Do incêndio da Politécnica aos C´s

E agora?

Os dias começavam quase sempre da mesma maneira. Era como se os meus pés já conhecessem o caminho: saía de Campo de Ourique, começava a andar, e, de repente, dava comigo a entrar na Avenida das Palmeiras

João Correia de Freitas, aluno do 2.º ano do curso de Biologia, ano letivo 1977/1978
Rosto de Jorge Maia Alves
Jorge Maia Alves
Fonte ACI Ciências

Ali estava eu em resultado de uma decisão quase colectiva de um grupo de amigos no meio de uma noite de copos: porque é que não vamos todos para Física? E fomos. E ainda hoje recordo a primeira impressão de um edifício recheado de história cuja visão tornava absolutamente claro que ali começava uma etapa diferente da minha vida. Os tempos também ajudavam, claro: todos tínhamos a sensação de que tudo podia acontecer desde que saíamos de casa de manhã até que voltávamos. Até mesmo ter um exame de Mecânica com consulta que durava no mínimo oito horas, com almoço e lanche pelo meio. Ou ter o privilégio de assistir às aulas do Professor Andrade e Silva que me abriam linhas de pensamento completamente novas.

Os dias começavam quase sempre da mesma maneira. Era como se os meus pés já conhecessem o caminho: saía de Campo de Ourique, começava a andar, e, de repente, dava comigo a entrar na Avenida das Palmeiras. Pelo caminho, a minha cabeça ia vagueando entre ideias mais ou menos difusas sem nada a atrapalhar. Às vezes, tinha mesmo a sensação de acordar ao entrar na Avenida das Palmeiras, como se nada se tivesse ainda passado naquele dia antes disso. Nem sei mesmo se isso não chegou a acontecer algumas vezes.

E agora? Esquerda ou direita?

Agora era diferente. No fim da Ferreira Borges surgia sempre a mesma dúvida que me tolhia o passo: onde são as aulas hoje? E eu, traído pela minha própria desorganização, fazia todos os dias o mesmo esforço para encontrar uma qualquer lógica que me ajudasse a decidir para onde ir naquele dia. Politécnica? 24 de Julho? É claro que ter um horário comigo ajudaria...

Naquele dia tinha tido o palpite certo, sem dúvida ajudado pelo facto de o semestre ir já longo e me ter conseguido habituar a uma sequência sem lógica aparente. E tinha conseguido chegar a tempo a uma daquelas aulas que nos deixa a pensar durante um par de horas. De repente, vem-me uma ideia à cabeça sobre um ponto que me tinha deixado desconfortável. E se…?

- D. Maria, sabe se o Professor Bragança Gil está cá?

- Não menino, o Senhor Professor foi dar uma aula à 24 de Julho e já não volta hoje. Mas amanhã vem cá.

Amanhã?! Agora é que eu precisava de arrumar esta gaveta na minha cabeça, pensei. Amanhã, o mais certo é já não conseguir ter as ideias tão claras. Olhei para ela e pensei: coitada, ela preocupada com aquele último rim que já mal funciona e eu a massacrar-lhe o juízo com uma pergunta que queria fazer a um professor.

- Obrigado, disse. Falo com ele amanhã.

É claro que não falei.

Era como se o incêndio tivesse varrido o próprio espírito universitário. De repente, o ambiente era outro. Tínhamos deixado de ter uma espécie de casa comum, na qual nos encontrávamos diariamente e onde podíamos conversar sobre tudo. Mesmo que nada tivesse a ver com o que estávamos a estudar. E o Arlindo? Como é que o Arlindo ia sobreviver a isto? Desde que tinha resolvido começar a estudar Quântica por sua conta e risco andava estranhíssimo: chegava de eléctrico, ficava algum tempo a olhar para as palmeiras, apanhava o eléctrico, saía no Largo do Rato, voltava a apanhar o eléctrico para a Politécnica, e assim sucessivamente. Sempre bem-disposto. Sempre com aquele ar ausente de quem tinha descoberto o caminho. Como iria agora compor a rotina que o mantinha vivo?

Nota de redação: O autor não segue o atual Acordo Ortográfico.

Jorge Maia Alves, aluno do 2º ano do curso de Física em 1978
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Soraia Pereira, investigadora do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa e antiga aluna de Ciências ULisboa, vence Prémio Sociedade Portuguesa de Estatística 2018.

Uma equipa liderada por Ciências ULisboa descobriu antibióticos derivados de açúcares, que matam células de espécies de Bacillus spp, incluindo Bacillus anthracis, um micróbio causador da doença antrax, que ataca animais e seres humanos e é um agente de bioterrorismo.

No Dia Nacional do Mar trazemos à memória os 20 anos da EXPO’98 e da Ponte Vasco da Gama e a reabilitação daquela área, na qual participaram vários professores de Ciências ULisboa e investigadores do extinto Instituto de Oceanografia, atual MARE.

Estudo coordenado por Ana Duarte Rodrigues, investigadora do DHFC e do CIUHCT, demonstra que plantas autóctones do Algarve são mais sustentáveis do que as espécies exóticas introduzidas na paisagem e que esgotam os recursos hídricos da região.

“A Federação Europeia de Ecologia (FEE) tem objetivos muito claros – um deles é o de alargar o conhecimento ecológico à Europa”, diz Cristina Máguas, primeira portuguesa a ser eleita presidente da rede europeia de ecólogos. A tomada de posse ocorre em janeiro de 2019.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de novembro é com Ana Subtil Simões, técnica superior da Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa.

Ciências ULisboa organiza no seu campus a competição internacional destinada a treinar equipas multidisciplinares de estudantes universitários para a inovação e o empreendedorismo na área da saúde. A equipa vencedora irá participar no EIT Health Winners Event, em Londres, nos próximos dias 11 e 12 de dezembro.

Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

O 1.º Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias foi atribuído a Paula Matos. A investigadora do cE3c do polo de Ciências ULisboa irá apresentar a tese em Biologia e Ecologia das Alterações Globais no 17.º Encontro Nacional de Ecologia.

João Alexandre Medina Corte-Real, professor jubilado da Universidade de Évora, docente em Ciências ULisboa durante mais de 30 anos, faleceu a 31 de outubro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Saiba mais sobre a síndrome de burnout, na rubrica habitual da psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

Há um buraco negro supermassivo, escondido, no centro da Via Láctea anunciou o ESO. O GRAVITY, que tornou possível esta observação, foi desenvolvido por um consórcio internacional, do qual fazem parte investigadores de Ciências ULisboa e da FEUP, integrados no CENTRA.

Ciências ULisboa, através do cE3c e do IDL, é um dos 37 membros fundadores do Centro de Competências na Luta contra a Desertificação criado pelo Governo este verão.

Contributo da HortaFCUL para a sustentabilidade do campus em 2017/2018.

Novo ano escolar… Vida nova para muitos caloiros… Recorde a sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2018/2019 e conheça as histórias de alguns deles.

O novo doutoramento da ULisboa foi concebido no âmbito do Colégio Food, Farming and Forestry e junta 42 professores de 17 faculdades e institutos da ULisboa. A primeira edição conta com 14 alunos.

Vanda Brotas, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do MARE ULisboa, é a coordenadora do projeto Portwims, no âmbito do qual investigadores do MARE ULisboa participam em cruzeiros oceanográficos.

A ação COST CA 16118 ou Neuro-MIG visa o estabelecimento de uma rede de médicos e cientistas para o estudo das malformações do desenvolvimento cortical humano. Em setembro passado a comissão de gestão e os grupos de trabalho desta rede estiveram reunidos em Ciências ULisboa.

A rubrica No Campus com Helder Coelho está de volta: “O que o homem tem necessidade, quando enfrenta o complexo, é de ‘agentes’ com um pouco de mais inteligência (estendida, aumentada) e de ajuda (cooperação, colaboração)”.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Paulo Motrena, técnico superior do Gabinete de Organização Pedagógica da Direção Académica de Ciências ULisboa.

Cerca de 90 alunos do Colégio S. João de Brito visitaram o DQB e DG Ciências ULisboa. O projeto educativo desta escola contempla a dinamização de atividades relacionadas com as ciências experimentais, destinadas a enriquecer as aulas de Estudo do Meio.

José Francisco Rodrigues, professor do DM e investigador do CMAFcIO de Ciências ULisboa, escreve sobre a interação profícua entre a Matemática e a Biologia, no Ano da Biologia Matemática, que celebra o extraordinário progresso das aplicações matemáticas na Biologia.

"Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal" está nomeada para o prémio internacional Best Climate Solutions 2018. É o único projeto ibérico a concurso.

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Sara Magalhães, professora do Departamento de Biologia Animal, investigadora do cE3c, e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia do site da Faculdade.

“Tomar consciência do tipo de relação que se tem connosco pode ser muito importante, na medida em que nos ajuda a perceber de que forma andamos ou não a cuidar de nós próprios”, escreve Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, na sua rubrica habitual.

Páginas