“Sustainable Beauty for Algarvean Gardens: Old Knowledge to a Better Future”

SUSBEAUTY

Talhões SUSBEAUTY

Talhões com espécies autóctones e diferentes tipos de irrigação para comparar os gastos de água e o desempenho das plantas por comparação a um relvado

ACI

Quando se pensa no Algarve e na sua paisagem é normal que ocorram imagens mentais de palmeiras e campos de golfe. A paisagem algarvia tem vindo a ser invadida por um modelo de paisagem, os ditos “tropical paradises”, que proliferaram por via da indústria do turismo. Foi a partir daqui que o estudo “Sustainable Beauty for Algarvean Gardens: Old Knowledge to a Better Future” se desencadeou, definindo como problema a falta de sustentabilidade da paisagem algarvia dominada por relvados com palmeiras que esgotam os recursos hídricos da região.

Ana Duarte Rodrigues é doutorada em História da Arte da Idade Moderna. Os interesses de investigação centram-se nos estudos de jardins e paisagem sob a perspetiva da História das Ciências, no estudo da tratadística dos séculos XVI e XVIII, e na sustentabilidade da paisagem. A par do SUSBEAUTY, também coordena o projeto “AQUA. Horto Aquam Salutarem: Water Wise Management in Gardens in the Early Modern Period”, iniciado este ano. Ana Duarte Rodrigues é a editora da revista Gardens & Landscapes, publicada pela Sciendo.

Ana Duarte Rodrigues, investigadora do Departamento de História e Filosofia das Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, é a coordenadora deste projeto, iniciado em 2015 e financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no âmbito do Programa Investigador FCT, no valor de 50 mil euros.

O projeto encontra-se explicado no artigo “Sustainable beauty for algarvean gardens: cross-boundary solutions between the humanities and the sciences", publicado online pela Interdisciplinary Science Reviews em outubro de 2017.

Através de livros e documentação dos séculos XVI ao XIX, esta investigação pretende demonstrar que se podem encontrar soluções mais sustentáveis recorrendo a espécies autóctones da região do Algarve, capazes de se adaptarem às caraterísticas do clima e dos solos daquela zona. A investigação histórica permitiu descobrir quais as espécies que dominavam a paisagem algarvia entre os séculos XVI e XIX, muitas delas perfeitamente adaptadas ao clima da região mediterrânica e que , portanto, dispensavam a rega. Para além disso, este estudo permitiu descobrir técnicas hortícolas antigas que protegiam a evaporação de água da terra e sistemas de rega tradicionais.

“Na idade moderna as quintas eram autossustentáveis e desconhecia-se a tecnologia que hoje existe, como os sistemas de irrigação automáticos. (…) A poupança de água passa por uma escolha inteligente das espécies, que deve naturalmente recair sobre aquelas que há séculos se adaptaram à região.”
Ana Duarte Rodrigues

Para melhor compreender o problema, a equipa que suporta o estudo no terreno – composta ainda por um arquiteto paisagista e dois agrónomos -, está a desenvolver experiências piloto, em talhões com espécies autóctones e diferentes tipos de irrigação para comparar os gastos de água e o desempenho das plantas por comparação a um relvado.

Os resultados preliminares já são visíveis, as plantas autóctones têm tido um desempenho visivelmente melhor do que o relvado e não precisam de qualquer sistema de irrigação, pois encontram-se adaptadas ao clima.

“Se tudo correr bem haverá indicações muito concretas a partir deste projeto sobre relações entre certo tipo de plantas e certos tipos de solos e os modos mais adequados para fazer a rega”, conclui Henrique Leitão, presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Joana S. Cristóvão e Cláudio M. Gomes

Joana S. Cristóvão estuda uma das mais abundantes proteínas do cérebro - a proteína S100B – com funções regulatórias associadas à resposta inflamatória, apresentando níveis elevados em pessoas com a doença de Alzheimer.

Cláudio M. Gomes

A ciência é global e colaborativa. Quem o diz é Cláudio M. Gomes, professor do DQB e investigador do BioISI. Recentemente, juntamente com outros cientistas descobriu um novo mecanismo bioquímico nas células nervosas, que retarda a formação dos depósitos de agregados de proteína no cérebro, causadores da doença de Alzheimer.

João Pires da Silva

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com João Pires da Silva, professor do Departamento de Química e Bioquímica que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Comunicar pelo telemóvel

Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, menciona a importância de se resgatar a dimensão humana das relações, considerando um elemento muito importante para a sensação de descanso, especialmente em período de férias.

Assembleia Geral da EMS em Praga

Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática de Ciências e presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática, foi eleito membro da Comissão Executiva da European Mathematical Society.

Terreiro do Paço em Lisboa

A primeira iniciativa do ciclo Alterações Climáticas: Impactos Biológicos e Socioeconómicos é organizada por Ciências. O próximo evento desta rede ocorre em julho e está a ser preparado pelo Instituto Superior de Agronomia.

Centro Cultural de Montargil, Ponte de Sor

O Centro Ciência Viva do Lousal (CCVL) – Mina de Ciência recebeu o prémio Melhor Projeto Público 2017. A Faculdade é membro associado e fundador da Associação CCVL garantindo a atualização e o rigor dos conteúdos comunicados.

Marta Aido junto ao globo terrestre

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de junho é com Marta Aido, que trabalha no Instituto Dom Luiz.

Novos mapas de risco de incêndios florestais para 2018 resultam de um trabalho conjunto entre engenheiros florestais, estatísticos e climatólogos.

Fotografia do setup experimental

O professor do Departamento de Biologia Vegetal e membro da COST Action FA1306, que chegou agora ao fim, faz um balanço da rede transeuropeia e dá-nos a conhecer o projeto INTERPHENO e que poderá ser o primeiro passo para a constituição de uma rede nacional de fenotipagem.

Torre de pedras

"Associada à ideia de perfeccionismo surge a luta por objetivos elevados e irrealistas". Mais uma rubrica da psicóloga Andreia Santos.

Margarida Amaral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Margarida Amaral, professora do DQB e coordenadora do BioISI e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

“The Medieval and Early Modern Nautical Chart: Birth, Evolution and Use”

Joaquim Alves Gaspar, distinguido em 2016 com uma starting grant, a primeira a ser atribuída a um membro de Ciências, volta a “encantar” o Conselho Europeu de Investigação.

Uma mão com enguias

Ciências organiza a primeira reunião do projeto europeu, na qual participam mais de 50 especialistas portugueses, espanhóis e franceses, com o objetivo de debater formas de recuperação da enguia-europeia.

José Avelino Pais Lima de Faria,o proeminente cientista de 92 anos, antigo aluno de Ciências - licenciou-se em Ciências Físico-Químicas em 1950 - volta colaborar com a Faculdade, com um artigo sobre a atividade científica, selecionando para o efeito um conjunto de eminentes personalidades. Dois dias após a publicação deste artigo, J. Lima-de-Faria faleceu. A Faculdade lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Oradores do Ignite IAstro na Assembleia da República

No âmbito da efeméride ocorreu uma sessão do Ignite IAstro na Assembleia da República. O Dia Nacional dos Cientistas é celebrado desde 2016.

Grande auditório

A nova direção de Ciências para os próximos quatro anos tomou posse a 15 de maio de 2018. Luís Carriço é o novo diretor e a sua equipa conta com cinco subdiretores: Margarida Santos Reis, Fernanda Oliveira, Jorge Maia Alves, Hugo Miranda e Pedro Almeida.

Logotipo

A final nacional da 14.ª edição das Olimpíadas de Química Júnior ocorreu a 12 de maio no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências. Os melhores classificados podem vir a integrar a equipa portuguesa que participará na European Science Olympiad, em 2019.

Pint

O Pint of Science traz para bares portugueses e internacionais assuntos científicos de forma descomplicada.

Beatriz Lampreia

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de maio é com Beatriz Lampreia, assistente técnica do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica.

Marés

Investigadores de Ciências identificaram um novo ciclo global de marés que ocorre ao longo de grandes escalas de tempo geológico.

Sara Silva

Sara Silva, investigadora do Departamento de Informática, do BioISI – Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas e investigadora convidada da Universidade de Coimbra, ganhou o EvoStar Award 2018, um galardão que reconhece a qualidade e o impacto mundial do trabalho desenvolvido ao longo da sua carreira na área da computação evolucionária.

Pedro Castro

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o engenheiro químico Pedro Castro e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Alunos no Campus de Ciências

"É necessário um equilíbrio entre aquilo que eu e o outro precisamos", explica a psicóloga Andreia Santos, na sua rubrica habitual.

CAP

A 8.ª conferência Communicating Astronomy with the Public, ocorrida em março, no Japão, juntou mais de 450 comunicadores de ciência, de 53 países. João Retrê, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço foi um deles.

Páginas