No Campus com Helder Coelho

Software e Conhecimento

Helder Coelho

Temos massa crítica suficiente nas empresas de software criadas em Portugal? E, será que estamos a construir, na universidade, as bases sólidas para as alimentar convenientemente com capital humano? As respostas não são totalmente positivas. A emigração de engenheiros informáticos, nos quatro últimos anos, para vários países da Europa (e do mundo) deixou-nos desfalcados, bem como o desprezo da FCT pelas TIC (redução do orçamento de ciência de 1.6% do PIB para 1.29%, assim como a redução do pessoal científico em 50%, e a diminuição forte dos projetos de I&DE). O que fazer para ultrapassar este impasse? Pensar um pouco.

Frequentemente, fala-se de software como produto e muito poucas vezes como conhecimento (ou como um meio de armazenamento de pensamentos). No entanto, o que colocamos num programa não é mais do que pensámos enquanto estivemos a atacar a resolução de um certo problema, ora com procedimentos, declarações, ou ainda com objetos. Será que quando escrevemos essas linhas de um código estávamos conscientes da reflexão, da extensão dos nossos processos cognitivos? E, porque não pensamos mais sobre os nossos programas?

Pensar serve para diversas coisas, tem outras funções, ora para a cooperação social no dia-a-dia, para raciocinar, identificar relações de semelhança, planear como fazemos em seguida, prever o que virá a seguir, ou mesmo agir ao tomar decisões que exigem alguns momentos de calma, antes de se cometerem asneiras.

Daniel Kahneman, um psicólogo que obteve o prémio Nobel da Economia em 2002, escreveu o livro “Thinking Fast and Slow” (2011) para nos ensinar que a inteligência precisa da intuição, e isso explica aqueles modos de pensar, com duas velocidades. Nós gostamos de construir (redes), mas também de abstrair ideias, de reconhecer padrões (caras de pessoas, imagens), de classificar coisas e de percecionar com os nossos sentidos os ambientes que nos envolvem. Isso dá-nos um poder de enfrentar a complexidade e ajuda-nos a fugir do perigo e de alguns cataclismos. Mas, sobretudo, somos hábeis a lidar com pensamentos (fluxos de ideias), conscientes e intencionais, graças a mecanismos vários capazes de abordarem padrões de dados e processos (conhecimentos): aceder, procurar, comparar, combinar e estruturar (meta, meta-meta, híbridos de padrões). E, também pensar os pensamentos.

Desde os anos 50 que se aborda a mecanização do bom senso (senso comum), sem muito sucesso, e com múltiplas linguagens e outras ferramentas. O progresso tem sido lento, e os recursos humanos muito pobres. O software CYC, o OpenMind Common Sense, o EM-ONE, o DeepQA, o Watson, o Google Translate ou os projetos em redor do processamento da língua natural ou da tradução automatizada (de línguas) avançaram devagar. Mais, hoje em dia compreendem-se os desafios desta iniciativa e como algumas vias se aproximam, nomeadamente a necessidade de agregar vários raciocínios (taxonómico, temporal, qualitativo, de ação e de mudança) para que cooperem entre si (veja-se a situação atual em Comm. of the ACM, September, pp. 92-103, 2015).

Olhando para uma cidade como Lisboa o que nos surpreende é não descobrirmos enlaces oportunos que transformem a cidade em mais atrativa e agradável para os seus habitantes. Para quando aproveitarmos as potencialidades criativas, como as Lojas do Cidadão, de uma forma mais leve e fazermos as coisas à distância e online, em vez de estarmos horas em filas? Não seria a Informática a tecnologia adequada para construir serviços mais inteligentes e distribuídos, e evitar martirizar as pessoas na filas de espera? E, isso não poderia atrair jovens para conceberem ideias capazes de inovar as lojas e de as tornar mais flexíveis? Que tal uma Via Verde, agora para os serviços? E, para quando a melhoria desta ideia? Uma visita curta às Laranjeiras permite observar como as lojas podem ser ainda mais amigas dos cidadãos.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

A ação de voluntariado acontece entre 26 e 27 de maio. Inscreva-se até dia 18 de maio, através do site UL Alimenta esta Ideia.

 

Miguel Yus, professor da Universidade de Alicante, recebe o galardão na primeira de cinco conferências proferidas pelo premiado em Portugal.

A Direção de Marketing e Comunicação da RTP oferece estágio remunerado na Área de Audiências e Estudo de Mercado a alunos recém licenciados ou mestrandos em Matemática A

A exposição "O Cálculo de Ontem e de Hoje" está, agora, disponível em versão itinerante.

De 3 a 28 de Maio está patente na "Academia Sénior da Cruz Vermelha Portuguesa-Delegação de Lisboa".

Seminário "Serendipity and The Ups and Downs of Synthesis", apresentado pelo Prof.

Palestras, visitas, exposições e muitas experiências são algumas das atividades previstas.

O livro está à venda pelo valor de €18,40, no Atendimento Geral, sito no edifício C5, piso 3.

"As Jornadas tiveram um balanço bastante positivo (...) elucidaram e esclareceram algumas dúvidas importantes para os estudantes (...) ", conclui a Comissão de Curso de Engenharia Geográfica.

Museu do Quartzo é inaugurado e recebe o nome de Galopim de Carvalho, professor jubilado do Departamento de Geologia.

As candidaturas à oficina de formação terminam a 21 de maio. As sessões realizam-se às terças e quintas-feiras, entre as 17h30 e as 20h30.

A exposição “O Cálculo de ontem e de hoje”, elaborada pelo Departamento de Matemática em colabora&

Estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL promovem reunião especializada. O Ne2b2 existe desde outubro de 2008.

Pela primeira vez a Reitoria da UL abre as suas portas aos estudantes da cidade, organizando um evento noturno para alunos dos ensinos universitário e secundário.

A exposição está a partir de 26 de Abril no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

As provas de doutoramento em Biologia, especialidade de Microbiologia, da Mestre Egídia Maria Valente de Azevedo realizam-se no próximo dia 26 de Abril, pelas 10h:30 na Sala de Actos da

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

Páginas