Descobertas quatro novas espécies de moscas-formiga na Península Ibérica

Tachydromia stenoptera

A Tachydromia stenoptera apenas existe em Portugal

Imagem cedida por ARG

As moscas-formiga são moscas pertencentes ao género Tachydromia, têm diminutas dimensões (cerca de 2 mm), habitam a manta morta de bosques nativos de folha caduca e marcescente, tais como carvalhais, e não possuem asas funcionais. Podem confundir-se com formigas à primeira vista, não só no seu aspeto morfológico como por vezes também nos seus comportamentos. Encontram-se frequentemente junto a formigas que tendem a ignorá-las.

Ana Rita Gonçalves concluiu o mestrado em Biologia da Conservação na Ciências ULisboa e no âmbito da sua tese estudou e (re)descreveu a morfologia de todas as moscas-formiga conhecidas da Península Ibérica e de Itália - dez espécies no total. Quatro delas são novas para a Ciência: Tachydromia ebejeri, Tachydromia stenoptera, Tachydromia nigrohirta e Tachydromia cantabrica.

A Tachydromia stenoptera apenas existe em Portugal, numa área relativamente restrita da Serra da Estrela e Serra da Malcata, em zonas de floresta de folha caduca ou marcescente, sobretudo em carvalhais.

Este trabalho foi publicado como uma monografia no European Journal of Taxonomy. Mediante os dados recolhidos os cientistas avaliaram o estado de conservação da Tachydromia lusitanica para o Livro Vermelho dos Invertebrados de Portugal e, de seguida, também serão avaliadas outras moscas-formiga.
Ana Rita Gonçalves estudou as moscas-formiga a vários níveis. Na maioria dos casos, apenas se conhecia a localidade em que os únicos espécimes conhecidos tinham sido coletados pela primeira e única vez (há mais de 100 anos).

Espécies moscas-formiga
As novas espécies das moscas-formiga
Imagem cedida por ARG

Uma das características mais interessantes é que, em alguns casos, os machos das moscas-formiga têm asas reduzidas a pequenos segmentos tubulares com um lobo na extremidade apical, que parece uma pequena bandeira. Em algumas espécies este tipo de asa é utilizado durante a cópula, em que o macho as abana em frente aos olhos da fêmea, de modo a mantê-la "entretida" e evitando assim que tente escapar. Estas asas têm então uma função sinalizadora.

“Com base em dados moleculares reconstruiram-se as relações filogenéticas entre todas as moscas-formiga. Esses resultados estão de acordo com as relações que nos pareciam fazer sentido quando se estuda a morfologia de cada espécie, o que ajudou a fundamentar a descrição destas novas espécies e a entender que a redução das asas não tem importância taxonómica”, diz Ana Rita Gonçalves.

Para Ana Rita Gonçalves o mestrado foi uma excelente oportunidade para aprender sobre conservação de espécies e ecossistemas. “Desde técnicas de genética até técnicas de amostragem no campo, há muitas disciplinas que darão as bases necessárias para enveredar por uma carreira de sucesso”, diz, mencionando ainda que os estágios ao abrigo do programa Erasmus +, por exemplo, podem abrir os horizontes. A jovem também aconselha a participação em congressos e encontros científicos, mesmo que os mestrandos não tenham ainda nada para apresentar. “É outro método muito eficiente para criar conexões e, sobretudo, ficar a par de mais hipóteses de investigação”, revela.

Durante o mestrado Ana Rita Gonçalves decidiu estudar como ocorre a cópula em espécies com asas diferentes (ou sem asas) e chegou à conclusão de que na espécie T. iberica (áptera) o macho utiliza as patas dianteiras (pretas e amarelas) do mesmo modo em que se utilizam as asas sinalizadoras, abanando-as em frente aos olhos da fêmea. No caso de T. semiaptera, o macho também tem asas reduzidas a uma porção algo tubular com um lobo similar a uma bandeira na extremidade. Contudo, estas asas são muito menos rígidas do que as das outras espécies.

“O que se observou foi que o macho não utiliza de todo as asas como sinalizadoras durante a cópula e, em vez disso, utiliza as patas dianteiras tal como T. iberica. No entanto, o macho de T. semiaptera tem as patas dianteiras muito peculiares por serem distintamente infladas, negras e amarelas, provavelmente características importantes para a função que desempenham”, conta Ana Rita Gonçalves, acrescentando que nas moscas-formiga há vários tipos de redução de asas, desde a sua completa ausência, passando por asas que são minúsculas escamas, até à existência de asas muito reduzidas com o lobo apical. “O que é verdadeiramente interessante é que não só ocorreu um processo de redução das asas (o que é algo que acontece frequentemente com insetos que vivem na manta morta, por exemplo), como uma modificação com importância sexual. Já outras moscas-formiga, seguiram um caminho evolutivo diferente, e apenas ocorreu redução das asas, sendo as patas a estrutura que sofreu modificação de modo a sinalizarem durante a cópula”, conclui.

Recentemente, Ana Rita Gonçalves inscreveu-se no programa doutoral de Entomologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no Brasil. O seu projeto de doutoramento é focado no desenvolvimento de técnicas para acelerar a descrição taxonómica de forma eficiente e acessível de grupos megadiversos, com aplicação em dois géneros de moscas da família Hybotidae, Elaphropeza e Platypalpus. O segundo objetivo é estudar a evolução e biogeografia destes géneros, de modo a perceber quais os limites entre espécies e padrões de especiação ao longo de diferentes zonas biogeográficas.

mapa
Distribuição das moscas-formiga
Imagem cedida por ARG

 

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Nova espécie de abelha em Portugal
Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas