Descobertas quatro novas espécies de moscas-formiga na Península Ibérica

Tachydromia stenoptera

A Tachydromia stenoptera apenas existe em Portugal

Imagem cedida por ARG

As moscas-formiga são moscas pertencentes ao género Tachydromia, têm diminutas dimensões (cerca de 2 mm), habitam a manta morta de bosques nativos de folha caduca e marcescente, tais como carvalhais, e não possuem asas funcionais. Podem confundir-se com formigas à primeira vista, não só no seu aspeto morfológico como por vezes também nos seus comportamentos. Encontram-se frequentemente junto a formigas que tendem a ignorá-las.

Ana Rita Gonçalves concluiu o mestrado em Biologia da Conservação na Ciências ULisboa e no âmbito da sua tese estudou e (re)descreveu a morfologia de todas as moscas-formiga conhecidas da Península Ibérica e de Itália - dez espécies no total. Quatro delas são novas para a Ciência: Tachydromia ebejeri, Tachydromia stenoptera, Tachydromia nigrohirta e Tachydromia cantabrica.

A Tachydromia stenoptera apenas existe em Portugal, numa área relativamente restrita da Serra da Estrela e Serra da Malcata, em zonas de floresta de folha caduca ou marcescente, sobretudo em carvalhais.

Este trabalho foi publicado como uma monografia no European Journal of Taxonomy. Mediante os dados recolhidos os cientistas avaliaram o estado de conservação da Tachydromia lusitanica para o Livro Vermelho dos Invertebrados de Portugal e, de seguida, também serão avaliadas outras moscas-formiga.
Ana Rita Gonçalves estudou as moscas-formiga a vários níveis. Na maioria dos casos, apenas se conhecia a localidade em que os únicos espécimes conhecidos tinham sido coletados pela primeira e única vez (há mais de 100 anos).

Espécies moscas-formiga
As novas espécies das moscas-formiga
Imagem cedida por ARG

Uma das características mais interessantes é que, em alguns casos, os machos das moscas-formiga têm asas reduzidas a pequenos segmentos tubulares com um lobo na extremidade apical, que parece uma pequena bandeira. Em algumas espécies este tipo de asa é utilizado durante a cópula, em que o macho as abana em frente aos olhos da fêmea, de modo a mantê-la "entretida" e evitando assim que tente escapar. Estas asas têm então uma função sinalizadora.

“Com base em dados moleculares reconstruiram-se as relações filogenéticas entre todas as moscas-formiga. Esses resultados estão de acordo com as relações que nos pareciam fazer sentido quando se estuda a morfologia de cada espécie, o que ajudou a fundamentar a descrição destas novas espécies e a entender que a redução das asas não tem importância taxonómica”, diz Ana Rita Gonçalves.

Para Ana Rita Gonçalves o mestrado foi uma excelente oportunidade para aprender sobre conservação de espécies e ecossistemas. “Desde técnicas de genética até técnicas de amostragem no campo, há muitas disciplinas que darão as bases necessárias para enveredar por uma carreira de sucesso”, diz, mencionando ainda que os estágios ao abrigo do programa Erasmus +, por exemplo, podem abrir os horizontes. A jovem também aconselha a participação em congressos e encontros científicos, mesmo que os mestrandos não tenham ainda nada para apresentar. “É outro método muito eficiente para criar conexões e, sobretudo, ficar a par de mais hipóteses de investigação”, revela.

Durante o mestrado Ana Rita Gonçalves decidiu estudar como ocorre a cópula em espécies com asas diferentes (ou sem asas) e chegou à conclusão de que na espécie T. iberica (áptera) o macho utiliza as patas dianteiras (pretas e amarelas) do mesmo modo em que se utilizam as asas sinalizadoras, abanando-as em frente aos olhos da fêmea. No caso de T. semiaptera, o macho também tem asas reduzidas a uma porção algo tubular com um lobo similar a uma bandeira na extremidade. Contudo, estas asas são muito menos rígidas do que as das outras espécies.

“O que se observou foi que o macho não utiliza de todo as asas como sinalizadoras durante a cópula e, em vez disso, utiliza as patas dianteiras tal como T. iberica. No entanto, o macho de T. semiaptera tem as patas dianteiras muito peculiares por serem distintamente infladas, negras e amarelas, provavelmente características importantes para a função que desempenham”, conta Ana Rita Gonçalves, acrescentando que nas moscas-formiga há vários tipos de redução de asas, desde a sua completa ausência, passando por asas que são minúsculas escamas, até à existência de asas muito reduzidas com o lobo apical. “O que é verdadeiramente interessante é que não só ocorreu um processo de redução das asas (o que é algo que acontece frequentemente com insetos que vivem na manta morta, por exemplo), como uma modificação com importância sexual. Já outras moscas-formiga, seguiram um caminho evolutivo diferente, e apenas ocorreu redução das asas, sendo as patas a estrutura que sofreu modificação de modo a sinalizarem durante a cópula”, conclui.

Recentemente, Ana Rita Gonçalves inscreveu-se no programa doutoral de Entomologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), no Brasil. O seu projeto de doutoramento é focado no desenvolvimento de técnicas para acelerar a descrição taxonómica de forma eficiente e acessível de grupos megadiversos, com aplicação em dois géneros de moscas da família Hybotidae, Elaphropeza e Platypalpus. O segundo objetivo é estudar a evolução e biogeografia destes géneros, de modo a perceber quais os limites entre espécies e padrões de especiação ao longo de diferentes zonas biogeográficas.

mapa
Distribuição das moscas-formiga
Imagem cedida por ARG

 

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Nova espécie de abelha em Portugal

Concurso Externo - Estágios Profissionais Remunerados de Recém-Licenciados para Técnico Administrativo
REQUISITOS

Rita Zilhão

A participação interessada e com sucesso dos alunos, é um incentivo para a mobilidade académica de estudantes entre as duas universidades.

É já no próximo sábado mais uma Feira no Botânico. Não perca!

 

Para mais informações:

A principal missão do Departamento de Matemática é a da promoção do ensino e da investigação da Matemática, contribuindo para a criação e transmissão do conhecimento nesta área, bem como

Capa da Agenda FCUL 2012/2013

- Qual é coisa, qual é ela? É retangular e a cor varia normalmente todos os anos. Tem argolas e mais de 200 páginas. Pode-se usar todos os dias ou só em determinadas ocasiões. Sim, é fácil adivinhar! É a Agenda FCUL 2013/2014 e já “anda de mão em mão”…

Fórum Bolsas UL/FAD

“Numa época de crise e com falta de emprego, a solução por vezes é mais simples do que emigrar: criar o próprio emprego e gerar emprego. Este projeto "lançou-me" não só a nível académico (…) como profissional, estando neste momento a desenvolver uma empresa”, informou o antigo aluno do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL, Ricardo Santos.

 Mestrados do DEIO 2013-14

“Com um simples azulejo” é uma iniciativa do Departamento de Matemática da FCUL dirigida a alunos do 1ºciclo e 2ºciclo do Ensino Básico e destinada a explorar transformações geométricas no plano.

A experiência profissional da cientista iniciou-se na casa que a formou, a FCUL, em 1999, enquanto doutoranda. Nessa altura, exercia funções de investigadora e supervisora de projetos de alunos de licenciatura. Atualmente, o percurso profissional, “continua dentro de casa”.

Trial do Journal of Visualized Experiments

“ (…) Pretendo fazer investigação aplicada, em particular na área da Biotecnologia Vegetal, que possa contribuir para a sociedade e para a economia do país”, refere a investigadora da FCUL que acaba de lançar um artigo na “Food Chemistry, Ana Margarida Fortes.

Isabel Fraga Alves

A Teoria dos Valores Extremos e a Inferência Estatística daí decorrente, têm vindo a invadir de forma transversal um largo espectro de áreas aplicadas e que vão desde ciências ambientais às financeiras, numa interface din&aci

Livros e giz

Um programa alicerçado na preocupação do axiomatizar, que valoriza o “formalismo pelo formalismo”, que rejeita a possibilidade de compreensão de conceitos e procedimentos, dificulta a tarefa do professor, para além de se distanciar das orientações dos programas do Reino Unido, de Singapura e dos EUA.

No seguimento da nomeação de Carlos Nieto de Castro como delegado nacional no Domínio da Química e Ciências Moleculares, em março deste ano, esta é a primeira reunião a ter lugar no campus da FCUL, em Lisboa.

FCUL desenvolve inquérito a antigos alunos

Conhecer o percurso académico e profissional dos alunos alumni é um dos interesses de Ciências. Para isso, a Faculdade desenvolveu um inquérito que permanece ativo no portal.

Em 2012, a Universidade de Lisboa, através do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC), participou pela primeira vez na Noite

A extraordinária comunhão entre a Geometria e a Arquitectura… volta a ser este o mote de mais um Diálogo na Exposição Formas & Fórmulas, patente no Museu de História Natural e da Ciência (MUHNAC).

Na manhã de 16 de Setembro a partir das 8h45 vai realizar-se a Sessão de Boas Vindas aos novos alunos do Departamento de Informática.

Técnicas Geoquímicas aplicadas à Exploração de Petróleo e a Problemas Ambientais

Cooperação FCUL/Univ. Federal do Rio de Janeiro. Convite à participação!

Curso de verão a realizar de 16 a 27 de Setembro de 2013 das 17H00 às 20H00.

Convénio de Cooperação Académica entre o Instituto de Geociências da USP e o GeoFCUL.

Na sexta-feira, a Direção-Geral do Ensino Superior do Ministério da Educação e Ciência anunciava que, este ano, concorreram à 1.ª Fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior Público 40419 estudantes, sendo que 37415 alunos foram admitidos.

Ivette Gomes

 A sessão especial proferida por Ivette Gomes ocorre no último dia do evento, a 11 de setembro e intitula-se “Penultimate Approximations: Past, Present . . . and Future?”.

Estão abertas inscrições para as seguintes acções de formação:

Conferência no GeoFCUL: Induced passive margin reactivation in the Gulf of Cadiz

Conferência no dia 9 de Setembro

Páginas