Novo Dinossáurio do Jurássico Superior de Portugal

Oceanotitan dantasi

Esqueleto de <i>Oceanotitan dantasi</i> à escala

Esqueleto de Oceanotitan dantasi à escala. A vermelho estão os elementos encontrados. Fósseis estudados: vértebras caudais; escápula direita; fémur, tíbia e fíbula

Modificado de Paul, 2010

Uma equipa de paleontólogos identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi -, descoberto na Praia de Valmitão, na Lourinhã, em 1996. A identificação da nova espécie confirma a presença de uma grande diversidade de saurópodes no Jurássico Superior de Portugal rivalizando a diversidade já reconhecida nas faunas do Jurássico Superior da América do Norte e de África.

O estudo liderado por Pedro Mocho, investigador do Instituto Dom Luiz de Ciências ULisboa e da Sociedade de História Natural, publicado este mês no Journal of Vertebrate Paleontology, enriquece um dos melhores registos fósseis de dinossáurios jurássicos da Europa. Pedro Mocho contou com a colaboração de paleontólogos do Grupo de Biología Evolutiva-UNED e FCPT-Dinópolis, em Espanha e do Natural History Museum of Los Angeles County, nos EUA.

Neste trabalho iniciado em 2013 os investigadores descrevem os restos fósseis deste novo dinossáurio pertencente aos saurópodes, dinossáurios herbívoros que podiam atingir dimensões colossais e que se caracterizam pelas suas caudas e pescoços compridos. O Oceanotitan dantasi, com um tamanho mediano, habitou a Bacia Lusitaniana há 150-145 milhões de anos, no Jurássico Superior, e é um dos membros mais antigos e primitivos de um grupo de saurópodes denominado Somphospondyli, correspondendo a um dos grupos de dinossáurios saurópodes mais diversificados durante o período Cretácico.


Ilustração de Oceanotitan dantasi
Fonte Carlos de Miguel Chaves

O “gigante dos oceanos” é uma referência à cantora islandesa Björk e à sua música “Oceania”, que inspirou os autores na atribuição deste nome e homenageia o paleontólogo Pedro Dantas, um dos responsáveis pelo renascimento da Paleontologia de Vertebrados em Portugal nos anos 90, então paleontólogo do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa, e involucrado na extração de dinossáurios como Dinheirosaurus lourinhanensis.

A nova espécie de dinossáurio foi descoberta em 1996 por José Joaquim, um entusiasta da Paleontologia e responsável por várias descobertas na região Oeste que se encontram depositadas na Coleção Paleontológica da Sociedade de História Natural, sediada em Torres Vedras. A região Oeste é conhecida pela sua riqueza em fósseis de dinossáurios do Jurássico Superior (há 148 milhões de anos). O núcleo provisório do futuro Museu Paleontológico da Praia de Santa Cruz deverá abrir este verão. O acervo existente representa uma das maiores coleções de vertebrados fósseis do mesozoico português.

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas