Paleontologia virtual

Novidades evolutivas dos dinossáurios saurópodes

Spinophorosaurus nigerensis

Reconstrução de Spinophorosaurus nigerensis no ambiente em que viveu durante o Jurássico Médio e de acordo com esta investigação

Ilustração de Diego Cobo
Comparação entre a reconstrução previamente conhecida de Spinophorosaurus nigerensis e a reconstrução proposta neste estudo, na qual se podem apreciar as diferenças na verticalização do dorso e do pescoço
Comparação entre a reconstrução previamente conhecida de Spinophorosaurus nigerensis e a reconstrução proposta neste estudo, na qual se podem apreciar as diferenças na verticalização do dorso e do pescoço
Imagem cedida pelos autores

Uma inovação anatómica pode ser a chave na compreensão da evolução dos dinossáurios saurópodes, um dos grupos mais populares de dinossáurios, os maiores animais que caminharam sobre a terra, quadrúpedes, com uma cauda comprida e um pequeno crânio no final do pescoço, também comprido.

O paleontólogo da Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED) em Madrid, Espanha, - Daniel Vidal -, é o primeiro autor de “High browsing skeletal adaptations in Spinophorosaurus reveal an evolutionary innovation in sauropod dinosaurs”, assinado também por Pedro Mocho, investigador do Instituto Dom Luiz e antigo aluno de Geologia da Ciências ULisboa.

O estudo utiliza como base um esqueleto com cerca 13 metros de comprimento pertencente ao dinossáurio saurópode Spinophorosaurus nigerensis que foi escavado em 2007 no Níger, no contexto do projeto PALDES (Paleontología y Desarrollo), e que contou com a participação do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da ULisboa.

Os palentólogos Ainara Aberasturi, José Luis Sanz e Francisco Ortega também assinam o artigo publicado em abril passado na revista Scientific Reports.

Este exemplar do Jurássico Médio (cerca de 170 milhões de anos) é um dos saurópodes primitivos mais completo e melhor preservado e encontra-se temporariamente depositado no Museo Paleontológico de Elche, em Espanha, para que possa ser estudado.

O estudo das capacidades de alimentação de novas espécies de saurópodes é particularmente difícil quando realizado diretamente sobre os restos fósseis preservados. O desenvolvimento da paleontologia virtual permitiu aos investigadores uma nova abordagem mediante a análise da reconstrução virtual destes animais.

A partir da utilização de técnicas avançadas de digitalização, os paleontólogos obtiveram modelos tridimensionais de muita alta resolução para cada um dos mais de 200 ossos do esqueleto e recriaram virtualmente este animal em vida.

Os autores deste trabalho acreditam que parte do êxito evolutivo deste grupo de animais está relacionado com alterações na cintura pélvica e que esse fator contribuiu para os converter nos animais de maior porte da Terra.

Características anatómicas, incluindo o sacro com encunhamento, que permitiram a Spinophorosaurus e outros dinossáurios saurópodes chegar a alimentar-se de vegetação de grande porte
Características anatómicas, incluindo o sacro com encunhamento, que permitiram a Spinophorosaurus e outros dinossáurios saurópodes chegar a alimentar-se de vegetação de grande porte
Imagem cedida pelos autores

“Surpreendentemente, o animal reconstruído virtualmente é muito diferente do esperado. Em lugar de ter uma coluna vertebral sub horizontal, o dorso e o pescoço encontram-se muito mais elevados que nas reconstruções prévias devido à disposição das vértebras sacrais. Estas vértebras em vez de terem uma disposição retangular apresentam um encunhamento de cerca de 20 graus que eleva as vértebras da cauda, bem como as do dorso e do pescoço. Em Spinophorosaurus este encunhamento é acompanhado pela presença de braços longos e de um pescoço flexível que o permitiam alimentar-se de vegetação a mais de sete metros de altura, posicionando o seu pescoço de forma semelhante às girafas atuais”, contam os autores do estudo.

Ao comparar o sacro de Spinophorosaurus com o de outros dinossáurios saurópodes, os cientistas também observaram que a maioria apresentava um sacro com encunhamento. “Somente aqueles saurópodes mais primitivos tinham sacros de perfil retangular. Isto indica que o encunhamento do sacro apareceu numa fase precoce da história evolutiva dos saurópodes, correspondendo a uma inovação chave no êxito evolutivo destes animais que passou desapercebida até aos dias de hoje”, concluem os autores do estudo.

Os primeiros saurópodes com sacros retangulares alimentavam-se de vegetação de porte médio. Os saurópodes que apresentam um sacro com encunhamento aproveitavam a vegetação de maior altura. Ao longo da história evolutiva dos saurópodes até à sua extinção há 66 milhões de anos, o sacro nunca perdeu este encunhamento, de modo que as formas mais evoluídas tiveram que modular a posição da sua cabeça mediante alterações no comprimento relativo dos seus braços.

História evolutiva simplificada dos dinossáurios saurópodes, mostrando o importante papel que teve o sacro durante a sua evolução
História evolutiva simplificada dos dinossáurios saurópodes, mostrando o importante papel que teve o sacro durante a sua evolução
Ilustrações de Diego Cobo

IDL com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Entrevista a Pedro Mocho
Participantes na EVT 2013, que também tinham participado no Encontro do Vimeiro em 1983

"Ross Leadbetter era amigo verdadeiro dos seus amigos, entre os quais me encontro, e é um dos gigantes da área de Valores Extremos (...)", escreve Maria Ivette Leal de Carvalho Gomes, professora emérita do DEIO Ciências ULisboa, na sequência do falecimento do professor emérito da University of North Carolina at Chapel Hill e doutor honoris causa da ULisboa.

Formação da zona de subducção de Vanuatu

Uma equipa de investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa em parceria com cientistas da Universidade Johannes Gutenberg (JGU), em Mainz, na Alemanha, apresenta uma nova perspetiva para o início das zonas de subducção, contribuindo dessa forma para um maior conhecimento da teoria da tectónica de placas.

Marta Temido a dar a medalha a Manuel Carmo Gomes

Manuel Carmo Gomes, professor da Ciências ULisboa, foi um dos especialistas distinguidos com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde. A distinção foi atribuída pela ministra da Saúde, Marta Temido, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no âmbito da resposta à COVID-19.

pessoas a acenar na FCULresta

"Há um ciclo solar transformámos um relvado de 315 m2 no que pretende ser uma minifloresta densa e biodiversa. O que podemos observar passado o primeiro ano? Haverá motivos para celebrar a FCULresta?". Passado um ano desde o lançamento da primeira semente, os membros do projeto fazem um balanço de todo o processo.

Escola de Inverno na Macedónia do Norte

O cientista Tiago Guerreiro foi um dos oradores da “Winter School on e-Health & Pervasive Technologies”, a primeira escola de inverno do projeto WideHealth, e que contou com uma competição de Machine Learning, composta por 11 equipas e na qual o grupo da Faculdade alcançou o 4.º lugar e uma menção honrosa.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Vigésima segunda rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Neroes.

Maria Helena Garcia e Andreia Valente no laboratório

A Something in Hands - Investigação Científica Lda. (R-Nuucell), spin-off da Ciências ULisboa, vai receber um financiamento de €75.000 para desenvolver um novo medicamento para o cancro de mama triplo negativo.

professor Miguel Centeno Brito e paineis solares no telhado da faculdade

A Schweizer Radio und Fernsehenv, uma emissora de radiotelevisão suíça, esteve em Portugal e conversou com o professor Miguel Centeno Brito sobre energia solar e transição energética em Portugal.

Rita Pestana

Rita Pestana é aluna do 2.º ano do mestrado em Engenharia Física e em março inicia um estágio no Centro de Microanálises de Materiais, em Madrid, no âmbito do seu curso e ao abrigo do Marie Sklodowska-Curie Fellowship Programme da Agência Internacional de Energia Atómica.

Obras no campus da Faculdade

Ciências ULisboa prepara-se para concluir a última fase da requalificação das condutas de distribuição de água aos seus edifícios. Este projeto da responsabilidade do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade irá contribuir para a diminuição da pegada ambiental da Faculdade e deverá possibilitar uma poupança significativa das despesas de funcionamento associadas ao consumo de água potável.

Conceção artística da superfície de Vénus

Um estudo publicado na revista Atmosphere, liderado por Pedro Machado, professor do DF Ciências ULisboa e investigador do IA, apresenta o conjunto de medições mais detalhado e completo alguma vez feito, de um observatório na Terra, das velocidades dos ventos em Vénus paralelos ao equador e à altitude da base das nuvens.

Abstrato dourado

A 26.ª edição dos Prémios da Associação Portuguesa de Museologia galardoou “Hortas de Lisboa. Da Idade Média ao século XXI” com o Prémio Exposição Temporária e “Almada Negreiros e o Mosteiro da Batalha – quinze pinturas primitivas num retábulo imaginado” com uma Menção Honrosa do Prémio Investigação.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Primeira rubrica Radar Tec Labs do ano 2022 dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Imagem artística de Proxima d, o candidato a planeta recentemente detetado à volta da estrela anã vermelha, Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol

Uma equipa liderada por João Faria, antigo aluno da licenciatura de Física da Faculdade e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, detetou um novo planeta à volta da estrela mais próxima do Sol – Proxima Centauri, anunciou o Instituto, na quinta-feira passada, dia 10 de fevereiro.

anfiteatro

Os alunos da Ciências ULisboa inscritos nos exames nos dias 11 e 12 de fevereiro podem realizá-los novamente em época extraordinária. De acordo com a Direção da Faculdade não existem indícios de se ter verificado a existência de um absentismo superior ao normal nas provas de avaliação realizadas nestes dois dias.

Campus da Faculdade

Ciências ULisboa, após contacto da Polícia Judiciária (PJ), colaborou estreitamente no contexto da investigação relacionada com a suspeita de atentado dirigido a estudantes universitários da ULisboa e que levou ao desenlace anunciado esta quinta-feira, dia 10 de fevereiro, pela PJ. A Direção da Ciências ULisboa congratula-se com o impedimento da referida ação.

Tubos de ensaio

Portugal tornou-se o mais recente membro do EU-OPENSCREEN, um consórcio europeu de infraestruturas de investigação para a Química biológica e descoberta inicial de fármacos. A participação portuguesa no EU-OPENSCREEN está integrada no Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação, através do PT-OPENSCREEN. O CQE e o BioISI são parceiros desta infraestrutura.

Membros da rede MedECC na Sala do Senado na Assembleia da República

Cristina Branquinho, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do cE3c, participou no 1.º Relatório de Avaliação - Alterações Climáticas e Ambientais na Bacia do Mediterrâneo - Situação Atual e Riscos para o Futuro realizado pela Rede de Especialistas do Mediterrâneo em Alterações Ambientais e Climáticas, distinguida com o Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa.

Lisboa Romana | Felicitas Iulia Olisipo foi distinguida com os Prémios APOM 2021 e com os Prémios Património.pt. Esta iniciativa alvo destas distinções contou com a colaboração de cientistas do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz, entre outras entidades.

tela com várias cores coloridas

"Escrever é um ato criativo, ainda que seja sobre uma descoberta científica, um prémio a um investigador, uma empresa de sucesso que aqui nasceu", escreve Marta Tavares, do Gabinete de Jornalismo da Direção de Comunicação e Imagem da Ciências ULisboa. Mais um artigo em jeito de editorial.

Costa coberta de algas

Uma equipa de investigadores da Ciências ULisboa avaliou o desempenho de algoritmos de Inteligência Artificial (IA) destinados a avaliar a resposta fotoquímica de diatomáceas expostas a contaminantes emergentes.

Vinhas geladas na Áustria (leste)

A cientista Ana Margarida Fortes escreve uma crónica sobre a sua experiência em BOKU durante duas semanas, um convite que recebeu com particular entusiasmo.

Francisca Canais e Rita Maçorano

Holi é o nome da mais recente aplicação criada pela Nevaro, uma empresa com berço no Centro de Inovação da Ciências ULisboa, o Tec Labs. A aplicação funciona como um “pequeno cérebro”, que monitoriza a saúde mental do utilizador, ajudando na sua autogestão.

cibersegurança

O Cybersecurity Executive Program, um curso de cibersegurança direcionado para executivos e decisores de organizações públicas e privadas, civis e militares, inicia-se no próximo dia 29 de março de 2022, no formato online, com uma duração total de 25 horas. As inscrições já abriram.

Berço De Gray Newton

“O crescimento da confiança na ciência e nos cientistas é uma tendência mundial”. Mais um artigo em jeito de editorial, da autoria de Marta Daniela Santos e Pedro Almeida.

Páginas