Do incêndio da Politécnica aos C´s

E agora?

Pormenor de uma palmeira

Os dias começavam quase sempre da mesma maneira. Era como se os meus pés já conhecessem o caminho: saía de Campo de Ourique, começava a andar, e, de repente, dava comigo a entrar na Avenida das Palmeiras

João Correia de Freitas, aluno do 2.º ano do curso de Biologia, ano letivo 1977/1978
Rosto de Jorge Maia Alves
Jorge Maia Alves
Fonte ACI Ciências

Ali estava eu em resultado de uma decisão quase colectiva de um grupo de amigos no meio de uma noite de copos: porque é que não vamos todos para Física? E fomos. E ainda hoje recordo a primeira impressão de um edifício recheado de história cuja visão tornava absolutamente claro que ali começava uma etapa diferente da minha vida. Os tempos também ajudavam, claro: todos tínhamos a sensação de que tudo podia acontecer desde que saíamos de casa de manhã até que voltávamos. Até mesmo ter um exame de Mecânica com consulta que durava no mínimo oito horas, com almoço e lanche pelo meio. Ou ter o privilégio de assistir às aulas do Professor Andrade e Silva que me abriam linhas de pensamento completamente novas.

Os dias começavam quase sempre da mesma maneira. Era como se os meus pés já conhecessem o caminho: saía de Campo de Ourique, começava a andar, e, de repente, dava comigo a entrar na Avenida das Palmeiras. Pelo caminho, a minha cabeça ia vagueando entre ideias mais ou menos difusas sem nada a atrapalhar. Às vezes, tinha mesmo a sensação de acordar ao entrar na Avenida das Palmeiras, como se nada se tivesse ainda passado naquele dia antes disso. Nem sei mesmo se isso não chegou a acontecer algumas vezes.

E agora? Esquerda ou direita?

Agora era diferente. No fim da Ferreira Borges surgia sempre a mesma dúvida que me tolhia o passo: onde são as aulas hoje? E eu, traído pela minha própria desorganização, fazia todos os dias o mesmo esforço para encontrar uma qualquer lógica que me ajudasse a decidir para onde ir naquele dia. Politécnica? 24 de Julho? É claro que ter um horário comigo ajudaria...

Naquele dia tinha tido o palpite certo, sem dúvida ajudado pelo facto de o semestre ir já longo e me ter conseguido habituar a uma sequência sem lógica aparente. E tinha conseguido chegar a tempo a uma daquelas aulas que nos deixa a pensar durante um par de horas. De repente, vem-me uma ideia à cabeça sobre um ponto que me tinha deixado desconfortável. E se…?

- D. Maria, sabe se o Professor Bragança Gil está cá?

- Não menino, o Senhor Professor foi dar uma aula à 24 de Julho e já não volta hoje. Mas amanhã vem cá.

Amanhã?! Agora é que eu precisava de arrumar esta gaveta na minha cabeça, pensei. Amanhã, o mais certo é já não conseguir ter as ideias tão claras. Olhei para ela e pensei: coitada, ela preocupada com aquele último rim que já mal funciona e eu a massacrar-lhe o juízo com uma pergunta que queria fazer a um professor.

- Obrigado, disse. Falo com ele amanhã.

É claro que não falei.

Era como se o incêndio tivesse varrido o próprio espírito universitário. De repente, o ambiente era outro. Tínhamos deixado de ter uma espécie de casa comum, na qual nos encontrávamos diariamente e onde podíamos conversar sobre tudo. Mesmo que nada tivesse a ver com o que estávamos a estudar. E o Arlindo? Como é que o Arlindo ia sobreviver a isto? Desde que tinha resolvido começar a estudar Quântica por sua conta e risco andava estranhíssimo: chegava de eléctrico, ficava algum tempo a olhar para as palmeiras, apanhava o eléctrico, saía no Largo do Rato, voltava a apanhar o eléctrico para a Politécnica, e assim sucessivamente. Sempre bem-disposto. Sempre com aquele ar ausente de quem tinha descoberto o caminho. Como iria agora compor a rotina que o mantinha vivo?

Nota de redação: O autor não segue o atual Acordo Ortográfico.

Jorge Maia Alves, aluno do 2º ano do curso de Física em 1978
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas