Opinião

E quando a terra tremer, sabes o que fazer?

Hoje celebra-se o Dia Internacional para a Redução de Catástrofes. Em Portugal, às 10h13m, individualmente ou em grupo, e onde quer que estejam, vários cidadãos vão fazer um simulacro de sismo.

Este simulacro, no qual todos podem participar, é inspirado no exercício ShakeOut. Este ano, cerca de 25 milhões de pessoas espalhadas por todo o mundo vão participar no ShakeOut executando em conjunto as três ações de autoproteção durante um sismo: baixar, proteger, aguardar.

pub institucional
Três ações de autoproteção durante um sismo

E em Portugal, temos de nos preocupar com os tremores de terra? A resposta dos Portugueses a esta pergunta tende a ser polarizada: quem já vivenciou um sismo forte (por exemplo, o sismo de Fevereiro de 1969 — um sismo grande, de magnitude 7.9, com epicentro ao largo do cabo de S. Vicente) tem uma perceção elevada do risco sísmico. Estas pessoas sabem que Portugal é por vezes abalado por sismos fortes. As pessoas que nunca sentiram um sismo forte (muitas nunca sentiram um sismo de todo) tendem a pensar que os tremores de terra são eventos que acontecem noutros lugares, a outras pessoas.

Na verdade, Portugal é um país com uma longa história de sismos destrutivos. Portugal continental situa-se ao lado da fronteira entre duas placas litosféricas (também chamadas placas tectónicas): Euroasiática e Africana. A colisão entre estas duas placas deforma a camada mais superficial da Terra, a litosfera, que acaba por quebrar, gerando sismos. O movimento entre as duas placas é lento, por isso a deformação litosférica em Portugal é lenta, e todo o ciclo sísmico de acumulação e libertação de tensão também é lento. Consequentemente, os intervalos entre sismos são em geral longos. O que por um lado é bom: não temos sismos frequentes que causem danos. Mas por outro lado é mau: como não temos sismos que causem danos frequentemente, perdemos a memória coletiva do risco sísmico, e a população eventualmente reverte para um sentimento de falsa segurança. Os sismos fortes em Portugal são eventos extremos: ocorrem raramente, mas têm o potencial de causar uma enorme destruição.

Tira cinco minutos durante o dia de hoje para rever os sete passos para estares mais preparado e bem protegido durante um sismo. E às 10h13, dia 13/10, não te esqueça de baixar, proteger, aguardar. Um dia que sintas um tremor de terra, o teu corpo vai lembrar-se mais fácil e rapidamente do que deve fazer.
 

Mapa
Mapa de Portugal continental. Portugal continental está localizado a norte do limite entre as placas da Núbia (África) e Ibéria (Eurásia). Nesta região, a fronteira entre placas acomoda uma convergência oblíqua orientada noroeste-sudeste, que ocorre a uma taxa lenta da ordem de 4 mm/ano. A figura mostra a topografia no fundo oceânico adjacente, falhas potencialmente ativas (linhas verdes) identificadas na base de dados europeia de falhas sismogénicas (EDSF), a falha da Glória (linha azul) que localiza o limite entre as placas de acordo com o modelo NNR-MARVEL56 [Argus et al., 2011], sismos históricos com magnitude superior a 5,5 (círculos coloridos) identificados na base de dados do SHARE European Earthquake Catalogue (SHEEC), e a sismicidade registada instrumentalmente desde 1961 (pontos roxos)
Fonte Cedida por SC

Em agenda
Integrado no Dia Internacional para a Redução das Catástrofes, realiza-se uma homenagem póstuma ao Professor Mendes Victor, professor da Faculdade de Ciências da ULisboa que dedicou a sua vida ao estudo da geofísica e da sismologia.

Susana Custódio, investigadora do Instituto Dom Luiz
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Páginas