Artigo na Behavioral Ecology

Musaranhos mais ousados e ativos em ambiente urbano

Resultados da investigação integram tese de doutoramento em Biologia e Ecologia das Alterações Globais

Musaranho-de-dentes-brancos a ser devolvido à natureza

Musaranho-de-dentes-brancos a ser devolvido à natureza

FGO

Neste trabalho Flávio Gomes Oliveira e Sophie von Merten foram responsáveis por desenhar a experiência e por realizar o trabalho de campo em Lisboa, parte urbana e no Parque Natural de Sintra Cascais, parte rural, com a ajuda do Joaquim Tapisso. Flávio Gomes Oliveira analisou os resultados das experiências metabólicas e comportamentais, estas últimas realizadas também com a ajuda de Sophie von Merten. Maria da Luz Mathias cedeu o material e as instalações necessárias para a realização deste trabalho. O artigo foi escrito por Flávio Gomes Oliveira e contou com contribuições de todos os autores.

Um estudo realizado em Lisboa por um grupo de investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) do polo da Ciências ULisboa e da Universidade Adam Mickiewicz de Poznań (UAMP), na Polónia, detetou diferenças substanciais no comportamento e metabolismo dos musaranhos-de-dentes-brancos (Crocidura russula) que ocorrem na capital portuguesa, quando comparados com indivíduos provenientes de áreas naturais.

O artigo “Metabolic and behavioral adaptations of greater white-toothed shrews to urban conditions” tem como coautores Flávio Gomes Oliveira, Maria da Luz Mathias, Leszek Rychlik, Joaquim Tapisso e Sophie von Merten e foi publicado este mês de outubro na Behavioral Ecology.

Os resultados desta investigação integram a tese de doutoramento de Flávio Gomes Oliveira, doutorando do programa doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, um curso ministrado em associação entre a Universidade de Aveiro e a Ciências ULisboa.

Este tipo de adaptação urbana está em linha com estudos realizados noutras espécies, nomeadamente aves e insetos. “Os testes de personalidade revelaram que os musaranhos da cidade adotam comportamentos mais ousados e estão também mais predispostos a explorar um ambiente que lhes é estranho”, diz Flávio Gomes Oliveira, que concluiu a sua licenciatura em Biologia, perfil ambiental terrestre e o mestrado em Biologia da Conservação, ambos na Ciências ULisboa. O jovem investigador de 30 anos acrescenta ainda que “a falta de vegetação natural e os constantes estímulos externos tão típicos do ambiente urbano, tais como ruído e luz artificial, levam a que os animais que aqui vivem se tornem mais arrojados na procura de comida e de locais onde possam habitar”.

Flávio Gomes Oliveira iniciou o programa doutoral em 2015 com o objetivo de estudar de que forma o comportamento e a fisiologia desta espécie se adapta e altera quando confrontada com diferentes condições ambientais – também chamada de plasticidade fisiológica e comportamental. No programa doutoral, Flávio Gomes Oliveira conta com a orientação de Maria da Luz Mathias, professora do Departamento de Biologia Animal, coordenadora do Laboratório de Biologia da Adaptação e Alterações Globais do CESAM no polo da Faculdade; de Joaquim Tapisso, investigador do CESAM, polo da Faculdade e Leszek Rychlik, professor da UAMP. Todos eles são coautores deste estudo.

Teste de ousadia filmado com luz infravermelha
Teste de ousadia filmado com luz infravermelha
Fonte SM

“Estávamos à espera de encontrar uma correspondência direta entre comportamentos ousados e ativos com elevadas taxas de consumo energético, ou seja, com uma maior capacidade metabólica. Ao invés, verificámos que os animais urbanos apresentam uma capacidade metabólica 37% inferior aos animais de áreas naturais”, salienta Sophie von Merten, investigadora do CESAM, no polo da Faculdade e outra coautora do estudo.

Os fatores que influenciam a forma como estes animais urbanos usam energia são ainda desconhecidos, já no que diz respeito à relação entre comportamento e metabolismo, estes pequenos animais parecem estar adaptados à vida, tanto no campo como na cidade. “Ao contrário do que acontece na maioria dos animais, os musaranhos parecem adotar uma estratégia de alocação de energia. Ou seja, animais com um metabolismo mais rápido são mais tímidos e exploram menos território, enquanto animais com um metabolismo mais lento são mais ousados e exploram mais território. Desta forma, o seu saldo energético mantém-se relativamente constante”, explica Flávio Gomes Oliveira.

"A ideia para o trabalho surgiu em julho de 2018 durante uma conferência internacional organizada pela Society for Experimental Biology."
in entrevista com Flávio Gomes Oliveira

Os musaranhos são pequenos mamíferos insectívoros, raramente avistados, mas em expansão na Europa, tendo já sido identificados como tendo um carácter invasivo em algumas ilhas, nomeadamente na Irlanda.

“É relevante compreender como é que esta espécie se adapta tão rapidamente a ambientes novos para prever melhor o ritmo da sua expansão”, refere Flávio Gomes Oliveira, que já no mestrado se dedicou a estudar estes animais, nomeadamente, as suas adaptações fisiológicas e comportamentais à temperatura, tendo trabalhado também nessa ocasião no grupo de investigação de Maria da Luz Mathias.

A primeira vez que Flávio Gomes Oliveira trabalhou com a Sophie von Merten foi na Serra da Estrela, em 2014, num trabalho de campo sobre o comportamento e a personalidade destes pequenos e enigmáticos mamíferos, um trabalho financiado por uma bolsa Marie Skłodowska-Curie atribuída a Sophie von Merten e cujo projeto foi realizado em parceria com as equipas de Leszek Rychlik e Maria da Luz Mathias, assim como de um outro grupo científico alemão.

O crescimento das áreas urbanas que se prevê continuar a aumentar vai levar a que mais animais se vejam confrontados com a dualidade campo/cidade. A este propósito, Maria da Luz Mathias refere que “infelizmente, a maioria das espécies não vai conseguir adaptar-se a um ambiente tão alterado como as áreas urbanas”, por essa razão considera “fundamental continuar a estudar o fenómeno de adaptação urbana em todas as suas vertentes ecológica, fisiológica, comportamental e evolutiva” e o musaranho-de-dentes-brancos tudo indica que seja “uma importante espécie modelo para ajudar a compreender o destino das espécies perante uma alteração global como a crescente urbanização”.

Para os investigadores este género de estudos tem um carácter cada vez mais relevante no cenário atual de alterações climáticas. Muitas espécies conseguem adaptar-se às alterações antropomórficas que o homem causa na paisagem e no clima, mas outras não. É importante aumentar o conhecimento sobre o porquê de isto acontecer.

Plantações no Instituto Superior de Agronomia, onde alguns dos musaranhos urbanos foram capturados
Plantações no Instituto Superior de Agronomia, na Tapada da Ajuda, em Lisboa, onde alguns dos musaranhos urbanos foram capturados em 2018
Fonte FGO

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Iain Mattaj, diretor-geral do EMBL

“Estou impressionado com a energia que existe na Faculdade e o número de pessoas que aqui trabalham. Acho que estão bem organizados para trabalhar em equipa!”, declara Iain Mattaj, diretor-geral do European Molecular Biology Laboratory, depois de visitar alguns dos laboratórios da FCUL.

Logotipo da inicativa Programa Alimentação UL

O Menu Estudante custa 2,40€ e inclui sopa, prato principal, sobremesa, pão e bebida. A partir de fevereiro o Espaço Estudante, localizado no edifício C6, também vai dispor de micro-ondas permitindo dessa forma o aquecimento de refeições.

Ester Luísa Rodrigues Dias, professora jubilada do extinto Departamento de Educação da FCUL, faleceu no dia 11 de fevereiro de 2013.

As ações de formação e de sensibilização em segurança e saúde do trabalho procuram divulgar conhecimentos teóricos e práticos de maneira a prevenir acidentes de trabalho e doenças profissionais, permitindo também  intervenções eficazes e eficientes em casos de emergência.

Sala de aula com alunos sentados e tomando notas

"Os estudantes da FCUL, incluindo os estudantes de licenciatura, dispõem do background e conhecimentos certos para participar nestes módulos", esclarece Nathalie Gontier, coordenadora do laboratório AppEEL e das respetivas Escolas de Inverno e de Verão.

Rosto de Vera Carvalho

As inscrições para o programa Erasmus terminam a 10 de fevereiro. Se tens interesse neste programa de mobilidade conhece a história de Vera Carvalho, aluna Erasmus na Dinamarca.

Pormenor de obra de arte

Para os fundadores do AppEEL, este laboratório pode ser considerado o primeiro centro no mundo a reunir investigadores que estudam a evolução sociocultural a partir das teorias que formam parte da Síntese Expandida.

 

O Departamento de Matemática recebeu ontem, dia  4 de Fevereiro, cerca de 70 alunos (9º ano) do  Agrupamento de Escolas D. Miguel de Almeida - Abrantes.

Entre os empregos mais bem pagos contam-se os que estão ligados às engenharias.

Capa

Esta coleção de Livros Brancos foi organizada pela META-NET, uma rede de excelência parcialmente financiada pela Comissão Europeia, que levou a cabo uma análise dos recursos e tecnologias da linguagem atualmente disponíveis. A análise abordou as 23 línguas oficiais europeias assim como outras línguas importantes na Europa a nível nacional e regional. 

O Prémio João Branco é uma iniciativa conjunta da Universidade de Aveiro e da família do designer Jo

Dia 4 Fevereiro 2013 – 14:00h às 19:30h (Sala 2.2.15)

Primeiro plenário do IPBES

Grupo liderado por Henrique Miguel Pereira, investigador do Centro de Biologia Ambiental da FCUL, submete à apreciação da comunidade científica o desenvolvimento de um sistema de monitorização da biodiversidade baseado num conjunto de variáveis essenciais.

Rosto de Maria Antónia Amaral Turkman

“Ao longo dos últimos dois séculos a Estatística foi indispensável em confirmar muitas das maiores descobertas científicas e inovações da humanidade, tais como a partícula bosão de Higgs e a Revolução Verde na agricultura”, declaram Daniel Paulino, presidente da Sociedade Portuguesa de Estatística e Maria Antónia Amaral Turkman, coordenadora do CEAUL.

Dois artigos -- contando com docentes e investigadores do GeoFCUL no seu elenco de autores -- assinalados no “TOP 25 Hottest Papers” de Abril-Junho de 2011 da revista Journal of South American Earth Studies (Sciencedirect / Elsevier).

Henrique Leitão foi eleito membro efetivo da Académie International d'Histoire des Sciences, pela relevância da sua carreira e produção intelectual. Para o historiador das ciências foi uma “honra enorme” receber a distinção, “a maior ambição de qualquer estudioso ou cientista”.

Proposal for a REGULATION OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL.

Laying down the rules for the participation and dissemination in 'Horizon 2020 – the Framework Programme for Research and Innovation (2014-2020).

EUA represents over 850 universities and university associations across 47 European countries. Its highly diverse membership covers the full spectrum of universities participating in European research programmes.

Vai realizar-se de 18 a 20 de Março de 2013, em honra do Professor Ross Leadbetter, o "Symposium on Recent Advances in Extreme Value Theory ".

Face de Maria Amélia Martins-Loução

O Flora-On sistematiza informação fotográfica, geográfica, morfológica e ecológica de todas as espécies de plantas vasculares autóctones ou naturalizadas listadas para a flora de Portugal. Atualmente, através deste portal acede a 164 famílias, 836 géneros e 2991 espécies.

Páginas