Nature Ecology and Evolution

Investigadores preveem principais impactos na biodiversidade oceânica na próxima década

Professora do DBA e investigadora do cE3c Ciências ULisboa - Maria Peixe Dias -, é uma das autoras do artigo

fundo marinho

Os especialistas apontam 15 problemas que os ecossistemas marinhos vão enfrentar nos próximos dez anos

Emma Johnston

 “A global horizon scan of issues impacting marine and coastal biodiversity conservation” é o novo artigo publicado por uma equipa de 30 investigadores de todo o mundo, da qual fazem parte dois investigadores portugueses ligados à Ciências ULisboa. A extração de lítio do fundo do mar, a sobrepesca de espécies de águas profundas e o inesperado impacto que os incêndios florestais têm nos oceanos são alguns dos temas para os quais os especialistas alertam e dizem ser importantes considerar, desde já.

A equipa elaborou uma lista de 15 temas que acreditam que terão impactos significativos na biodiversidade marinha e costeira nos próximos cinco a dez anos. Os resultados foram publicados na revista Nature Ecology and Evolution, no passado dia 7 de julho. Da equipa fazem parte Maria Peixe Dias, professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), e Ricardo Calado, alumnus da Ciências ULisboa e atualmente investigador no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) e na Universidade de Aveiro.

A análise realizada concentrou-se na identificação de problemas que não estarão a receber, neste momento, a devida atenção, mas que se tornarão importantes na próxima década, questões emergentes menos conhecidas que em breve poderão vir a ter impactos significativos nos ecossistemas marinhos e costeiros.

O objetivo é consciencializar e incentivar o investimento na avaliação completa dessas questões, e potencialmente impulsionar mudanças políticas, antes que as questões tenham um maior impacto sobre a biodiversidade no futuro. James Herbert-Read, professor do Departamento de Zoologia da Universidade de Cambridge e primeiro autor do artigo refere que “ao procurar antecipar problemas futuros estamos a indicar quais as mudanças que devem ser feitas hoje - tanto na monitorização quanto na política – para proteger os nossos ambientes marinhos e costeiros”.

As questões analisadas incluem os impactos dos incêndios florestais nos ecossistemas costeiros; os efeitos de novos materiais biodegradáveis no oceano, alguns deles mais tóxicos que os plásticos tradicionais; a exploração dos recursos oceânicos, como o lítio, que pode ser encontrado em ambientes marinhos com grande diversidade de vida; os efeitos da sobrepesca nas águas profundas; a diminuição do conteúdo nutricional dos peixes como consequência das alterações climáticas.

Nem todos os impactos previstos são negativos. Os autores pensam que o desenvolvimento de novas tecnologias, como a robótica, possa conduzir a melhores sistemas de rastreamento subaquático, o que poderá permitir aos cientistas saber mais sobre as espécies marinhas e a sua distribuição, contribuindo para a designação de áreas marinhas protegidas mais eficazes. O impacto dessas tecnologias na biodiversidade deve ser, no entanto, devidamente avaliado.

Maria Peixe Dias refere: “este estudo resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho, em todo o mundo. Esperamos agora que os resultados despertem a atenção de financiadores e de decisores políticos, para trazer para a agenda da conservação marinha os assuntos que ainda só se vislumbram no horizonte – e evitar que estes se tornem problemas”.

A investigadora reforça a importância deste tipo de estudos dizendo que “exercícios como estes permitiram, no passado, identificar problemas como o aumento exponencial dos microplásticos, quando estes eram ainda pouco conhecidos – mas que está hoje no centro das atenções, como se verificou durante a Conferência dos Oceanos organizada pelas Nações Unidas, que ocorreu recentemente em Lisboa".

“Este estudo resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho, em todo o mundo. Esperamos agora que os resultados despertem a atenção de financiadores e de decisores políticos, para trazer para a agenda da conservação marinha os assuntos que ainda só se vislumbram no horizonte – e evitar que estes se tornem problemas.” Maria Peixe Dias

Gabinete de Comunicação do cE3c com GJ Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas