, sugeriu que fizessem um filme. Mafalda Carapuço já tinha estado na Escola Secundária de Gama Barros, a convite do professor Adérito Cunha. Como os alunos mostraram imenso interesse pela onda da Nazaré, a escolha foi simples e assim nasceu o filme financiado pelos EEA Grants.

Atualmente Mafalda Carapuço trabalha no IPMA e continua a falar sobre a onda da Nazaré. Em maio passado esteve na Biblioteca São Francisco Xavier, com uma turma do 2.º ano da Escola Moinhos do Restelo. Este mês participou no colóquio "Nazaré e o Mar", ocorrido na Biblioteca Municipal da Nazaré.

Sandra Lobo, uma das professoras daquela escola, por sinal formada em Ciências, refere que entre os jovens e a cientista criou-se uma relação de encantamento. “Nós aprendemos muito com a Mafalda… A Mafalda marcou-nos… Criaram-se laços e os alunos sentiram-se parte do processo. Houve partilha e este projeto foi um contributo fantástico para a auto estima destes jovens”, conta referindo ainda que o ponto alto foram as filmagens. “Foi um sonho tornado realidade. Uniu alunos, professores e investigadores”, conclui.

Quem também concorda com Sandra Lobo é a colega Lúcia Jorge, outra professora daquela escola e igualmente antiga estudante desta faculdade, referindo que os estudantes que participaram no filme treinaram em casa. No final alguns pais agradeceram.

Mafalda Carapuço sente-se rica com a experiência. “O conhecimento científico ganha muito quando temos a capacidade para ouvir os não cientistas”, diz. Segundo a investigadora os alunos foram uma parte ativa, comentaram o guião e além disso participaram na divulgação de resultados, em encontros científicos, como foi o caso de escola de verão ocorrida na Faculdade, na qual falaram do projeto em inglês e responderam a questões.

"Seja em ciência ou naquilo que quiserem, a dedicação deles superou as expetativas (...) foram eles que deram o mote para que tudo acontecesse.”
Mafalda Carapuço

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

O minhocário será usado para investigar o processo de vermicompostagem, numa experiência piloto em parceria com o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Área de Serviços Técnicos de Ciências e com o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c).

Há um mineral peculiar que pode ajudar a desvendar o contributo do vulcanismo de Decão sobre a extinção em massa e a morte dos dinossauros: a akaganéite. Os resultados do estudo foram publicados na Nature Scientific Reports.

Ciências participa com mais de 30 de atividades de divulgação de ciência, espalhadas por Lisboa, Lousal e até na ilha Terceira.

O primeiro Dia Internacional do Microrganismo foi celebrado a 17 de setembro, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, numa iniciativa conjunta da Sociedade Portuguesa de Microbiologia, Ordem dos Biólogos, Ciência Viva e Comissão Nacional da UNESCO.

Desde 1971 que a guerra está aberta, mas o combate tem sido difícil. Por um lado, não temos só uma doença, e o que já conhecemos não tem chegado para estarmos contentes.

Um novo estudo liderado por Ciências encontrou grandes quantidades de fibras artificiais no estuário do Tejo e em zonas costeiras da África Ocidental, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta segunda-feira.

Falta pouco para a Faculdade voltar a ser homenageada com a atribuição de mais duas insígnias de professores eméritos a dois dos seus docentes aposentados.

Zbigniew Kotowicz, investigador e membro integrado do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 67 anos, no dia 21 de setembro de 2017.

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Agora que terminaste o ensino secundário e estás prestes a iniciar esta nova etapa, vários vão ser os desafios pessoais e académicos que vais enfrentar.

O "MOONS Science Consortium Meeting" termina esta quarta-feira, dia 13 de setembro, após dois dias de reuniões. O encontro "à porta fechada" decorre no campus de Ciências e visa consolidar os casos científicos e discutir as estratégias de observação do espectrógrafo, cuja fase de construção arranca agora.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Sandra Crespo, assistente técnico do Departamento de Informática de Ciências.

Ciências preencheu 99,9% das suas vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior, a taxa mais elevada desde que há registo.

No dia 14 de setembro, pelas 17h30, a arqueóloga Lídia Fernandes vai falar sobre o chão, no MUHNAC-ULisboa, em mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência.

Maria de Deus Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) e investigadora do Centro de Química e Bioquímica de Ciências, faleceu aos 53 anos, no dia 5 de setembro de 2017.

As Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra ocorreram nos dias 29 e 30 de agosto, em Nice, na Côte d'Azur, em França. Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do ensino secundário português voltaram a conquistar medalhas.

Depois de ter passado pela Austrália, África do Sul, EUA e Reino Unido, entre outros países, a EMAPI chega a Portugal.

Páginas