Entrevista com Ana Gonçalves

Nova espécie de abelha em Portugal

Protosmia lusitanica

Nicolas Vereecken

O mestrado em Biologia da Conservação existe com esta designação e estrutura desde 2006/2007. Em 2016 o curso foi revisto e aprovado pela A3ES.

Para Rui Rebelo, professor do Departamento de Biologia Animal de Ciências ULisboa e coordenador do curso, os principais pontos fortes desta formação de acordo com os seus alunos e docentes são vários: atualidade e importância do tema; grande motivação dos estudantes; combinação de conhecimentos teóricos sólidos e de trabalho de campo em mais de metade das disciplinas, destaque para a estação de campo na serra de Grândola que permite a imersão numa experiência real de trabalho de campo ao longo de vários dias; ambiente de ensino/aprendizagem informal; parcerias com várias instituições e individualidades, que interagem com os estudantes de diferentes formas “De um modo geral os alunos apresentam elevada frequência às avaliações, com classificações muito satisfatórias”, comenta Rui Rebelo a propósito dos resultados positivos deste mestrado. “A produção de trabalho reconhecido internacionalmente é-nos indicada pelo bom desempenho dos alunos que passam deste ciclo para o seguinte em território nacional ou no estrangeiro, assim como dos que integram o mercado de trabalho”, conclui.

Sabia que em Portugal existe uma nova espécie de abelha? Chama-se Protosmia lusitanica e até agora apenas se conhece um único exemplar, uma fêmea coletada por Ana Gonçalves, na primavera de 2016, no Parque Natural do Vale do Guadiana, nas margens do Rio Vascão, em Mértola.

“É uma descoberta interessante no sentido em que as abelhas são, como se sabe, importantes polinizadores, mas encontram-se em declínio”, diz a jovem que concluiu a licenciatura em Biologia na Universidade de Coimbra e estuda agora em Ciências ULisboa, no mestrado em Biologia da Conservação.

“Saber quais as espécies que existem é fundamental para qualquer esforço de conservação futuro. Além disso, há uma lacuna enorme no conhecimento taxonómico dos invertebrados e esta espécie só vem confirmar a riqueza biológica de Portugal, que tanto urge proteger e dar a conhecer”, refere Ana Gonçalves.

Octávio S. Paulo, professor do Departamento de Biologia Animal de Ciências ULisboa e seu orientador, comenta que “encontrar novas espécies para a ciência é sempre um acontecimento da maior relevância científica” - acrescentando que - “uma das funções primordiais dos biólogos é de facto descrever a biodiversidade que nos rodeia. É através do conhecimento da biodiversidade que se promove a sua conservação e divulgação junto do público não especialista, público esse que em última análise é crucial para tornar eficaz a conservação das espécies e dos habitats”.

Ana Gonçalves ingressou no mestrado em Biologia da Conservação em 2016. No grupo CoBiG2 do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), liderado por Octávio S. Paulo, desenvolve um projeto acerca de um grupo de dípteros endémicos da Península Ibérica e foca-se nas relações filogenéticas, taxonomia, ecologia e biogeografia destas espécies. “É nas instalações do cE3c que tenho feito a grande maioria do trabalho, sobretudo a parte molecular e descrição das espécies.  De resto, apesar de ter começado a frequentar o mestrado em 2016, entrei em contacto com o meu orientador em finais de 2014 e logo aí comecei a fazer algumas análises exploratórias ao nível da genética”, conta Ana Gonçalves.


Até agora apenas se conhece um único exemplar da fêmea coletada por Ana Gonçalves, na primavera de 2016, no Parque Natural do Vale do Guadiana, nas margens do Rio Vascão, em Mértola
Imagem cedida por AG

Octávio S. Paulo refere ainda que a descoberta de Ana Gonçalves é muito relevante pois promove a conservação dos polinizadores, fundamentais nas atividades agrícolas e na segurança alimentar. “Tem sido cientificamente muito fácil trabalhar com a Ana Gonçalves, que tem grande iniciativa e capacidade de definir aquilo que lhe interessa”, comenta o docente mencionando que a sua intervenção tem sido a de simplesmente ajudar no planeamento do projeto e contribuir para a interpretação dos dados, exatamente as duas coisas que mais gosta de fazer na atividade científica.

O artigo “Uma nova espécie de Protosmia (Protosmia) lusitanica nov.sp. descoberta em Portugal” da autoria de Gérard Le Goff e Ana Gonçalves está online na ZOBODAT.

Na entrevista que se segue fica a conhecer a investigação de Ana Gonçalves e os seus planos para o futuro.

Ana Gonçalves com uma coleção de Diptera
Ana Gonçalves com uma coleção de Diptera
Fonte Rui Andrade

O tema da tese está relacionado com o projeto que está a desenvolver no grupo CoBiG2?

Ana Gonçalves (AG) - Sim. O tema da minha tese é acerca de um pequeno projeto, que integra estudos sobre a taxonomia, genética e ecologia de um grupo de moscas endémicas de Portugal e que inclui espécies que não estavam descritas. Em 2014 eu participei no curso de filogeografia dado pelo professor Octávio e perguntei se tinha interesse em fazer análises genéticas às moscas que eu já andava a coletar. Ele ficou interessado e deu-me a oportunidade de começar a trabalhar no grupo CoBiG2. Quando me candidatei ao mestrado de Biologia de Conservação foi com o objetivo de avançar com esse trabalho no grupo, sendo também a minha tese de mestrado.

Como está a correr o mestrado?

AG - O mestrado está a correr muito bem e a parte letiva foi uma excelente oportunidade para ganhar conhecimentos e experiência no âmbito da conservação das espécies e dos ecossistemas em que se inserem. É um mestrado muito diverso e relativo a uma temática ampla (o que abre muitas portas) que é cada vez mais fundamental. A par com as aulas, o trabalho de campo foi especialmente interessante e recompensador.

A tese também está a ser uma boa experiência e os resultados têm sido muito positivos. Tenho tido bastante apoio dos colegas do grupo com mais experiência. Tenho aprendido bastante sobre a componente prática e teórica da genética, que é um tema que não é abordado profundamente no mestrado. Assim tenho a possibilidade de obter uma formação um pouco mais completa de acordo com os meus interesses.

Quais são os seus planos para curto/médio prazo?

AG - Neste ano que se segue à conclusão do meu mestrado, começarei a trabalhar na elaboração da Lista Vermelha dos Invertebrados de Portugal. Eu vou trabalhar sobretudo com a avaliação do estado de conservação dos dípteros. É uma excelente oportunidade para conciliar os meus conhecimentos em entomologia com o que aprendi no mestrado. A minha participação a tempo total será até setembro de 2019 porque o meu objetivo é continuar a fazer investigação na área da genética e taxonomia. Estou interessada em participar num mestrado com componentes muito fortes de evolução e sistemática, na Universidade de Munique, na Alemanha. Penso que me dará ferramentas complementares muito boas para depois tirar o melhor partido do doutoramento. Entretanto, tenho trabalho de campo planeado para coletar insetos durante este ano. Coleto frequentemente em Portugal e Espanha, mas por vezes há viagens a locais mais distantes. As expedições mais importantes, das quais gostaria de fazer parte, serão à Namíbia, Mongólia e Guiana Francesa. A da Namíbia está garantida, as restantes dependerão do tempo e fundos disponíveis.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Lusovenator, a nova espécie pertence ao grupo dos carcharodontossáurios - dinossáurios carnívoros, alguns dos maiores predadores do planeta Terra. A sua descoberta mostra que estes dinossáurios estavam presentes no hemisfério norte 20 milhões de anos antes do que indicava o registo conhecido. A descrição do Lusovenator acaba de ser publicada na conceituada revista científica Journal of Vertebrate Paleontology. O estudo foi liderado por Elisabete Malafaia, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), polo da Ciências ULisboa.

O Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação de Interesse Estratégico (RNIE) 2020 inclui 56 infraestruturas. Ciências ULisboa coordena a CoastNet, a PORTULAN CLARIN e a RNEM, integrando ainda outras sete infraestruturas.

A fase de implementação da Rede Portuguesa de Monitorização Costeira (CoastNet) terminou recentemente, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade recentemente. A apresentação pública da CoastNet coordenada por José Lino Costa, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, acontece a 7 de julho, num evento a decorrer por videoconferência.

O projeto MarCODE visa desenvolver uma ferramenta multidisciplinar para potenciar o rastreio e a rotulagem ecológica de espécies marinhas de interesse comercial, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade. O estudo iniciado este mês de julho deverá terminar daqui a três anos.

Sexta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Nevaro.

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre o Princípio da Incerteza e chama a atenção para alguns aspetos.

O mundo de hoje é completamente dominado pela necessidade imperiosa de saber recolher e analisar dados, escrevem os cientistas Tiago A. Marques e Soraia Pereira. Leia o artigo dedicado ao roteiro serológico nacional, uma iniciativa promovida pelo Instituto Gulbenkian de Ciência e que conta com a colaboração do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa, da autoria destes investigadores.

Ciências ULisboa volta a participar com equipas de estudantes no Global Management Challenge (GMC). No passado dia 16 de junho começou a 1ª fase do GMC 2020, que conta com quatro equipas desta faculdade compostas por alunos dos mestrados integrados em Engenharia Biomédica e Biofísica, em Engenharia da Energia e do Ambiente e em Engenharia Física, assim como alunos das licenciaturas em Matemática Aplicada e Tecnologias de Informação.

Cerca de 194 milhões de aves e 29 milhões de mamíferos podem ser atropelados por ano nas estradas europeias, de acordo com a estimativa de uma equipa internacional de investigadores liderada por Clara Grilo, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), polo da Ciências ULisboa, com sede na Universidade de Aveiro. Os resultados estão publicados na revista científica Frontiers in Ecology and Environment.

“A História do Pi em hipervídeo” está na Internet e pode ser consultada por todos e em toda a parte. O hipervídeo integra de forma estruturada e interativa vídeo e outros tipos de informação, nomeadamente, textos, imagens, áudio e animações. Saiba mais sobre este projeto lendo a entrevista com as professoras Suzana Nápoles e Teresa Chambel.

A dinâmica das epidemias é descrita por sistemas de equações diferenciais. Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática da Ciências ULisboa, apresenta neste artigo o modelo epidemiológico desenvolvido em 1927 por Kermack e McKendrick.

No próximo ano letivo, Ciências ULisboa irá utilizar novos modelos de ensino/aprendizagem, todos com horas de contacto entre docentes e alunos, mas que se diferenciam pela existência e forma da componente presencial, anunciou a Faculdade em comunicado de imprensa.

Um grupo de cientistas da Ciências ULisboa e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, membros do CENTRA - Centro de Astrofísica e Gravitação participa no desenvolvimento do METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph), um poderoso instrumento que vai equipar o maior telescópio do mundo - o Extremely Large Telescope.

A equipa do projeto Lista Vermelha de Invertebrados Terrestres e Dulçaquícolas de Portugal Continental preparou a campanha de ciência cidadã - “Invertebrados da Lista Vermelha procuram-se” -, cujo lançamento ocorre esta sexta-feira, dia 5 de junho.

"A nossa necessidade de conexão e de afeto é singular, no sentido em que precisamos e procuramos o contacto com outros seres humanos", escreve Inês Ventura, psicóloga do GAPsi Ciências ULisboa.

Um grupo multidisciplinar de cientistas propõe a criação de um roteiro nacional para a realização de testes serológicos em Portugal e defende que a avaliação rigorosa e concertada da prevalência da doença COVID-19 é a única forma de conhecer a real vulnerabilidade da população e monitorizar a dinâmica da epidemia.

Quinta rubrica Radar Tec Labs dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a THEREUS.

A primeira etapa do COVIDETECT já está concluída e com sucesso anunciou esta quarta-feira a AdP - Águas de Portugal. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica do projeto, financiado através do programa Compete 2020.

"Estudar em tempos da COVID-19 é novo e exigente. No entanto, temos recursos para tomar as rédeas, mesmo numa situação desta dimensão, e retomar o controlo", escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa. Conheça as suas sugestões...

"Independentemente das soluções adotadas, a crise sanitária da COVID-19 vem inequivocamente demonstrar que a Bioética, para além de uma vertente mais teórica e fundamental, tem uma vertente prática que atua no terreno e dá um contributo importante para a estabilização do funcionamento dos sistemas de saúde." Opinião de Jorge Marques da Silva, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do polo da Faculdade do BioISI. 

O Centro de Testes da Ciências ULisboa atualmente inteiramente dedicado à investigação, diagnóstico e rastreio do SARS-CoV-2 e suas variantes começou a sua atividade a 1 de maio, tendo já realizado mais de mil testes de diagnóstico à COVID-19, com a ajuda de cerca de 50 voluntários, sendo que mais de 300 pessoas manifestaram interesse em colaborar voluntariamente nesta nova infraestrutura da Faculdade.

A Delox foi distinguida recentemente com o Born from Knowledge (BfK) Awards no âmbito do protótipo de uma câmara de descontaminação transportável, que permitirá reutilizar máscaras respiratórias e que está a desenvolver em parceria com o Exército Português. A propósito desta distinção entrevistamos um dos fundadores da spin-off fundada há cerca de dois anos – Fernando Antunes, professor do DQB e investigador do polo da Faculdade do CQE.

"Estar em casa, da forma como se tem estado, pode surgir como o 'único lugar' seguro, dando uma forte sensação de proteção. Em oposição, a ideia de sair torna-se ameaçadora. Esta é uma ideia que é preciso cuidar, para que não se torne avassaladora e angustiante no processo de retomar, no encontro entre o 'mundo cá dentro' e o 'mundo lá fora'", escreve a psicóloga Andreia Santos.

"Neste exercício permanente de experimentar será que ganhamos uma impressão do que é uma Teoria Geral da Complexidade?" Mais um ensaio "No Campus com Helder Coelho", em destaque no Dia Nacional dos Cientistas.

“A nossa Faculdade tem uma oferta vasta, diversificada e de enorme qualidade”, diz Fernanda Oliveira, subdiretora da Faculdade em comunicado de imprensa emitido recentemente a propósito dos dias virtuais que têm como público alvo sobretudo candidatos ao ensino superior e que acontecem nos dias 21 de maio e 3 de junho de 2020.

Páginas